domingo, 31 de maio de 2009

MACIEL GONZAGA*
O Rio Grande do Norte está em festa. Não sei quantos loucos seremos em 2014. Só sei que Natal, - “a Noiva do Sol” – está confirmada pela FIFA como uma das 12 cidades que sediarão a Copa do Mundo de 2014. E o anúncio, ocorrido na tarde deste domingo (31) seguido da comemoração não podia ser de maneira melhor. Ao pé do principal cartão postal do Estado, debaixo de um sol forte, centenas de natalenses foram a Ponta Negra e puderam comemorar ao ouvir que Natal estava confirmada no maior evento esportivo do mundo. É a confirmação de um sonho. Muitos não acreditavam que Natal pudesse concorrer com cidades consideradas fortes politicamente e economicamente. Mas, nós mostramos que também somos fortes. Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo foram as outras cidades escolhidas pela FIFA. Um mega projeto orçado em R$ 300 milhões terá de sair do papel.
Mas, o investimento total é de R$ 1,7 bilhão. Para as autoridades, a maior parte dos investimentos deverá vir da iniciativa privada. O Estádio Arena das Dunas deverá começar a ser construído ainda este ano, pois terá de ser finalizado até 2012. Isso porque antes da Copa do Mundo o país sede tem que organizar a Copa das Confederações e Natal está incluída neste campeonato. Também, a cidade ganhará mudanças estruturantes para comportar um evento como a Copa do Mundo.
Além do estádio com capacidade para 45 mil pessoas, o complexo terá também shopping, centro comercial e hotéis, sendo que o empreendimento será gerido pela iniciativa privada. Além de estar em sintonia com várias empresas estrangeiras, a localização de Natal também permite que a cidade possa ser usada como porta de entrada para visitantes oriundos da Europa e da África, pois estamos a menos de sete horas de viagem do continente europeu e somos o ponto mais próximo do africano. Por conta dessa proximidade, aliada às belezas naturais da região, Natal é um grande pólo turístico. No ano passado, foram mais de dois milhões de visitantes, de acordo com o Comitê Executivo da cidade para a Copa de 2014, e a expectativa é que esse número suba para três milhões em 2010. Para comportar esse contingente, a capital potiguar prevê investimentos privados para quase triplicar o número de leitos oferecidos: de 26 mil para 65 mil, auto-suficiência energética até 2010; melhoria da acessibilidade para pedestres; construção de um novo Aeroporto Internacional, cujas obras já foram iniciadas; investimento em armamento, viaturas e contratação de pessoa; além da duplicação das principais vias completam o projeto de Natal. A cidade, que foi fundada em 25 de dezembro de 1599, tem hoje uma população de 798.065 habitantes; densidade populacional – 4.546,3 habt/km2; população da Região Metropolitana – 1.255.409 habitantes; IDH - 0,788 (quarto maior do Nordeste); Temperatura média - 28º C; Hospedagem - 26 mil leitos. Segundo o IPEA, Natal é um dos 15 municípios menos violentos do Brasil e a capital mais segura do Brasil.
Devido a sua proximidade com a linha do Equador, alguns dias na capital potiguar chegam a ter 15 horas de sol seguidos. Durante todo o ano não se percebem mudanças drásticas no clima (salvo exceções), tendo como resultado um inverno quente, marcado apenas por chuvas entre os meses de julho e agosto. Porém, devido a sua localização privilegiada no continente, Natal recebe ventos constantes, o que torna o clima mais agradável e que segundo um estudo feito pela NASA, a cidade torna-se a detentora do ar mais puro das Américas. Além disso, as dunas de areia funcionam como filtro natural para a água. Estamos de braços abertos para receber a todos.
*Jornalista, Advogado e Professor – Natal RN.
PROF. FRANCISCO VIEIRA*
O gosto é um sentimento comum que consiste na satisfação ou prazer de apreciar algo ou alguma coisa. Sabe-se, entretanto, que se manifesta nas pessoas de formas diferentes, bem particular. Assim, o que agrada uns pode desagradar outros; o que pra você é mau gosto, para outros é maravilhoso ou no mínimo normal. Em que pese o adágio: “questão de gosto não se discute”, ser um pensamento que implica em respeitar a diversidade de idéias, infelizmente, há certos gostos estranhos que caracterizam verdadeiros absurdos.
Fazendo uma relação do tema enfocado com a música nos dias de hoje, observamos um quadro no mínimo preocupante, pois é evidente o mau gosto das pessoas no que se refere à preferência musical. É lamentável, mas a música de boa qualidade, aquela que toca naturalmente o emocional, sem nenhuma explicação, justificável ou convincente, vem desde muito tempo cedendo espaço para gravações que surgem diariamente aos montes, todas desprovidas da menor expressividade. Na verdade se constituem uma afronta a nossa cultura e um atentado aos bons costumes.
Estudo científico norte-americano bem recente comprova que a pessoa ouve o que pensa. Comparando, pois o gosto musical de alguns estudantes constatou-se a coincidência de resultados relacionados ao nível musical de sua preferência. Verificou-se, portanto, a obtenção de altas notas nos que ouvem Beethoven e inversamente, isto é, notas baixas nos adeptos de Lil Wayne, respectivamente, o que poderia se chamar de chic e brega em matéria de música aqui no Brasil. Sabe-se, entretanto, que exames dessa natureza medem apenas a condução do indivíduo na escola, por conseguinte, não representa sua inteligência nem muito menos a genialidade. Contudo, é por demais preocupante, já que a questão se refere à influência que a qualidade musical pode causar no comportamento humano. Mais preocupante ainda é o fato de que a música de má qualidade provoca um ciclo vicioso, alienador, sem fim, que acaba inesperadamente levando a pessoa a ouvir e valorizar coisas do tipo Latino, Lacraia ou algo semelhante.
Na verdade, nossa música vive uma crise sem precedentes. Padecemos as conseqüências de interesses vis da indústria fonográfica em coloio com os meios de comunicação; sofremos os efeitos da insanidade econômica, que valorizando os lucros em detrimento ao talento descartam e subestimam o que temos de melhor. O que vemos são bandas de pagode – falsos sambistas – forró e afins, sem a menor autenticidade musical e artística. E, o que é pior: em avançada ascensão, pois a mídia lança pseudo-artistas que se dizem cantores – de péssima qualidade – e cantando composições do mais baixo nível se tornam ídolos de um público de mau gosto, que se satisfaz com tão pouco, com o mínimo, como o nada, com o pior. Paralelamente, artistas de renome, ídolos do passado, procuram às duras penas nos dias atuais um lugar ao sol. A título de exemplo, Moacir Franco trocou a música pelo humorismo e, pasmem Agnaldo Timóteo, para vender seus discos percorre as ruas do Rio de Janeiro, como um peregrino. É artista e camelô ao mesmo tempo
De fato, a crise existe, atingindo de forma generalizada e sem discriminação todos os gêneros musicais. Até mesmo a linha liderada por Gil e Caetano, também sofre suas conseqüências. Esse gênero, que fora popularizado no passado e sobreviveu como uma fortaleza a recessão imposta pela ditadura, hoje, acha-se submissa à libertinagem e a degradação da língua portuguesa se declinando aos níveis mais baixos da promiscuidade cultural. Assim, a MPB, como música de qualidade, está à margem da preferência, portanto, vítima do sucateamento e do mau gosto musical, foi lançada a segundo plano, ao último ou a nenhum. Propositadamente me vêm à lembrança os memoráveis festivais que revelaram talentos que se imortalizaram como: Elis Regina, Vandré, Chico Buarque, Edu Lobo, Gonzaguinha e tantos outros que pela qualidade de suas composições foram rotulados e injustamente perseguidos pelo regime militar.
Infelizmente o brasileiro é cúmplice desse processo de destruição; é responsável quando descarta nossos valores em troca de outros sem o menor teor expressivo. A propósito, enquanto no Brasil se faz filas quilométricas para assistir Madona, expurgo cultural ao lado de Michael Jackson para Ariano Suassuna, a Bossa Nova, movimento musical brasileiro ainda representa muito bem o país pelo mundo, tocando na América do Norte, Canadá, México e outros países. É contraditório e inexplicável.
A música em sua essência é mais que uma arte; é Divina. Ela toca o emocional, pois fala de amor, de paixão, fala de tudo que é sentimento. Sua dimensão é infinita. Cada uma lembra algo, marca um relacionamento, um fato, um momento. É a melhor maneira de recordar. Até mesmo a música brega, como gênero popular, na pureza e simplicidade de suas mensagens tem seus méritos – reconhecidos por uns e criticados por outros – pois é cultura, expressão e retrato sentimental do povo. Música, não é uma composição qualquer - qualidade é preciso. E, qualidade, exige: originalidade, criatividade, letra, harmonia e mensagem. São requisitos fundamentais que se completam com uma voz vibrante, agradável.
Diante desse quadro não podemos cruzar os braços em sinal de acomodação e compartilhamento, atitude que caracteriza omissão, que significa fraqueza, covardia. Seria ainda abreviar o tempo de vida de algo que está debilitado ou a falência total do que se acha em decadência. E, mais ainda, seria jogar ao léu a riqueza cultural que dispomos em forma de música e dança, ambas, manifestações rítmicas que sensibilizam, emocionam, comovem e encantam – o próprio êxtase. Longe de mim qualquer imposição ou influência vã; antes o respeito à variedade de pensamentos, pois como averso ao radicalismo, não me permito exigir dos outros a mesma visão. Contudo, mesmo respeitando a posição de cada pessoa, em especial a diversidade de gostos, alguns são extraordinariamente extravagantes, sem nexo, sem sentido – pra não dizer ridículos. Seguindo essa lógica, o que dizer do gosto de ouvir músicas como: “Eguinha Pocotó, Creu, Maionese, Baba Baby, Dança do Quadrado” e outras no mesmo nível de mediocridade e vulgaridade. É gostar do que não tem gosto. É que nossa cultura consumista se manifesta em diversos aspectos, inclusive na música, onde se mostra vazia, permitindo ao homem aceitar de bom grado o que há de mau gosto.
Para vencer o mal a maneira mais eficaz é combatê-lo não deixando que ele cresça. Prevenir é preciso; evitar é necessário, pois do contrário outros “Creus e Eguinhas Pocotós” virão, outros Latinos e Lacraias surgirão, para poluir as mentes sãs, maculando a Música Popular Brasileira. Caso contrário continuaremos sentenciados ao desprazer de ouvir eternamente a nossa volta esse tipo de mau gosto. Dessa forma, entre outras coisas teria o prazer de não mais exclamar: QUE FALTA DE BOM GOSTO!
*Ex-Secretário de Administração e Ex-Diretor da Escola Estadual João da Mata.
Pombal, 30 de maio de 2009.
Jerdivan (foto)
Jerdivan Nóbrega de Araújo*
Eu vi um homem chorar como criança. Eu vi uma senhora segurar com força as grades pretas de ferrugem e ficar por horas mirando as desnudas paredes onde eram expostos os cartazes nos áureos tempos daquela velha casa de exibição cinematográfica. Eu vi suas lágrimas. Eu senti que aquele homem e aquela senhora viajavam para um passado onde, com certeza, eu estava. Eu sei o que eles viram. Eu sei por que eu também viajei naquele sonho e vivi aquele tempo de glória. Então, nós vimos o passado. O nosso passado! E ele lembrava o premiado Cinema Paradise que, por ironia do destino, nunca chegou a ser exibido nas telas do velho Cine Lux. Mas com certeza, quem nasceu em Pombal chorou ao assisti--lo.
Nós vimos “ seu ” Afonso chegar com um lançamento da Vera Cruz ou da Cinelândia. Nós vimos o Sr. Juiz entrar apressado, mesmo sabendo que sua cadeira era reservada e cativa. Nós assistimos “O Ébrio” e “A aparição de Fátima”. Nós vimos Padre Andrade deixar a celebração da missa de domingo pela metade, colocar um picolé em cada bolso da sua velha e surrada batina e entrar correndo para dormir na sua cadeira predileta, bem próximo ao barulhento ventilador que mais parecia um helicóptero em decolagem.
Nós relembramos o milésimo gol de Pelé nas atentas lentes do Canal 100. E, nas matinês de domingo, nos acotovelamos para assistir Durango kid ou Tarzan. Nas noites adentro vimos mocinhas e senhoras chorando após verem por três vezes consecutivas o clássico "Dio como ti amo".
Ver um filme no Cine Lux, antes de ser uma forma de entretenimento numa pequena cidade do interior, era, acima de tudo, um raro momento de prazer que, só quem viveu aquela época, poderá explicar. O espetáculo tinha início do lado de fora da casa de exibição. Namorados desfilavam de um lado para outro; crianças liam os cartazes expostos. Não adiantava sair de casa antes de terminada a seção do cinema. A vida na noite de Pombal tinha início com o apagar das luzes do velho Cine Lux.
Tudo ao som das mais lindas canções. Pois é, seria injustiça deixar de dizer que o Cine Lux contava com uma discografia de fazer inveja às grandes emissoras de rádio da capital. O sinal de luz avisava que o filme estava para começar. Galdino, sempre inquieto, recolhia um a um os ingressos. Lá dentro, avisos de não fume de todos os lados e o silêncio mágico dos espectadores que aguardavam os três últimos sinais de luz. Depois de quinze minutos do início da exibição, as portas se fechavam e ninguém mais entrava . Era a disciplina que na época reclamávamos da sua rigidez e hoje lamentamos a sua falta.
A tela era panorâmica. Uma das primeiras na Paraíba para exibição do recém chegado Cinemascope. Isto mesmo. O gênio empreendedor o “Seu” Afonso via sempre à frente. Como moleque que éramos mentíamos a idade a fim de assistirmos fitas proibidas para menores. Lembro-me de alguém que esteve na capital vaiou o certificado de censura. Ele foi expulso, mas deste dia em diante, já entendendo o motivo, continuamos vaiando aquela cena sem arte.
Ali, parado, em poucos minutos viajamos para um passado tão perto e tão distante. Pegamos na mão da primeira namorada e fomos advertidos pela lanterna vigilante de Galdino. Como isso nos irritava! Se soubéssemos que tudo ia fazer parte desse passado doído, teríamos aceitado o constrangimento com todo prazer. Em pensamento, eu passo no Mercado Público e ainda vejo lá, exposto, o cartaz do filme do dia. —Hoje será exibido "Moisés". Só que desta vez ele não dividirá mar nem levará os filhos de Israel à procura da Canaã. Desta vez ele levará os filhos de Pombal saudade a dentro, nas telas da realidade e os afogará em um mar de desrespeito e esquecimento da sua própria memória.
Mas é preciso acordar. Encarar a realidade sem culpar a ninguém. O progresso, vilão de toda nostalgia, fez a sua parte enterrando no esquecimento aquele cinema e suas duas máquinas projetadas que já foram consideradas as melhores do Nordeste. O tempo, roteirista de cenas findas, vem cumprindo o seu papel enterrando para sempre todo e qualquer vestígio dos tempos de glória do velho Cine Lux.
“ A força da grana que ergue e destrói coisas belas ” já levou o sobrado da rua Nova e a casa de farinha da “Outra banda ”. Já silenciou o apito da chaminé da Brasil Oiticica, devastou as ingazeiras, assoreou o velho Piancó, parou no tempo a velha estação de trem e afastou-me da roça de Mila.
— Que mais ela quer de mim?
*Escritor pombalense.
Dez/1997
Celso Furtado (Foto Arquivo)
Por Cândido Tertuliano*
Gostaria de ter o poder de poder imaginar como era a vila de Pombal nos idos de 1920 a 1927, período do nascimento e infância de Celso Furtado e dos seus sete anos vividos aqui em Pombal. Quem foram os seus amigos de infância, sua professorinha, o que pensava aquele tenro menino. Como era o casario de nossa cidade naquela época. Nesta célebre entrevista dada a Playboy, Celso fala de uma enchente que costumeiramente acontecia e alagava as residências ribeirinhas da antiga rua do Rio, em que segundo ele, o fogão de sua casa foi parar na sala de entrada. Sabemos pouco de Celso, da sua família materna, apenas que seu pai era magistrado e em 1927 transferiu-se para a capital, onde ele continuou os seus estudos no Liceu Paraibano. Agora talvez seja a hora de nos debruçarmos em um intenso trabalho de pesquisa e tentar resgatar estes dados do homem comum, cidadão Celso Furtado. Do intelectual sabemos um pouco mais, de sua trajetória pelo mundo, suas preocupações que transcenderam os limites da economia, ciência por excelência capitalista e a serviço dos financistas, mas sabemos também de sua visão marxista de mundo, que lhe deu base para pensar a economia além da própria economia e estender para o social e o político o seu pensamento. Celso foi um homem muito além do seu tempo, um homem de vanguarda, como costumamos chamar estes indivíduos que conseguem vislumbrar o futuro muito à frente. Tornou-se mestre de muitos e seguidos por tantos. Foi humilde o suficiente para apanhar o metrô parisiense, no trajeto de ida de uma universidade a outra, quando lecionava na França. Não foi por acaso que tenha assumido a cadeira numero 11, da Academia Brasileira de Letras, anteriormente ocupada por Darci Ribeiro, outro homem do porte de Celso Furtado; aliás para entendermos o Brasil precisamos conhecer um pouco da obra de Celso (Formação Econômica do Brasil), o povo brasileiro (Darci Ribeiro), Raízes do Brasil (Sérgio Buarque de Holanda) e Casa Grande e Senzala de Gilberto Freire, além de Caio Prado Junior. Estes juntos formam e completam um quebra cabeça semelhante ao mapa do nosso país continente. Celso não tinha mais referências em Pombal, porque deixou de ser pombalense para ser um cidadão do mundo como dizia o filósofo Sócrates, a não ser a sua certidão de nascimento; o tempo muitas vezes faz com que percamos as nossas referências, com muita sabedoria. Ele quebrou paradigmas quando colocou na ordem do dia, a questão do subdesenvolvimento da região nordeste, não apenas pela questão geopolítica, mas como o fruto de uma herança colonial de mais de três séculos.
Foi um homem cujo pensamento era descolonizado e procurou transmitir isso aos seus seguidores. Sabia que a metrópole havia se deslocado de Lisboa para Londres e posteriormente para Washington. Foi ético até o extremo da palavra. Probo , simples, recatado, tímido e fiel aos seus princípios até o fim de sua longa e bela existência. Posso me orgulhar de ser seu conterrâneo
*Ativista Político.

sábado, 30 de maio de 2009

Casal Feliz Bibia e Cessa(Foto)
Por Francisco Vieira*
Congratulo-me com Bibia e Cessa por esta data tão importante e significativa na vida do casal, oportunidade em que comemoram Bodas de Jaspe, equivalente aos 47 anos de vida conjugal. É na verdade um acontecimento ímpar, uma raridade, principalmente nos dias atuais, quando muitos subestimam o matrimônio considerando uma instituição falida. Não, jamais será, pois é Divino e tudo que provém de Deus eterno será.
Viver a dois não é tarefa fácil - é uma vida de luta e sacrifícios, conquistas e desilusões e, sobretudo, humildade e compreensão, momentos estes superados somente, e somente só com amor. Esta data é mais que a realização de um sonho, mais que uma conquista; é um presente de DEUS. É a confirmação da promessa cumprida, a ratificação do juramento prestado na presença do Senhor.
Cada casal tem na vida um papel a cumprir e vocês desempenharam muito bem. Vocês foram grandes atores na arte de administrar, criar e educar. Com um jeitinho bem próprio de ser, amar, perdoar, lutar e viver se destacaram no cenário da vida prestando relevante serviço como pais no plano de Deus. Seguramente a missão foi cumprida tornando-se uma lição. Vocês venceram.
Outrora, eram apenas dois. Hoje, uma família constituída de filhos, noras e netos, cuja criação alicerçada nos princípios cristãos dão a todos segurança, estabilidade e dignidade. Em suma, orgulho dos pais. Nesse longo período de convivência vocês demonstraram imensurável exemplo do que só o amor é capaz, por isso deve ser seguido.
Almejo que Deus bendiga continuamente o casal para que siga saboreando as delícias e os frutos próprios do amor. Que as cores de Jaspe, esta pedra sagrada, segundo a cultura antiga, possa brilhar sempre na vida de ambos, tornando claro e límpido o caminho a ser percorrido. Regozijo-me em partilhar desse momento de felicidades desses amigos e compadres aos quais, devoto todo apreço e amizade.
Parabéns Clemildo por tão brilhante idéia que resultou em tão justa e merecida homenagem. Enfim, tudo o que está inserido nesse contexto se resume numa só palavra, num só sentimento – AMOR. Felicito o casal pelo conjunto da obra.
*Prof. Vieira e família.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Bibia e Cessa - Dia do Casamento (Foto)
CLEMILDO BRUNET*
“Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne” Gn.2:24. A união existente entre um homem e uma mulher depende muito do entendimento mútuo de ambos desde o início do relacionamento, começando pelo namoro com um tempo considerável para que se conheçam bem. Logo a seguir o noivado, onde requer uma maior aproximação dos dois, projeções para o futuro lar e a relação de apreço entre as famílias envolvidas, em seguida o enlace matrimonial. Mas, nem sempre isso acontece. É justamente na primeira fase do conhecimento onde se põe os alicerces da construção do amor que deve perdurar – Até que a morte os separe. O que não parece tão comum nos dias atuais.
Geralmente ouve-se falar muito em casais que se separam e pouco se dar importância ao casal que continua unido pela força do amor, talvez quem sabe, por ser uma raridade nos nossos dias. Nos parâmetros dessa raridade, quero lhes falar de um casal, cuja união teve o seu começo bem próximo ao altar da Igreja Matriz do Bom Sucesso, pois lá, houve à troca de olhares de duas criaturas bem jovens ainda, que se sentindo atraídos, viram-se despertados para o amor e hoje casados, cumprem o que diz Cantares de Salomão: “As muitas águas não poderiam apagar o amor, nem os rios afogá-lo” Livro do Cântico 8:7ª.
Minha homenagem hoje nesta coluna é para o casal amigo e ilustre, respeitado por toda sociedade pombalense, Francisco Fernandes da Silva (Bibia) e Mª do Bom Sucesso de Lacerda Fernandes (Cessa), que está completando 47 anos de feliz união conjugal neste dia 28 de maio de 2009.
Uma história de amor que teve início aos doze anos de idade, Bibia nesse tempo auxiliava o ofício da missa como coroinha, tímido como ainda aparenta, Cessa o procurou e declarou que estava gostando muito dele. Começou o namoro, isso às escondidas, por causa da família dela que a achavam nova demais para namorar. O point de encontro dos dois era a Igreja. Saiam da missa e iam namorar na Praça, isso em meio à apreensão de que alguém os visse juntos e delatasse a família.
Certo dia os dois estavam na praça e de repente Bibia a surpreendeu com um beijo, no momento, Cessa disse que aquilo era pecado. Lembrei-me então, que quando Bibia foi o entrevistado do quadro a música Preferida do meu Programa – Saudade Não Tem Idade, ele escolheu a melodia Argumento com Nelson Gonçalves. Aí me veio à lembrança que na última estrofe da letra da canção diz assim: “Se impetuoso fui sem compaixão e em nome do amor suplico o teu perdão/perdoa meu amor este pecado/sublime impulso de ti haver beijado”.
Um amor que brota de maneira espontânea é diferente de um que é cortejado por outros. E quando no começo a família quer dar combate, sai de baixo. Jamais vai impedir. O sábio Salomão expressa bem esta verdade quando diz: “Põe-me como selo sobre o teu coração, como selo sobre o teu braço, porque o amor é forte como a morte” Livro de Cântico 8:6ª.
Seu Cícero Gregório, pai de Cessa, viu-se incomodado com as circunstâncias de saber que sua filha estava namorando na praça e ao tomar conhecimento de que o rapaz era de boa índole e de família exemplar, permitiu que Bibia fosse namorar sua filha em casa. Todas as noites, Bibia vinha ao encontro da amada com uma lanterna na mão, pois naquele tempo a luz da cidade era de motor e logo cedo se apagava.
Dez anos entre namoro e noivado, chega a hora decisiva para se pedir à mão da moça, Bibia cria coragem e enfrenta seu Cícero Gregório pedindo Cessa em casamento, nesse instante, o pai da moça lhe indaga se ele tem meio de vida para se casar; o pretendente responde que sim. No dia 28 de maio de 1962, o casamento é celebrado na residência do pai da noiva sendo oficiante o Cônego Luiz Gualberto de Andrade. Um dia de muita festa, alegria e regozijo para os nubentes, as famílias de ambos e os amigos.
É bom lembrar que este era um tempo em que a telinha da TV não perturbava os recém-casados. Se por acaso alguém os quisesse incomodar, eles tinham todo direito de parafrasear o rei Salomão quando disse: “Prometam, mulheres de Jerusalém, (Pombal*), que vocês não vão perturbar o nosso amor” Livro de Cântico 8:4 – (tradução da Bíblia na linguagem de hoje). (*grifo nosso)
Nove meses de casados vem o primogênito e no decorrer dos anos quando se dá conta, o casal tem sido premiado por Deus com cinco filhos: Francisco Fernandes da Silva Júnior (Júnior), Francimar de Lacerda Fernandes (Cimar), Antonio Soares da Silva Neto (Tim), Rômulo de Lacerda Fernandes (Rominho) e Cândida Florência de Lacerda Fernandes (Candinha).
Cessa uma mulher guerreira que depois do quarto filho, com 37 anos de vida, através de muito esforço conquistou a sua projeção cultural, após vencer no vestibular ingressou na Universidade de Ciências e Letras de Patos, transferindo-se depois, para a Universidade de Filosofia e Letras de Cajazeiras, concluindo dessa forma em 1980, o curso de licenciatura plena em Letras.
Bibia cidadão honrado e querido por todos. Para ele o valor do casamento está em cumprir fielmente o juramento feito diante de Deus e dos homens por ocasião do enlace matrimonial. Antes de se tornar funcionário público o seu labor foi trabalhar no comércio, passando por diversas lojas. Era prestativo demais no desempenho de seu trabalho como comerciário. Acompanhava no domingo seu patrão nas feiras em cidades circunvizinhas.
Ensejando meus votos de parabéns a Bibia e Cessa por tão significativa data de 47 anos de casados; ofereço aos dois, um trecho do poema de Amado Batista da música – Casal de Namorados -
Eu conheço um casal de namorados, Os namorados são casados, há mais de trinta anos. Que coisa linda é ver a convivência dos dois nesta falência Do tal de casamento.
Esse casal já tem filhos já tem netos, daqui a pouco até bisnetos E o amor deles continua. É benzinho praqui e benzinho pra lá. É de dar inveja em qualquer pessoa...
*RADIALISTA.
Severino Coelho Viana (Foto)
Por Severino Coelho Viana*
Expor o pensamento é um ato de coragem, o pior é viver no anonimato da covardia, por insegurança, medo, frustração, sentimento de culpa e por falta de inspiração, onde somente aqueles que nascem com o dom são capazes de desvendar os mistérios da noção criadora. O estilo literário é uma maneira toda especial de exprimir os nossos pensamentos, ideias e conceitos, quer na linguagem falada quer na escrita. Este estilo é de caráter privativo, genuíno e pertence a cada indivíduo particular. É muito mais do que maneira ou modo de expressar os pensamentos – é um dom e uma arte.
Como arte que o é, leva-nos a criar, a gerar ideias. Tira-se do nada algo novo; pondera-se sobre as relações de sentimento, explora-se o recôndito das ilusões, evidencia-se o fato de nossa cruel realidade, acolhem-se os pensamentos otimistas e afugenta-se a sombra temerosa do ideal pessimista.
É tanto que, o estilo nasce com a pessoa. É o reflexo de sua personalidade, é a esboço do caráter individual, a firmeza do grau de cultura e a polidez do nível de educação. Por meio do conhecimento adquirido através da educação este polimento poderá tornar-se lustroso e parte para a evolução do aprimoramento. Neste ponto, é justamente onde desvenda a sensibilidade da alma, a fineza do espírito e a soma de cultura conquistada pela pessoa que escreve ou fala.
A palavra falada ou escrita, no uso de exposição que cai no domínio público, deve ser dita e escrita com clareza, com aparência de um bom vocabulário, com um razoável conhecimento das regras gramaticais, com objetividade e segurança nos temas desenvolvidos. Há uma distinção entre a palavra falada e a escrita. A falada o vento leva, mas a escrita permanece para a posteridade.
No entanto, o escritor ou autor não é uma pessoa isolada no mundo. Ele está condicionado pelo sistema cultural de seu tempo, por sua visão de classe, pelo debate artístico, pelas ideologias conflitantes, pelos valores pessoais e sociais consagrados no período histórico em que vive e cria a sua obra literária de acordo com essa capacidade e essa gama de conhecimento que o circunda. A maior ponderação de uma visão crítica, se é que emana de uma crítica bem fundamentada, é evitar transformar o estilo de conformidade ao autor da crítica, ou seja, querer impor a própria visão no texto de outrem. Forjar um estilo peculiar a um outro diferente daquele do autor. Ora, se o estilo é inerente a cada pessoa como se pode impor uma vontade ao pensamento alheio. Exatamente, neste aspecto reside o defeito do crítico, que critica por criticar, sem tem feito a menor investigação do assunto, resmungando raiva pessoal, contorcendo inveja, baforando ódio e queimando o texto literário pelo sentimento de vingança.
Apelando para a etimologia vemos que a palavra crítica vem do grego. Significa processo de purificação. Dizem os doutos que a palavra crítica originou-se na prática de purificar o ouro: tratava-se de derreter (destruir) o minério bruto e natural, a fim de retirar suas impurezas, para aproveitar somente a parte purificada, o minério adquiriria um outro valor depois de lapidado. Lembrando que, ainda, de acordo com o que dizem alguns filólogos, o "acrisolamento" esse processo de derreter o ouro, é um processo destrutivo. O ouro bruto tem que ser derretido. A crítica é destrutiva quando detona com aquela intenção que vem recheada de maldade. Quando o erro é supervalorizado e apontado, para humilhar o "errante", na visão medíocre do criticante.
A pior de todas as críticas é sem dúvida a crítica destrutiva, disfarçada de crítica construtiva. A crítica construtiva deixa-nos sempre com uma sensação de euforia e vontade de limar aquelas arestas que ainda denunciam algumas imperfeições. Deixa-nos com vontade de tomar um licor com quem nos abriu os olhos e uma impressão de que se criou um laço afetivo para a eternidade, com aquele alguém que contribuiu para o nosso sucesso, de forma desprendida e desinteressada. Já a crítica destrutiva, deixa um sabor amargo, desperta todos os medos e anseios que há em cada um de nós e quase que nos leva a pedir desculpa por existirmos e até por tentarmos fazer qualquer coisa de útil. A crítica destrutiva paralisa, só não pode destruir a índole da criatividade, pois, esta é a carcterística inata de quem carrega o seu próprio dom.
No entanto, são dois os tipos de crítica perfeitamente identificáveis e que por serem tão evidentes, acabam por não oferecer grande margem de dúvida. Porém, surge uma terceira forma de apreciação que é devastadora, demolidora e altamente venenosa, por ser simpática, por ser proferida entre sorrisos, pela maioria das vezes vir da boca daqueles que mais valorizamos e por conseguinte, nem sequer pomos em causa as suas intenções… refirimo-nos, obviamente, à crítica destrutiva, disfarçada de crítica construtiva.
Podemos viver anos em negação, acreditando no inacreditável, no arquiinimigo disfaçado de amigo, insistindo na interiorização de cada “conselho” destes tios, primos, irmãos, amigos de infância e realmente acreditamos que quando nos dizem que só sabemos partir tudo pelo lado oposto, que não fomos desavisados, que não colhemos o material necessário, que era melhor não pormos em prática esta ou aquela ideia porque os nossos planos estão indo para o lado torto e que tudo isto é para nosso bem. Justamente, este conselho é uma tentativa de esmiuçar o sucesso, não devemos tomar como um conselho verdadeiro. O perigo está na labareda da língua ferina. Tudo o que fica é um vazio, a frustração de “ser inferior e incapaz”, mas como foi dito com tanto “amor” é porque só pode ser verdade! Este amor entre aspas é perda de tempo daquele que não se propõe a fazer algo de útil, destrói com a maior facilidade o castelo dos sonhos possíveis de concretização.
No fundo, o que faz o autor da crítica? Critica. Só faz críticas. Critica o irmão, a mãe, o parente próximo, o amigo íntimo; critica a religião; critica a forma de governo, critica o homem, a esposa, o filho; critica tudo, até o vento, é uma insatisfação generalizada. Só não faz a autocrítica. Não apresenta o seu trabalho adverso e bem feito, não escreve uma linha e não levanta um tijolo de soerguimento do prédio social. São críticas meramente devastadoras; que destroem tudo, criticas que têm uma visão de forma diferenciada que é a visão demolidora de tudo e de todos. Não sabe fazer nada de promissor e de alvissareiro.
Temos aprendido que a única maneira de não cair na armadilha da crítica, é começar por avaliar o crítico e só depois da apreciação que nos foi feita, veremos o conteúdo ou o esvaziamento. O que é que essa pessoa já construiu na vida? Tem amigos? Como são os seus relacionamentos? Como é o seu discurso normal? Concentra-se mais em assuntos úteis, ou passa a vida a falar dos outros, e, sobretudo, dos erros dos outros? Que ele encontrou no seu “acerto”. Pobreza de espírito.
O cara que se "especializa" em ser "do contra", simplesmente é aquela típica pessoa chata que nunca concorda com nada. Meio azeda que deseja manter e impor a todo custo apenas seu ponto de vista. É contra pelo único motivo de não ser a favor. Mas não tem argumento consistente para ser "contra". Ao serem questionadas, sobre seus motivos, essas pessoas não sabem enumerar seus argumentos, um total devaneio.
Discordar e ser chato, não é ser crítico. É ser chato, mesmo!
João Pessoa, 27 maio de 2009.
*Pombalense e Promotor Público em João Pessoa. scoelho@globo.com

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Massilon Gonzaga - Novo CD - "O Forró da Gente"
Um forró de qualidade: xote, côco, samba, xaxado e baião, cantorias do Nordeste. É assim o novo disco do cantor, compositor e sanfoneiro – dos bons – Massilon Gonzaga – com uma linguagem contemporânea, sem se afastar da linha de seus trabalhos anteriores, falando de amor em suas variantes, tudo devidamente traduzido num ritmo dançante. O novo disco – “Forró da Gente” – busca mostrar a mais original e essencial música nordestina.
Em “Forró da Gente” Massilon Gonzaga canta em parceria com Amazan e Abdias Sobrinho. “Tome Zabumba”, “Forró no Salão” e “Nas Curvas do Corpo Seu” são as músicas que, em menos de uma semana, já estão no gosto dos ouvintes de todas as emissoras de rádio de Campina Grande e Caruaru, cidades que lideram os festejos nordestinos no Brasil.
Massilon Gonzaga diz que preconceito com a música nordestina é coisa de um passado que não existe mais, “já que o forró conquistou o Brasil”. Determinado, espontâneo e autêntico, Massilon Gonzaga de Luna nasceu na cidade de Pombal, Sertão da Paraíba, porém trabalha e reside em Campina Grande. É professor do curso de Comunicação Social da Universidade Estadual da Paraíba, diretor da Rádio Comunitária Ariús-FM, cantor e compositor. Com um estilo irreverente, Massilon Gonzaga, não é apenas um cantor, mas um animador que consegue fazer com que o público interaja durante suas apresentações. Dando destaque para a cultura regional, suas canções se firmam na valorização e no respeito as nossas raízes, resgatando, assim, um pouco da nossa história.
Este é o quinto disco da carreira do cantor, que busca seguir a linha de Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro e, mais recentemente, de Amazan. Para Massilon, que também é professor universitário, a música de Luiz Gonzaga está indubitavelmente presente em tudo que esteja relacionado com o acordeom.
“Esse disco também ratificou o meu trabalho como intérprete em meio a um caldeirão efervescente que é o forró de Campina Grande, com grandes nomes da música nordestina se destacando. Neste disco, sinto mais a vontade para mostrar a boa música nordestina, mais consciente do que estou fazendo, muito mais amadurecido”, destaca o cantor.
Fonte: Maciel Gonzaga - Natal RN.
Autor: Ubiratan Lustosa*
Feliz daquele que ao se olhar no espelho nele vê refletida a imagem de uma pessoa de bem. Feliz daquele que ao cair da noite, rememorando as obrigações do dia, ouve sua própria consciência dizer: "missão cumprida".
Feliz daquele que vendo seus castelos ruírem, seus sonhos desvanecerem, consegue forças para construir de novo, para sonhar outra vez. Feliz do que cai mas se levanta. Feliz do que sofre desilusões mas não perde a crença. Feliz do que sofre injustiças e consegue perdoar.
Feliz daquele que não sendo herói por ter realizado grandes feitos é herói anônimo do cotidiano, e muito realizou por ter feito bem as pequenas tarefas de todos os dias. Feliz o que ama a vida, muito embora nela encontre percalços e privações e sofrimentos. Feliz o que ama o próximo e se doa sem nada pedir em troca.
Feliz o que estende a mão para amparar o desconhecido que pede ajuda, mesmo que não tenha sido ajudado pelos próprios conhecidos quando precisou de apoio. Feliz daquele que tem amigos, muitos ou poucos, talvez um só, mas cuja amizade é sincera e desinteressada. E mais feliz ainda é aquele que sabe ser amigo desinteressado e sincero. Feliz daquele que não é maledicente, porque jamais rastejará nas misérias humanas. Feliz do que não tem inveja, porque será um construtor, um edificador, e crescerá pelas suas próprias virtudes.
Uma pessoa de bem se faz merecedora de respeito. Aquele que cumpre os seus deveres é reconhecido como digno. O que constrói e reconstrói, e sonha e volta a sonhar, é um ser com esperança. O que se levanta após a queda é um bravo e um vitorioso. O que não perde a crença é um forte. O que perdoa é olhado com benevolência por Deus.
O que cumpre as tarefas pequenas que se repetem todos os dias é artífice de um mundo melhor. O que ama a vida dela se faz digno; a vida é um dom de Deus nosso criador. O que ama o seu semelhante e faz de si uma doação, sem nada pedir em contrapartida, não sofrerá quando nada receber, mas crescerá espiritualmente.
O que ampara quem sofre, mesmo que não o conheça, procede como o Cristo e dele se aproxima. O que tem amigos sinceros e desinteressados, e sabe ser amigo desinteressado e sincero, é um ser iluminado.
O que não pratica a maledicência será louvado pelo seu caráter. O que não é invejoso será enaltecido pela sua própria grandeza e não por diminuir o valor alheio. Afinal, a prática das virtudes conduz à perfeição, e a perfeição é Deus.
*Radialista e Advogado - Curitiba PR.

quinta-feira, 21 de maio de 2009

CLEMILDO BRUNET*
Os acontecimentos sucessivos de escândalos entre aqueles que lidam com o dinheiro público neste país, são suficientes para não se calar mais. Já é hora do nosso povo despertar do sono letárgico e meter a boca no trombone. Parafraseando o que Jesus disse para os fariseus na sua entrada triunfal em Jerusalém: “Asseguro-vos que, se eles se calarem, as próprias pedras clamarão”. Lc.19:40.
Pedra - matéria mineral dura e sólida, da natureza das rochas como diz (Aurélio); objeto inanimado - na ação silenciosa, as mutações que estão ocorrendo com os elementos da terra em face do que a espécie humana tem feito, com o desmatamento de nossas matas virgens destruindo a fauna e a flora; o descaso para com o meio ambiente e todo sinistro provocado pelo homem contra as coisas da natureza. São mudanças repentinas que a meteorologia não sabe explicar. Chuvas provocando enchentes em regiões do semi-árido e seca em lugares onde nunca as águas deixaram de transbordar. Não seria por acaso a hora de se perguntar: As pedras estão começando a clamar? Por mais que se queira justificar esses fenômenos, o ser humano no final de tudo tem notado que são enigmas indecifráveis.
São numerosos os problemas enfrentados por milhões de brasileiros que defendem o seu sustento com salários insignificantes e para os aposentados proventos irrisórios, dinheiro que, não dar sequer para compra medicamentos. Enquanto isso, os homens públicos desta nação que auto se intitulam como representantes do povo gastam o dinheiro do contribuinte a seu bel prazer com familiares e amigos seus, utilizando-se de passagens aéreas para o exterior, pagas pelo Congresso Nacional.
A imprensa brasileira está mais do que certa em denunciar os abusos cometidos por políticos que fazem malversação do dinheiro público, pago com os nossos impostos como cidadãos no cumprimento do nosso dever. O que também por obrigação e dever de nossas autoridades governamentais deveria ser revertido em forma de benefícios necessários a saúde, que está sucateada, melhora das condições de nossas estradas que estão péssimas para o tráfego, e em salários dignos para os que ralam trabalhando com honradez.
É com indignação que vamos reproduzir aqui as manchetes e resumo do episódio conhecido como farra das passagens que envolveram tanto deputados como senadores. No registro feito no dia 20 de abril de 2009 do site “Congresso em Foco” nos deparamos com as seguintes informações: “Dezenove parlamentares e familiares fizeram pelo menos 20 viagens pagas pela Câmara para destinos como Paris, Milão e Nova York. Dagoberto Nogueira saiu 40 vezes do Brasil”. Outra notícia do mesmo boletim: “Uma única viagem para Europa custou R$ 50 mil para Câmara. Terceiros secretários distribuem passagens para deputados e também usam cota para transportar parentes”. Notícia ainda da mesma página do Site Congresso em Foco: “Metade dos 23 lideres partidários usou cota em viagens internacionais. Nova York, Paris e Miami são destinos mais comuns entre as 82 viagens”.
No dia 29 de abril de 2009, o mesmo site publicou que “Senadores gastam mais de 2,2 milhões em três meses”. Eles usaram verba indenizatória para despesas com transportes, alimentação, consultoria, aluguéis e divulgação. No mesmo item da notícia diz que “parlamentares pressionam para incorporar benefício ao Salário”.
Por outro lado, uma frente parlamentar está pressionando o Presidente da Câmara, Michel Temer, no sentido de que se tire da gaveta uma Campanha institucional de conscientização dos brasileiros “A corrupção deixa marcas” que há dois anos está guardada. O objetivo deste grupo de parlamentares é votar propostas de moralização no uso do dinheiro público. Essa campanha a custo zero foi desenvolvida pela Secretaria de Comunicação da Câmara, para promover uma mobilização nacional contra a prática de corrupção e envolveria os órgãos de comunicação da casa (Agencia Câmara, Rádio Câmara, TV Câmara) TVs das assembléias estaduais, TV Justiça, TV Sesc, TV Sindilegs e Sistema Radiobrás. Outros objetivos da campanha seria criar mecanismos de fiscalização e denúncia contra a corrupção mostrando os efeitos prejudiciais dessa prática no cotidiano e combater a visão de quem muitas das vezes faz com que essas irregularidades, sejam encaradas com naturalidade no dia-a-dia.
O interessante é que há muito tempo isso vinha ocorrendo e nós cidadãos deste país não sabíamos de nada. A nossa população tem que dar um basta. Você pode me perguntar de que modo? Precisamos antes de tudo averiguar o procedimento de quem hoje milita na política. Não é somente votar simplesmente porque fulano é meu amigo, ou então porque certa vez me trouxe um benefício. Sabemos que o nosso povo é bondoso demais em retribuir essas ações. Acontece que já pagamos esses favores.
Alguém acha que não tem mais jeito para o que rola no Congresso Nacional, eu não concordo. Tem jeito sim. Quem escolhe os candidatos que vão prá lá? Nós. Sim, somos responsáveis e temos que começar de baixo. Das nossas bases eleitorais. Se errarmos nas nossas escolhas, precisamos refletir onde erramos e consertar o erro, do contrário, seremos coniventes com eles (políticos corruptos), não temos de que reclamar e aí então, as pedras... clamarão.
*RADIALISTA.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Por Mª do Bom Sucesso de Lacerda Fernandes*
Hoje, vinte de maio são decorridos quatro anos e seis meses sem o nosso célebre Estadista CELSO FURTADO. Nesta oportunidade, faço jus, a minha homenagem, divulgando na íntegra, o texto elaborado naqueles dias de consternação. Publicado na Academia de Letras de Pombal, e Divulgado na Rádio Liberdade FM de Pombal Paraíba.
POMBAL MAIS POBRE!
Naquela tarde do sábado, 20 de novembro de 2004, ouvi um som humano, que à minha porta, anunciava a morte do nosso grande e querido Celso Furtado, acontecimento triste e doloroso que me causou uma espécie de arrepio. De repente, hesitei, e disse àquele precursor que talvez fosse um engano por parte de outrem, pois alimentava o pensamento que Deus iria deixá-lo viver mais, para continuar o seu apostolado em defesa da causa social e econômica do nosso país que diz respeito aos problemas dos seus irmãos sofridos pelas intempéries das secas e da desigualdade humana. Sensibilizada, liguei a televisão e constatei a veracidade do fato que abalara toda a nação brasileira, paraibana, e, sobretudo pombalense.
Sim! Pombal ficou mais pobre, com a ausência do seu ilustre filho na esfera terrestre, pois somos sabedores de que, se grande era o seu saber, maior era a sua esfera de influência para realizar ações benéficas para com o povo brasileiro. O ilustre Celso Furtado manifestava uma força de fé, que unida a sua sabedoria tudo realizava. Uma constante na sua vida era a certeza de que o mundo ainda seria muito melhor.
Falar de Celso seria acordar o mundo para ouvir a bela Canção de feitos contidos na história de um Menino que se tornou Gigante e Esplendoroso por uma causa digna e justa de solidariedade humana. É também, contemplar uma Bandeira de Patriotismo e Heroísmo que será doravante hasteada em nossos corações de compatrícios gratos que vêem também com os olhos do coração a grandeza e o amor telúrico que ele consagrou ao seu Brasil, a sua Paraíba e a sua Pombal.
Obrigada, Celso, pelo seu Ministério de vida fazendo bem ao próximo, como reza o segundo Mandamento de Deus o que fez também, com certeza, contemplar a glória da sua salvação. Consternados pela perda irreparável do querido CELSO, fazemos jus a nossa solidariedade de pesar a sua família de sangue e de nacionalidade pelo admirável humanista, economista e jurista que nunca se negou à causa social do seu povo, homem que repercutiu e repercutirá na história brasileira pelos feitos em prol da defesa dos irmãos sofridos e injustiçados. Assim disse!
*Poetisa, escritora.
Pombal, 22/11/04.
Por Jerdivan Nóbrega de Araujo*
Às vezes as lembranças da nossa infância pulam na tela do computador em textos já feitos e acabados, esperando apenas que os nossos dedos catem as letras, transformando-os plausíveis à todos. "De onde ela vem?! De que matéria bruta/ Vem essa luz que sobre as nebulosas/Cal de incógnitas criptas misteriosas/ Como as estalactites duma gruta?" Não ousaria responder ao poeta... Agora mesmo veio-me a lembrança de uma cheia do Rio Piancó, ano de 1967. Tinha eu seis verdes anos... Como me lembraria de tão distante passado? Talvez paisagem formada por chuva, casas caindo, rio cheio e pessoas lutando para salvar seus poucos pertences, sejam apenas argumentos ou cenário para que viesse a minha mente a lembrança de uma mulher que teve grande influência na minha formação como pessoa: A minha avó paterna mãe Loúrdes.
Mãe Loúrdes, e meus irmãos e primos hão de concorda comigo, foi a personificação da mulher nordestina, para quem o destino aprontou as mais travessas peças e armadilhas, porém, com fé e coragem ela chegou ao final da jornada, podendo olhar para trás e dizer: venci! E venceu mesmo: Órfã ainda jovem viu a luta da sua mãe, viúva também muito jovem, para, sozinha, criar os filhos sem perder um que seja para o mundo.
Se o mesmo destino de Ana, nossa bisavó, foi o que herdou mãe Loúrdes, foi também nesse exemplo de luta e persistência que ela se mirou, após a morte do nosso Avô José Tavares, para tocar a vida para frente e levar a caminhos certos seus sete filhos, dentre eles, Félix, o meu pai. A todos foi dada a chance e a oportunidade dos estudos e da educação e, sem não muito esforço, mandar o filho mais novo a completar seus estudos na capital, o que só era possível, naquela época, as famílias mais ricas.
Para tanto, foi no cabo da enxada, cortando mato, atravessando o rio a nado no tempo de cheia, plantando o próprio sustento ou a beira do forno de lenha, fazendo sequilhos de goma sob encomenda, já que nenhuma pensão ou herança material deixou nosso avô, que mãe Loúrdes construiu a sua família, deixando para filhos, netos e bisneto o seu legado maior que é sempre acreditar que, no final, tudo vai dá certo. Porém, é preciso construir este final. Não me lembro de um dia, quando criança, que meu pai não me levasse logo pela manhã, para "tomar a bênção a mãe Loúrdes".
Mãe Loúrdes da historias, do bom humor e dos cânticos quando orava. Mãe Loúrdes que não abria mão de dar o primeiro banho dos netos, e que eu fiz questão que também desse o primeiro banho e a primeira mamadeira a minha primeira filha. Por onde anda aquela foto??? Acho que era o ano de 1969, vinha eu descendo a Rua Nova e dei de cara com ela. Pegou-me pelos braços levou até o Hospital Sinhá Carneiro para tomar a bênção a Padre Oriel em seu leito de morte. Nos meus oito anos não sabia o que sei hoje. Se soubesse não teria ido de cara amarrada.
Chovia muito. A casa de João Rapadura já era escombros, a casa de dona Poncher, sogra de Valderi, estava também ilhada. Dona Raimunda, mãe de Joaquim ainda resistia não querendo abandonar os seus bens. A Rua de Baixo era um cenário triste de destruição pela chuva da noite anterior e agora pela cheia do velho Piancó, e eu, com seis anos de idade, queimando-me em febre, era levado, sem muito esforço pela minha magreza, nos braços de mãe Loúrdes que não quis que eu caminhasse pelas águas sujas e contaminadas que invadira a nossa casa. Por que me veio à mente este cenário. Acredito que apenas para buscar a imagem da minha avó. A imagem de mãe Loúrdes cuja personalidade moldou toda uma geração de filhos, netos e bisnetos.
*Escritor Pombalense.

terça-feira, 19 de maio de 2009

ONALDO QUEIROGA*
“Quem roubou minha sanfona foi Mané, / foi Rufino, foi Romão. / Quem roubou minha sanfona foi Mané, foi Batista ou Bastião. Quem roubou minha sanfona, oi, / traz de volta, seu ladrão. / Olha aqui, esta sanfona, / sempre foi a minha dona / e tem valor de estimação. / Quem roubou minha sanfona, / eu bem sei, / foi alguém sem coração. / Nesse dia eu não cantei, / quase chorei, / foi tão grande a emoção. / Quem roubou minha sanfona, / peço não faça de novo, / pois esta sanfona bela / que eu estou cantando nela / é a sanfona do povo.”
A música “Sanfona do Povo” é uma obra-prima de autoria de Dona Helena Gonzaga e Luiz Guimarães. A canção retrata fato verídico, ocorrido por volta dos anos de 1950, quando Luiz Gonzaga teve sua sanfona branca subtraída por alguém cuja identidade é até hoje desconhecida. Em bela tarde, no Rio de Janeiro, Luiz Gonzaga chegou à Rádio Nacional, juntamente com o sobrinho Joquinha Gonzaga e outros companheiros de caminhada musical, dentre eles o conhecido “Xaxado” (ou “Salário-Mínimo”), como era conhecido o famoso anão que o acompanhava, tocando triângulo. Ao se ver na Rádio, justamente para participar de gravação de programa ao vivo, Luiz desceu do carro e subiu para o camarim.
Conversa vai, conversa vem, o “Lua” percebeu que já estava se aproximando a hora da apresentação. E foi aí que notou a falta do instrumento — sua sanfona branca. Olhou para o “Xaxado” e logo determinou que ele fosse buscá-la no carro. Instantes depois, retornou o “Xaxado”, carregando a caixa da sanfona, mas com fisionomia assustada. Vidrou os olhos em Gonzaga e disse: “Roubaram a sanfona! Ela sumiu! Não estava na caixa, nem no carro”.
Momento difícil, aquele. O Luiz Gonzaga desceu, procurou por todo o carro, mas não encontrou o instrumento. Triste e desorientado, foi para o palco da Rádio Nacional. Pela primeira, vez o Rei do Baião se apresentou sem sanfona. Cabisbaixo, chorou muito, sentindo a falta do amor maior, a razão de sua vida. Um “ladrão sem coração” levara para sempre a sanfona branca do Luiz, a “sanfona do povo”. Sim, a sanfona do povo nordestino, aquela que, ao peito do cantador, do menestrel do sol, inspirou e fez jorrar de uma alma matuta o retrato e a defesa de seu torrão natal, dos pássaros, dos retirantes, das cheias, da seca, das belas praias do litoral do Nordeste.
Por muito tempo, Luiz Gonzaga ainda buscou reencontrar seu instrumento. Por isso, sempre que chegava a um local e avistava um sanfoneiro dedilhando sanfona branca, caprichava o olhar no acordeom, alimentando o sonho de deparar-se com sua própria sanfona branca.
Joquinha Gonzaga nos revelou que, muito tempo depois, quando se achavam, um dia, de passagem por Cajazeiras, cidade do Alto Sertão paraibano, ele e Luiz Gonzaga saíram do hotel e, ao passarem por uma praça local, visualizaram um trio de forró. Ao peito do sanfoneiro, uma sanfona branca... Luiz desceu do carro, então, aproximou-se e logo reconheceu: era mesmo a sua sanfona, aquela que havia sido levada tempos atrás, no Rio de Janeiro. Já bastante surrada, a sanfona ainda tocava o coração dos sertanejos. Luiz não disse nada ao sanfoneiro, pois, segundo Joquinha, sabia que o autor da subtração não fora ele.
Com esse ato, Luiz Gonzaga cedia mais uma sanfona sua, dentre as mais de trezentas que ofertou a sanfoneiros, durante sua trajetória de vida. Viva o Rei do Baião!
*Pombalense, Juiz de Direito em João Pessoa – PB.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

GRATIDÃO E APLAUSOS!
Prezado amigo Paulo Abrantes!
Paz em Cristo!
Fiquei muito feliz ao receber do amigo Clemildo, um CD, sobre a vida de Frei Damião, nosso Santinho Nordestino, anunciando que você me mandou de presente. Agradeço pela honrosa lembrança, que manifestou a nossa sólida amizade de infância. Digo de infância, pela consolidação que eu mantive com os seus queridos genitores, Augusto e Dora, em continuidade com suas irmãs Iruza, colega do Curso Normal e Ione, colega de magistério, ambas, grandes amigas. A você e demais irmãos, devotava grande admiração.
Faço crer a nossa amizade, no que disse o escritor Dr. John Mackay, no seu livro “O Sentido da Vida“, que: “Não há relação mais espiritual e sublime que a amizade”. Esta é a riqueza que com esmero conservo na minha vida.
Ouvi a sua Obra por duas vezes seguidas, para constatar o que um Menino Homem, inteligente, voz vibrante e bela, narrou com altivez um documentário rico e importante a exemplo da história desse célebre Peregrino, amado por Deus que transmitiu este amor aos homens através da humildade e santidade, inerentes a sua pessoa. Frei Damião, pequeno homem em estatura, porém grande em espírito.
Na minha formação religiosa de criança, jovem e adulto sempre esperava com entusiasmo às Santas Missões, principalmente com a presença desse santinho que infundia em nossas mentes, o amor, o respeito e a adoração ao nosso Deus Todo Poderoso! Pregar o Evangelho e o amor de Deus era o seu forte Lema.
O que mais me emocionou no referido CD foi a sua visita Pombal, sua voz em palavras e cânticos, fazendo-me recordar saudosamente a infância e a minha zelosa formação religiosa, outras particularidades tenho um pouco de conhecimento no estudo da sua vida.
Querido amigo! Você me proporcionou uma alegria imensa ao recordar aquelas madrugadas alvissareira na caminhada em companhia de Frei Damião com o sino ou campainha na mão, percorrendo as avenidas da cidade, convidando os fiéis para participarem das Santas Missões, que seriam realizadas na Matriz de Nossa Senhora do Bom Sucesso.
É importante dizer que há tempo que marca mui profundamente a vida da gente. Às Missões, foi um deles. Tempo de conversão e salvação na luta pelo pecado. Meu querido Paulo, enquanto esperamos o milagre de novos Peregrinos modelos de Frei Damião, deleitemos com a delícia deste CD, Relíquia sublime e de profundas lições que nos imprimem consolo e esperança para o encontro com Deus.
Receba o carinhoso ósculo da gratidão pelo sublime presente! Aplausos pela rica e ilustrada narração.
Cessa Lacerda Fernandes
Poetisa e escritora pombalense.
Contato: cessalacerda@yahoo.com.br Pombal, 17/05/09.

domingo, 17 de maio de 2009

Por Jerdivan Nóbrega de Araújo*
A Viação Gaivota sempre chega às doze horas da noite. É o bacurau que trás e leva estudantes e comerciantes para Campina Grande e João Pessoa. Naquela noite a Viação entrou pela curva do Posto Esso, passou por dentro da Rua do Rói Couro e estacionou no Bar e Restaurante Manaira, de Dona Cecinha e Cabina, onde já se encontrava o Carteiro Ribinha, que de imediato pegou o malote dos Correios, colocou sobre o guidão da sua bicicleta e saiu em disparada pelas ruas desertas da cidade, em busca da Agência dos Correios.
No dia seguinte, aberto o malote e feita a devida separação das correspondências, o impetuoso mensageiro fez o seu amarrado de cartas e mais uma vez saiu em disparada, realizando as mais radicais manobras na velha bicicleta cinza, enquanto distribuía quase que roboticamente, as suas correspondências, chegando finalmente à Prefeitura, onde entregou um envelope grande no qual se podia ver em ler subscrito a identificação “ MEC/MOBRAL”.
Mais que rápido Maroquinha, a secretária do Prefeito, abriu o envelope e tomou conhecimento de que o Senador Ruy Carneiro havia conseguido com o MEC que a cidade de Pombal fosse colocada no roteiro cultura do caminhão da MOBRALTECA. –– Que diabos é Mobralteca? Resmungou a secretária.
A grande Carreta da MOBRALTECA chegou a Pombal no dia dezoito de agosto de 1972. A cidade preparava-se para comemorar a Semana da Pátria, no mês seguinte. Seria a maior festa cívica já realizada na terrinha. Afinal, comemoraríamos o Sesquicentenário da Independência do Brasil. A carreta seguia pelas ruas quentes da cidade, arrastando os fios mais baixos, fazendo uma poda forçada nos fícus benjamim e algarobas, que se encontravam abaixo da altura recomendada pela lei de trânsito, mas que até então não eram motivos de preocupação, pois, afora a Viação Gaivota, apenas o caminhão de Zé Birro e a Marinete de Doca de seu Mizim passavam por ali.
O Prefeito se ocupou de divulgar a boa nova, mesmo não entendendo muito do que se tratava. No grupo João da Mata, Colégio de dona Anita e Josué Bezerra também foi dada à notícia.
A cidade, através do Lord Amplificador, e as escolas, através das suas devidas direções, já sabiam do dia e hora da chegada da grande carreta da cultura, de forma que os alunos foram liberados no meio da tarde para recepcionar os visitantes ilustres. O Colégio Estadual cancelou o ensaio geral do desfile, para que todos fossem dar as boas vindas aos integrantes do grande caminhão biblioteca. Logo na entrada da cidade os integrantes da comitiva receberam das mãos do Prefeito Atencio Bezerra, a chave da cidade.
Do caminhão jogavam-se balas e panfletos anunciando a sua chegada, enquanto exaltavam o Presidente Médici “que tanto tem feito pela educação nesse país que vai pra frente.. No início foi chamado de grande caminhão da cultura. Depois que dele saíram cinco figuras exóticas barbudas, calças folgadas e coloridas, professores de Educação Artística, especialistas em trabalhos em couro e tonantes, a molecada alcunhou de “o caminhão dos viados”.
O grande caminhão da cultura, ou dos viados, estacionou em frente ao Grupo Escolar João da Mata, de forma que a sua cabina ficou em baixo da grande castanhola, única sombra da cidade, que nas tardes mais quentes era disputada pelos alunos e pelos jumentos de Pedro Jáques, entre estes a jumenta que, como seu dono, era zambeta.
O caminhão da MOBRALTECA ficou em Pombal por mais de um mês. Durante este período, foram exibidos filmes de propaganda da Ditadura Militar, distribuídos livretos onde se via claramente a intenção de propagar o Governo Militar. Realizavam-se gincanas com maçãs no balde d’água, corrida de sacos; emprestavam-se livros e ensinavam-se artesanatos principalmente em couros e teatro, aos mais habilidosos. Pois sim: enquanto no vale do Araguaia a resistência à ditadura era dizimada, em Pombal nós corríamos dentro de sacos, líamos Peter Pan, Dumas Filho e aplaudíamos os paradas militares em um grande telão.
O desfile de 1972 foi o maior evento cívico já realizado na cidade de Pombal! Cento e cinqüenta anos de independência do país. O Colégio Estadual fez bonito! Mais de mil e quinhentos alunos calçados de Conga queimavam os pés às 15:30h, em um sol infernal, sobre as pedras quentes que enchiam os nossos pés de bolhas, que foi gravado e reprisado à noite no telão da Mobralteca. O desfile saiu do Colégio Estadual e seguiu por um percurso de mais de três quilômetros, até chegar à Praça Getúlio Vargas e fazer a volta por trás do Bar do Centenário. Em frente ao Edifício Maringá foi cantada a música do mesmo nome. O suor escorria nos nossos rostos e nossos pés estouravam em bolhas.
Estampávamos no rosto um sorriso de alegria e satisfação, pois o Brasil “... é um país que vai Pra frente” segundo Dom e Ravel, além de que desfilávamos sob o olhar atento do Diretor do Colégio e os flashs das máquinas fotográfica de Pedrinho e Leó, que faziam as fotos encomendadas pelos nossos não menos orgulhosos pais.
*Escritor Pombalense.
Por Ubiratan Lustosa*
Em dezessete de maio celebra-se o Dia Mundial das Comunicações. Isso enseja algumas reflexões. Os meios de comunicação “podem servir de forma eficaz à alta e nobre causa da paz, mas podem agravar as tensões e favorecer novas formas de injustiças e de violação dos direitos humanos”. Palavras de João Paulo II, o grande Papa que com sua sabedoria nos deixou profundos ensinamentos, e com seu extraordinário talento de comunicador a todos conquistou. E disse mais, referindo-se à imprensa e, por extensão, a todos os meios de comunicação, que devemos “superar as considerações unilaterais e parciais, descartando os julgamentos prévios para criar um espírito de compreensão e de solidariedade recíproca”. E João Paulo II, visando incentivar nos comunicadores uma compreensão maior e um respeito mais expressivo a essa profissão, disse que “o uso justo e construtivo da informação deve descartar todas as pressões, abusos e discriminação do poder político, econômico e ideológico”.
Aí está o pensamento de João Paulo II, traçando normas não apenas para os comunicadores católicos, mas para todos aqueles que militam no fascinante mundo da comunicação. Na verdade os meios de comunicação podem ser facas de dois gumes. Podem conduzir para o bem, quando informam corretamente, quando orientam sabiamente, quando criticam construtivamente, quando se preocupam com a veracidade dos fatos verificando as origens das notícias e a credibilidade das fontes de informação. Podem, no entanto, seguir caminhos inversos.
Alguns acham que os comunicadores não têm compromisso com a verdade. É uma forma simplista de fugir à responsabilidade social desses profissionais e das empresas de comunicação. Temos sim, todos nós, o dever de honestidade com nossos ouvintes, leitores ou telespectadores. Conscientes de nossos deveres com a coletividade nós podemos servir eficazmente às boas causas, aproximando as pessoas em vez de as separar, levando-as a se respeitarem em vez de se vilipendiarem, semeando fraternidade e amor em vez de dissensões e ódio.
O que se verifica com frequência é a visão estreita, num só sentido, sem que se olhe em volta. Muitas vezes são feitos julgamentos prévios, apriorísticos e inconsequentes, sem um exame mais profundo dos fatos e das intenções.Tudo isso é combatido por aqueles a quem interessa usar os meios de comunicação a serviço do bem e da justiça. João Paulo II ofereceu excelentes orientações provindas da sua sabedoria e do seu acendrado amor à humanidade. Ouvi-lo fez bem. Segui-lo é um caminho seguro.
*(Do site www.ulustosa.com)

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Prezado amigo e afilhado Clemildo! Paz no Senhor Jesus!
Que surpresa agradável ao deparar-me com este magnífico texto que nos toca a alma com o encontro de um passado feliz que vale a pena recordar. Li e reli, com máxima atenção, enlevando o meu espírito com uma forte saudade!
Vinte anos Clemildo! É uma vida! Recordar este tempo passado é vivê-lo no presente, com intensa saudade, como disse o nosso célebre orador paraibano, Alcides Carneiro, que:
“... recordar é viver de lembrança e viver de lembrança é morrer de saudade”. Nada melhor que ser surpreendida por uma leitura aplausível que desperta um passado feliz que vivíamos em união pela cultura e comunicação da nossa terrinha.
20 anos se passaram e gravado está minuciosamente na sua admirável e brilhante memória em forma de um Crisol, armazenando rica documentação dos momentos de lazer do nosso povo que admirava e admira a arte da música e da poesia.
Sim, Clemildo! Lembro-me bem, daquele dia 15 de maio de 1989 quando você estreou o Romântico e Dinâmico programa: CORAÇÃO APAIXONADO, cujo convite para participar deste, me honrou alegremente, pois fazíamos o nosso povo igual no deleite da bela música, enlevando os corações tristes e enriquecendo os amantes da arte e da cultura.
Programa de muita audiência, após o repouso do meio dia, já ficávamos atentos quando ouvíamos Julio Iglesias com sua música característica que produzia maior vigor.
E porque não falar daqueles companheiros de serestas ao vivo que estavam sempre ali, com o mesmo entusiasmo? Eles completavam a alegria de todos os saudosistas de Pombal e região. Amei este passado e quanta saudade desse tempo que não volta mais!
Pensemos, pois, como ficamos extasiados com aquela atenciosa cartinha do nosso querido e saudoso mestre Wilson Nóbrega Seixas, quando se expressou assim: “A música, sempre foi uma companheira inseparável na vida de todos nós, na dor e na alegria. Enfatizando ainda: Ela desperta em nossos corações sentimentos ocultos guardados no recôndito de nossas almas. Ela nos traz a lembrança dos nossos entes mais queridos, da mulher amada, dos parentes, dos amigos, cujas imagens povoam as nossas cabeças e se fixam, indelevelmente, nas páginas da história de nossas vidas. Este é um rico e memorável documento para o seu acervo.
Quero dizer, Clemildo, que terminei chorando com o último parágrafo do texto, sentindo com você as mesmas emoções de dor e de saudade, porque tenho também, UM CORAÇÃO sensível!
“Nosso amor que eu não esqueço e que teve seu começo numa festa de São João/ Morre hoje sem foguete, sem retrato, sem bilhete, sem luar e sem violão”...
PARABÉNS! PARABÉNS, AMIGO!
Cessa Lacerda Fernandes
Poetisa e escritora pombalense.
Clemildo Prog. Coração Apaixonado (Foto)
CLEMILDO BRUNET*
“Recordar não é viver, porque recordar é viver de lembrança e viver de lembrança é morrer de saudade” (Alcides Carneiro), “Ninguém se perde no caminho da volta” (José Américo), “Porque tudo passa rapidamente, e nós voamos” (Moisés). As frases acima refletem muito bem a condição humana, vivida por esses homens na história da humanidade, em épocas diferentes.
Após 7 anos na Rádio Maringá AM (1982/1989) apresentando os Programas “A Tarde é Nossa e Cantinho da Saudade”, demitido sem justa causa no dia 02 de maio de 1989, tendo sido dispensado de cumprir o aviso prévio, no mesmo dia recebi convite do Diretor Administrativo da Rádio Bonsucesso - Dr. Geraldo Arnaud de Assis Júnior, para assumir a função de Editor de Jornalismo da Rádio Bonsucesso, emissora onde no dia 15 de maio de 1989, houve a estréia do Programa “Coração Apaixonado”.
Por ser um programa estilo povão e cheio de romantismo, em pouco tempo conseguiu considerável audiência a ponto de ganhar mais ouvintes no horário do que a concorrente. Coração Apaixonado, era apresentado diariamente das 13:30 às 16;00 horas e tinha como característica de abertura e encerramento a música Coração Apaixonado, interpretada por Julio Iglesias.
O Programa em sua performance não tratava apenas de tocar música atendendo a exigência do ouvinte. “Coração Apaixonado” entre duas ou mais músicas ou mesmo após o intervalo comercial, tinha algo que fazia diferença: Seu apresentador costumava ler frases que correspondiam - à paixão, ao amor, dando ênfase ao romantismo e o comportamento do romântico ante a flecha do cupido.
Assim era o Programa “Coração Apaixonado” que teve a duração de três anos de 1989 a 1992, e durante esse período por ocasião de cada aniversário, havia comemorações festivas com apresentação ao vivo dos dois principais grupos de Serestas de nossa cidade: Murmurar da Cachoeira e Talismã, estando sempre a frente da coordenação desses eventos, a professora e poetisa Mª do Bom Sucesso Lacerda Fernandes, a quem agradeço, pois o fazia com galhardia e entusiasmo.
D. Cessa no tempo do Coração Apaixonado (Foto)
Em um desses aniversários, tive a satisfação de receber do historiador e escritor pombalense Dr. Wilson Nóbrega Seixas (saudosa memória), uma carta nos seguintes termos:
AO CLEMILDO BRUNET.
Ouvindo a Rádio Bonsucesso, como costumo fazê-lo, todos os dias, tomei conhecimento de que algumas pessoas amigas e admiradoras do criador do Programa - CORAÇÃO APAIXONADO, se movimentaram para prestar ao titular desse programa, aliás, já vitorioso, por todos os motivos, pelo menos por já contar com dois anos de atividades radiofônicas, com geral aceitação e aplausos de toda comunidade pombalense.
Acompanhei, com viva emoção, toda aquela festa, sob a coordenação da professora e poetisa Maria do Bonsucesso de Lacerda Fernandes, para qual contou também com a participação dos grupos seresteiros que têm igualmente os seus programas nessa Rádio Bonsucesso, com grande audiência e repercussão por toda parte.
Justo, portanto, achei essas homenagens tributadas ao nosso amigo e conterrâneo e brilhante jornalista, Clemildo Brunet, homenagens com as quais me associo,trazendo-lhes também as minhas felicitações pelo transcurso de mais um aniversário do Programa CORAÇÃO APAIXONADO.
Foi talvez admirando as belezas de nossas aquarelas, as melodias de nossas músicas selecionadas, tão ao gosto de nosso povo, que inspirou o nosso querido Clemildo, para nos brindar, com o seu programa-CORAÇÃO APAIXONADO, diariamente, ouvido e transmitido pela nossa emissora, servindo-nos, muitas vezes, como lenitivo ao cansaço e monotonia dessa vida, que foge sempre e sempre, deixando-nos cada vez mais perto do túmulo, inevitável e sombrio.
A música, sem dúvida, apareceu com o próprio homem e através dela e dos seus instrumentos vem, por um lado, servindo para aliviar e matar as nossas mágoas, as nossas saudades, ou, por outro, traduzindo as suas maiores alegrias. Daí é que nasceu aquele adágio popular- quem canta seus males espantam.
Como invejo, meu caro jornalista Clemildo, a vida daquele casal de velhos, que todas às sextas-feiras, espontaneamente, estão presentes, a serviço da Rádio Bonsucesso, no Programa que eles mesmos colaboram e integram – SERESTA PARA TODOS. São dois seresteiros inveterados, saudosistas, que se uniram na vida, num lindo romance de amor, cuja melodia musical foi à tônica e o traço fundamental dessa união, que ainda hoje perdura, ao longo de tantos anos, cantando e vivendo, como jovens que fossem, vivendo e cantando, porque, como bem diz a sabedoria popular- quem canta os seus males espantam.
A música, sempre foi uma companheira inseparável na vida de cada um de nós, na dor e na alegria. Ela desperta em nossos corações sentimentos ocultos, guardados no recôndito de nossas almas. Ela nos traz a lembrança dos nossos entes mais querido, da mulher amada, dos parentes, dos amigos, cujas imagens povoam as nossas cabeças e se fixam, indelevelmente, nas páginas da história de nossas vidas.
CORAÇÃO APAIXONADO tem tudo isto e mais algo que não pude expressar, por deficiência física e mental. Não posso, contudo, me alongar mais. O seu Programa exige outros compromissos. Antes, porém, queira, mais uma vez, aceitar as minhas felicitações pelo transcurso do aniversário do seu maravilhoso programa, que já conta, inegavelmente, com grande sucesso, por isso mesmo justifica, plenamente, às homenagens que você recebeu, tão carinhosamente, domingo próximo passado, pelo povo de nossa terra, principalmente por todos que fazem e integram á Rádio Bonsucesso de Pombal.
Wilson Seixas.
São decorridos 20 anos do Programa “Coração Apaixonado”; hoje só lembrança e saudade em nossa radiofonia, pois teve projeção no passado, entre outros do mesmo gênero.
“Nosso amor que eu não esqueço e que teve seu começo numa festa de São João/ Morre hoje sem foguete, sem retrato, sem bilhete, sem luar e sem violão”...
*RADIALISTA.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Cessinha (Foto)
Por Mª do Bonsucesso Lacerda Fernandes Neta*
A obesidade é um distúrbio multifatorial, sendo descrito, resumidamente, como uma desordem no balanço energético do corpo, provocada pelo excesso de gordura resultante de sucessivos balanços energéticos positivos, o que torna a quantidade de energia ingerida maior do que a quantidade gasta. Segundo a Organização Mundial de Saúde, a obesidade é considerada uma epidemia global. (WHO, 1998)
Quando o indivíduo se alimenta, certas substâncias, tais como: a insulina (produzida nas células Beta do pâncreas) e, principalmente, a leptina (presente nos adipócitos), através de sistema aferente, atingem a região hipotalâmica (ao nível de sistema nervoso central) inibindo vias anabólicas e ativando vias catabólicas. Como resposta, através de sistema eferente, o indivíduo diminui a ingestão de alimentos e aumenta o dispêndio de energia, regulando assim o balanço energético. Quando as reservas energéticas diminuem, o indivíduo é estimulado a se alimentar. A ausência das substâncias anteriormente citadas pode causar acúmulo energético que se deposita no organismo em forma de gordura (tecido adiposo). (ROBINS, 2005)
Atualmente, o número de obesos vem crescendo em todo o mundo; e o mais grave: a obesidade infantil está aumentando. De acordo com relatos da Organização Mundial de Saúde, a prevalência de obesidade infantil tem crescido em torno de 10% a 40% na maioria dos países europeus nos últimos 10 anos. Além disso, no Brasil, de acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde, a incidência de obesidade infanto-juvenil aumentou 240% nos últimos 20 anos.
Alguns estudos afirmam que, aproximadamente, 20% das crianças obesas podem se tornar adultos obesos; outros ressaltam que, quanto menor a idade em que a obesidade se manifesta, maior a chance de a criança se tornar um adolescente/adulto obeso (Fisberg, 1995). Sabendo-se que a obesidade está relacionada a várias doenças crônico-degenerativas, tais como: hipertensão arterial sistêmica e diabetes, e a observância dessas patologias em indivíduos cada vez mais jovens, é algo preocupante. Existem inúmeras causas de obesidade, desde orgânicas (genéticas, hormonais), sócio-econômicas, envolvendo hábitos alimentares e atividade física, até psicológicas. Observa-se ainda que alguns medicamentos podem gerar obesidade. No tocante às causas genéticas, há várias síndromes que cursam com obesidade, entre elas a Síndrome de Prader-Willi; síndrome de Cushing, hipotireoidismo, insulinoma, hipogonadismo são distúrbios endócrinos que também podem cursar com obesidade.
Em geral, 99% dos casos de obesidade são considerados de causa exógena, resultantes de ingestão excessiva de alimentos (Damiani, Carvalho & Oliveira, 2000). Nos últimos anos, houve mudanças no padrão de dieta da população, com aumento na ingestão de açúcares e gorduras, em detrimento da ingestão de frutas e fibras alimentares. Segundo uma pesquisa feita com 900 alunos em 40 escolas do estado de Pernambuco (50% públicas e 50% privadas), constatou-se que as crianças comem poucas frutas e verduras, ingerem muita gordura e comem mais nos períodos livres, especialmente quando vêem TV.
Houve alterações também quanto à prática de exercícios físicos. Com o surgimento dos computadores, vídeo-games e outras facilidades do mundo moderno, tais como: controle remoto e escada-rolante, o sedentarismo acaba sendo valorizado.
Quanto às causas psicológicas, verifica-se que a ansiedade, o estresse e a insônia, por exemplo, presentes na vida de diversas pessoas nos dias atuais, muitas vezes, provocam comportamento compensatório através da alimentação e isso se transforma em um ciclo infindo.
Todas essas mudanças de hábitos observadas, no cenário da modernidade, vêm contribuindo de forma significativa para o crescimento da obesidade.
Para combater esse mal, são importantes prevenção e terapêutica adequadas. É necessária uma equipe multidisciplinar, a qual promoverá um programa de reeducação alimentar associado à atividade física e suporte psicológico. É interessante que toda a família do paciente participe das mudanças nos hábitos de vida, pois dessa forma, será possível obter sucesso.
Diante do exposto, os pais precisam estar atentos aos seus filhos, averiguando alimentação, prática de esportes; verificar a prevalência de obesidade na família e, dessa forma, evitar o surgimento desse distúrbio é interessante.
Lembrem-se: na luta contra a obesidade, só um ganha; então se esforce para que seja você o vencedor!
Para maiores esclarecimentos, consulte um pediatra ou um endocrinologista. Em caso de dúvidas, e-mail para contato: sucessomed@hotmail.com
*(Natural de Patos-PB, 20 anos, mais conhecida como Cessinha, acadêmica do 6º período de medicina da Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande, filha de Francisco Fernandes da Silva Júnior e Zeneida Furtado Leite Fernandes, donos da Hiperfarma Bom Sucesso em Patos.)

10 Anos

DEZ ANOS DE BLOG Clemildo Brunet* Para brindar tão glorioso acontecimento, ele acontece juntamente com os duzentos e nove anos de imprensa em nosso país, justamente na semana que intercala as duas datas importantes para os nossos meios de comunicação: 1 de junho – Dia da Imprensa Nacional Brasileira e 7 de Junho Dia da Liberdade de Expressão.

Postagem Destaque

UM CASO DE ANTROPOFAGIA EM POMBAL (1877)

José Ozildo dos Santos José  Ozildo dos Santos 1. Intróito A seca de 1877 castigou o homem sertanejo, expulsando-o de sua t...

Quem sou eu

Minha foto
CLEMILDO BRUNET DE SÁ – Iniciou sua carreira radiofônica em 1961 nas antigas difusoras de Pombal. Em 1966 montou sua própria emissora “A VOZ DA CIDADE”, que teve o seu destaque na formação de muitos profissionais que atuam hoje nos veículos de comunicações como: Rádios, Jornais, TVs e Portais da Web. Em 1968 instalou o serviço de Alto Falantes “LORD AMPLIFICADOR”. Atuou no rádio como: Locutor, redator, comentarista, repórter e noticiarista. Foi correspondente durante dez anos do Jornal Estadual da Rádio Tabajara da Paraíba entre 1980/1990. Ex-diretor comercial das Rádios Maringá AM e Liberdade 96 FM de Pombal. Passando ainda pela Opção 104 FM de Pombal e Rádio Alto Piranhas de Cajazeiras exercendo nesta última, suas atividades jornalísticas nos Programas, Rádio Vivo e Trem das Onze. Foi agraciado com a mais alta honraria da Assembléia Legislativa da Paraíba “A Medalha Epitácio Pessoa”, no dia 10 de junho de 2010. Aposentado, atualmente vem divulgando temáticas sobre o rádio, a cultura e a história de Pombal, em seu Portal CLEMILDO, COMUNICAÇÃO & RÁDIO. Sigam-me no Twitter: http://twitter.com/clemildobrunet

Arquivos do Blog

VISITA DE CORTESIA A PRODUTORA DE VÍDEOS "SALES DANTAS" EM JOÃO PESSOA-PB.

VISITA DE CORTESIA A PRODUTORA DE VÍDEOS "SALES DANTAS" EM JOÃO PESSOA-PB.
CLEMILDO E SALES DANTAS EXIBINDO "O TROFÉU IMPRENSA 2007".

NO RESTAURANTE "CACIOROLLE" EM JOÃO PESSOA.

NO RESTAURANTE "CACIOROLLE" EM JOÃO PESSOA.
ELIEZER GOMES OFERECE LAUTO ALMOÇO AO RADIALISTA CLEMILDO BRUNET E AO CRONISTA ESPORTIVO JOSÉ CARLOS ARAÚJO.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
OS RADIALISTAS DA TERRA DE MARINGÁ QUE FORMAM A GRANDE COMISSÃO DA FESTA.

´TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07

´TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07
CERIMONIAL: ADELTON ALVES, LADEADO PELAS PROFESSORAS: DIANA E SONIA.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
A GRANDE COMISSÃO COMPOSTA PELOS RADIALISTAS DE POMBAL.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
ENTREGA DO CERTIFICADO "PARCEIRO AMIGO DA IMPRENSA" AO REPRESENTANTE DA CASA BORBOREMA.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07
ALDO NUNES DO SEBRAE RECEBE DAS MÃOS DE CLEMILDO "O TROFÉU IMPRENSA 2007.

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
CLEMILDO EM SEU DISCURSO AGRADECEU AS HOMENAGENS A ELE TRIBUTADAS.

AGRADECIMENTO

Meu querido Clemildo Brunet

Tomei conhecimento por intermédio de minha mãe, Dona Zélia que o nobre Jornalista tinha feito uma homenagem ao meu querido e inesquecível Pai, Cirurgião Dentista e Historiador Wilson Nóbrega Seixas, em seu Blog, de pronto como seu filho mais velho estou lhe enviando esse E-mail agradecendo em nome de minha família as atenções.

Do conterrâneo e amigo,

Antonio Chateaubriand Carneiro Arnaud Seixas

CONGRATULAÇÕES

Clemildo amigo,

Gostei de suas palavras sobre o nosso conterrâneo Paulo Abrantes. Você, como sempre, valorizando os filhos da terra. Abraços para você e para o homenageado.
Carneiro Arnaud

PASTOR CLODOALDO

Querido Clemildo
Agradeço a Deus a oportunidade que me concedeu de conhecer pessoalmente o meu primo Pr Clodoaldo. Os que confiam no Senhor são como águias, renovam-se e revigoram as forças. São ditosos e, asseguram-nos as escrituras, frutuosos todo tempo. As bênçãos de Deus se revelam na longevidade e a misericórdia Dele proporciona-nos ver os filhos dos filhos. No caso aqui , poderei dizer , primo dos primos. Tive o privilégio de conhecer, pessoalmente, o Pr Clodoaldo na ocasião das comemorações do centenário de nascimento do meu saudoso e amado Pai ( Flavio Brunet) . Como foi gratificante para mim, encontrar o Pr Clodoaldo , pois eu só ouvia falar dele. Não me lembro se o conheci quando ele era criança, mas tenho certeza que nunca nos havíamos encontrado. Depois que ele dedicou sua vida ao Ministério, encontrá-lo, como servo de Deus, foi como um refrigério a minha alma.
Lendo seu relato, vi como o Nosso Deus é Misericordioso com aqueles que obedecem a Sua Palavra. Posso imaginar como foi a vida desse homem de Deus que entregou sua vida para proclamação do Evangelho. Sei perfeitamente o quanto é difícil para um missionário iniciar um trabalho!! Mas sei, também, o quanto é agradável fazer a obra de Deus. As dificuldades se sobrepujam ao regozijo das nossas almas. Parabéns, Pr Clodoaldo, por mais um ano de vida dedicado ao serviço do Nosso Senhor Jesus Cristo, levando mensagem de Salvação. Parabéns Clemildo, pelo dom que Deus lhe deu. Você sabe, como ninguém, homenagear as pessoas que lhe são queridas. Um grande Abraço Rose Mary Ramalho Brunet Medeiros.

PARABÉNS PELO CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE FlÀVIO BRUNET DE SÁ

Caro Clemildo,
Moro em São Luís, Ma, e já estive na Paraíba , terra querida do meu pai, que aí nasceu e morou até os dezoito anos, em Catolé do Rocha.Veio muito cedo para o Maranhão e aqui se estabeleceu. Faleceu em 1979, com 68 anos. Ele falava com saudades da sua terra e me fez gostar dela. Por isso, eu amo a Paraíba .
Associo-me às homenagens prestadas in memoriam, ao seu Flávio Brunet que não conheci pessoalmente, mas que admiro e respeito pelos seus feitos em prol da família, da igreja e da comunidade. Aprendi a admirá-lo também pelo amor a ele dedicado pela sua filha Rose Mary,
Parabéns pelas festas do centenário de nascimento desse ilustre paraibano que sem alarde , deixou um legado que se perpetuou nas novas gerações de filhos, netos , sobrinhos e amigos. Ao lado de D. Eunice, de saudosa memória,soube construir um patrimônio irretocável de amor, generosidade, e , sobretudo, de um testemunho de vida que o tempo não vai conseguir apagar.
E a você, de modo especial, toda a minha admiração pelo blog que destaca de forma brilhante essa comemoração. Que ela sirva de inspiração a todos quantos busquem como paradigma aqui na terra, um homem valoroso, trabalhador e temente a Deus. Seu Flávio aqui viveu de modo digno, desempenhando a contento a obra que lhe foi confiada por Deus
Com estima,
Dina Barreto da Silva

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
CLEMILDO ENTREGA O TROFÉU IMPRENSA AO EMPRESÁRIO GENIVAL TORRES DANTAS EX-INTEGRANTE DO LORD AMPLIFICADOR NA DÉCADA DE 70.

AUSÊNCIA JUSTIFICADA!

Bom dia Clemildo!
Conseguir entrar no seu blog e vir todas as homenagens dedicadas a seu Flávio, mais do que merecido como todos nós sabemos.
Não podemos marcar presença, pois Júlio estava com problema alergico e tive medo de viajar.
Parabéns pelo seu maravilhoso trabalho.
Obrigado
JÚLIO E SÔNIA BRUNET

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
O DESEMBARGADOR RAPHAEL CARNEIRO ARNAUD EM SEU DISCURSO REFERIU-SE AOS RELEVANTES SERVIÇOS PRESTADOS POR CLEMILDO A COMUNICAÇÃO PARAIBANA.

PARABÉNS, PELO BLOG

Elias Medeiros
Estimado Clemildo. Acessei seu blog. Parabéns. Encontramos poucos blogs hoje em dia como o seu. Um blog sério que promove valores (espirituais, familiares, amizades, etc) que muitos blogeiros esqueceram de ressaltar. Parabéns, portanto, pelo blog muito informativo e formativo. Elias e Fokjelina Medeiros

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB EM 14-11-07.
CLEMILDO CUMPRIMENTA A MADRINHA DOS RADIALISTAS COM UM BEIJO.

COMENTÁRIO: O CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE FLÁVIO BRUNET DE SÁ.

Rivanilda Ramalho de Sá comentou sobre a sua postagem no blog



...tudo que ele faz será bem sucedido. Salmo 1.3 Assim é as coisas que você promove. Foi um evento perfeito organizacionalmente e emocionalmente... Uniu gerações da família...Agradável aos olhos de Deus. Parabéns!

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
ACADEMIA DE LETRAS DE POMBAL ENTREGA CERTIFICADO HOMENAGEANDO OS RADIALISTAS DE POMBAL.

SESSÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
O JORNALISTA JOÃO COSTA EM SEU DISCURSO ENALTECEU AS QUALIDADES DO HOMENAGEADO!

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
DONA CESSA MADRINHA DOS RADILISTAS ENTREGA O TROFÉU IMPRENSA AO RADIALISTA CLEMILDO BRUNET.

NOVO CONTADOR DE VISITA INICIADO EM 27/06/12









SESSÂO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÂO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
CLEMILDO RECEBEU ESTA PLACA CARACTERIZANDO O RECONHECIMENTO DA CÂMARA DE VEREADORES!

JOÃO LEITE FILHO CUMPRIMENTANDO O RADIALISTA CLEMILDO BRUNET NO MOMENTO DA ENTREGA DA COMENDA.

SESSÃO SOLENE DA CÃMARA MUNICIPAL DE POMBAL NO DIA 14-11-07.

SESSÃO SOLENE DA CÃMARA MUNICIPAL DE POMBAL NO DIA 14-11-07.
CLEMILDO RECEBEU MAIS ESTA COMENDA DAS MÃOS DO PRESIDENTE DA CASA.

MEU PRIMO GOSTARIA QUE VOCÊ POSTASSE A NOSSA GRATIDÃO PELA ORGANIZAÇÃO DA FESTA.

Pensava eu, em prestar uma homenagem ao meu pai, primeiramente agradecendo a Deus o que ele representou para sua família enquanto viveu. Depois queria que a meus filhos e convidados soubessem um pouco mais da vida desse grande homem. Abro aqui um parêntese para dizer, que vivemos no mundo de hoje em que honestidade é sinônimo de desvantagem. As pessoas só querem tirar vantagens uns dos outros sem se importarem do verdadeiro sentido da Vida. O ter é mais importante do que o SER. Sempre vi meu pai, pensando nos outros, nutria suas amizades com aqueles que gostavam não por aqueles que tinham maiores condições de vida. Sempre teve amigos verdadeiros. Voltando agora, dos meus pensamentos sobre meu querido e saudoso pai. Não poderia fazer o que pretendia sem ajuda desse importante comunicador. Clemildo fez o link do meu passado com o presente. Muito Obrigada, dileto primo!!!

Rose.

EMOCIONADA AO VER FAMÍLIA REUNIDA

Fiquei muito emocionada ao ver a família reunida. Agradeci a Deus por estar presente primeiro porque sei o quanto a minha avó Eunice ficaria feliz se viva estivesse; segundo porque considerei um milagre o meu chefe me liberar para viajar, já que havia muito trabalho no gabinete e me surpreendi quando ouvi ele dizer que considerava importante a minha presença no evento.
Não poderia imaginar uma homenagem mais bonita para o meu avô. Agradeço a todos que compareceram, principalmente, ao Pastor Clodoaldo, por ter sido um instrumento de Deus para trazer a mensagem, ao Dr. Clemildo pela organização de reunir todas as informações sobre o ”seu Flavio", aos meus tios Rose e Eli pela iniciativa, amo vocês.
Miriam Brunet

CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE FLÁVIO BRUNET DE SÁ!

Obrigada Clemildo pelo relato das nossas homenagens ao nosso Pai Flavio Brunet de Sá. Agradecemos a Deus, o que papai representou para nós, em vida. Comemoramos os 100 anos de nascimento dele. Esse exemplo de vida merecia ser lembrado até para as pessoas que não tiveram o privilégio de conhecê-lo. Fiquei muito feliz com o que aconteceu naquela noite. Agradeço de coração a todos que compareceram e, de uma forma ou de outra contribuíram para uma noite tão agradável. Uma noite de pura emoção!!! Rose Mary Ramalho Brunet Medeiros.

DOUTOR ATÊNCIO, MEU MÉDICO!

Gostei de ler o brilhante relato sobre a vida do Dr. Atencio. Ele foi o meu médico, nos primeiros meses de meu nascimento. Sempre ouvi a Mamãe e minha babá Raquelzinha falar sobre o Dr Atencio, da sua dedicação como médico. No ano de 2001, encontrei com a D. Cacilda em João Pessoa. Ela me reconhecendo como filha de Flavio Brunet de Sá e Eunice Ramalho Brunet foi logo me falando: “meu marido foi o seu médico". Eu disse que sempre tinha isso na minha lembrança que o Dr Atencio além de ser o meu médico era amigo da nossa família. Rose Mary Ramalho Brunet Medeiros.

DE ROSE MARY RAMALHO BRUNET MEDEIROS, PARA CLEMILDO BRUNET

• Rose Medeiros
Meu primo querido!!! Não tenho palavras para lhe agradecer o seu empenho de organizar e concretizar o meu sonho!!! Fiquei muito gratificada em poder fazer a homenagem para o papai . Ele ainda vive nos nossos corações!!!A fazenda Cajazeiras é tudo que podemos ter para que essa lembrança seja materializada. Fiquei recompensada com as palavras que ouvi ontem sobre o meu pai. Foi tudo o que pensei e idealizei, e isso não seria possivel sem a sua ajuda. Com todo meu carinho sua prima Rose Medeiros
01 DE AGOSTO: HOMENAGEM A CLEMILDO PELO TRANSCURSO DE SEU ANVERSÁRIO!

Deus está sempre contigo
Ele renova o teu coração
Unge os teus pensamentos
Sempre a vida com gratidão

Dar-te força e Coragem
E faz viver com emoção

A vida é sempre bela
Mesmo que haja provação
A Mão de Deus torna singela

Dar a ti felicidade
E a Saúde para viver

Cada momento de tua vida
O amor de Deus te faz sentir
Reinar em ti toda hora
Altivez está em ti
Com o teu dom a disputar
A estrela sempre a brilhar
Os teus anos vem florir

Maria de Lourdes P. de Almeida Araújo

COMENTÁRIO DE WJ.SOLHA

Beleza, meu caro. Alcancei o tempo do Cine Lux ainda de Affonso Mouta, com salas sempre cheias, ainda vejo na memória, o infalível padre Andrade a chegar mancando, vejo uma área reservada a prostitutas, vejo a infalível mãe de Eneida, esposa do colega do BB, Ramiroo, . a bilheteria na curva da esquina. Infelizmente posso dizer que seu Affonso, que mantinha um padrão alto de filmes que projetava, morreu em meu lugar. Ione, minha mulher, estava em Fortaleza, com um problema de saúde e pedi à Brasil Oiticica que, se fosse possível, me desse uma vaga em seu avião que ia semanalmente para lá. Tudo certo, mas, quando chegou o dia, recebi a ligação dizendo que, infelizmente, teriam de levar um motor que precisaria de reparos urgentes, só possíveis no Ceará. Era uma mentira gentil: tinham cedido o lugar a mim prometido para seu Affonso. Que foi tomar o avião e foi sugado pela hélice, que lhe abriu o abdôme. No Cine Lux sofri muito vendo os copiões de O Salário da Morte, um dos rolos completamente desfocado, pelo que tivemos de refilmar tudo de novo.
Quanto ao cinema de Patos, eu me lembro dele com o nome de Eldorado. Indelével porque o cine Eldorado, em Sorocaba, de onde eu viera, era o único cinema que eu jamais frequentara.
Boas lembranças. Bom texto, meu caro.

COMENTÁRIO: DIA DO PROFESSOR.

Prezado Clemildo,

Parabenizo o ilustre colunista, pelo brilhante artigo sobre a origem da data comemorativa 15 de outubro "DIA DO PROFESSOR", acredito que um grande número de colegas nossos, não conhecem o motivo pelo qual comemora-se nesta data. Fico honrado e agradecido (enquanto profissional) pelo encorajamento, incentivo e prestígio que o colunista faz ver ao leitor sobre esse profissional,... Que infelizmente não é reconhecido pelos nossos governantes. Uma prova da falta desse reconhecimento está no embate jurídico sobre o reconhecimento e pagamento do PISO SALARIAL.

Muito obrigado Clemildo, por lembrar dessa figura tão importante na formação dos demais profissionais. O PROFESSOR.

Curimatá(PI), 13 de outubro de 2012

Francisco De Assis Soares

FELICITAÇÔES

Caro amigo Clemildo, você me surpreendeu com o seu encantador artigo que molda parte da minha vida e de meus amigos em Pombal. A sua inteligência lhe acompanha pelos mais recônditos lugares de sua alma. Parabéns meu amigo, não merecia tanto, valeu para relembrar esses bons momentos relatados. Abraço do amigo Paulo Abrantes.

RIACHO DE PRATA: TERCEIRA OBRA LITERÁRIA DE PAULO ABRANTES!

Dr Paulo foi um imenso prazer conhecê-lo pessoalmente e poder ouvi-lo dia 30.09.11 na ocasião da inauguração da Biblioteca da Câmara Municipal de Pombal que leva o nome de nossa Mãe Maria do Bom Sucesso Lacerda Fernandes; com voz mansa e doce, falou com sua simplicidade sobre o evento que estava acontecendo e apresentou sua nova obra a qual fui premiado por vós e que vou lê-lo com muito apreço e depois comentar aqui mesmo neste blog.
Queria agradecê-lo em primeiro lugar, em meu nome e da minha família pela sua presença ao evento e pelo livro a mim presenteado, saiba que a sua amizade com meus pais é sincera e pura como o sentimento de uma criança, há fidelidade mútua e o amor fraternal vos une, extensivamente agora comigo e os meus. Sucesso com esta mais nova obra literária.GRAÇA E PAZ, AMÉM.
JUNIOR BOM SUCESSO
PATOS PB, 01.10.2011.

MARINGÁ: ...FICOU SENDO A RETIRANTE QUE MAIS DAVA O QUE FALÁ...

Meu caro Clemildo:
Histórias sobre Maringá sempre povoaram o imaginário de toda gente de Pombal ao longo do tempo, alimentando o desejo de desvendar essa história. No caso presente, Jerdivan Nóbrega, meu escritor predileto, traz á tona êste palpitante tema, no seu encantador romance, "A Saga da Cabocla Maringá", apresentando como nunca vi igual, uma idéia literária que empolga e gera tanta expectativa no seio da sociedade pombalense. Porquê popularmente a Maria do Ingá ,ou seja, "Maringá", é um hino de amor, é uma canção de louvor a nossa terra, é um idílio que não gostaríamos que tivesse sido interrompido, é afinal uma história, um desfecho que tinha de ser contado, e Jerdivan fez e fez muito bem. Clemildo você está como Jerdivan, cada vez melhor, acertando no alvo que o povo de nossa terra quer saber.
"A Saga da Cabocla Maringá", de Jerdivan Nóbrega de Araújo, é uma obra muito interessante, cuja magia está no enredo e na simplicidade de linguagem utilizada pelo autor em todos os momentos. È um livro que deve ser lido por todos. Parabéns a ambos.
Paulo Abrantes é engenheiro civil e escritor pombalense.

Olá Clemildo Brunet. Bom dia!
Beleza mesmo. Isso precisa ser acessado por todos os pombalenses. É cultura.
José Haroldo.

Caro amigo Clemildo:
Como é bom constatar o carinho que vocês têm por Pombal. Faz bem para a gente e serve de exemplo. Certamente "A SAGA DA CABOCLA MARINGÁ" terá grande aceitação e já que o autor é seu amigo torço pelo sucesso dele.
Um abraço bem grande Clemildo.
Ubiratan. Curitiba PR.

CARÍSSIMO CLEMILDO.
Confesso, gostei imensamente do seu comentário sobre “A SAGA DA CABOCLA MARINGÁ”, o mais recente livro do conceituado escritor pombalense Jerdivan Nóbrega.
A partir do título bastante sugestivo e oportuno você foi muito feliz na peça discursiva. Admiro seu elevado discernimento e a facilidade com que discorre o conteúdo da obra direcionando seus aspectos para os diversos lados.
Seu comentário é, portanto, uma sinopse da obra que por si só já nasceu grande, graças ao reconhecido talento literário do seu autor, do qual sou admirador.
Se hoje a Lenda de Maringá passou da canção para o livro, quem sabe amanhã seja encenada e exibida por esse Brasil afora. Seria a perpetuação de uma história que nasceu para sempre.
Enfim, este é o comentário que gostaria de ter feito.
Parabéns com louvores.
Prof. Francisco Vieira.

POMBAL, SEMPRE POMBAL
Caro Amigo e Conterrâneo,
Clemildo Brunet.
Essa história da cabocla Maringá se arrasta por muito tempo. Eu era criança pequena nos arredores de Pombal e ouvia falar de histórias e estórias da retirante. Quando surgiu a música, ela mexia com a sensibilidade de muitos idosos daquela época. Homens e mulheres se manifestavam: "como é 'penosa' essa história"!
Mas ninguém se propunha a desvendar o mistério que até hoje permanece rondando por essas cercanias. O nosso grande Ruy Carneiro, talvez tenha mantido um amor proibido. Proibido, dada a diferença de classe. Ele não foi o primeiro a frustrar-se em ocasiões tais.
Conta-se, por aí, que dois irmãos originários de classe média, conheceram duas irmãs de classe menos favorecida e mantiveram um amor proibido, até que chegou ao conhecimento do público. A mãe dos rapazes lhes pediu que não casassem com aquelas moças porque não faziam futuro nenhum. Eles a obedeceram, mas na seguinte condição: Um não poria mais os pés no chão de Pombal; o outro, resolveu abraçar a vida celibatária.O caritó, para as mulheres. Assim fizeram.
Quando ela, a mamãe, adoeceu eles vierem visitá-la. Um pediu que o levassem nos braços, porque não pisaria mais nessa terra, pois assim jurara. Assim cumpriu o seu pretexto. O outro,cumpriu o propósito de não mais se casar, foi servir na Polícia Militar do Estado do Parahyba,lutou na "Revolução de Princesa", obteve uma carreira bem sucedida, no Quadro de Oficiais. E, na reserva, chegou a ser Prefeito de Pombal. E muito trabalhou pelo Município. Fez o Distrito de Paulista tomar um impulso nunca visto.
Agora, advinhe quem foram eles...
Cansei de ouvir contar essa história, quando ainda menino de calças curtas.
Forte Abraço - JOSÉ SANTOS DINIZ

Prezado amigo Clemildo Brunet:
Fiquei feliz em reencontrar você em plena movimentação cultural, escrevendo sobre a "Cabocla Maringá", um blogueiro de primeira categoria. Quero dizer a você que o site do "Caldeirão Político" www.portalcaldeiraopolitico.net está aqui as suas ordens.
Você já leu o seu artigo "DA CANÇÃO PARA O LIVRO - A SAGA DA CABOCLA MARINGÁ", já inserido no nosso site? Quero continuar transcrevendo os seus artigos. Pode encaminhá-los. Como também outras notícias de Pombal.
CHICO CARDOSO

Olá meu amigo!
Essa história da existencia em corpo e alma da cabocla Maringá, bem como a sua presença nas terras de Pombal, deixou-me encafifado por muito tempo. Busquei vesitigios da sua presença onde pudesse encontra-lo, Li a obra de Jose Gregorio que narra os principais acontecimentos de Pombal, exato no tempo que possivelmente a Cabocla poderia estar entre nós. Nada, nenhuma referencia àquela fascinante mulher. Conversei a exaustão com a minha Mãe, por sinal da mesma idade de Ruy. Amigos de infancia e adolescencia, estudaram juntos, por isso firmaram uma amizade que terminou com a morte de ambos. Minha Mãe dizia que esta mulher jamais existiu em Pombal. Em sendo Maringá dotada de uma beleza singular, com certeza a sua presença no lugar teria chamado atenção das moças da época. A única paixão de Ruy em Pombal, foi uma prima de minha Mãe cujo nome era Ana Dantas de Alencar ou Nina, na intimidade da familia. Afora essa moça, não há registro de que Ruy tenha namorado outra moça.com os supostos dotes fisicos de Maringá. Em resumo, Maringá nasceu no rio de Janeiro, Não tem Mãé, só tem pai cujo nome é Joubert de Carvalho. O resto é lenda e nada mais. Jerdivan, na construção da sua obra, sabiamente manteve essa questão fora da trama, com certeza para evitar questionamentos infrutiferos que podem desviar atenção da riqueza criativa e essencia do seu livro. Abraços Ignacio Tavares

COMENTÁRIOS SOBRE O LIVRO "RIACHO DE PRATA"

Distinto amigo Paulo Abrantes.
Li Riacho de Prata.Sua literatura é empolgante, sobretudo percebo tratar-se também, de um excepcional DOCUMENTÁRIO HISTÓRICO sobre a sua terra natal - POMBAL, em detalhes de um colorido fantástico, num reflexo de sentimento familiar, social, tudo ornamentado por um paisagismo impressionante. Sinto-me diante duma leitura amena, que conforta a alma e o espírito, trazendo ao leitor mavioso recreio, que, neste vendaval turbulento que ora vivemos, é a meu ver, um caleidoscópio oriental dos velhos tempos que se foram, revestidos de humanidade e ternura, valores que não já não vemos mais, tão frequentemente.
Do companheiro-alado, velejando no mundo da nossa internet.
MILTON ALVES
Auditor da Receita Federal.

Prezado Paulo Abrantes,
Venho agradecer pelo envio do livro "Riacho de Prata - Crônicas & Contos", de sua autoria.
Parabéns pela idéia de homenagear a sua terra natal, Pombal, incluindo além de seus próprios textos, os de outros conterrâneos.
Cumprimento-lhe ainda por proporcionar aos leitores essa "viagem" que remonta às origens e revivem na memória lembranças de momentos inesquecíveis, em sua vida, e certamente na de muitos pombalenses.
Atenciosamente,
Roberto CavalcanteCorreio da Paraiba

Como foi bom ler seu livro, Paulo Abrantes! Foi como se visitasse Pombal, mas não agora, e sim à época em que vivi lá, de 63 a 70! Quanta gente daquele tempo me veio à memória! Quanto riacho revivi, no seu texto gostoso, "em desabalada correnteza, ecoando um estalar de troncos e ramos partidos"!
Como foi bom saber que Nena Queiroga, que me encantou tanto com sua tranquila elegância, seus livros e suas viagens à Europa, também encantou você. Não sabia que ela ensinava religião!
E como foi gostoso ler o que você escreveu sobre a Rua Estreita, onde vivi a primeira cena do filme O Salário da Morte, na qual enchi a velha porta da farmácia do Epitácio com cinco buracos do que deveriam ser balas de festim!
Mas bom, mesmo, é o texto que v. produziu sobre A Rua Estreita, um desfile de personagens fabulosos, como seu Zé de Duca e a quebra de resguardo da mulher por conta de um lobisomem; como seu Hormídio puxando a gaveta para dela tirar o catálogo homeopático, com que curaria a pobre senhora; com o transe do espírita Generino, com a pregação de Pedro Marcelino!
Sucesso pra você e seu livro, meu caro!
W.J.Solha.

COMENTÁRIO SOBRE O TEXTO PIANCÓ: QUEM VAI CUIDAR DO NOSSO RIO?

Meu caro Clemildo, Pombal tem essa felicidade de ter filhos como você, filho que relata e traz guardado no peito uma história que agrada e reacende as lembranças de nosso tempo de banhos neste rio abençoado de tantas gerações. Obrigado pelas referências, este texto escrevi em momento de inspiração e de saudade. Um abraço fraternal, Paulo Abrantes

COMENTÁRIO SOBRE A POSTAGEM "Dr. Avelino, o médico: Uma das maiores lideranças Políticas de Pombal

Clemildo amigo,
Inicialmente os agradecimentos pela parte que me coube como médico filho de Pombal. Em seguida, parabéns pela homenagem feita ao Dr. Avelino. Abraços Carneiro Arnaud

Amigo Clemildo.
Além de brilhante, sua ideia foi por demais oportuna em homenagear a classe médica na pessoa do saudoso Dr. Avelino Elias de Queiroga.
Homenageando o inesquecível "Bolinha", você está resgatando com muita justiça um dos maiores expoentes de nossa história. Sua contribuição foi imensurável para com a nossa terra, não apenas como médico e político, mais sobretudo, como amigo, qualidades que lhe constituíram como um dos maiores líderes populares de Pombal e região.
Parabéns.
Abraços: Prof. Francisco Vieira.

POMBALENSES SAEM AS RUAS PARA VER A SUPER LUA

POMBALENSES SAEM AS RUAS PARA VER A SUPER LUA

FOTO DO ENCONTRO

FOTO DO ENCONTRO
EU E ROBSON PIRES

VISITA DE CORTESIA A RURAL AM E FM DE CAICÓ RN.

VISITA DE CORTESIA A RURAL AM E FM DE CAICÓ RN.
Visita de Clemildo a Rádio Rural 95 FM em Caicó. Na foto com Clemildo os comunicadores Ronyson Nery e Yanny Danniely.
Tecnologia do Blogger.

CLEMILDO FAZ VISITA DE CORTESIA A COLEGA DE PROFISSÃO EM CAICÓ RN.

Nesta quarta feira dia (02), estive na Rádio Rural de Caicó, ocasião em que visitei o colega Robson Pires (pombalense), que apresenta o Grande Jornal Rural da emissora; fiz-lhe o convite para prestigiar a solenidade da entrega da Medalha Epitácio Pessoa. "Conheci o Robson menino nas ruas de Pombal, ele tinha o apelido de Pelé e eu costumava dizer é o único Pelé branco. Hoje em Caicó ele é temido por suas reportagens e conhecido como o Xerife do Rio Grande do Norte"

POMBALENSE ASSISTE PELA TV ASSEMBLÉIA, SESSÃO ESPECIAL DA MEDALHA EPITÁCIO PESSOA.

Prezado Clemildo:
Impossibilitado de comparecer à Assembléia Legislativa para prestigiar o Ilustre conterrâneo no ato de recebimento da merecida Comenda, quando todos que o conhece, ficamos felicíssimos, venho, embora tardiamente, mas, nunca é tarde para recolher o seu grande valor, como profissional, como ser humano.
Submeti-me a uma cirurgia oftalmológica, mas fiz questão de ligar para o colega que me operou para que liberasse e fui liberado para assistir pela TV Assembléia, a tão honrosa Sessão Especial, ao lado de meu querido pai, aposentado dos Correios e Telégrafos, que com muito orgulho também prestigiou o filho do saudoso Seu Napoleão grande amigo dele.
Como médico orgulha-me de ser pombalense e de ter presenciado boa parte da sua crescente trajetória profissional no rádio.
PARABENS CLEMILDO BRUNET. DEUS CONTINUE TE ABENÇOANDO.
MANOEL ANGELO FILHO

AGRADECIMENTO!

Caro amigo Clemildo:
Agradeço sensibilizado pelos cumprimentos enviados na passagem do meu aniversário.
O tempo passa depressa e a gente nem sente. Eu sou muito grato a Deus pela longa vida que me deu, pela família com que me brindou e pelos amigos com os quais fui presenteado e entre os quais você se destaca.
Muito obrigado pela carinhosa homenagem, desejo a você e seus familiares um Feliz Natal e de um Ano Novo de muitas alegrias com as bênçãos de Deus.
Um grande abraço.
Ubiratan.

JORNAL "ALTO SERTÃO" DEZEMBRO/2014

JORNAL "ALTO SERTÃO" DEZEMBRO/2014
JORNAL "ALTO SERTÃO" EDIÇÃO ESPECIAL DE FIM DE ANO

CONDOLÊNCIAS

A passagem para o Oriente Eterno do Irmão Francisco Fernandes da Silva, conhecido por Bibia, esposo de Dona Cessa poetisa pombalense falecida a um ano, foi uma grande perca para a Maçonaria brasileira e para a nossa Pombal. Aos seus Familiares manifetamos sentimentos de pêsames rogando ao GRANDE ARQUITETO DO UNIVERSO que os iluminem e guarde para sempre. Alberto Salgado Bandeira e Fátima Bandeira

Caro amigo Clemildo!

Ao ler no seu conceituado Blog a noticia da morte do amigo Bibia, confesso que fiquei confuso por algum instante. Logo Bibia? Perguntei-me. É isso mesmo, ninguém pode fugir dos ataques traiçoeiros da maldita morte. Sem querer desmerecer os demais amigos e amigas, aqui em Pombal, dois casais de amigos faziam a diferença para mim: refiro-me ao compadre Belino e comadre Lili, ambos de saudosa memória e a Bibia e Cessa. Quantas e quantas vezes a gente se reunia lá na casa do alto para jogarmos conversa fora! Depois do falecimento de Belino e Lili, restaram-me Cessa e Bibia. E agora? Ora, só me resta preservar na memória os bons momentos de convivência harmoniosa que mantivemos por dezenas de anos. Bibia, peço ao Senhor Jesus que lhe dê a paz e a felicidade que você sempre desejou em vida. Ademais, tenho certeza de que o seu encontro com a sua amada Cessa será comemorado com grande festa patrocinada por todos os amigos que estão na eternidade. Aos filhos e netos desse belo casal que Deus reclamou, desejo-lhes muita paz e conforto, pois vale a pena lembrar que morte não é o fim, é apenas uma passagem de uma vida para outra, Aceitem todos meus sentimentos.
Ignácio Tavares

DE UBIRATAN LUSTOSA: RECEBI O LIVRO

Ubiratan Lustosa
Para CLEMILDO BRUNET
De:
Ubiratan Lustosa (ulustosa@ulustosa.com)
Enviada:
sábado, 29 de outubro de 2011 19:02:10
Para:
CLEMILDO BRUNET (brunetcomunicador@hotmail.com)
Olá, amigo Clemildo.

Recebi o livro "Riacho de Prata", de autoria do seu amigo Paulo Abrantes, e agradeço a sua gentileza de me enviar esse presente. Na primeira folheada já percebi que vou saber mais sobre a sua Pombal querida e isso me trará muita alegria. Por coincidência, gravei meu programa na quarta-feira, para ser apresentado domingo, e nele estará a música "Maringá", com Carlos Galhardo. Aproveitei para lhe mandar um abraço.
Renovo meus agradecimentos e envio um grande abraços a você, pedindo que seja extensivo ao autor Paulo Abrantes.
Ubiratan.
Curitiba - PR.
LINK: http://www.e-parana.pr.gov.br/modules/programacao/radioam_ao_vivo.php
DO PROGRAMA DE UBIRATAN, APRESENTADO ÀS 6 HORAS DA MANHÃ DOS DOMINGOS (NOSSO HORÁRIO).

SESSÃO SOLENE DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO SOLENE DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
EM SEU DISCURSO CLEMILDO FEZ UM RELATO HISTÓRICO DA RADIOFONIA POMBALENSE E LEMBROU VELHOS COMPANHEIROS!

COMENTÁRIOS: A EVIDÊNCIA DA MÚSICA BREGA...

Clemildo Brunet,
Sua matéria publicada sobre o BREGA é excelente e muito oportuna e irá contribuir para a aprovação do Projeto de Lei.
José de Sousa Dantas -Poeta e Escritor pombalense.

Adilson Ribeiro
clemildo brunet, parabéns pela matéria sobre o brega. As vezes eu acho que se Elvis presley fosse brasileiro, ele não passaria de um cantor de brega. Então eu só quero dizer que nao adianta fugir, qualquer cantor brasileiro é brega. Não pense que... Caetano Veloso é menos brega do que Waldick. A América, a Europa, nao gostam de brasileiros. Porque o próprio brasileiro não se gosta, quer ser americano de qualquer jeito. Ver se lá em nova york, tem alguma frase em portugues. Aqui no Brasil é pit stop, personal trainer, as propagandas de produtos é quase tudo em inglês. Temos que nos valorizar. Um cantorzão como o Nilton Cesar, se fosse americano, era o rei de qual coisa. Porque o americano se ama e ama seus idolos. Parabéns ao nobre deputado Tião Gomes, que dê certo sua iniciativa em relação ao brega.
Adilson Ribeiro - Cantor e Compositor.
Ananindeua, Brazil.

POSE PARA FOTO APÓS COLETIVA.

POSE PARA FOTO APÓS COLETIVA.
Radialista Clemildo Brunet ladeado pelo Vice Geraldinho e a Prefeita Polyana.

POSE PARA FOTO IMPRENSA, POLYANA E GERALDINHO

POSE PARA FOTO IMPRENSA, POLYANA E GERALDINHO

TIBURTINO GOMES DE SÁ: SEGUIDOR DO BLOG COM MUITA HONRA!

Seu blog, meu caro primo Clemildo é muito profundo e de muito conhecimento, próprio da família, que diz - "Sá quando não é inteligente demais é 'doido'" Brincadeira. Já sou seu seguidor com muita honra. Mais tarde estarei fazendo um "tourner" pelo blog! Saudações primo!
Sousa,11/10/2011
Tiburtino Gomes de Sá

É ASSIM QUE SE FAZ CIDADANIA

Caro amigo Clemildo.
O seu Portal está maravilhoso. Uma homenagem bem merecida. Os paraibanos reconhecem o seu valor, especialmente os pombalenses. É assim que se faz cidadania. É demonstrando amor pela terra onde nasceu. Patriotismo, por que não dizer. São valores que jamais a História de Pombal os excluirá de suas páginas. Você está de parabéns. Sinto-me feliz quando vejo um conterrâneo trazer ao conhecimento público o retrato falado do nosso Município, como pioneiro do Sertão Paraibano. Portanto, volto a dizer: Você merece mais do que a homenagem que lhe foi prestada pelo Poder Legislativo do Nosso Estado.
Forte Abraço.
José Santos DINIZ.

COMENTÁRIO DO DR. ELISEU JOSÉ DE MELO NETO NO FACEBOOK

Eliseu José De Melo NetoClemildo Brunet de Sá Agradeço muito. Você fez a minha biografia com muita precisão. Detalhes da minha vida que até por mim passava desapercebido, você publicou com precisão. Parece que teve ajuda de alguém muito próximo. Foi muito real. Felicidades! E muita saúde para você, que considero como um dos meus grandes amigos!
O RÁDIO AINDA É O MAIOR MEIO DE COMUNICAÇÃO!

FAZENDA RAMADINHA

FAZENDA RAMADINHA
4 JANEIRO 2009

JORNAL "ALTO SERTÃO" OUTUBRO 2014

JORNAL "ALTO SERTÃO" OUTUBRO 2014
JORNAL "ALTO SERTÃO" EDIÇÃO ESPECIAL FESTA DO ROSÁRIO DE POMBAL. OUTUBRO 2014

À MEMÓRIA DE DONA CESSA: EXEMPLO A SER SEGUIDO POR TODOS NÓS...

Estimado amigo Clemildo:
Lindo e comovente o seu artigo. Sinto-me honrado por você ter incluído nele a citação do meu texto sobre saudade. Na verdade, esse carinho que você e o povo de Pombal dedicam à memória de Dona Cessa é um exemplo a ser seguido por todos nós. Pessoas como ela sempre devem ser lembradas pela sua doação à coletividade e grandeza de sentimentos.
Parabéns, amigo, e um grande abraço.
Ubiratan.

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!
APRESENTAÇÃO DA CANTORA NARA CASTRO

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!
COMPOSIÇÃO DA MESA. AO CENTRO O PROMOTOR DE JUSTIÇA SEVERINO COELHO VIANA AUTOR DA OBRA LITERÁRIA.

COMENTÁRIO SOBRE O ARTIGO: LINDUARTE NORONHA: "uma saudade a mais, uma esperança a menos".

Caro Clemildo,
O seu artigo em homenagem ao cineasta Linduarte Noronha, é uma página feliz não só pela lembrança da morte daquele que viria inspirar o chamado Cinema Novo no Brasil, como nos trazer um relato inédito, do escritor Solha , de suma importância histórica para a compreensão daqueles que esperavam da película "O Salário da Morte" um desfecho feliz de vingança e vitória. Para melhor entender, nos anos 70, o longa-metragem "O Salário da Morte” foi e é, um registro histórico para o cinema paraibano, em especial para Pombal, como fator de notoriedade, como o foi Aruanda para o cinema nacional, devido ter surgido numa cidade interiorana de pequeno porte. Na época, Solha, surpreendeu o mundo artístico paraibano com o seu roteiro original debaixo do braço e partiu para a capital na busca de pessoas competentes e identificadas com a arte cinematográfica para dar asas a sua imaginação, ao seu projeto. Não entenderam que estavam diante de um jovem ousado, inteligente, de idéia privilegiada, um visionário do sucesso. Aí, aconteceu o pior, cortaram a luz da película, o seu roteiro original, aquele que se dirigia para o sucesso, dando lugar a uma tentativa frustrada. Solha, vendeu tudo, casa, carro, tomou dinheiro emprestado, e nada disso o abalou. Continua forte e firme como as aroeiras e baraúnas de nosso sertão e escrevendo divinamente e colhendo os bons frutos que a História Universal da Angústia lhe conferiu e a alegria do fantástico Árkadich lhe proporciona. Assim é o Solha, impávido colosso.
Paulo Abrantes

CONFRATERNIZAÇÃO DE ANO NOVO!

CONFRATERNIZAÇÃO DE ANO NOVO!
ALMOÇO FAZENDA RAMADINHA

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!
SEVERINO COELHO VIANA FAZENDO APRESENTAÇÂO DE SUA SÉTIMA OBRA LITERÁRIA.

AO IMORTAL POETA

AO IMORTAL POETA
RONALDO CUNHA LIMA

COMENTÁRIO SOBRE O TEXTO: A FESTA DO ROSÁRIO DE POMBAL OFICIALIZADA...

Parabéns, CLEMILDO, pelas suas excelentes e oportunas matérias publicadas em seu site na internet, referentes ao DIA ESTADUAL DA MÚSICA BREGA e à FESTA DO ROSÁRIO EM POMBAL, esta como você bem disse: “...EMBORA TARDE...”, mas agora instituída no calendário de eventos do Estado.
São matérias sumamente importantes para a divulgação e o fortalecimento da cultura do Estado, fazendo com que as pessoas tomem conhecimento e valorizem mais as manifestações culturais de Pombal e do Estado.
José de Sousa Dantas - Poeta e Escritor Pombalense

O ANIVERSARIANTE DE HOJE 30/06/12, COM A FAMÍLIA!

PARABÉNS CESSINHA...

PUBLICADO NO FACEBOOK POR EDMILSON PEREIRA

PUBLICADO NO FACEBOOK POR EDMILSON PEREIRA
Edmilson Pereira Silva - Aqui apareço ao lado de um grande amigo e uma referência do rádio paraibano, Clemildo Brunet de Sá

CLEMILDO ANIVERSÁRIO 1° DE AGOSTO

de Prepare-se está para Clemildo Brunet.

Parabéns!!! Este dia foi especialmente preparado pelo SENHOR; regozijemo-nos e alegremo-nos nele. (Salmos 118:24) Deus te abençoe grandemente

de Cassimiro Neto para Clemildo Brunet.

Parabéns! Hoje é mais um dia de festa. É o dia que celebramos o teu aniversário. E nesse dia festivo te cercamos de abraços e felicitações. Você é uma pessoa muito querida e por isso todos os teus amigos e parentes te desejam tudo de bom. E eu, presenteio você com essa singela homenagem. Porém repleta de todo o meu carinho. Que Deus te ilumine, todos os dias de sua vida! Abraços e FELIZ ANIVERSÁRIO!!

Cassimiro Neto.

de Elias para Clemildo Brunet.

FELIZ ANIVERSÁRIO!!

Afinal fazer aniversário é ter a chance de fazer novos amigos, ajudar mais pessoas, aprender e ensinar novas lições, vivenciar outras dores e suportar velhos problemas.

Sorrir novos motivos e chorar outros, porque, amar o próximo é dar mais amparo, rezar mais preces e agradecer mais vezes.

Fazer Aniversário é amadurecer um pouco mais e olhar a vida como uma dádiva de Deus.

É ser grato, reconhecido, forte, destemido.

É ser rima, é ser verso, é ver Deus no universo;

Parabéns a você nesse dia tão grandioso.

São os meus mais sinceros votos

Elias Mesquita

de Chagas Vitoriano para Clemildo Brunet.

Quero nesta data especial, rogar a Deus que sua vida seja plena de muitas felicidades, que a luz do Divino Redentor lhe ilumine a cada passo e que só coisas boas lhe aconteçam!!! Meus sinceros Parabéns!!!

Caro Clemildo,

Parabéns pelo seu aniversário!

Receba meus cumprimentos e os melhores votos de saúde e felicidades.

São passados 63 anos de nossas vidas, temos apenas um mês de diferença de idade. Sentamos no mesmo banco escolar da Igreja Paroquial de nossa infância querida em Pombal. Nunca duvidei que estivesse diante de um talentoso artista, pelo seu espírito irrequieto, inteligente e capaz. O tempo mostrou que ali em Pombal, residia um dos maiores radialistas do sertão. Este homem que foi agraciado com a maior condecoração da Assembléia Legislativa, a “Medalha Presidente Epitácio Pessoa” numa justa homenagem que lhe foi prestada no ano de 2010.

Quero lhe dizer neste 1º de agosto, neste alvorecer de sua nova idade, com as bênçãos de Deus, sua vida seja de paz e que seus desejos e projetos se realizem.

Com um grande abraço, do amigo de infância, Paulo Abrantes.

primo/amigo, Clemildo Sá, não poderia me furtar jamais de partilhar deste momento de alegria em sua vida, pela passagem de mais um aniversário na certeza de que você vem cumprindo sábio e fielmente com a doutrina que o Senhor lhe outorgou à ser cumprida no decorrer da sua estada neste plano de existência! Que Deus te abençoe sempre! E... FELIZ ANIVERSÁRIO!

Tiburtino Castelo Sá Gomes.

Clemildo Brunet, A equipa do Palco Principal deseja-te um feliz aniversário! Obrigado por continuares conosco. Que a música esteja sempre contigo! Parabéns!

A equipa do Palco Principal

DE VERNECK ABRANTES PARA GENIVAL TORRES

Genival Torres,

Agradecemos as suas palavras motivadoras e de alerta sobre a importância histórica de lembrar as datas marcantes da nossa cidade.

Na verdade, os 150 anos de elevação ao status de cidade, deveríamos ter estabelecido um marco dessa passagem, assim como ficou registrado a denominação do Bar Centenário quando dos 100 da nossa cidade, também nesse mesmo dia, citar o lançamento do livro do nosso Wilson Seixas: O Velho Arraial de Piranhas. Por quanto, até então, ficamos sem um marco de lembrança dos 150 anos do aniversário de Pombal. Que continue nos prestigiando com seus belos texto, onde mantemos em arquivo.

Um abraço com admiração,

Verneck Abrantes

BODAS DE OURO

BODAS DE OURO
Almir e Marlene em Natal Comemorando 50 anos de Feliz União Conjugal. Parabéns pelas Bodas de Ouro!

CHAMINÉ SESQUICENTENÁRIA

Prezado Clemildo,

Lembro aos meus ilustres conterrâneos, fui propositadamente bastante sucinto nas indicações no meu texto, Descaso ou Indiferença, para não ser prolixo. Ainda sensibilizado com a resposta do nosso ilustre escritor pombalense, Verneck Abrantes, e concordando plenamente com a sua indicação, mais ainda, e como referência para análise posteriori, caso Pombal queira deixar um marco material, paralelo, exposto à visitação pública, temos a Chaminé da Brasil Oiticica que poderia ser denominada Chaminé Sesquicentenária, como homenagem alusiva data, e de certa forma, tornando real a possibilidade de não se jogar por terra essa construção que é um marco na indústria da cidade. Transformando numa monumental peça da construção civil, um dos segmentos que fizeram, e que ajudaram a construir a história da nossa gente. Fraternal abraço a todos.

Genival Torres Dantas

CLEMILDO,

Como marco da passagem dos 150 anos da elevação de Pombal ao status de cidade, veja a ideia de Genival Torres Dantas: CHAMINÉ SESQUICENTENÁRIA. Com uma pequena praça no seu entorno e Pombal teria mais uma referência histórica e lugar para visitas turísticas, exposição de fotografias ou representações artísticas. Achei excelente o pensamento de Genival.

Um abraço,
Verneck

ENCONTRO DE POMBALENSES EM TERRA POTIGUAR.

ENCONTRO DE POMBALENSES EM TERRA POTIGUAR.
Nesta foto registro o meu encontro em terra potiguar com o conterraneo amigo e Empresário no Rio de Janeiro, Almir Almeida. Na conversa matamos saudades dos velhos tempos de nossa Pombal.

HOMENAGEM DA POETISA A CLEMILDO

HOMENAGEM DA POETISA A CLEMILDO
Mª DE LOURDES ALMEIDA PEREIRA DE ARAÚJO NA FOTO COM CLEMILDO

A PARAÍBA PERDE UM GRANDE ESTADISTA: RONALDO CUNHA LIMA!

A PARAÍBA PERDE UM GRANDE ESTADISTA: RONALDO CUNHA LIMA!

Um dos últimos políticos da Paraíba que soube honrar com altivez e destemor a prática da honestidade nos procedimentos com o erário público, esse sim, fez parte da geração onde a política era feita pelo o idealismo de servir ao povo a exemplo do Senador Ruy Carneiro e do Deputado Federal Janduhy Carneiro, assim era o poeta, ex vereador, ex- prefeito, ex-deputado estadual, ex-governador, ex senador e ex-deputado federal RONALDO CUNHA LIMA. A PARAÍBA NÃO SÓ PERDE UM POLÍTICO AUTÊNTICO, MAS UM GRANDE HOMEM QUE SOUBE REPRESENTÁ-LA MUITO BEM NO CENÁRIO NACIONAL. NOSSA SOLIDARIEDADE DE PESAR AO SENADOR CÁSSIO CUNHA LIMA, EXTENSIVO A TODA FAMÍLIA!

Clemildo Brunet - Radialista.

PARABÉNS AO AMIGO BIBIA

PARABÉNS AO AMIGO BIBIA
REGISTRAMOS COM GRANDE SATISFAÇÃO NA DATA DE HOJE 07 DE FEVEREIRO, O ANIVERSÁRIO DO AMIGO FRANCISCO FERNANDES DA SILVA, BIBIA, QUE DEUS LHE CONCEDA MUITOS E MUITOS ANOS DE VIDA E MUITAS FELICIDADES JUNTO A SUA ESPOSA CESSA E TODA FAMÍLIA. PARABÉNS E FELIZ ANIVERSÁRIO!

TWITTER X FACEBOOK

- Parabéns pelos temas enfocados através do seu BLOG. Vc é o Cara

: parabéns pelos cinco anos do seu blog. Conheço a sua garra e o seu profissionalismo. Siga em frente.

MARINGÁ - O NOME VERDADEIRO.

Graças à interferência de meu estimado amigo paraibano Clemildo Brunet, acabo de receber o livro do escritor Severino Coelho Viana "Maringá - o nome verdadeiro". Ele trás novas descobertas sobre a bela Maria do Ingá que Joubert de Carvalho resumiu para Maringá em sua composição famosa. A existência de Maria do Ingá, por algum tempo considerada pura imaginação poética,... Aos poucos ganhou contornos de realidade e já se descobriu até o verdadeiro nome dela. Já diversas vezes focalizei esse assunto em meu programa "Revivendo" e após concluir a leitura do livro voltarei a ele porque é muito interessante, especialmente para nós paranaenses que temos uma grande cidade com esse nome. Meus agradecimentos ao escritor Severino Coelho Viana e ao Clemildo Brunet.

Ubiratan Lustosa - Radialista paranaense.

7 DE SETEMBRO DE 2007

7 DE SETEMBRO DE 2007
TAYANE DEYSE- BALIZA, FILHA DO RADIALISTA E PROFESSOR CEZÁRIO DE ALMEIDA

7 DE SETEMBRO 2007

7 DE SETEMBRO 2007
PELOTÃO ESPECIAL HOMENAGEM A IMPRENSA POMBALENSE

LANÇAMENTO/AGRADECIMENTO

Estimado amigo
Clemildo Brunet:

Agradecemos pela reportagem que fez sobre o lançamento do oitavo livro de nossa autoria, intitulado de MARINGÁ – O NOME VERDADEIRO,
evento cultural realizado nas dependências do Pombal Ideal Clube.
Os Promotores de Justiça, Bertrand Asfora e Amadeus Lopes Ferreira, ficaram encantados pelo comparecimento maciço de tão seleto auditório assim como o nível cultural do povo de Pombal.
O seu artigo já repercute a nível estadual, pois a nossa caixa de e-mail está lotada, vamos lendo aos poucos.
Em nome de minha família, agrademos pela cobertura que deu ao evento. É neste caminho que Pombal deve apresentar os seus valores.
Sentimos que a cada lançamento aumenta o número de participantes, isto é uma prova inconteste do crescimento cultural de nossa terra.
Além do Blog Clemildo Brunet Comunicação, idêntica reportagem foi reproduzida no Portal Pombal e Rádio Opção.
O Caldeirão Político fez uma reportagem de todo o lançamento, através do radialista Chico Cardoso.

SEVERINO COELHO VIANA

7 DE SETEMBRO DE 2007

7 DE SETEMBRO DE 2007
HOMENAGEM AO LORD AMPLIFICADOR DE CLEMILDO BRUNET
PARA SATISFAÇÃO NOSSA E DE SEUS PAIS, REGISTRAMOS A VITÓRIA DA NOSSA COLUNISTA DO CANTINHO DA SAÚDE, DOUTORA Mª DO BOM SUCESSO LACERDA FERNANDES NETA, QUE FOI GRADUADA EM MEDICINA PELA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE NESTE MÊS DE JUNHO DE 2012. CESSINHA NETA É NATURAL DE PATOS MEMBRO EFETIVO DA ACADEMIA PATOENSE DE ARTES E LETRAS (DESDE 2009). ESCRITORA E POETISA TEM PARTICIPADO DE
AMOSTRAS DE POESIA E FOTOGRAFIA E PUBLICADOS ARTIGOS RELACIONADOS A SUA ÁREA DE ATUAÇÃO, EM JORNAIS, REVISTAS E SITES HAVENDO SIDO CLASSIFICADA EM SETE CONCURSOS PÚBLICOS. A CESSINHA, NOSSOS PARABÉNS!
contato: sucessomed@hotmail.com

PELOTÃO ESPECIAL 7 DE SETEMBRO 2007

PELOTÃO ESPECIAL 7 DE SETEMBRO 2007
HOMENAGEM A IMPRENSA POMBALENSE

SOBRE HOSPITAL NAPOLEÃO LAUREANO: "JUBILEU DE OURO PELA VIDA"

Caro Clemildo,

parabéns pelo magnífico relato sobre o Hospital Napoleão Laureano, sobretudo porque você deu enfoque merecidamente, a pessoa extraordinária de Dr. Antonio Carneiro Arnaud que exprime uma personalidade de sentimentos, espiritualidade e humanismo para com os seus conterrâneos, representando um orgulho para todos nós paraibanos. Dr. Carneiro, desempenhou um importantíssimo papel na sua formação, deu asas a sua expansão, que cabe repetir a frase do Ministro Alcides Carneiro: "Esta é uma casa que por infelicidade se procura e por felicidade se encontra" Parabéns a você e a ele.
Abraço, do amigo Paulo Abrantes.

Clemildo amigo,

Gostei muito do seu artigo. Você retratou com fidelidade toda a vida não somente do Hospital Napoleão Laureano, mas também da Fundação Laureano a entidade mantenedora, da qual foi Diretor Presidente o nosso conterrâneo Dep. Janduhy Carneiro e hoje tenho a honra de ocupar a tão importante função. Muito já foi feito, mas ainda existe muito para ser feito. Em breve estaremos instalando a Ressonancia Magnética e se Deus quizer tambem o PET-Scam. Divulgue tudo no seu BLOG que é muito consultado. Abraços Carneiro Arnaud.

Amigo Clemildo:

Muito oportuna a sua evocação da figura extraordinária de Napoleão Laureano. Meus parabéns pelo seu trabalho.

Um fraternal abraço do

Ubiratan.

Berta Leticia Wanderley Clemildo,parabéns, pela sua reportágem, sobre o Laureano, está muito boa mesmo! Nós estamos precisando do número do seu celular para entrarmos em contato com você,

7 DE SETEMBRO 2007

7 DE SETEMBRO 2007
HOMENAGEM A DIFUSORA GUARANI DE MANOEL BANDEIRA!

Seguidores

DE IGNÁCIO TAVARES PARA CLEMILDO

MENSAGEM DE IGNÁCIO TAVARES EM RESPOSTA AOS MEUS AGRADECIMENTOS...

Caro Clemildo
A minha amizade com vocês, pode-se dizer, é histórica. Os amigos, Clovis e Cláudio, ambos de saudosa memória, Carlos e você sempre formaram uma amizade sem fronteiras. Quanto ao seu pai e sua mãe dona Sinhazinha, guardo boas lembranças, pois frequentava a sua casa com certa liberdade, qual fosse um membro da família, dada a minha amizade com os meninos, como carinhosamente éramos chamados por nossos pais. Seja feita a sua vontade, o texto é seu e de toda família. Abraços Ignácio

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT
VICE PREFEITO DR. GERALDINHO E O RADIALISTA CLEMILDO BRUNET

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT
PREFEITA POLYANA E O RADIALISTA CLEMILDO BRUNET

JORNAL "ALTO SERTÃO"

JORNAL "ALTO SERTÃO"
CIRCULANDO - ESPECIAL ANIVERSÁRIO DE POMBAL. EDIÇÃO JULHO/ 2014

JORNAL "ALTO SERTÃO"

JORNAL "ALTO SERTÃO"
EM CIRCULAÇÃO A 3ª EDIÇÃO DO JORNAL "ALTO SERTÃO" JULHO DE 2014.

JORNAL "ALTO SERTÃO"

JORNAL "ALTO SERTÃO"
EM CIRCULAÇÃO A 2ª EDIÇÃO DO JORNAL "ALTO SERTÃO" DEZEMBRO DE 2013.

EM CAJAZEIRAS: OS MELHORES DO ANO 2007

EM CAJAZEIRAS: OS MELHORES DO ANO 2007
PROF DR. JOSÉ CEZÁRIO RECEBE COMENDA DE HONRA AO MÉRITO NO "LA FIESTA" EM CAJAZEIRAS NO DIA 23-02-2008.

PRESTIGIANDO A FESTA "MELHORES DO ANO 2007"

PRESTIGIANDO A FESTA "MELHORES DO ANO 2007"
CLEMILDO RECEBE OS CUMPRIMENTOS DE SEU VELHO COMPANHEIRO DA RÁDIO ALTO PIRANHAS RADIALISTA GERALDO NASCIMENTO EM 23-02-2008 CLUB LA FIESTA EM CAJAZEIRAS.

JORNAL"ALTO SERTÃO"

JORNAL"ALTO SERTÃO"
PRIMEIRA EDIÇÃO OUTUBRO/2013

SOBRE O ARTIGO "CLEMILDO BRUNET" DE ONÉLIA QUEIROGA.

Clemildo, li o que Onélia escreveu e lacrimejei... como me lembro da bolacha peteca e do pão doce... a peteca molhada no leite e frita com manteiga de garrafa... é demais a saudade... assino embaixo tudo que ela falou sobre vc.
Maryloide Brunet

ESCRIVANINHA DE CLEMILDO

ESCRIVANINHA DE CLEMILDO
COMENDAS RECEBIDAS EM 2007

COMENTÁRIO DE MARCIA REJANE SOBRE A POSTAGEM "ZEILTO: 25 ANOS,UM EXPOENTE DA COMUNICAÇÃO"

COMENTÁRIO DE MARCIA REJANE SOBRE A POSTAGEM "ZEILTO: 25 ANOS,UM EXPOENTE DA COMUNICAÇÃO"
Caro Clemildo, confesso que é muito gratificante e emocionante ler artigos que relatam histórias do meu amado e querido pai. Obrigado por guardar com tanto carinho, lembranças do saudoso Zeilto Trajano. Ass.Marcia Rejane (A caçulinha do Zeilto) Foto com Clemildo.

GREGÓRIO DANTAS

GREGÓRIO DANTAS
HOMENAGEM PÓSTUMA

ZEILTO TRAJANO DE SOUSA

ZEILTO TRAJANO DE SOUSA
HOMENAGEM PÓSTUMA

HOMENAGEM: VISITA DE CORTESIA E ENTREGA DE TEXTO!

HOMENAGEM: VISITA DE CORTESIA E ENTREGA DE TEXTO!
Na manhã deste dia 18 de janeiro de 2010, na sede do CECAN em Natal RN, o radialista Clemildo Brunet em visita de cortesia a Secretária Geral da Instituição, Sra. Joelma Alves, fez a entrega do texto: "OS 60 ANOS DA LIGA NORTE RIO-GRANDENSE CONTRA O CÂNCER". Na oportunidade, a Secretária agradeceu e parabenizou o radialista; porém, fez uma correção no parágrafo da DEPECON; onde se ler (17 vagas de residencia médica), leia-se 08 vagas R1, admtindo ter sido um erro do site da Liga.

SÉRGIO LUCENA

SÉRGIO LUCENA
HOMENAGEM PÓSTUMA

CONGRATULAÇÕES E JUSTIFICATIVA

Ignácio:
Sem dúvida Clemildo, foi um momento histórica pra voce e todos nós pombalenses que acompanhamos todo seu trabalho, assim como a sua vitoriosa trajetória no mundo do rádio e do jornalismo. Infelizmente, como já lhe expliquei fui um ausente nesta grande festa. Mas, onde estava, numa reunião demorada e cansativa, lembrava-me a todo momento, com uma ponta de tristeza por não estar presente. Tem nada não, noutras oportunidades nos encontraremos. O que conteceu foi apenas início de uma série de manifestação de reconhecimento do seu valor como abnegado homem de comunicação,com relevantes serviços prestados a comunidade do qual é parte integrante, Abraços Ignácio Tavares.

Caro amigo Clemildo:

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer ao amigo o convite da sessão da entrega da Medalha Epitácio Pessoa ao nobre repórter. Não pude comparecer, fato que já havia explicado a você por conta de exames de saúde que iria realizar na capital paraibana. Mas, acompanhei o desenrolar da sessão da Assembléia Legislativa, através da Rádio Liberdade FM 96,3. Gostei muito do que você falou lembrando as coisas do rádio de Pombal - PB. E naquele momento lembrei muito da campanha de prefeito do ano de 1976, embate que ficou marcado em minha memória, embora adolescente, via você na veraneio do PMDB, veículo que você mesmo denominou de amarelinho, como também do célebre comício da rua Capitão Lindolfo, mais conhecida como rua do Fogo, onde você, juntamente com José Coelho, hoje residente em São Paulo, anunciavam a presença naquele momento do grande orador e saudoso senador o Dr. Marcos Freire. Do amigo de sempre, Joaquim Candido da Silva Filho.

Postagens mais populares

Barra de vídeo

Loading...

EXCLUSIVO: ENTREVISTA DO CANTOR NILTON CESAR AO RADIALISTA CLEMILDO BRUNET

CLIQUE NO PLAY E OUÇA A ENTREVISTA.

COMENTÁRIO: A FAMÍLIA "ESPALHA" E SEUS MENESTRÉIS.

Gostaria de parabenizar o amigo professor Vieira pelo belo artigo sobre a família Espalha. Tive o prazer de conhecer um dos membros desta conceituada família o saudoso Bideca, seresteiro por ofício e boêmio por natureza. A sua ausência hoje sentida por todos que com eles conviveram me fazem refletir, "Belos tempos, Belos dias"
Adriano Fernandes

Caro Vieira, bom dia.

Somente hoje tomei conhecimento do seu artigo sobre os “Espalhas”, estava de férias e me desliguei de tudo.

Fiquei surpreso e emocionado com o artigo e a origem da palavra “espalha”, confesso que desconhecia esses detalhes.

Aquela rua em que morou Chico Espalha (por várias décadas), deveria ter o seu nome, porque ele foi um dos pioneiros dali, juntamente com meu avô “seu Otávio frandeleiro”, Euclides, Zé Branco, Julio Barbosa, e outros mais que não recordo no momento.

Infelizmente a intitularam Domingos de Medeiros, que talvez nem conhecesse o local e nem a família Espalha. Lamentável.

Agradeço em nome de todos os Espalhas em vida, e a lembrança registrada daqueles que se foram e fizeram parte do nosso convívio.

Até uma próxima oportunidade

Valdir Mendonça

AGRADECIMENTO

Meu amigo-irmão Clemildo, agradeço de todo coração os seus elogios com relação ao meu (nosso) passado pelo mundo radiofonico - principalmente em Pombal onde tudo começou.
Logo que cheguei em Cajazeiras na manhã da sexta-feira foram muitos amigos me informando da sua postagem no face book - (você tem seguidores que não acaba mais).
Também minha imensa surpreza da informação por parte da presidente da API Marcela Sintônio, o ex-presidente da nossa Associação João Pinto e vários e vários outros colegas da imprensa paraibana que foram a Cajazeiras para a festa da Reencontro e que são seus assíduos leitores-seguidores.
Por fim agradeço pelas gentis palavras dizendo; você foi generoso até demais para com esse seu discípulo.
Obrigado Irmão!!
Otacílio Trajano

CONGRATULAÇÕES / MEDALHA EPITÁCIO PESSOA.

Mary Loide Brunet:
Parabéns! Vc fez por merecer! Também fico muito feliz e honrada com a honra que lhe é reconhecida. Mary Loide.

Marcelino Neto:
Amigo Clemildo! Não pude comparecer ao seu evento maravilhoso. No entanto registrei na Espinharas de Patos o fato e acredite fiquei muito feliz pela sua conquista. Certamente entre tantos importantes nomes da radiofonia pombalense e paraibana o seu para mim é um dos maiores destaques. Um abraço professor!