CLEMILDO BRUNET DE SÁ

REDIRECIONANDO O TEMPO!

CLEMILDO BRUNET* O tempo vai... O tempo vem.... É o que diz uma canção popular. Por que nos preocupamos tanto com o tempo? Isso não é de hoje; na época do apóstolo Paulo as pessoas já tinham essa preocupação, pois, ele escreveu aos seus contemporâneos o seguinte: “Guardais dias, e meses, e tempos, e anos” Gálatas 4:10. Será que estamos preocupados com tempo por causa da idade? Não queremos a morte, mas, também não queremos o envelhecimento. Estamos no final do ano da Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo de 2007. Nesta época do ano as casas comerciais estão mobilizadas no sentido de atender a demanda na venda de seus produtos e oferecem todas as vantagens possíveis para proporcionar a sua clientela a economia tão desejada pelos que aproveitam esse tempo para o consumismo. Chega-nos a notícia que para os setores lojistas dos shoppings, este ano foi o melhor dos dez anos e o aumento de consumo tem sido da classe de menor renda. As vendas em dezembro de 2007 foram entre 10% e 12% maiores que em 2006. Tudo isso se deve ao aumento do emprego formal, crescimento de renda, facilidade de crédito e crescimento dos cartões de crédito. Este é um tempo que cada ano se repete! Quase todos, começam a fazer um balanço do que realizou no ano que está se findando. E começam a redirecionar o foco das coisas com perspectivas para o novo ano. Quando eu tinha 20 anos e que ouvia falar de alguém que estava com 40, eu dizia comigo mesmo; como fulano está velho! Em Pombal tinha um cidadão (já é falecido), gostava de relacionar os anos de vida do ser humano contando os dedos da mão: O polegar representava 10 anos de vida, o indicador 20 anos, o maior de todos 30, depois deste o declínio, o anelar 40 e o mínimo 50. Assim é nossa vida dizia ele. As festas de fim ano geralmente nos trazem alegria, mas, ao mesmo tempo um misto de nostalgia. Não sabemos explicar o que acontece dentro da gente. Será que é a lembrança das coisas boas do passado que não acontecem mais nos dias de hoje? Será falta de sinceridade nas pessoas? Ou a palavra não cumprida pelos que prometem? Serão os nossos recursos financeiros tão escassos nos dias de hoje? Será, por acaso, a ausência de nossos entes queridos que já se foram e continuam na nossa mente quando chega a época do natal? Será também um misto dos males que fazemos e muitas vezes sobrepujam o bem? A bíblia fala desse momento indeciso: “Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum, pois o querer o bem está em mim; não, porém, o efetuá-lo. Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço” Rm. 7:18,19. Há pessoas que durante todo ano tem a preocupação de falar da vida dos outros sem olhar para si e para os de sua família. Neste momento de reflexão é bom que essas pessoas examinem o que o apóstolo Tiago tem a dizer: “Cobiçais e nada tendes; matais e invejais, e nada podeis obter; viveis a lutar e a fazer guerras. Nada tendes; pedis e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres.” Tg. 4: 2,3. Nesta época do ano as estatísticas são sempre comparadas a do ano anterior ou anteriores. No penúltimo programa de rádio "Café com o Presidente" do ano, que foi ao ar nesta segunda-feira, o presidente Lula disse estar muito feliz neste Natal. Ele comemorou o fato de 20 milhões de brasileiros terem migrado das classes D e E para a classe C e afirmou que os pobres estão virando consumidores. O presidente citou ainda a criação de quase dois milhões de empregos e o bom momento da economia brasileira.(Fonte: CBN EXPRESS). Nesta semana ouvi no noticiário de uma rádio cearense que o álcool combustível havia tido um aumento no preço neste final de ano, em 12,6%, e veja que os nossos carros agora possuem alternativas de gasolina ou álcool conforme a preferência do proprietário. Ele que faça as contas onde sai ganhando. No Noticiário televisivo vimos que as compras realizadas este ano pelos consumidores brasileiros, foram 45% via online, isto é, pela Internet, por considerarem os preços mais acessíveis e ainda por cima, não sendo necessário sair de casa para fazer compras. Mais um ano chega ao fim. Este é um momento de se lançar um olhar retrospectivo e perguntar: Onde acertamos ou onde erramos? O Que significou para você o ano de 2007? Quais são as suas esperanças em relação ao ano de 2008? Muitos projetos e planos estão sendo traçados como metas para atingirem os objetivos das pessoas. Quais são os seus? Para o ano que vem; eleições municipais, e os agentes políticos chegarão novamente com suas promessas mirabolantes com a intenção de merecer o seu voto. Vale apena refletir. Aprende a compartilhar com o seu semelhante o sucesso do que você produz e que é fruto do seu trabalho. “A quem dá liberalmente, ainda se lhe acrescenta mais e mais; ao que retém mais do que é justo. Ser-lhe-á em pura perda. Pv. 11:24. No início deste artigo eu fiz uma pergunta: Por que nos preocupamos com o tempo? O tempo passa por nós ou somos nós que passamos pelo tempo? O sábio Salomão declara: “Tudo tem seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu”Ec. 3:1. A bíblia diz que: “Acabam-se os nossos anos como um breve pensamento, tudo passa rapidamente e nós voamos”. Malba Tahan Escreveu: “ aprende a gravar na pedra Os FAVORES que receberes, Os BENEFÍCIOS que te fizeram, As PALAVRAS de carinho, simpatia e estímulo que ouvires. “Aprende, porém, a escrever na areia as INJÚRIAS, as INGRATIDÕES, as PERFÍDIAS e as IRONIAS que te ferem. “Aprende a gravar assim na pedra, “Aprende a gravar assim na areia.... “e serás feliz”. Desta maneira poderemos redirecionar o Tempo e ter um novo ano muito feliz! *RADIALISTA. WEB: http://clemildo-brunet.blogspot.com/ CONTATO: brunetcomunicador@hotmail.com

MASSILON GONZAGA: O RÁDIO & A MÚSICA!

CONTADO POR MACIEL GONZAGA* (Foto de Massilon arquivo Clemildo) Torna-se difícil para qualquer ser humano a expressão de admiração, aprovação e o discurso em louvor de alguém encômio. Mas, como neste Blog a orientação é para que se fale sobre as coisas do rádio ou suas derivações, estou optando pelo auto-elogio que, na verdade, é muito mais por uma questão de justiça que, de conformidade com o direito, é a virtude de dar a cada um aquilo que é seu. Quero falar de um dos mais ecléticos filhos de Pombal: Massilon Gonzaga de Luna. Nascido na rua Vicente de Paula Leite, filho de José Firmino de Luna (o Alegria da Brasil Oiticica) e Roza Gonzaga de Luna (conhecida por “Roza Rica”), Massilon é o segundo de uma prole de três filhos, todos criados tomando banho no rio Piancó e estudando em escola pública. Aos 8 anos de idade, o “Nego” Massilon, como era carinhosamente chamado por seus amigos de infância, já dizia que tinha um sonho: tocar sanfona igual ao seu padrinho Severino Daniel, um dos maiores tocadores de Fole de 8 Baixo da nossa cidade. Sua mãe logo comprou uma pequena sanfona de 12 baixos e encaminhou-o para a jovem Terezinha (de Dr. Jefferson) lhe dar aulas de música. A professora, que tinha um acordeom de 120 baixos, queria que o menino de pouco mais de 10 anos de idade já tocasse num grande instrumento, o que era uma malvadeza. O tempo passa! Era década de 60, época em que as crianças tinham que trabalhar para ajudar aos pais no sustento da família. Massilon não queria estudar e dizia para a sua mãe que a sua sina seria trabalhar, fazendo questão de antecipar qual o tipo do trabalho que gostaria: apanhar algodão no Rogério ou carregar água em uma jumenta. Acabou seguindo a segunda opção. Mas, com pouco mais 15 anos de idade, o menino resolveu seguir o caminho do rádio e tornou-se um dos locutores do Lord Amplificador, sob o comando de Clemildo Brunet de Sá. Em 1972, sua família teve que se transferir para Campina Grande. Com uma voz insigne e prodigiosa, o primeiro emprego de Massilon, com 20 anos de idade, foi na Rádio Borborema (Diários Associados), levado pelas mãos do grande Gilson Souto Maior que, em um teste, descobriu estar diante de um gênio da comunicação. Tornou-se um dos melhores locutores da “Rainha da Borborema”. Intrépido, impávido, arrojado, destemeroso, sabia fazer de tudo no rádio. Era requisitado para as gravações dos melhores comerciais da cidade. Tornou-se um excelente narrador de futebol; apresentava a “Patrulha da Cidade” com exímia competência; fazia um programa de forró às 5h da manhã, acordando a cidade, com uma audiência estrondosa. Em certa ocasião, no dia 10 de abril ele chegou a fazer uma demorada entrevista com Luiz Gonzaga, recebeu inúmeros telefonemas e no final do programa disse que tudo era brincadeira e que Luiz Gonzaga não estava ali, era ele mesmo (Massilon) quem imitava a voz do Rei do Baião. Com o passar dos anos chegou a ser Diretor Comercial da Rádio Cariri, também integrante dos Diários Associados. Com a sua audácia e competência, “nego” Massilon foi convidado para ser o locutor oficial da Prefeitura de Campina Grande, na administração do prefeito Ronaldo Cunha Lima e, posteriormente, nas administrações de Cássio Cunha Lima. Voltou a estudar, formou-se em Comunicação Social e tornou-se um dos brilhantes professores da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), lecionando a disciplina de Rádio Jornalismo. A amizade e, principalmente, o seu competente trabalho nas campanhas políticas dos Cunha Lima, lhe valeu a concessão que lhe fora dada de uma emissora de rádio – a Rádio Ariús-FM (87.9) – hoje uma das mais populares da cidade Rainha da Borborema, da qual é diretor-presidente. Já cinquentão, Massilon resolve reaver o projeto de tocar sanfona. Queria, então, cumprir a promessa feita à sua “mãe Roza”. Torna-se aluno da maior autoridade em acordeom em Campina, o maestro Edmar Miguel, regente da Orquestra Sinfônica. Além de aprender a tocar, aprende também a cantar e se transforma num exímio cantor de forró, já tendo gravado vários CD´s e sendo um dos cantores mais requisitados no Maior São João do Mundo. Havendo criado uma amizade estreita com o poeta-político Ronaldo Cunha Lima, que perdura até os dias de hoje, Massilon ganha de presente de Ronaldo um acordeom, considerado o que há de mais moderno nos dias atuais. Esse insigne, admirável e prodigioso comunicador, que conseguiu galgar postos no rádio, na comunicação e na música no Estado da Paraíba, saiu do rádio pombalense e, mais precisamente, da escola de Clemildo Brunet. O menino, filho de uma lavadeira de roupas, que saiu de Pombal para uma cidade grande na busca de dias melhores, hoje é empresário de vários negócios e com planos ainda maiores para o futuro, que é investir no setor de turismo na região de Galante, distrito de Campina Grande. Assim é o “nego” Massilon, absolutamente fascinante, um homem lúcido nas palavras, de postura descontraída e, ao mesmo tempo, com uma grande profundidade naquilo que comunica e um coração sem tamanho. É por isso que neste artigo, independente dele ser meu irmão consangüíneo aqui deixo a minha homenagem a esse pombalense grande vulto da comunicação paraibana. *JORNALISTA,ADVOGADO,APRESENTADOR DE TV E PROFESSOR.

FILIGRANAS DO NATAL!

CLEMILDO BRUNET* Há muito tempo que a humanidade não compreende o verdadeiro sentido do Natal e alguns fatos relacionados com o nascimento do filho de Deus. Por essa razão muitos comemoram o nascimento de Jesus Cristo de forma aleatória, não atentando para o seu verdadeiro significado. Quando se deu a queda dos nossos primeiros pais, em meio à sentença condenatória, o Criador lhes fez uma promessa de livramento, dizendo para a serpente: “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”. Gn. 3:15. Dessa promessa, vieram outras da parte de Deus. Houve um homem cujo nome Abrão, que por causa de sua fé em Deus, passou a ser chamado Abraão, este foi designado pai de todos que cressem; o Senhor lhe disse: “Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai e vai para terra que te mostrarei; de ti farei uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome. Sê tu uma benção”. Gn.12:1,2. Essa Nação a quem o Senhor Deus fez referência era o povo de Israel que passou quatrocentos e trintas anos em regime de escravidão na terra do Egito. Deus lhes fez a promessa de um libertador. A maioria não entendeu e muitos hoje ainda não entendem. Muitos e muitos anos depois o Senhor anunciou outro libertador de forma estranha a compreensão humana: “Portanto, o Senhor mesmo vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel”. Is.7:14. Mas, como compreender isso meu Deus! Uma virgem dar à luz um filho? Eles não entenderam; José esposo de Maria também não! E aqui eu me deparo diante do que se diz por aí e a bíblia não registra: José fez voto de CASTIDADE. Como? Se o relato bíblico registra: “ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: estando Maria, sua mãe desposada com José, sem que tivessem antes coabitado, achou-se grávida pelo Espírito Santo. Mas José, seu esposo, sendo justo e não a querendo infamar, resolveu deixá-la secretamente. Enquanto ponderava nessas coisas, eis que lhe apareceu, em sonho, um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher, porque o que nela foi gerado é do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles... Despertado José do sono, fez como lhe ordenara o anjo do Senhor e recebeu sua mulher. “Contudo, não a conheceu, enquanto ela não deu à luz um filho, a quem pôs o nome de Jesus” Mt.1:18-21,24 e 25. José fez como lhe ordenara o anjo do Senhor, recebeu sua mulher. Contudo, não a conheceu (coabitou), enquanto ela não deu à luz a Jesus. È óbvio que depois ele coabitou com ela. È inconcebível que um homem tenha se casado e fosse fazer voto de castidade. Nesse caso, viria logo a separação. A Bíblia diz: “Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem”. Mc.10:9. E o anjo ordenou: “Não temas receber Maria tua mulher”. E para clarividência dos leitores, mais adiante a expressão bíblica declara.... “Estando Maria, sua mãe, desposada com José, sem que tivessem antes coabitado” O texto é claro, se fala antes, é porque coabitaram depois. Outro ponto de vista que me deparo e fico a pensar é sobre o motivo pelo qual Maria mãe de Jesus, depois do resguardo foi ao templo oferecer o sacrifício que era imposto pela lei de Moisés. É, porque Alguns acreditam que em virtude dela ter sido escolhida por Deus para ser a mãe do Salvador, já veio a este mundo sem pecado e como compreender esse sacrifício que ela fez cumprindo o ritual da Lei? Vejamos o que dizia a Lei de Deus dada a Moisés para ser cumprida pelo seu povo: “Disse mais o Senhor a Moisés: Fala aos filhos de Israel: Se uma mulher conceber e tiver um menino, será imunda sete dias: como nos dias de sua menstruação, será imunda”.....”Depois, ficará ela trinta e três dias a purificar-se do seu sangue”.... “E, cumpridos os dias da sua purificação por filho ou filha, trará ao sacerdote um cordeiro de um ano, por holocausto, e um pombinho ou uma rola, por oferta pelo pecado, à porta da tenda da Congregação”. “O sacerdote o oferecerá perante o Senhor e, pela mulher, fará expiação; e ela será purificada do fluxo do seu sangue; Esta é a lei da que der à luz menino ou menina”. Lv 12:1, 4,6 e 7. Se alguns pensam que ela foi concebida sem pecado, Maria nunca pensou desse modo. Ao ouvir a saudação do anjo Gabriel, perturbou-se muito e ficou a pensar no significado da saudação feita pelo anjo, e, por conseguinte, Não teria ignorado as palavras do mensageiro de Deus. “Então disse Maria ao anjo: Como será isto, pois não tenho relação com homem algum? Lc. 1:29,34. Por outro lado, na saudação feita a Isabel sua parenta, jamais teria dito: “A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador” Lc.1:46. E Jesus veio buscar e salvar o que se havia perdido. Lc.19:10. Por ocasião de um casamento em Caná da Galiléia, Maria mãe de Jesus, reconhecendo a ineficácia de sua condição humana para resolver o problema da falta de vinho, referindo-se ao seu filho, disse aos serventes: “Fazei tudo o que ele vos disser” Jo.2:5. Longe de nós, desmerecermos o nome honorífico dado pelo anjo a Maria; “alegra-te, muito favorecida! O Senhor é contigo. Maria, não temas; porque achaste graça diante de Deus.” Lc.1:28,30. Só não podemos concordar que Maria seja partícipe da Divindade de Jesus. Há uma curiosidade muito interessante nesse aspecto: Jesus como homem, tem mãe e não tem pai. Como Deus, ele tem pai e não tem mãe. O encontramos ensinando os seus discípulos a orar dizendo: “Pai nosso que estás no céu santificado seja o teu nome” e assim por diante. Em frente ao túmulo de Lázaro, quando estava para ressuscitá-lo; e Jesus levantando os olhos para o céu, disse: “Pai graças te dou porque me ouviste”. No momento cruciante de sua morte na cruz ao entregar sua mãe aos cuidados do discípulo amado disse: “Mulher, (e não mãe), eis aí teu filho”. Em Caná da Galiléia caso que me referir a pouco,quando sua mãe vem lhe comunicar a falta do vinho, Jesus responde: “Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora”. Jo. 2:4. De outra feita ele pergunta: “Quem é minha mãe e quem são meus irmãos? E, estendendo a mão para os discípulos, disse: Eis minha mãe e meus irmãos. Porque qualquer que fizer a vontade de meu pai celeste, esse é meu irmão, irmã e mãe”. Mt. 12:48-50. Anualmente José e Maria iam à festa da Páscoa em Jerusalém, um dia, seus pais o perderam de vista e começaram a procurá-lo, Jesus foi encontrado no meio dos doutores, logo que eles o viram, ficaram maravilhados; e sua mãe lhe disse: “Filho, por que fizeste assim conosco? Teu pai e eu, aflitos, estamos à tua procura”. E Jesus respondeu: “por que me procuráveis? Não sabíeis que me cumpria estar na casa de meu Pai”? Lc. 2:48,49. O Apóstolo Paulo considera o raciocínio dos sábios, loucura. “E mudaram a glória de Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, bem como de aves, quadrúpedes e répteis. Pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém”. Rm.1:23,25. Neste natal faça reflexões na palavra de Deus. Por causa da rejeição das pessoas, Jesus nasceu numa estrebaria, no entanto, a mensagem trazida aos pastores por intermédio da milícia celestial foi esta: “Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, o que será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor”. Lc. 2:10,11. FELIZ NATAL! BONS ANOS! *RADIALISTA WEB: http://clemildo-brunet.blogspot.com/ CONTATO: brunetcomunicador@hotmail.com

UMA VOLTA AO PASSADO!

CLEMILDO BRUNET* “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança.” Lm. 3:21. De vez em quando é bom dar uma volta no tempo e lembrar épocas que marcaram em nossas vidas, principalmente aquelas que consideramos como positivas fazendo contra ponto com o que acontece nos dias atuais. Nas décadas 40 a 60, os jovens usavam calça “rancheira”, (a nossa jeans de hoje), “Gumex” ou “glostora” para fixar o cabelo rebelde, sapatos “mocassin” e dançavam mambo, bolero, samba, baião e rock and roll. As garotas desfilavam de rabo de cavalo, saias rodadas, sapatos baixos, óculos gatinho e a sexy blusa de banlon; época em que o rádio exercia sua influencia com seu grande poder de penetração. Se os velhos tempos não voltam mais, pelo menos na nossa memória, eles existem. Conversando com pessoas que viveram sua juventude nesses tempos, elas me disseram que já não freqüentam as festas dançantes realizadas hoje, tendo em vista a diferença da qualidade musical,que as obrigam a ficar sentadas o tempo todo, pois para elas não fazem o seu gênero. Lembro-me,quando criança, comecei a despertar o interesse pela arte da comunicação. Criado em lar evangélico, recebendo as instruções de minha mãe (duas que tive) uma biológica e outra que era chamada mãe preta, (esta nunca casou) mas cuidou de toda irmandade; ela não sabia ler, me chamava todas as noites para ler uma porção da bíblia. Cheguei a fazer cultos em casa,reunindo a meninada, depois ia para porta cumprimentar a cada um,imitando o gesto do pastor a porta do templo. Ainda quando menino cheguei a usar caixas de papelão em formato de amplificador utilizando pregos e fixando nelas fichas de garrafas, como se fossem os potenciômetros que serviam de volumes. Não sei como, cheguei a descobrir por mim mesmo, uma maneira de emitir som de voz, através de duas caixas de pó (talco) cujo fundo era de flande, amarrava com palito de fósforo por dentro dessas caixas um arame, esticando-o de uma extremidade a outra em árvores no muro de minha casa. Tempos depois, já aos dez anos de idade, comecei a tomar gosto pelo gênero musical da época. Músicas que tinham conteúdo de letra com mensagens maravilhosas, existindo uma harmonia entre os acordes melodiosos e a interpretação. Nesse tempo, apareceu em Pombal uma rádio pirata que funcionava no primeiro andar do Grande Hotel. Logo tomei interesse e comecei a freqüentar o Studio. Foi ali o meu primeiro passo na radiofonia pombalense, iniciando como operador de mesa de som ou simplesmente controlista. Aos doze anos, adentrei a Difusora Maringá de Propriedade do Sr. Raimundo Lacerda, mais conhecido por Raimundo Sacristão. Era um serviço de alto falantes com projetores de som espalhados pela cidade. Nesse ínterim comecei a falar em microfone incentivado por Zeilto Trajano que já era locutor. Logo a seguir fui chamado para fazer propagandas em porta de loja. E quando não estava nessa atividade, aproveitava a semana para fazer programas musicais na Difusora das Lojas Paulista, que depois veio a ser Casas Pernambucanas; usava esse serviço de som, como se fosse um Studio de rádio com todo seu aparato. Em 1966, instalei em Pombal, ao Lado Sul do Mercado Público, Box 48, uma emissora de Rádio denominada “A VOZ DA CIDADE”, não podíamos chamá-la de rádio, colocamos alto falantes em pontos estratégicos da cidade, dando a conotação de que se tratava de um serviço de alto falantes, embora penetrasse com suas ondas sonoras nos receptores das casas. A Voz da Cidade como diz o companheiro Genival Severo “foi uma verdadeira universidade do rádio”, pois muitos que ainda hoje militam em meios de comunicação, aprenderam ali e se projetaram na radiofonia de modo geral. Após dois anos de funcionamento “A VOZ DA CIDADE” por força de uma fiscalização foi desativada, vindo a nascer daí em fevereiro de 1968 o Serviço de Alto Falantes “LORD AMPLIFICADOR” que foi outro marco na história de formação de profissionais. Era conhecido como o mais perfeito serviço de Alto Falantes. Funcionou de 1968 a 1985. Em 1982 – Fui convidado pelo Grupo Pereira – Deputados Francisco Pereira e Adauto Pereira, para fazer parte do cast da Rádio Maringá AM de Pombal no seu corpo direcional, assumindo a função de Gerente Comercial da Empresa. È claro que tive de exercer outras atividades Como: Diretor Artístico da emissora, além de locutor de programas musicais e jornalísticos. Em 1989 – Ingressei na Rádio Bonsucesso AM de Pombal, na condição de redator chefe do jornalismo da Emissora, além é claro, de outras atividades dentro do rádio, como locutor, criador de programas, comentarista e outros apetrechos do ramo. Em 1993 – Adentrei na Rádio Alto Piranhas de Cajazeiras, levado pelas mãos do Prefeito de então, José Nello Zerinho Rodrigues, que junto à direção daquela emissora conseguiu a minha contratação. Zerinho, como é carinhosamente tratado pelos cajazeirenses, é um empresário bem sucedido, titular dos Transportes Marajó, empresa essa que tive o privilégio de ser o seu primeiro gerente em Pombal, na época do Lord Amplificador. Na Alta Piranhas exerci atividades jornalísticas em reportagens externas e coadjuvante de Fernando Caldeira no Programa “Rádio Vivo”, além de apresentar o Programa “Trem das Onze” aos domingos. Foi uma temporada curta (três meses) na Rádio Alto Piranhas, porém muito proveitosa. Logo em seguida o Deputado Leví Olímpio me convidava a retornar a Pombal, para assumir a Direção Comercial das Rádios Bonsucesso AM e Liberdade FM. Servir a essas emissoras por dez anos consecutivos. Como conseqüência de um enfarte, adquiri uma cardiopatia e por recomendação e atestado do médico cardiologista Dr. Wellington Onias junto à perícia médica do INSS, fui afastado das atividades laboratoriais por dois anos recebendo o beneficio do auxílio doença, vindo depois com o progresso da doença, aposentadoria. Essa é a minha volta ao passado hoje. Poderemos voltar ainda contando outros fatos da minha vida no rádio. FELIZ NATAL E BONS ANOS! *RADIALISTA WEB: http://clemildo-brunet.blogspot.com/ CONTATO: brunetcomunicador@hotmail.com

A DÁDIVA DO PERDÃO!

CLEMILDO BRUNET* (Foto)

 Perdoar é divino. O perdão vem de Deus. Estamos vivendo os últimos momentos de mais um ano que se finda. O Natal está próximo, podemos sentir uma euforia nesta época, em dar e receber presentes; mensagens são enviadas entre parentes e amigos desejando votos de boas festas e felicitações para o ano que vai nascer. Tudo isto é muito bom, desde que compreendamos o sentido dos acontecimentos em torno dessa situação.

O advento do Messias para humanidade da parte do Criador é o perdão dos pecados, por ser Ele o Messias, o único que tem poder na terra para perdoar pecados.

Em sonho, um anjo do Senhor apareceu a José, dizendo: “José, filho de Daví, não temas receber Maria, tua mulher, porque o que nela foi gerado é do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles” Mt. 1:20-21.
Jesus é apontado por João Batista como: “O Cordeiro de Deus que tira o pecado mundo”. Então, a mensagem do Natal é: Deus perdoando a humanidade pecadora.

Este perdão que vem de Deus é uma extensão que deve existir nos seres humanos constituindo-se em um elo de reciprocidade. Reporto-me agora o que disse o deputado Federal Vittorio Mediole do PSDB de Minas Gerais, fazendo uma apologia do perdão, quando ocorreu o ataque terrorista de 11 de setembro de 2001 as Torres gêmeas em Nova York. “O perdão pode abrir uma nova página de paz na história da humanidade. Cabe aos norte-americanos ter a coragem e a sabedoria de virá-la, iniciando o primeiro capítulo da maior revolução (Pacífica) que a humanidade já viu” Folha de São Paulo 15/09/2001. O que não aconteceu!

Pesquisadores da Universidade do Tennesse descobriram o que muita gente não sabe: Perdoar pode ser uma ótima medida para a saúde fazendo baixar a pressão arterial, reduzindo tensão, estresse e ansiedade. Guardar os sentimentos negativos a quem o tenham causado aborrecimentos, por outro lado, tem o efeito contrário. Aumenta os níveis de estresse e leva à hipertensão. Depois de analisar os músculos da fonte, pressão arterial, batimentos cardíacos e suor de 107 estudantes universitários, os pesquisadores observaram que, entre aqueles que perdoavam mais facilmente os sintomas de tensão eram reduzidos. Justamente o oposto do que ocorria com os que se mostravam resistentes em fazer o mesmo.

Entre os menos propensos a perdoar, estão às mulheres. São elas mais dispostas a prolongar a briga com quem às tenha ofendido. Em conseqüência, também são elas que apresentavam os níveis mais altos de pressão arterial e estresse. Há muitas interpretações de especialistas sobre o perdão. Mas, elas se encerram quase sempre num ponto de consenso: “Uns acham que perdoar não é esquecimento ou reconciliação, mas que se trata de deixar para trás os sentimentos negativos”. Já outros, acham que a palavra adequada é entendimento: “Nem perdoar, nem punir, mas entender o que está acontecendo” Voltar-se para o outro com compreensão, sabendo que na vida nem sempre as coisas saem como a gente planejou ou imaginou.

E Agora? Seja qual for o seu entendimento sobre o perdão, o mais forte argumento para o perdão é a alternativa: Um permanente estado de falta de Perdão. Só o perdão derruba a lei de que para cada atrocidade tem de haver outra atrocidade igual e oposta.

Massakata Ota, comerciante japonês radicado em São Paulo, cujo filho de dois anos foi seqüestrado e morto com dois tiros no rosto em agosto de 1977, definiu o perdão em sua vida da seguinte maneira: “Perdoar é tirar o ódio de dentro de você. É não querer mais o mal da pessoa que fez mal para você. O ódio come a gente. Quando você consegue desculpar sinceramente a pessoa que lhe fez mal, você se sente muito melhor. Perdoar não é bom só para quem é perdoado. É bom para quem perdoa também”.

Jesus Cristo declarou: “Mas aquele a quem pouco se perdoa, pouco ama”. “Deus nos ama muito deu o seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê, não pereça, tenha a vida eterna”. “Se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará. Se, porém, não perdoardes aos homens (as suas ofensas), tão pouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas” Mt.6:14-15. Perdoe seus semelhantes.

Neste Natal, ao invés de palavras e presentes, dê Perdão.

Perdoar é um gesto de amor e faz bem a vida. 
*RADIALISTA 
WEB: http://clemildo-brunet.blogspot.com/ 
CONTATO: brunetcomunicador@hotmail.com

RÁDIO AINDA FAZ ESCOLA

CONTADO POR GENIVAL SEVERO (Foto) Houve um tempo em que a geração dos locutores de rádio na Paraíba nascia da improvisação, consolidava-se na experiência para se destacar no jornalismo radiofônico. Assim, radialistas como Zeiton Trajano, Eurivo Donato e Carlos Abrantes, fizeram uma longa trajetória por “Serviços de Alto-Falantes”, as eternas difusoras e rádios do interior. Nesse contexto é necessário a contribuição do Lord Amplificador e da Rádio Maringá, ambos de Pombal, na formação de profissionais de rádio da Paraíba. Existem na cidade, duas emissoras de “AM”. A Rádio Maringá de Pombal, pertencente ao Grupo Pereira, instalada em 1982(atualmente fora do “Ar”, por ter havido um incêndio em seus equipamentos), e a Rádio Bonsucesso de Pombal, pertencente ao Ex-Prefeito de João Pessoa, Carneiro Arnaud. A história da radiofonia pombalense dista de longos anos. Tudo começou com a Difusora Guarany, pertencente a Manoel Bandeira, instalada no sobrado de Joaquim Assis no ano de 1942, indo até 1947. Os primeiro locutores foram: Agu Rodrigues e o próprio Manoel Bandeira. Como se sabe, em toda cidade do interior os projetores de som eram colocados em cima do Mercado Público e na parte mais alta dos prédios comerciais existentes no centro da cidade. Ali se transmitia em alto e bom som as propagandas das casas comerciais, tocando os mais recentes sucessos pelo centro da cidade. Era comum, algumas pessoas ficar nas esquinas das lojas ou Coluna da Hora para ouvir sua música predileta, uma vez que na época, não existiam radiolas ou sistema de som nos bares ou restaurantes. Com o fim da Difusora Guarany em 1947, aparece no mesmo ano, o Serviço de Alto-Falantes “Tupã” de propriedade do Sr. Rosil Cavalcante de Campina Grande. Os Stúdios dessa nova difusora foram instalados onde hoje funciona o “Restaurante Manaíra” e tinha como locutores: Agu Rodrigues e o Professor Vicente Jardim. Funcionou de 1950 a 1953. Os horários de funcionamento foram sempre de 09h00 às 11, das 15 ás 18 e das 19hoo às 21h00. Os discos eram fabricados de cera de carnaúba merecendo todo cuidado no seu uso, pois se quebravam facilmente. A velocidade era 78rpm. As agulhas eram descartáveis de procedência americana, fabricadas pela RÇA Victor. Afonso Coelho Mouta (já falecido), sempre primava pela boa qualidade de som e a melhor discoteca da cidade. Sempre atualizado com a música e por ser proprietário na época da Sorveteria Tabajara, instalou com equipamentos Phillips importado da Holanda, o Serviço de Alto-Falantes – Difusora Tabajara, do ano de 1954 até o ano de 1956. Com a venda da Sorveteria, Afonso passou a ser proprietário do Cinema local, quando mudou a denominação de sua difusora para Difusora Rádio Lux de 1957 até janeiro de 1961. Nesse período de 1954 a 1961, trabalharam como locutores: Jairo Mota, Ivânio, João Rapadura, Anchieta de Lourenço José, Raminho de Antonio Bezerra, José Geraldo, Maria Alice, Lucrecia Formiga e Jurandir Urtiga. Em 1961, se extingue a Difusora Rádio Lux e surge o Serviço de Alto-Falantes- Rádiodifusora Maringá, pertencente ao Sr. Raimundo Gomes de Lacerda, o conhecidíssimo “Raimundo Sacristão” Este potente serviço de som fixo, além de transmitir os anúncios comerciais, dava cobertura sonora nas festas da Padroeira N.S.do Bom Sucesso, realizada antigamente no mês de setembro ao lado da Matriz. Em todos os eventos sociais da cidade ele estava sempre presente. Até mesmo nos sorteios natalinos realizados no final do ano pela casa comercial o Imperador das Novidades do Sr. Zuza Nicácio, de saudosa memória. A difusora Rádio Maringá, teve como locutores: José Geraldo, Zeilton Trajano e Clemildo Brunet, que estreava com apenas 12 anos de idade, já demonstrando sua forte tendência para o rádio. A Difusora Maringá, funcionou até 1964. Mas a verdadeira Universidade do Rádio pombalense surgiu em 1966, em plena época da Jovem Guarda, com a instalação do Serviço de Alto-Falantes “A VOZ DA CIDADE”. Acoplado com um pequeno transmissor de “OC”, este conceituado Serviço de Som pertencia ao jovem rapaz-Clemildo Brunet, que com apenas 16 anos – já sabia reger a sua pessoa e administrar os seus bens. Este pequeno transmissor operava clandestinamente em ondas curtas na freqüência de 3.722Klsc-faixa de 45 metros. Conta Clemildo que a Rádio “A Voz da Cidade”, atingiu um elevado índice de audiência até hoje nunca alcançado pelas emissoras Maringá e Bom Sucesso. “A nossa discoteca era mais atualizada do que a Rádio Alto Piranhas de Cajazeiras”, diz Clemildo. Clemildo sempre se preocupou com a atualização dos sucessos e talvez por isso ninguém mudava de sintonia. Todos os Programas foram campeões de audiência. Na época, ainda não existia televisão no Sertão, e o rádio exercia o poder maior de comunicação de massa. Os locutores que comandavam os programas de tão querida emissora local, eram: Zeilton Trajano, Clemildo Brunet, Eurivo Donato, José Geraldo, Genival Severo, Edmivan Monteiro, José de Sousa Costa (o Gago), Maciel Gonzaga e Genildo Torres. Como controlistas: Otacílio Trajano e Genivan Fernandes (Pássaro Preto). Em Setembro de 1967, em pleno período revolucionário, a Censura Federal descobriu essa emissora clandestina e imediatamente mandou tirar do “Ar”. Os Programas mais ouvidos foram: “Brotolândia” com Clemildo Brunet, “Noite de Saudade”, com Eurivo Donato, “A Pombal Boa Noite”, com José Geraldo e Zeiton Trajano, e “Varandão da Casa Grande”, com Genival Severo. De 1968 a 1985, Lord Amplificador “O Som direcional da Comunicação”. Localizado ao lado sul do Mercado Público também pertencente à Clemildo Brunet. Este serviço de som mais moderno, funcionava fixo e volante. Durante o tempo de sua permanência, produziu profissional: José Cezário de Almeida (Rádio Maringá), Massilon Gonzaga(Rádio Caturité), João de Sousa Costa(Jornal Correio da Paraíba), Gregório Dantas(Rádio Bonsucesso(Pombal), José Barbosa Coelho, Evilásio Junqueira, Magão do Lord, Sérgio Lucena(FM-98-João Pessoa), Bertrand Chaves(Beto Chaves-Rádio Arapuã-FM). Publicado no JORNAL CORREIO DA PARAÍBA DE 11/10/92

COMPARTILHANDO COM OS AMIGOS!

CLEMILDO BRUNET (Foto) O homem é um ser social jamais poderá viver isolado dos demais. Isso vem desde a criação. Adão de quem descende toda raça humana sentiu essa realidade, quando viu diante de si o ser que Deus criara para com quem ele pudesse compartilhar de igual para igual. “esta, afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne; chamar-se-á varoa porquanto do varão foi tomado”. Gn.2:23. Os primeiros cristãos tiveram o seu reconhecimento por parte da sociedade de então, quando repartiam entre si os seus bens. “da multidão dos que creram era um o coração e a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua nenhuma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes era comum”. At. 4:32. “Em Antioquia, foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos”. At. 11:26b. O grande pregador de massa norte americano Billy Graham, considerou que; depois que Deus Criou o mundo, os animais, as aves, os répteis, criou também o homem, este de modo diferente foi feito a imagem e semelhança de Deus, pois segundo o pensamento do pregador, Deus criou o homem para ter alguém a fim de compartilhar as suas ações aqui neste mundo. Compartilhar, esta é a palavra certa. Aurélio a descreve assim: Ter ou tomar parte em: participar de; compartir, partilhar. Pois bem, compartilhando com os amigos, é o título acima que dei a este artigo. A Festa do Troféu Imprensa 2007 na minha concepção teve este sentido: Reuni velhos companheiros de jornada do passado, para partilhar com eles depois de tantos anos, de um momento de congraçamento a fim de darmos uma volta ao que se passou, trazendo à memória grandes recordações, lembrando a passagem gloriosa que eles tiveram no início de suas carreiras no jornalismo primitivo em sua cidade natal, a querida terra de Maringá. O quanto é importante a comunicação, mesmos distantes, foi possível manter contato com quase todos eles, para participarem desse evento que marca a comemoração do Dia do Radialista, agora com data estabelecida oficialmente em nosso país pela Lei nº 11.327 de 24-07-2006, em homenagem, ao músico, compositor e radialista Ary Barroso, 07 de novembro data de seu nascimento. No afã dessa realização, pude sentir o quanto é gratificante essa luta para vê-la concretizada, pois outros que não eram dessa época, os quais conhecemos recentemente via internet, estiveram também conosco compartilhando da nossa alegria. Esse foi um momento raro na nossa história. Poderão vir outros, e que venham. È por demais importantes essas interações. Dar força e estímulo para continuarmos a nossa peregrinação neste mundo tão conturbado pela violência, pela falta de caráter de muitos, pelo capitalismo selvagem e tantos outros IS que atingem o ser humano. Estamos colhendo frutos. Não tem faltado por parte das pessoas referencial a este evento como benéfico para nossa gente. Tive uma ótima acolhida esta semana na capital do Estado. O Apresentador da TV Miramar Sales Dantas, filho de Pombal, me recebeu carinhosamente no seu Programa televisivo, concedendo-me espaço de dez minutos para uma entrevista, oportunidade em que fiz a entrega do Troféu Imprensa 2007, já que ele se encontrava em São Paulo, quando da realização da Festa do Radialista em Pombal. Agradeço essa prestimosidade do meu amigo Sales Dantas que teve seu início de carreira na comunicação, década de 80 na Rádio Maringá de Pombal. De igual modo quero agradecer a recepção que tivemos em João Pessoa, tanto eu como o companheiro, José Carlos Araújo (Carlão); dos amigos: Eliezer Gomes do Portal: www.Eliezergomes.com que nos ofereceu um lauto almoço em um dos restaurantes da capital do Estado, como também do Jornalista, radialista e advogado, Carlos Abrantes de Oliveira, que nos trata com tanto carinho e sempre nos acolhe quando das nossas visitas a João Pessoa. E ainda dos companheiros de rádio: Adelton Alves e Edmilson Pereira, sempre abrindo espaço no seu Programa “Paraíba Notícia” através de rede estadual comandada pela Rádio Tabajara da Paraíba. Nosso agradecimento especial ao Secretário Chefe da Casa Civil do Governo do Estado da Paraíba, suplente de Senador, Carlos Marques Dunga, a quem lhe conferimos o título de “Parceiro Amigo da Imprensa”. Agradeço também, a Câmara de Vereadores de Pombal, por intermédio de seu Presidente, vereador João de Sousa Leite Filho, pela “Moção de Aplausos” e a Comenda “Honra ao Mérito” Casa Avelino Queiroga Cavalcanti, concedida a minha pessoa. Finalmente, agradeço as Emissoras de Rádios de Pombal, igualmente aos radialistas, bem como a todos que contribuíram direta ou indiretamente para o sucesso dessa Festa. Meu muito obrigado ao amigo particular, Dr. e Professor da UFCG, Campus de Cajazeiras José Cezário de Almeida, ex- Lord Amplificador, por ter sido o meu braço direito nesse empreendimento. Lembre-se: Compartilhando com os amigos, essa é a maneira mais prática, para uma convivência pacífica e fraternal entre pessoas que se amam e se respeitam. “E SEDE AGRADECIDOS” CL. 3:15b. *RADIALISTA. WEB: http://clemildo-brunet.blogspot.com CONTATO: brunetcomunicador@hotmail.com

ELIEZER: PREFERINDO-VOS EM HONRA!

CLEMILDO BRUNET* O Título acima nos sugere a idéia de como nortearmos nossas vidas aqui neste mundo. Não se trata de troca de confetes e serpentinas e sim de um princípio pelo qual poderemos manter um padrão de humildade conforme a palavra de Deus nos ensina. O Apóstolo Pedro na sua primeira carta nos dar essa lição: “Outrossim, no trato de uns para com os outros, cingi-vos todos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, contudo, aos humildes concede a sua graça” 1º Pedro 5:5b. Em outra passagem bíblica deparamos com outra recomendação, e esta vem do Apóstolo Paulo quando diz: “Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo” Filipenses 2:3. Peço vênia aos meus leitores, para prestar minha homenagem a um amigo que tive a satisfação de conhecer primeiramente de longe, isto é, via internet e depois de alguns meses, pessoalmente. Esse amigo é conhecido, não somente no mundo virtual, mas também por ter construído no decorrer dos anos, sólidas amizades e conquistado muitos amigos com um carisma que lhe é peculiar. Trata-se da figura ímpar e respeitável por todos que o conhece, cidadão ELIEZER PEDROSA GOMES, ou apenas ELIEZER GOMES. Nasceu na cidade rainha do Brejo Paraibano, Guarabira e aos dois anos em 1959 veio para a capital do Estado. Toda sua infância, adolescência e parte de sua juventude foi em Cruz das Armas e Torrelândia. Aos dez anos Eliezer querendo ajudar aos seus pais no sustento da casa, começou a trabalhar. Primeiro foi jardineiro, vendedor de jornais e fazia compra e venda de material sucateado. Aos 14 anos, já assinava o seu primeiro contrato de trabalho, exercendo a função de ofice boy na Lyra Pinheiro S/A, salário certo e carteira assinada. Sem as condições necessárias para estudar, Eliezer entregou-se ao trabalho, mesmo assim em raras oportunidades, geralmente à noite freqüentava sala de aula. Em 1976 foi servir ao Exército. Depois volta ao seu antigo emprego. Passando depois a prestar serviço a Retifica de Motores Campinense. Foi auxiliar de escritório na Proserv e Ciraulo Móveis e até 14 de dezembro de 2006 trabalhou no Bompreço. Em 1970 em pleno regime da ditadura em nosso país, Eliezer começa sua trajetória na vida pública, unindo-se a grupos jovens da pastoral da juventude da arquidiocese. Em pouco tempo torna-se líder e passa a coordenar os trabalhos da pastoral e em 1979 é um dos principais articuladores do Movimento Sindical Brasileiro, vindo depois a fundar o Partido dos Trabalhadores na Paraíba, do qual foi o seu primeiro presidente. Eliezer Gomes foi candidato a vereador em João Pessoa em 2004 e obteve expressiva votação 1.723 votos, é atualmente suplente a disposição de João Pessoa e sua gente. Membro do Diretório Municipal do PT em João Pessoa e Presidente da ARCCOM – Associação Recreativa e Cultural dos Comerciários da grande João Pessoa e estudante pré-concluinte do curso de História pela UFPB. Um dos primeiros contatos mantidos com Eliezer, ele me enviou a seguinte mensagem: “Meu caro Clemildo, nasci em Guarabira, no Brejo Paraibano, mas, moro em João Pessoa há 49 anos, mas, já estive várias vezes na linda cidade de Pombal e te confesso, (referindo-se a Rádio Maringá), é lamentável que esta rádio esteja fora do ar. A Rádio Maringá ficou gravada em minha mente como uma das muitas coisas boas de Pombal. Não dar prá falar de Pombal e não vir logo na memória a lembrança da Rádio Maringá” e ao se despedir: “Aproveito querido amigo para parabenizá-lo pelo seu blog, muito bom e de conteúdo inteligente já está nos meus favoritos” Abraço Eliezer Gomes. Pouco tempo depois Eliezer me convidava para assinar uma coluna no seu Portal e o fiz prontamente. Deste modo nos contatos que mantivemos a nossa amizade foi ficando cada vez mais forte estando hoje solidificada nessa recíproca verdadeira. Não pedi homenagens, e ele espontaneamente me fez, em face do Troféu Imprensa 2007, evento que idealizei para homenagear os meus amigos, filhos de Pombal, e também a convidados especiais como é o caso do nosso muito estimado Eliezer, pois, Seu Coração e sua generosidade transcendem a altura do seu corpo. Eliezer, quanta alegria sentir quando da sua chegada a Pombal, juntamente com seus companheiros de equipe do portal, Carlos Ribeiro Fotógrafo, e Francisco de Assis Redator, este último nosso conterrâneo aqui de Lagoa Escondida. Permita-me nesta homenagem que lhe presto citar outros nomes que dignificaram com suas presenças o nosso evento: Land Seixas Presidente do Sindicato dos Jornalistas da Paraíba, Edson Verber Diretor do Sindicato e da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAC) e ainda os Jornalistas Marcos da Paz e Antonio Vicente.Dr. Raphael Carneiro Arnaud – Desembargador aposentado do Tribunal de Justiça da Paraíba, Jornalista Nonato Bandeira Secretário de Comunicação da Prefeitura Municipal de João Pessoa e João Pinto Presidente da Associação Paraibana de Imprensa (API), Além do abalizado Jornalista João Costa do Portal Paraíba, que iniciou carreira no Lord Amplificador Serviço de Alto Falantes em Pombal nos anos 70. Genival Torres Dantes – Empresário e Escritor que veio de Navegantes Santa Catarina, filho de Pombal, havendo também passado pelo Lord Amplificador. Radialistas – Carlos Abrantes de Oliveira, José Costa, ambos de Pombal residentes em João Pessoa. Adelton Alves do Programa Paraíba Noticia da Rádio Tabajara, que presidiu o Cerimonial do Troféu Imprensa 2007. Pois bem, Eliezer, o seu portal que tem como objetivo interagir com utilidades, notícias, comentários e atividades coletivas, tem prestado relevantes serviços aos nossos internautas. São 4 anos nas execuções dessas tarefas. Agradeço a Deus o privilégio de ter te conhecido e parafraseando as palavras do sábio Salomão eu digo prá ti: “O temor do Senhor é a instrução da sabedoria, e a humildade precede a honra”. Provérbios 15:33. Por essa razão, você fez por merecer essa singela e simples homenagem: “Preferindo-vos em Honra”. “Pagai a todos o que lhes é devido: A quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem respeito, respeito; a quem honra,honra”. Romanos 13:7. *RADIALISTA WEB: http://clemildo-brunet.blogspot.com/ CONTATO: brunetcomunicador@hotmail.com

SAUDADE NÃO SE MATA, RENOVA-SE!

GENIVAL TORRES DANTAS*(Foto) Essa foi à sensação que tive depois da minha visita à minha terra, Pombal - PB. Confesso que ao chegar tive aquela sensação de nostalgia, lembranças de muitos anos que guardamos exatamente para saborear nesses momentos raros na vida. Era noite quando desembarquei depois de longa ausência, e a noite tornou-se um pesadelo com a insônia, tamanha era a ansiedade de ver a barra do dia se romper no horizonte, e ela veio por volta das 5h, depois desse momento foi tudo emoção. O movimento em torno da festa em homenagem aos radialistas começou cedo, às 6h já estávamos nos estúdios da Rádio Maringá para entrevista com o grande comunicador da Rádio Tabajara, Adelton Alves, que transmitia direto de Pombal o programa “Paraíba Notícia”. À porta da rádio muita gente se aglomerava na tentativa de ver e tirar fotos com aquele apresentador e ídolo que a veio especialmente da Capital João Pessoa para realizar aquela transmissão e ser o apresentador oficial da entrega dos prêmios à noite. A cidade realmente estava em festa, muitos filhos ilustres que fizeram e fazem parte da radiofonia paraibana estavam na cidade para receberem seus prêmios, o calor humano que nos cercava era uma coisa impressionante, particularmente tive muita sorte de ter ficado hospedado no Hotel Rio Verde, propriedade do Sr. Lavoisier e Sra. Sedithe, novidade que fiquei sabendo logo no café da manhã, pois tive oportunidade de conversar longamente com a Sra. Sedithe, pessoa que eu lembrava da minha infância com muito carinho e que me fez lembrar com muita saudade de muita gente que já não estavam entre nós, pessoas que fizeram parte da minha infância. Confesso que fiquei muito vaidoso com a companhia, no hotel, de muita gente famosa que veio acompanhar a trabalho as festividades da entrega do Troféu Imprensa 2007 Clemildo Brunet. Além dessas pessoas ilustres, tive o privilégio de conviver durante minha permanência no citado hotel com os irmãos Costa, José e João Costa, meus contemporâneos de radiofonia pombalense. Conversei longamente, principalmente com o José Costa, quando relembramos com muita emoção um passado de poucos recursos materiais, mas de muita riqueza de companheirismo, amizade, sonhos e objetivos para o futuro, fizemos várias rodadas de conversas, inclusive fora do hotel, certamente não foi o suficiente para tratarmos de tudo, pois fazia muito tempo que não nos encontrávamos e tínhamos muito a falar. Tive oportunidade de rever também outros companheiros e amigos cuja saudade e amizade o tempo não conseguiu apagar, como, por exemplo, o Genival Severo e Carlos Abrantes, pessoas de destaque em Pombal e na Paraíba, e que foram, assim como eu, pupilos do Clemildo Brunet de Sá na radiofonia. Infelizmente alguns amigos não puderam estar presentes, e senti a falta deles, esperava revê-los, mas não faltará oportunidade de reencontrar esses velhos amigos, devo retornar à minha terra em breve, assumi esse compromisso com o José Costa. Alguns motivos me levaram a ter a certeza de um retorno em breve à minha terra natal, pois o tempo que disponibilizei para ficar em Pombal não foi o suficiente para rever as coisas que eu precisava e visitar as pessoas que continuam na cidade e que as prezo muito. O clemildo Brunet de Sá é um capítulo especial, ele foi de uma dedicação e assistência à minha pessoa que não tenho palavras para agradecê-lo. Quero estender esse reconhecimento ao Dr. José Cesário de Almeida pela maneira carinhosa e cortês com que me tratou e, finalmente, um agradecimento especial ao Desembargador Dr. Raphael Carneiro Arnaud pelas palavras encomiásticas dirigidas à minha pessoa quando no almoço de confraternização, encerrando assim as festividades idealizadas por Clemildo Brunet de Sá. Quero dizer da minha satisfação e orgulho de ter participado daquele brilhante encontro de gerações da radiofonia pombalense, posso afirmar que foi um momento raro em minha vida, quando pude perceber nas pessoas o orgulho de ter nascido nessa terra tão rica em talentos em todos os segmentos. Pude ver nas camisetas de propagandas comerciais ou em faixas escritas, algo que chamou minha atenção: sempre em destaque a palavra “Pombal”. Parabéns Pombal, parabéns Clemildo Brunet de Sá, que Deus lhe conserve com esse dinamismo e inteligência que sempre lhe foi peculiar. Eu achava que fazendo essa visita à minha terra ia acabar com o estoque de saudade desse cantinho maravilhoso, puro engano, hoje sinto que houve apenas uma troca, uma renovação de imagens, já sinto saudade desses momentos tão curtos, mas de uma longa onda de renovadas emoções, que se prolonga a cada momento em que o pensamento voa e sobrevoa pairando nas nuvens brancas que circundam a terra que antes era só de Maringá e hoje é de toda uma classe de profissionais, os radialistas, que se orgulham de ter como seu emérito professor, e de várias gerações, o exemplo da comunicação radiofônica pombalense, Clemildo Brunet de Sá. Do amigo Genival Torres Dantas. *EMPRESÁRIO E ESCRITOR – NAVEGANTES SC. EX-INTEGRANTE DO LORD AMPLIFICADOR.

TROFÉU IMPRENSA 2007.

JOSÉ CARLOS ARAÚJO* (CARLÃO) Foto O troféu imprensa 2007, foi sem duvida uma versão diferente das que já havia acontecido anteriormente, reuniram-se aqui em Pombal os filhos dessa terra de Maringá comunicadores que militam e militaram nas rádios locais, na radiofonia lá fora e em outros meios de comunicação ou talvez em outras funções, que já viveram e vivenciaram da arte de se comunicar. Eu diria que o troféu imprensa 2007, foi na realidade o marco de nossa satisfação, onde sentimos o prazer de estarmos juntos, com colegas, autoridades, amigos da imprensa e familiares. O troféu imprensa, que teve como idealizador; Clemildo Brunet tomou uma proporção de impacto da capital ao sertão ao Paraíbano, simplesmente porque foi idealizado por uma referencia na comunicação do alto sertão da Paraíba, e à cima de tudo um homem honrado. Junto a ele estiveram outros: o Prof. Dr. José Cezário de Almeida, Deusiram Fernandes, Fabio Alves, José Carlos de Araujo, Nil Alcântara, Maria de Fátima, Jacinta Nogueira, Marcelino Neto, Izomar Lima, Cezar Lima, Vital Cavalcante, Valmir Lima, Francelio Bandeira,Tico Show, Ary Junior, Naldo Silva, Claudionou Dantas, Dino França, Genival Severo e Orácio Bandeira. Todos levantaram a bandeira de homenagear a imprensa ou parte dela. Apesar das falhas, pois não somos perfeitos,e as criticas levantadas por alguns que criticam sem saber o que estão fazendo, são também passiveis de erros. O nosso propósito maior era que o troféu imprensa reunisse aqui em Pombal, os profissionais do rádio, Jornal, TV e internet juntamente com outros, de valores espirituais positivos agregado ao nosso ideal, e esse item de nossa confraternização foi com certeza um alvo atingido, porque era essa a nossa meta. Portanto diante de tudo isso, valeu apena a semente lançada, e que a força da união da maioria que esteve junto nessa empreitada, continue agregada para que novos eventos venham acontecer. Parabéns meu grande amigo Clemildo Brunet, pois você é sem duvida o professor autêntico e reconhecido pela imprensa paraibana e pelo poder legislativo estadual que lhe confere a medalha de Honra ao Mérito “Assis Chateaubriand”. *CRONISTA ESPORTIVO.

TROFÉU IMPRENSA 2007 TEM COBERTURA JORNALÍSTICA DA EQUIPE DO PORTAL ELIEZER GOMES!

O PORTAL: ELIEZER GOMES FEZ TOTAL COBERTURA DA FESTA DO RADIALISTA EM POMBAL! E REGISTROU EM FOTOS E LEGENDAS O ACONTECIMENTO MAIOR DO TROFÉU IMPRENSA 2007 RADIALISTA CLEMILDO BRUNET. AGRADECEMOS A GENTILEZA E BONDADE DE TODA EQUIPE DO PORTAL eliezergomes.com PARA VER AS FOTOS ACESSE: www.eliezergomes.com/galerias/0072/ TROFÉU IMPRENSA CLEMILDO BRUNET Pombal, 14 /11/2007

O TROFÉU IMPRENSA 2007 E A FESTA DO RADIALISTA: UM FATO INÉDITO NA RADIOFONIA POMBALENSE!

CLEMILDO BRUNET* O dia 14 de novembro deste ano Pombal teve o privilégio de registrar para a história, um acontecimento inédito, pois até a data acima citada, nenhum outro evento igual se deu em qualquer uma das cidades da região. O Troféu Imprensa e as comemorações alusivas ao Dia do Radialista. A cidade se encheu de alegria. Logo cedo,o Studio da Rádio Maringá de Pombal, Foi invadido por dezenas de pessoas, pois o que estava acontecendo naquele momento era o “Paraíba Notícia” programa líder de audiência em todo Estado, formado por uma cadeia de rádios que atinge os 223 Municípios da Paraíba e até cidades de Estados circunvizinhos, sendo gerado de Pombal. Não era somente em razão do programa, que as pessoas procuravam a Rádio Maringá, e sim o apresentador, que conquistou ouvintes de norte a sul, de leste a oeste desta Paraíba, por ter um estilo diferente de fazer rádio jornalismo, interagindo com os seus ouvintes, através de mecanismos modernos (Internet e telefones) que permitem em tempo hábil essa interação. Nunca na história de Programa Jornalístico da capital ao interior, se ouvira falar que um apresentador abrisse espaço para fazer essa interação, daí a razão de haver conquistado centenas e centenas de ouvintes. Este comunicador de massa que lhes falo é Adelton Alves, simpático e comunicativo que cativou os seus ouvintes com essa inovação de fazer rádio jornalismo falados aqui na Paraíba. Agradecemos ao Dr.Bessanger Abrantes Diretor Operacional e ao Dr. Levi Soares Diretor Superintendente,pela gentileza de enviar a equipe da Rádio Tabajara, para nos prestigiar neste momento feliz de nossas vidas. Outro fato inédito nesse dia, foi a Câmara Municipal de Pombal ter se mobilizado no sentido de prestigiar o profissional do rádio, concedendo a Medalha de “Honra Ao Mérito” Casa Avelino Queiroga Cavalcante, ao radialista Clemildo Brunet, numa deferência toda especial do Presidente do Legislativo pombalense, Vereador João de Sousa Leite Filho. Na oportunidade foi concedido também o título de cidadania ao radialista Bertrand Chaves e o seu irmão Coronel Kelson de Assis Chaves, subcomandante da Polícia Militar da Paraíba. Ambos nascidos na Rainha da Borborema. Pela primeira vez no relato histórico da radiofonia paraibana se registra um acontecimento como esse, ocasião em que toda cidade e a sociedade dessa urbe prestigiaram, participando e parabenizando os radialistas de nossa cidade. A cidade também e os Profissionais da Imprensa falada em Pombal ficaram sublimados com as honrosas presenças do Presidente da Associação Paraibana de Imprensa (API) Jornalista João Pinto que veio acompanhado do Secretário de Comunicação da Prefeitura de João Pessoa o também jornalista Nonato Bandeira, natural de Pombal. Outros companheiros de destaques na Imprensa da Paraíba também estiveram conosco prestigiando o nosso evento, Jornalista Land Seixas Presidente do Sindicato de Jornalistas da Paraíba e representante da FENAJ (Federação Nacional dos Jornalistas) que com sua comitiva nos honrou bastante, motivo de satisfação para a classe. Quem também nos prestigiou foi o Portal: WWW.eliezergomes.com tendo a frente o seu comandante Eliezer Gomes, que fez questão de vir com sua equipe para registrar a nossa festa, e abraçar este humilde radialista do interior que escreve semanalmente para a coluna: “O Comentário da Semana”. Obrigado Eliezer e seus comandados, por tão importante apoio a nossa causa, que Deus os abençoe grandemente. E o nosso João Costa, jornalista abalizado na capital do Estado, o que me orgulha muito, o fato de haver iniciado o seu jornalismo no LORD AMPLIFICADOR, pequeno serviço de Alto Falantes na década de 70 em nossa cidade, que era de minha propriedade. Agradeço também ao seu irmão o Kosta José, como era carinhosamente chamado na Rádio Voz da Cidade em 1966. Porque não falar de Carlos Abrantes de Oliveira ?(O nosso Carlito),pois ,mesmo estando em grau mais elevado do que eu, é radialista possuidor de um timbre de voz privilegiada, advogado, e foi até bem pouco tempo, desde a época do Governo Buriti, Mestre de Cerimônia do Palácio da Redenção; não se cansa de dizer para seus amigos em João Pessoa, que eu sou seu professor em radiofonia. Obrigado Carlito pela estima e consideração que me devota. Deus continue te abençoando! Agradecer Também As professoras Diana Oliveira e Sonia Maria Severo, que de maneira voluntária atenderam o nosso convite para participar do Cerimonial do Troféu Imprensa 2007 ladeando o Jornalista Adelton Alves que presidiu os trabalhos. Obrigado a vocês por tão valiosa colaboração. Aqui faço um registro especial, a visita a sua terra natal depois de 37 anos de ausência, do bem sucedido empresário e escritor Genival Torres Dantas, que veio de Navegantes – SC, receber o Troféu Imprensa 2007, pela sua passagem na radiofonia pombalense (Lord Amplificador), nos idos 68/69, e ainda ofereceu-nos, uma valiosa ajuda financeira com o patrocínio de sua Empresa, Companhia do Açúcar e do Mel. Obrigado Genival, pelo seu espírito empreendedor, vir de tão longe nos prestigiar. Outro vulto de grande destaque que esteve prestigiando esse evento, foi o Dr. Raphael Carneiro Arnaud, desembargador que honra o Poder Judiciário da Paraíba, que acompanhado do jurista Dr. Janduhy Carneiro Sobrinho, participou de todos momentos festivos, desde a Sessão solene da Câmara Municipal de Pombal, a Festa a noite na AABB, onde foi agraciado com o Troféu Imprensa, pelos relevantes serviços prestados ao Judiciário Paraibano, o que muito nos honrou como filho da terra de Maringá. Quero neste artigo expressar a minha eterna gratidão a um companheiro que foi o meu braço direito na organização desse evento, trata-se do radialista e professor doutor, de nível superior da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), campus Cajazeiras, o meu particular amigo José Cezário de Almeida, que apesar de sua luta junto à faculdade, não mediu esforços para nos ajudar nesse empreendimento, sendo nomeado por mim e com a concordância dos radialistas que compõem a Grande Comissão Organizadora, Presidente, o que muito nos honra! Agradeço também a colaboração daqueles que voluntariamente se deram para o bom êxito do evento, e aqui destaco,transferindo essa honraria aos demais que trabalharam, o nome do nosso companheiro radialista Deusiram Fernandes Diretor de Programação da Rádio Liberdade 96 FM que assumiu a coordenação dos trabalhos do Troféu Imprensa 2007. O Troféu Imprensa 2007 – Festa do Radialista em Pombal, teve o seu registro de fato no dia 14 de novembro de 2007, comemorando o dia do radialista, cuja data oficial é 07 de novembro, conforme Lei nº 11.327 de 24-07-06, Lei Ary Barroso em homenagem ao dia do nascimento do músico, compositor e radialista “Ary Barroso” autor da música Aquarela do Brasil. Todo design e arte do troféu e certificados devemos ao nosso amigo e companheiro, José Carlos Araújo, na intimidade Carlão. Obrigado meu amigo. Obrigado a todos que deram o seu patrocínio, desde os poderes públicos, às empresas privadas. Fizemos esta festa na melhor das intenções para homenagear os nossos confrades de ontem e de hoje. Falhas? Houve sim, quem não as tem? Em um universo de quase 200 homenageados, (havíamos projetados 50 personalidades), mais a festa com a divulgação diferenciada, atingiu o seu ápice, fugindo ao nosso alcance; não somos perfeitos, somos seres humanos e falhos na nossa condição de humanidade, é por isso que Moisés, o homem de quem a bíblia registra que era poderoso em seus feitos declarou: “Diante de ti puseste as nossas iniqüidades e, sob a luz do teu rosto, os nossos pecados ocultos” Salmo 90:8 e mais adiante no contexto dessas palavras: “Ensina-nos a contar os nossos dias, para que alcancemos coração sábio” Salmo 90:12. Ser grato é ser cooperador. Ser ingrato é desconhecer totalmente o benefício que se faz. Sou grato a Deus e aos amigos que compartilharam comigo dessa raridade chamada congraçamento e divido com todos esses, essa alegria na minha vida! “A sorte se lança no regaço, mas do Senhor procede toda decisão” Provérbios: 16:33. *RADIALISTA. WEB: http//clemildo-brunet.blogspot.com/ CONTATO: brunetcomunicador@hotmail.com

POMBAL PARTE NA FRENTE E HOMENAGEIA PROFISSIONAIS DO RÁDIO!

16/11/2007 A cidade de Pombal no sertão paraibano, em comemoração ao dia do radialista, viveu, nestes dias 14 e 15 de novembro de 2007, momentos marcantes quando da realização do evento TROFÉU IMPRENSA, que homenageou vários e ilustres pombalenses que marcaram época na radiofonia daquela cidade e região, além de amigos, parceiros e colaboradores. Idealizado pelo maior ícone da radiofonia pombalense, nosso querido CLEMILDO BRUNET, o evento emocionou a todos nós pela grandeza e pelo valor sentimental. As comemorações se iniciaram com um delicioso almoço numa das principais churrascarias da cidade, oportunidade em que Clemildo Brunet, Dr. Cesario Almeida e demais organizadores recepcionaram todos os homernageados e convidados. Em seguida houve uma seção especial na câmara de Vereadores, oportunidade em que foram agraciados com a comenda de Honra ao Mérito o próprio Clemildo, o Cel. Kelson Chaves e o radialista Bertrã Chaves. O ponto alto do evento aconteceu na noite do dia 14 de novembro na AABB, quando da entrega do TROFÉU IMPRENSA aos radialistas, parceiros, autoridades e patrocinadores. O nosso portal esteve presente as solenidades nas pessoas de Eliezer Gomes, Francisco de Assis Ferreira e Carlos Ribeiro. No dia seguinte (15/11), as comemorações ao dia do radialista teve seu encerramento com um grande churrasco realizado no Recreio Maçônico da cidade de Maringa (Pombal). Parabenizamos a todos os nossos queridos amigos e amigas de Pombal na pessoa do fantástico amigo Clenildo Brunet. Breve em nosso portal - Galeria de fotos do evento. Foto: Carlos Ribeiro Da redação: Francisco de Assis Fonte: Portal WWW.Eliezergomes.com

HOMENAGEM A CLEMILDO!

Meu Caríssimo amigo Clemildo Brunet, Há pessoas que nascem e vivem neste planeta e sequer são notados. Outros mudam ventos, fazem historias, deixam lições. Estes serão sempre lembrados. Melhor ainda é quando estas lembranças acontecem pelas sementes plantadas, que garantirá bons frutos, mesmo que a terra a acolher as sementes não seja necessariamente a mais arável. Reporto nesta mensagem meu sentimento de culpa por não se fazer presente no momento em que é homenageado aquele que por anos embalou, através do Som Direcional do Lord Amplificador, as minhas tardes e começos de noites, as vezes de solidão outra de pura reflexão, nas ruas da minha querida cidade de Pombal. Em um mundo de memória curta e onde as informações nos bombardeiam a cada segundo, você ultrapassou as fronteiras do tempo e da tecnologia para ser lembrado e homenageado, ainda em vida, por mais de uma geração. Isto só foi possível por você ser uma pessoa que trás dentro de si um conjunto valores, principio e opiniões que, nos dias de hoje, são raros e fazem falta a humanidade. Seja para nossos jovens esse exemplo a ser copiado, para que um dia o nosso sonho utópico de não mais construirmos presídios passe a ser mais que um utopia. Att Jerdivan Nóbrega de Araújo João Pessoa- PB

SEJA OUTRO O QUE TE LOUVE!

CLEMILDO BRUNET* “Seja outro o que te louve, e não a tua boca; o estrangeiro, e não os teus lábios” a expressão acima está escrita no livro de Provérbios capítulo 27 versículo 2. Ela nos chama atenção para outra, escrita pelo o apóstolo Paulo quando diz: “Porque não é aprovado, quem a si mesmo se louva, e sim aquele que o Senhor louva” 2 Coríntios 10:18. Peço vênia aos meus amigos para que neste artigo lhes revele a verdadeira razão pela qual idealizei a Festa do Troféu Imprensa 2007 em nossa cidade. Sou uma pessoa que amo o rádio, mas, impossibilitado de está em atividade por problema de saúde, resolvi criar um portal na Net e de minha casa entrar em contato com as pessoas, nesse contato fui encontrando companheiros de jornadas antigas dos meios de comunicação que Pombal já teve. Daí nasceu à idéia de homenageá-los. Preparei o projeto, dando-lhe o título de Troféu Imprensa 2007 e levei o assunto aos militantes das rádios de Pombal que depois de várias reuniões, finalmente houve aprovação da classe. Está prestes a ser executado no próximo dia 14 de novembro. Neste ensejo, com a permissão de vocês e aproveitando a deixa da frase no início deste artigo, evoco agora o testemunho de meus amigos, que assim o fazem não por bajulação, pois eles não precisam disso, mas, por reconhecimento, já que estão em posição mais elevada do que eu. Começo pelo primeiro que entrou em contato comigo. MACIEL GONZAGA DE LUNA. “EX – VOZ DA CIDADE” rádio de minha propriedade nos idos dos anos 60. “Foi a partir do rádio que construí toda a minha vida profissional, quer como jornalista, homem de televisão e, depois, nas Ciências Jurídicas. Comecei na “Voz da Cidade” sob o comando de Clemildo Brunet, ao lado de inesquecíveis nomes como Zeilto Trajano, Eurivo Donato, Genival Severo, Massilon Gonzaga (meu irmão e hoje professor universitário de rádio), Gago de Chicó, Pássaro Preto, Diá, e tantos outros. Hoje, agradeço tudo na minha vida ao RÁDIO POMBALENSE, onde aprendi mais do que ser profissional, ser homem e saber trilhar os caminhos tortuosos da vida, com responsabilidade, dignidade, ética e moral. O filho de dona Rosa e Zé Preto, criado tomando banho nas águas do rio piancó e jogando bola no campo do São Cristovão, pode dizer ao povo da MINHA TERRA que, Pombal, através da semente plantada por Clemildo Brunet, formou um digno profissional. E para as gerações de hoje e amanhã, deixo um lembrete: É do interior, dos grotões – como se fala nas capitais – que sempre saíram e continuam saindo às melhores estrelas do rádio. Pombal foi e continua sendo um grande celeiro de radialistas.” GENIVAL TORRES DANTAS: “Ainda não era o que eu queria, mas era um bom começo. Numa noite o próprio Massilon Gonzaga faltou e sem alternativa peguei o microfone e comecei a ler os textos, normalmente elaborados pelo Clemildo, que atento ao som do Lord Amplificador, veio ao estúdio saber o que estava acontecendo, ele conhecia bem a voz dos seus locutores, eu simplesmente era um intruso naquele instante. Mas o Clemildo não reclamou muito, apenas ficou atento por alguns minutos e foi embora, eu continuei na minha tarefa. No dia seguinte ele, o Clemildo, me procurou para conversar e me efetivou como locutor por um período mínimo e era reserva na ausência dos titulares.” JOSÉ DE SOUSA COSTA: “A terceira tentativa, um empreendimento de Clemildo Brunet, também de fabricação caseira, e portanto, clandestina; instalada seus studios numa pequena sala ao Lado Sul do Mercado Público, a VOZ DA CIDADE teve força e domínio de audiência se destacando e se fazendo respeitar pelo bom nível de programação e pela boa qualidade artística de seus componentes. Líder absoluta de audiência em todos os horários, anulando quase por completo, a audiência das outras concorrentes, a Voz da Cidade é a Pedra fundamental da radiodifusão pombalense. Servindo também como laboratório, revelou vários talentos para o rádio paraibano: Zeilto Trajano (Alto Piranhas e Arapuã); Carlos Abrantes (Correio e Tabajara); Eurivo Donato (Piranhas e Rádio Difusora de Cajazeiras); Maciel Gonzaga (Caturité e o Jornal da Paraíba); Macilon Gonzaga (Caturité e Borborema); Genivan Fernandes (Caturité); Otacílio Trajano (Correio da Paraíba); Juarez Farias (Espinharas);Genival Severo (Maringá, Bonsucesso e Liberdade) e Clemildo Brunet, seu fundador e expoente máximo do rádio pombalense, elemento referencial do mestrado em rádio comunicação, de brilhante passagem pelos rádios do sertão paraibano.” Outro que também se comunica comigo via net, que não é do meio radiofônico, no entanto ama o rádio, é o Professor de nível superior que milita na Universidade do Rio Grande do Norte, em Mossoró, ROMERO CARDOSO, em trecho de um artigo seu postado no meu blog ele diz o seguinte: “Impossível esquecer o carinho e a devoção do grande radialista Clemildo Brunet quando da efetivação dos inúmeros programas transmitidos pelo LORD AMPLIFICADOR, o qual se constituiu indubitavelmente em verdadeira escola para muitos profissionais que atuaram e ainda atuam no exercício digno de uma profissão merecedora de respeito e louvor. Clemildo, amigo dileto e extremamente dedicado às atividades radiofônicas, teve papel destacado na história da expressiva experiência desenvolvida em Pombal, a qual marcou indelevelmente o imaginário de gerações que tiveram o privilégio de desfrutar da concretização de ideais nobres permeados pela devoção à radiofonia. Clemildo Brunet, descendente direto do grande naturalista francês Louis Jacques Brunet, cientista renomado que foi o responsável pela descoberta e fomento na condução da carreira do maior artista plástico paraibano, o areiense Pedro Américo, se destaca pelo amor ao rádio, pela responsabilidade primorosa para com sua gente, levando entretenimento e informações há décadas transformara-se, graças à sua luta ininterrupta, em patrimônio histórico da terra de Maringá.” O nosso amigo JERDIVAN NÓBREGA DE ARAÚJO, em comentário sobre o meu portal na NET, falando do Programa A Voz do Estudante, apresentado aos domingos na nossa Voz da Cidade assim se expressou: “A importância deste blog está exatamente em trazer de volta as memórias perdidas dos jovens de Pombal. Neste mitier, Clemildo marcou mais um gol a favor de Pombal. Este blog, por ser interativo, ainda vai nos fazer rir, relembrar, sonhar e até reescrever a história de Pombal. Do código MOSE ao mouse ta ai clemildo fazendo história. Vejo num futuro uma geração lembrando de um cara que, da difusora a internet não ficou vendo a banda passar, ao contrário, acompanhou a banda por que ele sempre soube que, se a banda tocava, era pra ele. Esse cara de que falo é Clemildo.” Outro testemunho de quem sempre se comunica comigo na Net, meu amigo escritor e historiador da nossa terra, VERNECK ABRANTES. “Clemildo, o seu trabalho em busca de registrar a história da radiofonia pombalense, dignifica ainda mais a pessoa que você é; especialmente quando ressaltamos o seu pioneirismo, a sua luta de vida pelo rádio pombalense, a competência de descobrir o gosto musical dos ouvintes etc. Com certeza, VOCÊ é o Mestre do Rádio Pombalense. Parabéns pela iniciativa. Um abraço do amigo Verneck.” E a nossa madrinha, sim, a madrinha dos radialistas de Pombal, cognome que lhe foi dado pelo radialista Orácio Bandeira e aprovado pela classe. MARIA DO BOM SUCESSO LACERDA FERNANDES (DONA CESSA);no instante em que seu estado de saúde estava abalado, me enviou via net essas palavras de carinho que me deixa lisonjeado: “Conheço há muito tempo a sua idoneidade para com os fatos que ocorrem na comunicação da nossa terra, pois venho acompanhando os seus escritos, que sempre lustram tudo e a todos com uma sensibilidade virtuosa, julgando os fatos que ocorrem no dia a dia de nossas vidas, transmitindo verdade e brilho. São essas qualidades admiráveis que constituem a sua identidade moral e profissional. Você legou aos meus outros afilhados o brilho da comunicação, fator que me faz orgulhosa de ser madrinha de todos os radialistas e comunicadores da minha terra” Muitos outros tiveram essa preocupação em falar a respeito de minha carreira como profissional do rádio, nosso espaço é pequeno para enumerá-los, peço desculpas, no entanto, agradeço de coração a todos. Finalizando esses depoimentos feitos pelos que reconhecem a atividade deste humilde e pequeno radialista, permitam-me colocar o depoimento daquele que iniciou comigo na comunicação em Pombal, trata-se do decano GENIVAL SEVERO DE QUEIROGA ou simplesmente GENIVAL SEVERO: “Mas a verdadeira Universidade do Rádio pombalense surgiu em 1966, em plena época da Jovem Guarda, com a instalação do Serviço de Alto Falantes “A VOZ DA CIDADE”. Acoplado com um pequeno transmissor de “OC”, este conceituado serviço de som pertencia ao jovem rapaz Clemildo Brunet, que com apenas 16 anos – já sabia reger a sua pessoa e administrar os seus bens. Clemildo sempre se preocupou com a atualização dos sucessos e talvez por isso ninguém mudava de sintonia.Todos os Programas foram campeões de audiência. Na época, ainda não existia televisão no Sertão, e o rádio exercia o poder maior de comunicação de massa. Os programas mais ouvidos foram: “Brotolândia” com Clemildo Brunet, “Noite de Saudade” com Eurivo Donato, “A Pombal Boa Noite”, com José Geraldo e Zeilto Trajano, e “Varandão da Casa Grande”, com Genival Severo. Troféu Imprensa 2007 – Radialista Clemildo Brunet. “PARA MIM É MOTIVO DE GRANDE HONRA DAR NOME ESTA COMENDA TÃO IMPORTANTE PARA TODA A CLASSE”, junte-se a ela as declarações feitas pelo deputado Estadual Abmael de Sousa Lacerda (Dr. Verissinho), autor da propositura da Medalha Honra ao Mérito “Assis Chateaubriand” a minha pessoa, comenda essa, dada a jornalistas pela Assembléia Legislativa. ““Clemildo fez história na radiofonia paraibana, foi um dos pioneiros do rádio em Pombal, tendo influenciado um grande número de jornalistas”, justificou Verissinho. Parafraseando as palavras do apóstolo dos gentios eu digo: “Em tudo daí graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco” e ainda: “Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração, à qual, também, fostes chamados em um só corpo; E SEDE AGRADECIDOS. (I Tessalonicenses 5:18 e Colossenses 3:15) *RADIALISTA WEB: http://clemildo-brunet.blogspot.com/ CONTATO: brunetcomunicador@hotmail.com

FELICITAÇÕES PELO DIA DO RADIALISTA!

Clemildo, 07 de novembro, hoje, é um dia muito seu, cheio de glórias, loiros...Que você seja sempre essa pessoa maravilhosa, que você é...Um companheiro que vibra com o sucesso do amigo.....Insigne, dentro da sua profissão, passando para os companheiros, todo o seu potencial de um ótimo comunicador....Um abraço carinhoso de quem muito lhe admira. Socorro- Pombal – Residente em Belém do Pará. (Foto de Socorro Dias, arquivo de Clemildo)

O MÉRITO DE COMPARTILHAR COM OS AMIGOS- UMA RARIDADE!

Clemildo, Parabéns pela Medalha do Mérito Jornalístico Assis Chateaubriant e pela organização da Festa do Radialista - Troféu Imprensa 2007. Hoje, o reconhecimento do seu trabalho, reflete a luta, a persistência e a conquista dos seus objetivos. Feliz aquele que deixa um marco histórico para os seus conterrâneos; você fez isso, algo verdadeiramente marcante, do que quis e do que pôde fazer por nossa terra. Ao longo da sua jornada de vida, você com mérito consolidou a radiofonia pombalense, dai, inesquecível será seu nome na história de Pombal; isso também é gratificante para os seus amigos. VOCÊ é merecedor desse sucesso, e tem o mérito de compartilhar com os seus amigos, o que é uma raridade nos dias de hoje. Um abraço,Verneck. VERNECK ABRANTES – HISTORIADOR POMBALENSE – CAMPINA GRANDE-PB (Foto de Verneck arquivo de Clemildo)

F E L I C I T A Ç Õ E S!

Maciel Gonzaga (Foto) Clemildo!Essas palavras não são minhas, mas, sim, do nosso amigo José Tavares. Com a devida permisão do autor - e isso ele não me vai negar - eu assino em baixo: "Meu sinceros Parabéns pela justa homenagem que a Assembléia da Paraíba estar lhe prestando. Pela sua vocação, inteligência, honestidade, simplicidade, amor e inteira dedicação as causas que abraça, você sempre será um ponto de referência, uma das grandes reservas morais desta nossa cidade. Saiba que todos nós pombalenses, principalmente os que acompanharam ou acompanham o seu trabalho de perto, a exemplo de João Costa, autor desta reportagem que postei anteriormente, que foi seu "aluno" na radiofonia pombalense, tambem temos muito orgulho de tê-lo como amigo e igualmente nos sentimos homenageados. Mas temos a certeza que todas homenagens que lhe fizerem sempre serão poucas, diante de tudo que voce fez por Pombal". Um abraço! Maciel Gonzaga - Natal RN.

ASSEMBLÉIA DA PARAÍBA CONCEDE MEDALHA AO JORNALISTA CLEMILDO BRUNET!

DE JOÃO COSTA (FOTO)JOÃO PESSOA-PB Assembléia Legislativa aprovou nesta terça-feira, 6, por unanimidade, a concessão da Medalha do Mérito Jornalístico Assis Chateaubriant ao radialista e jornalista Clemildo Brunet, numa propositura do deputado Dr. Verissinho. “Clemildo fez história na radiofonia paraibana, foi um dos pioneiros do rádio em Pombal, tendo influenciado um grande número de jornalistas”, justificou Verissinho. A proposta foi aprovada durante esforço concentrado da sessão ordinária desta terça-feira, que também concedeu a Medalha Augusto dos Anjos para o poeta Sérgio de Castro Pinto, numa propositura do deputado Zenóbio Toscano(PSDB). A Assembléia ainda não tem data definida para a realização da solenidade. FONTE: http://www.paraiba.com.br/noticia.shtml?55029

PELOS CAMINHOS DA IMPRENSA!

CLEMILDO BRUNET* (Foto) A Imprensa faz a história e a história da imprensa vem desde os tempos mais antigos. Uma das primeiras publicações de que se tem registro foi o pao, que difundia notícias da corte chinesa entre os servidores civis e circulou mais de mil anos de 618 a 1911. Na Roma antiga, os grafitos anunciavam nos muros as vendas e locações, a perda de objetos e os espetáculos; os acta diurna davam informações sobre o andamento das questões do Estado, os acontecimentos do dia, as guerras e os jogos. Na nossa Pátria, a Corte de D. João Vl, foi responsável pela introdução da Imprensa no Brasil. Da imprensa régia saiu, em 10 de setembro de 1808, o primeiro jornal publicado no País, A Gazeta do Rio de Janeiro. Depois de receber diferentes orientações e receber diversos nomes, embora conservar-se o caráter oficial, tornou-se em 1º de janeiro de 1892, o Diário Oficial, que circula até a atualidade. Três meses antes do aparecimento da Gazeta, já circulava no Brasil o Correio Brasiliense, fundado, dirigido e redigido por Hipólito José da Costa, em Londres, onde se refugiava da inquisição portuguesa. Dado ser feito por brasileiros para brasileiros, é considerado por muitos o pioneiro da Imprensa Brasileira, apesar de editado no exterior. O segundo jornal editado no Brasil, idade de ouro do Brasil, surgiu na Bahia em 1811. No ano seguinte saiu “as variedades ou ensaio de literatura”, e em 1813 – O Patriota – os dois primeiros jornais literários do país. Já a Imprensa em relação ao rádio a televisão e a internet, é um elemento fixador da linguagem, registrando as inovações da fala muito antes da literatura e dos dicionários. Imprensa é o meio de comunicação de massa, no rádio e na televisão divulgam informações, imagens e opiniões sobre o que acontece na cidade, no país e no mundo, de interesse para indivíduos e comunidades. Uma das primeiras funções da imprensa é apenas a divulgação de notícias, que além de veicular e formar opiniões dar a medida exata em que se pratica a liberdade de expressão em uma sociedade. Em relação ao conjunto de publicações periódicas (Jornais e Revistas), o rádio, a televisão e a internet; são mais ágeis, principalmente no rádio e na internet onde a informação é dada com mais precisão, alcançando distância até onde a televisão não chega, ou chegou ainda. Enquanto, no rádio e na televisão dar a notícia sintetizada em primeira mão, o leitor vai encontrar essa notícia de maneira detalhada no jornal. Pelos caminhos da Imprensa. E esta Imprensa chega até nós,por meio de veículos que dispomos, seja no rádio, na televisão ou nesses tempos modernos pela Internet, contando, que não falte o profissional que milite nesses órgãos de comunicação de massa. Quão bom seria que aqueles que labutam na imprensa, pudessem dar somente notícias boas, porém, neste mundo em que vivemos e pelos fatos que se sucedem no dia a dia da notícia, isso é impossível! E por falar em Profissional de Imprensa, no dia 14 de novembro, os radialistas e comunicadores de Pombal estarão prestando justa homenagem aos filhos desta terra, que passaram por difusoras e rádios de nossa cidade, fazendo a entrega do Troféu Imprensa 2007, reconhecendo o incentivo e colaboração dados à radiofonia Pombalense e à imprensa paraibana ao longo de sua história. Será o encontro de confrades de ontem e de hoje, que saberão viver este momento e juntos agradeceremos a Deus por este evento de tanto significado para Pombal e sua história radiofônica. Haveremos de lembrar, o Movimento Jovem Guarda, com as canções que fizeram história em nosso Brasil, partindo do idealismo dos jovens de então, que apesar do regime de repressão, não se deixaram intimidar, indo à luta pela liberdade de seus patrícios. “NÓS TEMOS FORÇA E VOZ, SOMOS O PODER DA COMUNICAÇÃO”! *RADIALISTA WEB: http://clemildo-brunet.blogspot.com/ CONTATO: brunetcomunicador@hotmail.com

EX-INTEGRANTE DO LORD AMPLIFICADOR EM BUSCA DE NOVOS RUMOS!

CONTADO POR GENIVAL TORRES DANTAS (Foto) APRESENTAÇÃO Meu caro Clemildo, bom dia... Acabei de fazer revisão de um livro que vou liberar para a editora ainda nesse mês de outubro, nesse momento lembrei-me do seu pedido para que eu fizesse meu “ curriculum vitae” . Inicialmente vou fazer uma retrospectiva da minha vida particular e enviarei um resumo da história do Sergio Kante, pseudônimo que mais tenho usado como poeta e contista, pois tenho outros pseudônimos que os uso eventualmente. Sou nascido no dia 07 de março de 1953, vim ao mundo pelas mãos da parteira Marôla , um sábado, portanto, dia de feira em Pombal, na rua Estreita, talvez por isso sinto-me bem melhor nesse dia. Sou filho de Francisco Cândido Dantas e Maria Cristina Torres Dantas, eles tiveram 14 filhos e sobreviveram 07, sendo: Genildo, já falecido e residia em Campina Grande, eu sou o segundo e hoje resido em Navegantes-SC, depois vem a Genilza, Genilma e Genilmar, residentes em Recife-PE juntamente com a minha mãe. O Genilvam é residente em Maceió-AL e o Genilson reside em Ribeirão Preto-SP. Todos nós começamos nossos estudos em Pombal, eu fiz o jardim da infância e o primário no Grupo Escolar João da Mata e na escolinha da Dona Anita, ficava na Igreja do Rosário, depois fui fazer o admissão no Colégio Diocesano de Pombal e finalmente fui estudar no Colégio Estadual. Na seqüência fui para o Recife, continuei meus estudos e trabalhava como propagandista de laboratório, ainda menor. Ingressei na UFPE estudando Letras, depois vim a SP onde fiz Administração com especialização em Administração hospitalar no São Camilo. Em SP trabalhei em duas multinacionais por muito tempo, sendo executivo em ambas, sendo responsável pela operacionalidade de uma delas em todo interior de SP, sul de Minas e MT. Na outra fui dirigir o Centro-Oeste. Larguei tudo em função de uma doença chamada Síndrome do Pânico e me estabeleci na cidade de Barretos quando comprei um laboratório farmacêutico, fiquei por lá 16 anos. Hoje estou em Navegantes, tenho uma empresa e escrevo para jornais e sou redator da Revista dos Municípios, órgão da ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ASSISTÊNCIA AOS MUNICÍPIOS, onde exerço a função de Diretor Executivo. Sou Espírita Kardecista, casado( 30 anos ) com a Dra. Maria Luiza do Amparo Lima Dantas, Bioquímica em atividade, tenho dois filhos advogados, o Dr. Genival Torres Dantas(28 anos) é Defensor Público no Estado de SP, exercendo suas atividades em Ribeirão Preto e a Isabel Cristina Lima Dantas(25 anos) está estagiando no MP de Barretos-SP, segue no próximo ano para Ribeirão-Preto. Quanto a história da literatura em minha vida vide anexo sobre o assunto, ele foi bem detalhado pela escritora Maria Helena Brant: A vida trouxe este Paraibano de Pombal até Navegantes, Santa Catarina, depois de passar por vários Estados, não como retirante, mas como um andarilho na eterna e sôfrega procura de novos rumos, inspiração e algo que o aproximasse da perfeição. Filho de um comerciante paraibano e de uma valente mulher que sempre transmitiu aos filhos as mais nobres virtudes, principalmente a arte de viver com dignidade. Seu pai, apesar de semi-analfabeto, era um homem inteligente, cativante e, acima de tudo, muito humano e de uma grande visão futurista, admirador da arte dos repentistas nordestinos e da cultura de cordel. Sergio Kante herdou do pai o gosto pela arte regional transformando-a em versos poéticos que falam de temas ligados ao seu povo, lembranças da infância e as histórias ouvidas nas mesas de bares, onde predominam os desencontros e desabafos dos amores mal resolvidos. Percebe-se, ainda, a manifestação do sofrimento por ele sentido na pele, a dor daqueles que saem de suas terras em busca de uma vida menos sofrida que a vivida no alto sertão nordestino. Adotou como pseudônimo dois nomes: Sérgio, um saudoso amigo da juventude que faleceu precocemente e gostava da filosofia do alemão Emanuel Kante. Daí surgiu Sérgio Kante. No começo, seus versos eram descomprometidos, livres, sem grande rigidez gramatical, com o objetivo único de espantar os males trazidos pela síndrome do pânico que, apesar de todos os tratamentos e tentativas para se livrar, deixou-lhe resquícios: insônia, noites mal dormidas e tormentos da alma. Espírita Kardecista, leitor assíduo do Mestre Chico Xavier, traz em alguns de seus poemas uma manifestação melancólica de tristeza inexplicável e contida, resíduos de uma vida de luta e tristeza em ver as desigualdades sociais, sentimento exposto nos seus versos, principalmente quando escreve sobre festas comemorativas e muito representativas para a humanidade, como o natal e ano novo, que deveriam ser uma união das classes sociais, mas é justamente quando é mais visível a desigualdade. Coloca em seus versos a visão melancólica dos menos favorecidos, como os homens de rua, tema constante em seus escritos, e a revolta com o desrespeito para com a vida humana. Sua sensibilidade não está presente só na visão realista e sofrida da vida, mas também no romantismo dos versos de amor nas suas várias formas. Observei as várias faces de uma vida expressas em forma delicada de poema: saudosa e sentida, com a ausência da família; leve em seu romantismo; cruel na frieza que a realidade nos traz; indecisa diante da confusão de sentimentos dos que amam; mas sereno quando fala do ser humano. Rainha proibida, um misto de realidade e utopia em forma de versos colocados no papel para tocar corações, forçando-nos a uma reflexão sobre os nossos valores e a postura a assumir diante da vida. É uma seleção entre vários trabalhos onde se pode perceber a maturidade que a vida nos traz, como disse Bernardo Soares (Fernando Pessoa) “o vapor em que parti chegou barco a vela”, mas sem perder o que há de melhor, a simplicidade. É uma leitura para se divertir, alimentar a alma e refletir... Maria Helena Brant. Continuando minha história: UM SONHO E UMA NECESSIDADE REALIZADOS PELO LORD AMPLIFICADOR! Os anos 60 (sessenta) a jovem guarda já estava chegando ao final do seu ciclo musical, Roberto Carlos já não era uma brasa, mora? Erasmo carlos começava a desistir de ser o tremendão, Wanderleia não era mais vista como a ternurinha, outros astros começavam a declinar junto ao seu público, casos específicos de Wanderley Cardoso, Jerry Adriani, Ronnie Von, e tantos outros que fizeram história nas tardes de domingo. O lord Amplificador continuava fiel na sua programação prestigiando os ouvintes e seus ídolos já em declínio. Na época eu tinha um sonho e uma necessidade, não sei qual era maior, se o sonho ou a necessidade. Tinha que iniciar por algum lugar, comecei a freqüentar os estúdios daquele serviço de alto-falantes com o objetivo principal de arrumar algum serviço na radiofonia e ali era a única oportunidade que existia para exercer essa atividade para por conseqüência suprir minha necessidade de emprego. Não demorou muito, fiz amizade com o Massilon Gonzaga que começou a me ensinar a sonoplastia, quando o Clemildo teve a necessidade de uma pessoa para aquela função eu já estava pronto. Ainda não era o que eu queria, mas era um bom começo. Numa noite o próprio Massilon Gonzaga faltou e sem alternativa peguei o microfone e comecei a ler os textos, normalmente elaborados pelo Clemildo, que atento ao som do Lord Amplificador, veio ao estúdio saber o que estava acontecendo, ele conhecia bem a voz dos seus locutores, eu simplesmente era um intruso naquele instante. Mas o Clemildo não reclamou muito, apenas ficou atento por alguns minutos e foi embora, eu continuei na minha tarefa. No dia seguinte ele, o Clemildo, me procurou para conversar e me efetivou como locutor por um período mínimo e era reserva na ausência dos titulares. Assim comecei minha história na radiofonia pombalence, na seqüência tanto eu quanto o Massilon Gonzaga fazíamos as seleções musicais após o encerramento das transmissões. Ficávamos até tarde, principalmente quando o Clemildo vinha de Campina Grande, João Pessoa ou Recife, com novos discos, recordo-me bem que um disco que ele nunca deixava de comprar era as 14 mais da CBS, naquela época, o selo que mais cantor de sucesso tinha no seu elenco de artistas, tendo como astro maior o Roberto Carlos. Só saí do Lord Amplificador quando o Arruda, um ex colaborador do Clemildo, me fez um convite para trabalhar na Farmácia Central , do Sr. Walmiro José de Assis, seu Nenen, grande exemplo na minha vida, de retidão e personalidade, ele, seu Nenen era casado com uma tia do Arruda, por isso ocorreu o convite para que eu fosse trabalhar na farmácia onde fiquei até dia 31/12/1969. Dia 01/01/1970, ainda menor de idade, mas com emprego arrumado, embarquei para Recife para trabalhar e estudar, portanto, fazem 37 anos que me ausentei da minha terra. Abraços fraternos: Genival Torres Dantas - Navegantes-Santa Catarina.