quinta-feira, 31 de maio de 2012

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

Fundada em 1934, a Brasil Oiticica, indústria oriunda do Ceará, em pouco mais de 50 anos de existência conseguiu exportar mais de U$ 22 milhões de dólares, até que, no ano de 1987, teve decretada sua falência.

Não sei precisamente a data da sua instalação em Pombal. Só me recordo que era a sua chaminé, com seu inconfundível apito, que, ainda quando eu era criança pontuava o cronograma diário da minha vida. Eu acordava sob o som daquele apito, levantava-me e abraçava mais um dia feliz. Às 11 horas, novamente, seu som anunciava a parada laboral para o almoço. Ao bater das 13 horas, mais uma vez apitava, sinalizando o início do turno da tarde. Com o crepúsculo, a velha chaminé deitava o dia e nos entregava aos encantos da noite sertaneja.

Após a sua falência, o acervo situado em Pombal foi se tornando escombro. A chaminé silenciou, não mais acordou, nem deitou seus filhos. Mas, sua presença exuberante constitui um marco histórico a ser preservado, como incentivo à cultura. Lembremos de que a Europa ainda hoje mantém intactos os seus monumentos históricos, que são os principais mobilizadores do turismo, alavancadores de divisas, fortalecendo, firmemente, a estrutura sócio-econômica desse importante continente.
Não podemos continuar com mediocridade. Um povo sem história é um povo sem futuro. Se continuarmos a derrubar a história de Pombal, então, como construir um futuro promissor para as próximas gerações, as quais já não mais terão visualmente condições de conhecer a história da Casa do Altinho, do Sobrado de Joaquim Assis, entre outros imóveis que já foram demolidos pela falta de compromisso daqueles que acreditam que o dinheiro está acima de tudo.

É inadmissível que em pleno Século XXI ainda existam pessoas com mentalidade tão pobre. É possível o antigo conviver com o novo. Se acessarmos o google, visualizaremos exemplos dessa digna convivência. Recentemente, no Rio de Janeiro, foi inaugurado o Bangu Shopping, edificado numa indústria abandonada, onde também havia uma chaminé, que foi preservada e hoje se tornou a principal atração visual daquele empreendimento. Em João Pessoa, o mesmo exemplo, o Shopping Tambiá foi também inaugurado tendo sido preservado o antigo casarão que ali existia.

Não vamos demolir. Lutemos para a preservação da chaminé. Um dia, quem sabe, eu volte a Pombal e a encontre ainda de pé, exuberante, apitando me convidando para viver mais uma manhã, tarde e noite de sonhos.

*Pombalense, é Juiz de Direito da 5ª Vara Cível em João Pessoa - PB.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Marco Coutinho
“Se ninguém mexer com essa chaminé nada vai acontecer com ela”. A afirmação é do Diretor do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba –(IPHAEP) arquiteto e professor da UFPB, Dr. Marco Antonio Farias Coutinho, que veio a nossa cidade na tarde desta quarta feira (30), atendendo solicitação do promotor de Justiça Leonardo Furtado, para fazer uma vistoria na Chaminé da Brasil Oiticica e emitir um laudo técnico das condições em que a mesma se encontra.

No momento da vistoria da torre uma comissão formada pelo Presidente da Câmara Municipal de Pombal, Vereador Jose William de Queiroga Gomes, dos Vereadores Paulo Gomes Vieira e Marcos Bandeira, engenheiro agrônomo José Tavares Neto, radialista Clemildo Brunet, empresários e alguns populares, acompanhou toda inspeção feita pelo Dr. Marco Coutinho.

A cada passo em torno da chaminé, Dr. Marco Coutinho fez anotações, tirou fotos, para fundamentar seu parecer e laudo técnico que será apresentado ao Promotor de Justiça Leonardo Furtado. Em sua opinião a Chaminé está íntegra apresentando apenas algumas fissuras na parte superior da torre que podem ser recuperadas, em sua visão a base está sólida não oferecendo risco de cair.
Vai propor que seja preservada a torre da Chaminé para um Monumento histórico que beneficiará os moradores da localidade com a construção de uma praça. Ele considerou que a chaminé é um ícone para a cidade de Pombal.

REPORTAGEM DE CLEMILDO BRUNET.
O Promotor de Justiça da Comarca de Pombal, Leonardo Fernandes Furtado, após a realização de audiência com o Professor José Cezário de Almeida e o oficial de Justiça, Zildo de Souza, nos autos do Inquérito Civil Público, após apontar indícios do valor histórico-cultural da edificação da chaminé da Brasil Oiticica, emitiu recomendação aos responsáveis pela demolição daquela torre no sentido de que sejam imediatamente suspensas todas e quaisquer ações que culminem na derrubada daquela chaminé.

Na ocasião, o Promotor de Justiça requisitou a Universidade Federal de Campina Grande que proceda, no prazo de 10 dias, com a realização de estudo sobre o caso, com posterior e consequente envio de relatório circunstanciado a despeito da matéria ora em questão.

Ainda por ocasião da audiência do último dia 23 de maio, foram requisitados todos os documentos e fotografias da velha torre, bem como a indicação de nomes de historiadores para futuras e novas inquirições junto a Promotoria de Justiça da Comarca de Pombal.

Por fim, ficou ainda determinada a realização de nova audiência, a ser aprazada, com as pessoas já ouvidas e com os responsáveis pela demolição da chaminé da Brasil Oiticica.

Teófilo Júnior – Blog o mundo como ele é
Poeta José Dantas de Sousa
A prolongada estiagem
no NORDESTE brasileiro
causa dano e desespero,
seca a planta e a paisagem,
açude, rio e barragem,
afeta a agricultura,
a pesca e apicultura...
as fontes d’água secando.
A SECA chegou torrando
muitos anos de FARTURA.

Não choveu vinte por cento
dos anos anteriores,
deixando os agricultores
sem meios para o sustento,
sem água, sem alimento,
os leitos com rachadura,
abrindo brecha e fissura,
com o chão se esturricando.
A SECA chegou torrando
muitos anos de FARTURA.

Revisitei o sertão,
não vi pasto para o gado,
nem plantio no roçado
de milho, arroz e feijão...
nem área com irrigação,
nenhuma semeadura,
que plantio em terra dura
ninguém faz se arriscando.
A SECA chegou torrando
muitos anos de FARTURA

A ASA BRANCA voou
para outra região,
e o PÁSSARO CARÃO
na região não cantou,
só a CIGARRA ficou
no mormaço da quentura
sibilando a toda altura
como quem está clamando.
A SECA chegou torrando
muitos anos de FARTURA.

Se vê em televisão
caveiras de animais,
e outros magros demais,
de cortar o coração,
um ar de desolação,
pela SECA que perdura,
com carcaça e ossadura
no chão se amontoando.
A SECA chegou torrando
muitos anos de FARTURA.

Por falta de prevenção
contra a SECA no nordeste,
do cariri ao agreste,
é triste a situação,
ficando a população
num clima de amargura,
de incerteza e tortura,
angustiada e penando.
A SECA chegou torrando
muitos anos de FARTURA.

É grande a BUROCRACIA
para avaliação,
análise e aprovação
de uma certa quantia,
que cai numa letargia
até a assinatura
de repasse a prefeitura,
que ainda fica atrasando.
A SECA chegou torrando
muitos anos de FARTURA.

Não adianta culpar
o CLIMA da região,
pois à sua condição,
deve-se adaptar;
o homem deve encontrar
uma solução segura,
com adequada estrutura,
sem ficar se lastimando.
A SECA chegou torrando
muitos anos de FARTURA.

Cadê a TRANSPOSIÇÃO
que o nordeste tanto espera,
que depende da esfera
superior da nação,
para continuação
da obra que se afigura
de tamanha envergadura,
que termina, NÃO SEI QUANDO !
A SECA chegou torrando
muitos anos de FARTURA.

Versos de José de Sousa Dantas, mote de José Farias Filho
Transcrito do Portal Usina de Letras

terça-feira, 29 de maio de 2012

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*


Ao longo da história muitos foram os crimes em nome das religiões, etnias, políticas, preconceitos, racismos, e tantas outras causas que enojam a humanidade.

A defenestração de Praga, entre 1618/1648, na Boêmia, atual República Checa, por disputada de sucessão de trono, foi uma das mais conhecidas. Entretanto, várias foram as defenestrações, em tempos diferentes e motivos vários, cada qual com sua importância histórica.

Vivemos um momento de turbulência no cenário nacional, a credibilidade nas instituições e poderes constituídos atravessa uma fase negativa junto à opinião pública.

Após a implantação, em 1994, do Plano Real, idealizado pelo economista Edmar Bacha, ainda no governo Itamar Franco, gestão do então ministro da fazenda Fernando Henrique Cardoso, o Brasil vem crescendo no cenário econômico internacional, se firmando como a 6° potencial mundial e se projetando à 5° potencia.

Esse fato de relevância política não foi suficiente para crescemos em todos os sentidos, formamos um contingente de pessoas inescrupulosas, voltadas ao apego e a prática do ganho fácil, aumentando substancialmente os desvios de recursos públicos, tanto nas esferas federal, estaduais e municipais, independente de partido ou cargos exercidos.

Com a aproximação do julgamento do mensalão, processo que rola no STF (Supremo Tribunal Federal), muita coisa foi dita a respeito, teses levantadas, dúvidas geradas, e a opinião pública atenta ao que possa acontecer com os acusados.

Nesse final de semana somos surpreendidos com a reportagem da Revista Veja, destacando um encontro casual do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no escritório do ex-ministro da Defesa, Nelson Jobim, em Brasília, com o ministro do STF, Gilmar Mendes, e desse encontro ocorreu uma conversar entre os dois e o ex-presidente teria tentado negociar o adiamento do mensalão para 2013, usando como argumento o julgamento este ano, 2012, não seria conveniente, e como moeda de troca o ministro teria proteção na CPI do Cachoeira, Carlos Augusto Ramos, simplesmente Carlinhos Cachoeira, de maioria governista, citando a relação estreita do ministro Gilmar com o acusado de participação na quadrilha do Carlinhos Cachoeira, senador Demóstenes Torres.

O ex-ministro, Nelson Jobim, negou a conversa do Lula com o ministro Gilmar nesses termos, mas confirmou o encontro dos dois sem conversa reservado.

Há ainda uma citação, dessa conversa, fazendo referência ao julgamento do referido mensalão, onde outras pessoas são citadas, como o presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência, Sepúlveda Pertence, ligado a ministra do STF, Carmem Lúcia, para que ela apoiasse a estratégia de adiamento do julgamento. Assunto esse negado pelo presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência.

Essas denuncias mais a inoperância da CPI do Cachoeira nos deixa perplexo, até o momento os integrantes da citada CPI não justificaram ainda sua criação, total desinteresse de convocar pessoas, efetivamente citados pelos marginais envolvidos no processo, principalmente os atuais governadores do DF, GO e RJ, cuja atitude, do presidente e relator da CPI, gera uma sensação de acordo entre os partidos dos acusado em questão, PT, PSDB e PMDB, respectivamente.

Isso posto nos vem as dúvidas, se a defenestração dos patrocinadores dos atos de corrupção da nossa sociedade política virá ou se teremos um grande acerto de bastidores, quando alguns bois de piranhas serão escolhidos e condenados, apenas para satisfação da sociedade descrédita e tensa, pela impunidade que toma conta de uma nação que ver seu esforço em vão, onde poucos, e corruptos, ficam com tanto, e muitos com tão pouco, para a dura sobrevivência com a dignidade dos justos e a serenidade dos praticantes da retidão.

*Escritor e Poeta
Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

Após uma longa noite de sono, o dia mais uma vez amanheceu, trazendo consigo a luz do Sol e a renovação da vida. Mas, ao acordar, senti-me mais cansado do que quando me deitei na noite anterior. O veloz e estressante mundo moderno deixa-nos assim, com essa indisposição, essa fadiga que não vai embora, que insiste em nos maltratar, impondo-nos uma enorme sensação de cansaço, resultado do excesso de atividades e de preocupações que nos circundam no dia-a-dia.

Ainda deitado, ouvi sons que vinham da parte externa da janela do meu quarto. Era o canto da passarada, os murmúrios do mar. De lá também vinham o calor do Sol e o mormaço da vida, vida da luz dourada daquele astro rei que, lentamente, erguia-se por trás da Ponta do Cabo Branco. Sentei-me na cama, rezei meu terço, coloquei-me em meditação, buscando um diálogo com Deus.

Nesse momento, percebi que não adiantava correr tanto, estender a mão para o estresse por tudo e por nada, martirizar-se tendo em vistas as coisas que não foram possíveis realizar no dia anterior e, quem sabe, também não poderiam ser concretizadas durante o dia que ora amanhecia. Veio o pensamento de que é preferível seguir a poesia que diz: “...deixa a vida me levar, vida leva eu..”. Mas nem sempre podemos agir como na poesia, tudo tem seu tempo. Evidentemente que temos que cumprir nossas obrigações, no entanto, é preciso a consciência de que as coisas têm que ser feitas com equilíbrio, com parcimônia e ponderação, pois, no final, tudo se resolverá, afinal, se a noite chega, inevitavelmente, logo em seguida, o sol voltará e amanhecerá um novo dia. Assim é o ciclo do Planeta Terra.

Senti que o tempo é sábio, sempre menino. Por isso, devemos aliviar a nossa mente, diminuindo o nosso ritmo de vida, ou mesmo deixar que as coisas possam se realizar com normalidade. Em instantes de turbulência, de contrariedade e decepções, o recomendável é contar até dez e permitir, por exemplo, que a tranquilidade de uma boa música penetre em nosso âmago, pinçando de nós todas as coisas ruins. A música realmente tem esse condão,, quando tocada em tom suave, harmonizando-se com a natureza, consegue acalmar nosso espírito e nos leva a um estado de tranquilidade que se assemelha ao silêncio das montanhas.

A sensação de fadiga foi sendo expurgada do meu corpo, do meu âmago. Fui criando alma nova e logo eu já estava novamente no trânsito, no já caótico tráfego da nossa capital, indo em direção ao Fórum, para mais um dia de trabalho. No CD do meu carro, um som do piano do campinense Sibelius Donato. Tranquilamente, sem pressa, guiei o carro, não me incomodando com as buzinas e com a marcha lenta do trânsito. Tive um ótimo dia, apesar do trabalho intenso.

Devemos repensar nosso cotidiano.

*Escritor e Juiz da 5ª Vara Cível de João Pessoa.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Maciel Gonzaga
Maciel Gonzaga*

Talvez ela tenha sido a mais antiga empresa organizada do Sertão paraibano. Com capital norte-americano, a Brasil Oiticica S/A foi pioneira no ramo de exportação no comércio de oleaginosas tendo chegado ao nosso país, inicialmente, em 1934, em Fortaleza. Em pouco mais de 50 anos de existência, exportou milhões de dólares para atender aos mercados da Inglaterra e dos Estados Unidos. A unidade de Pombal, que era subordinada a Fortaleza e acabou fechando em 1987 após decretar falência (situação em que, por força de decisão judicial, uma empresa é declarada insolvente, ou seja, incapaz de saldar seus débitos nos prazos contratuais estabelecidos).

Pessoalmente, por me encontrar fora de Pombal há mais de 43 anos, não sei precisamente porque os empreendedores da Brasil Oiticica escolheram a nossa cidade. Apenas, quando menino, ouvi muitas vezes o meu pai – José Firmino de Luna, conhecido como “Alegria da Brasil Oiticica – dizer que Pombal era a maior produtora de oiticica da Paraíba”. Talvez tenha sido esta a razão da implantação da fábrica em nossa cidade. O professor e historiador Inácio Tavares – mais idoso do que eu – dá uma explicação condizente:
Pé de Oiticica
“A segunda Guerra Mundial acelerou a procura por óleo vegetal, em particular, do fruto da oiticica, posto que, naquele momento de sufoco, a indústria siderúrgica dos países envolvidos no conflito, precisava urgentemente, aumentar a produção de ferro e aço, para abastecer as linhas de montagens da indústria bélica. Nesse processo, o óleo entra como um composto químico que dá consistência ao produto, o que facilita a etapa final de laminação. O aço é matéria básica para produção de navios, aviões, tanques, canhões, fuzis, metralhadoras, entre outros artefatos indispensáveis à selvajaria da guerra. O óleo de oiticica, para a indústria siderúrgica, não era um produto de boa qualidade. Desse modo, na ausência, em quantidade, de um bom sucedâneo, não houve outra saída, a não ser ele mesmo”.

No período da colheita da amêndoa da oiticica, uma espécie nativa da região, a economia da cidade de Pombal era acelerada com a circulação de dinheiro, emprego e renda para a população. Na pequena casa onde nasci, na Rua do Cachimbo Eterno, tinha dois pés de oiticica. E, assim, milhares de pequenos proprietários de terra não só de Pombal, mas de vários municípios do Alto Sertão plantavam oiticica, como fonte de renda. Do fruto, além da fabricação do óleo, a palha servia de ração para o gado.

"Sr.Alegria à esquerda, com a mão no bolso"
O meu pai trabalhou pela primeira vez na Brasil Oiticica em 1955, entrando na empresa pelas mãos de um compadre dele – Sr. Lessa – um cearense que se casou com uma pombalense (Dona Cleuzite). E lá, meu pai recebeu o apelido de “Alegria” porque trabalhava no setor denominado “Palha”, que fazia o transporte do fruto da oiticica em um carrinho sob trilhos, trabalhando sempre alegre e sorridente, sob a supervisão de Zé de Bú. Trabalhou até 1959, quando resolveu ir para Brasília.

Confesso que, diariamente, ao ir deixar o almoço do meu pai, ficava deslumbrando observando no pátio da indústria os frutos da oiticica exposto ao sol. Vislumbrava a chaminé. A indústria gerava centenas de empregos diretos e indiretos. Muitos pais de família tiravam o sustento de seus filhos com o suor do seu trabalho despejado na Brasil Oiticica. Tinha uma escola – eu estudei lá, com direito a fardamento, livros e merenda gratuitos - para os filhos dos operários, que funcionava nas dependências da antiga SANBRA, que foi alugada pela Brasil Oiticica

No campo esportivo, a indústria fundou um time de futebol com o propósito de atrair os operários e jovens da sociedade, para a prática desse esporte. Se não me engano era o BOSA Futebol Clube, a sigla da Brasil Oiticica Sociedade Anônima.
A sirene da Brasil Oiticica acordava toda a cidade. Era o nosso relógio londrino. Qual não foi a minha surpresa há alguns dias atrás, ao ouvir pela internet o programa de Genival Severo (Rádio Liberdade-FM), que estavam derrubando a chaminé da Brasil Oiticica. Fiquei pasmo! Comuniquei-me imediatamente com o amigo-irmão Clemildo Brunet de Sá e sugeri a ele um movimento na cidade, com direito a ir ao Ministério Público e à Justiça pedir a paralisação imediata do feito. Felizmente, isso aconteceu pela iniciativa de outro amigo-irmão o professor José Cezário de Almeida e do advogado Zildo de Souza, com o pedido de embargo junto ao MP, em razão do valor histórico daquele patrimônio, que faz parte da história de Pombal. O poder público municipal não pode silenciar diante dessa drástica atitude. A sociedade tem que se mobilizar em defesa desse nosso patrimônio, pois o sinal sonoro emitido da sirene localizada no alto da chaminé deve ficar para sempre na memória do povo da cidade de Pombal.

*Pombalense, Jornalista, Advogado e Professor. Natal RN.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*


Confesso que 1962 foi ano um que marcou profundamente minha infância, era o centenário da minha cidade natal, no dia 21 de julho daquele ano, no sertão paraibano, Pombal. A cidade tomou um aspecto de festa, uma semana de desfiles, comemorações, a comunidade participou ativamente das festividades, foi preparado um documentário apresentado aos munícipes, após os eventos, na tela panorâmica e som estereofônico, equipamentos na época de última geração, do cinema local, Cine Lux. Tudo modesto, mas tinha o cunho da cultura de um povo encravado no semi-árido nordestino, com suas tradições e sofreguidão, resultante das constantes secas da região.

Decorridos 50 anos, a cidade que já a conheci no auge dos seus 100 anos agora se prepara para seu Sesquicentenário. Novos cenários, cultura modificada, a globalização fazendo parte do contexto de uma gente que continua sofrendo as conseqüências das secas e suas seqüelas. Mesmo distante, continuo me informando da atividade cultural da cidade pequena a quem devo o inicio da minha formação. Para a minha tristeza não sinto nas palavras dos meus interlocutores e conterrâneos, que moram por lá, qualquer intenção de manifestação no sentido de festejarem essa data tão representativa para um município, mesmo sendo este ano, 2012, um ano que vem castigando duramente, todo nordeste, com o prolongamento da estiagem que persiste em minar a resistência da nossa gente, não vejo motivos para que se esqueça tão importante fato.
A tristeza aumenta quando sou sabedor que a memória cultural está para perder um dos seus monumentos, o chaminé da Brasil Oiticica, marco de uma época de desenvolvimento da industria de transformação, para o município, que será tombado, não pela cultura e pela preservação da historia da cidade, mas pelas mãos assassinas de quem não tem qualquer compromisso com a história das civilizações.

Hoje, residindo na região sul, cidade de Navegantes, onde em 26 de agosto próximo será comemorado o qüinquagésimo aniversário do município. Para meu desencanto, verifico que, aqui também, nenhuma manifestação maior está se formando para a comemoração da data do seu cinqüentenário. Navegantes, cidade fundada à foz do rio Itajaí-Açú, próspero município, com pujante desenvolvimento, principalmente após a implantação do sistema portuário com grande movimento de carga, no atendimento de importação e exportação, prospera e crescendo num ritmo acelerado, alcançando um dos maiores índices do Estado de Santa Catarina. Apesar dos problemas recentes com o nivelamento do ICMS, percentual único, para importações, imposição do governo federal, ocorrido recentemente, fato esse, resultando prejuízo para o município, e, todas as cidades portuárias do Estado. Vejo que, o município merece uma comemoração tão importante quanto a sua importância econômica, histórica e cultural para a economia do Vale do Itajaí.

Navegantes podia aproveitar essa data tão representativa para sua gente e lançar um programa para o desenvolvimento turístico da região, fundamentado nas suas riquezas naturais, proporcionadas por suas praias e contorno litorâneo. A cidade tem um aeroporto de porte internacional, atendendo grande área turística, passando por aqui pessoas vindas de diferentes regiões, inclusive exterior. Tendo como um dos municípios limítrofe a cidade de Penha, onde está localizado o maior parque temático da América Latina. Portanto, o fluxo turístico é muito grande e importante para quem quer desenvolver o turismo como uma fonte de renda, principal ou alternativo, mas que busque nesse segmento uma forma de sedimentar a economia local para blindagem de problemas futuros que possam ocorrer caso advenha alguma crise nos setores de transporte marítimo e industrial, naval e pesqueiro, fontes da economia local.

Duas cidades tão distantes de histórias tão diferentes, com lutas distintas para o seu povo, mas com uma memória, ambas, próxima da indiferença para suas raízes históricas e culturais, ainda há tempo para que possamos mudar o curso da história.

Escritor e Poeta pombalense

quinta-feira, 24 de maio de 2012


Clemildo Brunet

CLEMILDO BRUNET*

A importância desse livro é o seu conteúdo não como história e sim como literatura. A história tem suas vertentes e modos de interpretações com versões que variam entre autores e escritores. Esse trabalho literário é um espaço aberto para discussões, pois Severino Coelho Viana de forma democrática deixa fluir o pensamento dos que não aceitam que a cabocla Maringá existiu e faz uma revelação surpreendente: Maringá não só existiu, mas também tem uma identidade.

Em outra oportunidade escrevendo sobre esse assunto, eu dizia: A controvérsia entre os homens é de suma importância, porque ela favorece em muito a liberdade de expressão. Existem histórias e (estórias) no seio da humanidade e daí nasce a divergência entre várias fontes, que fornecem elementos para a formação do pensamento e finalmente para a conclusão do raciocínio. Vai depender justamente da leitura que se faz sobre o acontecimento e dos personagens nele envolvidos.
 
Outro fato revelador nessa história é o aparecimento de um terceiro personagem que forma o triângulo amoroso entre dois homens apaixonados que disputavam o amor de uma mesma mulher. Cel. Manuel Arruda de Assis que nasceu no dia 03 de janeiro de 1898 e Ruy Carneiro que nasceu no dia 20 de agosto de 1901, três anos apenas de diferença de idade entre eles, significa dizer que foram contemporâneos, numa mesma cidade passaram pelo transcurso normal da infância e adolescência. Só na fase adulta tomaram rumos diferentes.
Severino Coelho Viana

O QUE DIZ O LIVRO A PÁGINA 149...

As circunstâncias indicam que havia uma disputa pela mesma mulher entre Manuel Arruda de Assis e Ruy Carneiro, no tempo da mocidade e que perdurou por um determinado tempo, inclusive, com externação de ciúme, sendo que ambos não realizaram a plenitude desse romance, que acabou num amor frustrado.


O nome verdadeiro de Maringá é ANA DANTAS DE ALENCAR, conhecida por Nina, filha de Argemiro Liberato de Alencar e Maria Malfada de Alencar, filha do segundo casamento, pois seu pai casou-se quatro vezes, nasceu e se criou no sítio Estrelo. Casou-se com Renato Maciel, teve dois filhos, Ramon e Ronaldo. O primeiro, bancário e segundo, engenheiro, morou no bairro da Torre – João Pessoa, e terminou seus últimos dias em cadeira de roda. O pai de Nina era um fazendeiro e tinha comércio de algodão na cidade de Mossoró-RN, além de ter sido membro do Conselho Municipal de Pombal.

Certamente o livro “Maringá, o nome verdadeiro” irá despertar interesse dos pombalenses que desejarem ir fundo nesse assunto, haja vista o acréscimo de fatos históricos revelados nessa nova versão que foram bem delineados com o tirocínio sagaz e inteligente de seu autor. Severino Coelho Viana pesquisou, colheu informações de fontes fidedignas, evocando depoimentos e testemunhos de escritores da estirpe de um Irineu Pinto, Wilson Seixas, José Américo de Almeida, Verneck Abrantes, Joaquim Osterne Carneiro dentre outros.  

Se Pombal na Paraíba passou a ser conhecida a partir de 1932, início dessa história, até internacionalmente na canção Maringá, agora nesse novo milênio poderá muito mais se encher de orgulho, pois a história da cabocla Maringá não é lenda e sim fato que tem registro na história. Como bem disse Severino Coelho: Ela existiu e tem nome verdadeiro.

Não é sem razão que se diz: POMBAL TERRA DE MARINGÀ!

Pombal, 24 de maio de 2012

*RADIALISTA, BLOGUEIRO, COLUNISTA
Twitter @clemildobrunet e @brunetcomunica

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

O velho continente europeu atravessa uma fase de final de ciclo das mais críticas, que temos conhecimento, e noticia, de toda sua história. A Europa que foi berço da cultura do nosso planeta, patrocinadora de tantos ciclos de abundancia, mãe do atletismo, criadora dos jogos olímpicos. De onde partiram os grandes navegantes, com suas frotas, para descobertas das terras das Américas e Ásia (Sibéria).

Com extraordinárias conquistas no novo mundo e mantendo através das lutas, contra os nativos, a hegemonia dos países que se lançaram na aventura de expansão de seus domínios. Destacaram-se nessa fase Portugal e Espanha, seguidos pelos Ingleses, Franceses e Holandeses, ficando o final do século xiv e inicio do século xv, como a fase dos descobrimentos e mercantilismo. Com a exploração geográfica, explorando e conseguindo longas porções de terras, fundando colônias e abrindo estações de trocas, tanto na Ásia quanto na África.

Já no século x1x surge o tempo da revolução industrial com o crescimento da ciência moderna e melhorias tecnológicas, trazendo mudanças no direito internacional na regulação das relações externas. Com grande ênfase na agricultura, manufatura e transporte.

Depois de duas guerras mundiais, 1914/1918 e 1939/1945, irreparáveis perdas materiais e humanas, o velho continente toma novo rumo. A Europa ver surgir a potencia dos EUA, e se organiza nesse novo processo, resulta na sua integração econômica e política, se resguardando de conflitos futuro, surgindo organizações como a união européia.

A guerra fria chega ao fim com a ruína do sistema que mantém a União Soviética, dividindo-se em 15 países, a Rússia, o maior deles, assume o lugar no Conselho de Segurança da ONU, na vacância do cargo deixado pela própria União Soviética.

Com a assinatura do tratado de Maastricht, pelos membros da união européia, em 1992, e o acordo de schengen, 1985, foi desenvolvida a idéia de uma moeda comum, e o euro foi criado eletronicamente em 1999. Em 2002 o euro entra em circulação.

Com o agravamento da crise da dívida pública da Grécia e a conseqüente possibilidade de uma moratória, dívida de 120% do seu PIB, e a absoluta falta de transparência nas informações dos números apresentados à comissão européia (instituição independente, representante e defensora dos interesses da União Européia). A economia, da Europa, principalmente da zona do euro, agrava sua crise, e eleva a tensão nas demais nações do velho continente.

Como conseqüência, seus lideres começam a ser substituídos, o último foi o presidente francês, Nicolas Paul Stéphane Sarkozy de Nagy-Bocsa (Nicolas Sarkozy), perdeu a eleição presidencial no seu país e é substituído, eleição direta, pelo socialista François Holand, em 15 do corrente mês.

Com a crise européia se tem discutido muito a extinção do euro, com retorno as suas moedas originais em cada país, mesmo com a perda de 25% nas maiores e 50% para as pequenas economias. O assunto vem tomando corpo desde o final de 2011, mas remonta a 2007.

A quebra do Lehman Brothers (banco de investimento com ação global), em 2008, com sede em Nova Iorque, fato que levou a economia mundial próxima a uma depressão, levando governos a uma operação de salvamento, aos bancos, com comprometimento acima de 20% do PIB mundial (o PIB mundial em 2010 foi de 61.693.429 bi de dólares americanos). Outros valores estão sendo estudados para socorro aos demais países pertencentes da zona do euro, inclusive o apelo foi extensivo aos países do BRICS.

A pergunta que fica é se vai valer a pena o sacrifício na tentativa de salvar uma moeda que está agonizante numa época que todos demais continentes estão preocupados em não desmoronarem, a crise é generalizada, países pobres e ricos estão num mesmo barco, agora não mais em busca de novas conquistas, como fizera a Europa no passado, mas, tentando encontrar bóias de salvamento na tentativa de sobreviver aos naufrágios que certamente virão no futuro.

*Escritor e Poeta

terça-feira, 22 de maio de 2012

Reminiscências II

Ignácio Tavares
Ignácio Tavares*

Em qualquer época sempre houve a formação de grupos de adolescentes românticos, sonhadores, sem pressa para definir seus projetos de vida com vista assegurar um futuro auspicioso. Foi assim no meu tempo. Hoje, as coisas são diferentes, posto que, os meios de comunicações de forma ostensiva ou subliminar é quem forma a cabeça dos desavisados adolescentes da era digital.

Assim como hoje, os adolescentes da minha época socialmente vivam em grupos. O nosso grupo vez por outra se fazia eclético, em termos de núcleo residencial, porque, em determinadas ocasiões éramos formados por jovens moradores da Rua do Comércio e da Rua da Cruz. Decerto o ecletismo no nosso grupo se fazia necessário no momento de organizarmos o nosso time de futebol.

Afora o futebol nos dias de férias escolares, nos finais de semana fazíamos caminhadas pela beira do rio a fim de prospectar pontos ideais para nossas diversões domingueiras. Quase sempre o nosso ponto de parada era o poço da panela. Era um lugar bastante procurado para os nossos banhos matinais.

O banho tornava-se emocionante em função do risco que o lugar nos submetia. Escolhíamos o topo da pedra mais alta para um salto de ponta, onde lá em baixo o espaço reservado para o mergulho era mínimo, em razão da existência de duas pedras posicionadas de forma paralelas, a nos esperar.

Tínhamos que pular com os braços apontados em direção a água para evitar choques com as malditas pedras. Era muita emoção, antes e depois do salto. Tínhamos também consciência do risco a que estávamos submetidos, pois, um passo em falso a desgraça estava feita.

Foram essas pedras que ceifaram a vida de Jair Alcântara. Este jovem, ao saltar, por uma razão qualquer, talvez tenha se desconcentrado, perdeu o equilíbrio, bateu de testa numa das pedras. Foi uma correria e tanto. O sangue veio a superfície anunciando que algo deu errado.

Não deu tempo sequer para que alguém ouvisse o seu último suspiro. Era assim mesmo, um passo em falso seria fatal. Jair deu esse passo, ao saltar para o último mergulho no poço da panela. Daí por diante ninguém mais ousou mergulhar naquele lugar.

O nosso grupo antecedeu ao grupo de Jair. Éramos bons nadadores, sobretudo habilidosos no momento do salto quase suicida. A panela não era o único poço onde nos banhávamos. Às vezes descíamos até os poços do Redondo, da Cambôa na busca de novas aventuras. O poço do Araçá era outra opção. Apenas os iniciantes o procuravam, uma vez que funcionava como uma escolinha preparatória para quem quisesse enfrentar os perigosos desafios do poço da panela.

Quando a gente retornava, dávamos uma passada pela Pedra do Sino a fim de tirar um som o qual se assemelhava ao sino da Igreja Matriz. Não sabíamos a que se devia a sonoridade daquela pedra. Depois, com o passar do tempo, soubemos que a Pedra do Sino era única, pois, não havia outra igual.

A pedra sonora era resultante de uma liga petrificada, composta de materiais ferrosos diversos. Com certeza esse era o mistério da sonoridade que extraiamos quando provocávamos o atrito com outra pedra. Nos domingos era comum encontrarmos alguém a se deliciar com o som extraído da referida pedra.

O fato triste foi o desaparecimento misterioso da Pedra do Sino. Se alguém a roubou, até hoje ninguém sabe, ninguém viu. D’outra forma, se foi transformada em pedras pra calçamento, também, ninguém sabe. Se por razões outras foi levada pra algum lugar distante, com certeza, teve de ser fatiada, pois era um bloco monolítico de enorme proporção. Assim sendo, era impossível ser conduzido através dos meios de transportes ditos convencionais.

Afora as travessuras que fazíamos rio abaixo, sempre em grupo, deslocávamos para outras partes da cidade a fim de desafiar outros jovens adolescentes através de disputadíssimas partidas de futebol. Brigas? Era coisa rara. Vez por outra havia alguns estranhamentos, mas eram resolvidos em tempo hábil para evitar enfrentamentos generalizados entre os grupos.

Quase sempre os acertos para disputas futebolísticas eram feitos no Grupo Escolar João da Mata. Essa unidade de ensino foi o ambiente mais representativo da convivência social pacifica, entre jovens de classes sociais diferentes.

De forma recorrente tenho dito que considero aquela velha unidade de ensino, um exemplo de democracia social, onde se misturavam ricos e pobres, brancos pretos, meninos e meninas. Todos coexistiam pacificamente. Nos intervalos, os amigos da Rua da Cruz engrossavam nossas fileiras, o que nos fazia um grupo forte, por isso respeitado.

Dada essa representatividade do nosso grupo éramos procurados por outros grupos com a finalidade de marcar encontros em ambientes apropriados para o lazer futebolistico, nos finais de semana. No próximo texto falarei sobre esses bons momentos que guardo na memória em cores vivas e irretocáveis. Até breve...

João Pessoa, 22 de Maio de 2012

*Graduado em Economia com especialização em Planejamento e Pesquisa Sócio-Econômica. Professor da disciplina "Micro Economia" do Departamento de Economia da UFPB e Economista aposentado da Secretaria Estadual de Planejamento do Estado da Paraíba.

domingo, 20 de maio de 2012

Uma noite de cultura e intelectualidade é o que se pode dizer do lançamento da oitava obra literária do promotor de justiça e escritor pombalense Severino Coelho Viana com o lançamento do livro “MARINGÁ – O NOME VERDADEIRO”, realizada neste sábado (19) às 20 horas na sede do Pombal Ideal Clube.

Perante um auditório formado por diversas autoridades como os representantes do Ministério Público Dr. Amadeus Lopes Ferreira Presidente da Associação do Ministério Público da Paraíba, Dr. Bertrand de Araújo Asfora representando o Procurador Geral de Justiça da Paraíba, Promotor Osvaldo Trigueiro do Vale Filho, notáveis da cultura, intelectuais, imprensa – (de Pombal representada pelo radialista Clemildo Brunet de Sá do Portal Clemildo,Comunicação & Rádio e de Cajazeiras pelo Jornalista Chico Cardoso do Caldeirão Político), do Presidente da Câmara Municipal de Pombal, vereador José William de Queiroga Gomes, bem como diversos seguimentos da sociedade pombalense.

Na oportunidade, o Promotor de Justiça Severino Coelho Viana, anfitrião e  autor do livro "MARINGÁ - O NOME VERDADEIRO" na apresentação de sua obra literária fez uma revelação que surpreendeu a todos.

A história de Maringá não é lenda, dela se tem conhecimento a partir da seca de 1932, quando foi feita a composição da Canção Maringá pelo compositor Joubert de Carvalho havendo Ruy Carneiro, então chefe de gabinete do Ministro da Viação José Américo de Almeida, ajudado ao compositor na composição da canção Maringá.
Segundo Severino Coelho Viana conforme relato a página 149 do livro: O nome verdadeiro de Maringá é ANA DANTAS DE ALENCAR, conhecida por Nina, filha de Argemiro Liberato de Alencar e Maria Malfada de Alencar, filha do segundo casamento, pois seu pai casou-se quatro vezes, nasceu se criou no sítio Estrelo.

Ainda segundo o escritor pombalense e autor do livro – Maringá o nome Verdadeiro – “As circunstâncias indicam que havia uma disputa pela mesma mulher entre Manuel Arruda de Assis e Ruy Carneiro, no tempo da mocidade e que perdurou por um determinado tempo, inclusive, com externação de ciúme, sendo que ambos não realizaram a plenitude desse romance, que acabou num amor frustado” (Pág. 149.)

O evento transcorreu num clima de descontração, emoção e alegria com a execução da Canção Maringá pelo maestro Toscanini e cantada pelo professor Arlindo Ugulino no final de seu discurso. Diversos oradores se sucederam na tribuna para enaltecer as qualidades do anfitrião. O cerimonial foi presidido pelo Professor José Cezário de Almeida Diretor da UFCG Campus Cajazeiras. No final foi servido um coquetel aos presentes. 
Bertrand Asfora, Severino Coelho e Amadeus Lopes
Fotos cedidas gentilmente pelo clickpombal.
Twitter @clemildobrunet e @brunetcomunica



sábado, 19 de maio de 2012

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*


Na semana que se encerra, depois de dois anos e meio, finalmente é indicada e instalada a comissão nacional da verdade. A cerimônia de instalação contou com a participação da presidente Dilma Russelff, dos ex-presidentes, José Sarney, Fernando Collor de Melo, Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, e autoridades. Muito mais que um ato cívico foi um momento histórico e de reflexão para todos nós brasileiros que de certa forma vivemos e até fizemos a fase mais crítica para a vida democrática da nossa nação.

A comissão que começa seus trabalhos tem como fato relevante escrever a história a partir do inicio da Segunda República Brasileira, com o suicídio de Getúlio Dorneles Vargas, em agosto de1945, com final em março de 1964 com a deposição do presidente João Goulart, pelo golpe militar, e todo período compreendido até 1985, com retorno dos civis ao poder central. O foco será dado, evidentemente, a fase da ditadura do regime militar,1964/1985, vindo até a promulgação da nova constituição em 1988, quando é instituído a Nova República, com o Estado Democrático de Direito, presidencialista, referendado pelo plebiscito, voto popular, em 21 de abril de 1993.

O objetivo principal da comissão é esclarecer os responsáveis nos assassinatos, desaparecimentos e torturas, durante, e principalmente, o golpe militar. Entretanto o trabalho da comissão vai esbarrar na lei de anistia de 1979, com revisão de texto pedido pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), e negado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Uma das tarefas dos levantamentos será identificar pessoas, locais, mesmo que no exterior, e encaminhar as informações aos órgãos competentes, na tentativa de localizar corpos e restos mortais dos 140 desaparecidos durante o regime.

É bom deixar claro, a comissão não tem o poder punitivo, apenas elucidativos. Levantando dados, tantos dos militares e policiais, como dos terroristas que praticaram a guerra armada, com total isenção. Outrossim, as convocações não terão caráter obrigatório, e depois de dois anos será apresentado relatório final da compilação dos dados, sem, entretanto, a obrigatoriedade de divulgar tudo que foi levantado, com acesso a todos os arquivos do poder público.

Já há críticas ao trabalho que começa a ser desenvolvido pela comissão, vários setores se manifestam, principalmente os ativistas, defensores das investigações criminais. Acham, eles, que sem o poder de punição não haverá justiça. Alguns policiais e militares estão receosos se vai haver ou não equanimidade, dando-se o mesmo valor aos excessos, motivo gerador da comissão, tanto deles, militares e policiais, como das organizações esquerdistas. Alegam e lamentam, ainda, a ausência de representantes seus na comissão.

Apenas como efeito ilustrativo, segue abaixo informações “curriculares” dos sete membros, em ordem alfabética, que compõem a comissão nacional da verdade:

Claudio Lemos Fonteles - Nascido no Rio de Janeiro, 65 anos, ex-procurador-geral da República, de 2003/2005.

Gilson Langaro Dipp – Gaucho e Passo Fundo, 67 anos, formado em ciências jurídicas e sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, exerceu a advocacia em Porto Alegre, em 1998 foi escolhido pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso como ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), nomeado em 2008 corregedor do Conselho Nacional de Justiça (SNJ),
considerado pela revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009, chega ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2010;

José Carlos Dias – Paulista, 73 anos, é graduado em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), presidente da comissão de justiça e paz de São Paulo, secretário de justiça do Estado de São Paulo, ministro da justiça no governo Fernando Henrique Cardoso, membro do conselho curador da fundação padre Anchieta;

José Paulo Cavalcante Filho – Jurista, ex-secretário geral do ministério da justiça no governo José Sarney;

Maria Rita Kehl – Paulista de Campinas, 61 anos, formada pela USP, doutorada em psicanálise pela PUC São Paulo, psicanalista, ensaísta, critica literária, poetisa e cronista, detentora do prêmio Jabuti de literatura com o livro “o tempo e o cão”;

Paulo Sergio Pinheiro – Carioca, 68 anos, Diplomata, relator especial para a situação dos direitos humanos em Myanmar, coordenador da comissão internacional de inquérito para a Síria;

Rosa Maria Cardoso da Cunha – 65 anos, professora e escritora, advogada criminalista, ex-advogada da presidente Dilma Russelff e outros presos políticos no período de exceção, 1964/1985.

Esperamos que a comissão composta por membros independentes da sociedade brasileira possa trazer luzes à nossa história, sem mágoas ou ressentimentos, escrevendo uma fase da nossa história com clareza e objetividade, para que a posteridade possa nos julgar com a mesma serenidade que tivemos ao enterrar com os mortos um período negro de um país que sempre buscou a paz para os seus filhos.

*Escritor e Poeta pombalense

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Eronildo Barbosa
Eronildo Barbosa*

A marcha do povo brasileiro rumo à conquista efetiva da democracia representa um importante ensinamento para todos os povos que sonham palmilhar esse caminho. Estamos há 27 anos com as instituições democráticas atuando plenamente. Sem a mínima interrupção.

As viúvas da ditadura militar que teimam em defender ideias bizarras estão isoladas e fora do debate político nacional. Limitam-se a verbalizar temas “requentados” que não ajudam em nada na construção desse novo Brasil, que já ocupa a sexta posição no cenário econômico mundial.

As pessoas podem reclamar de distorções gritantes que ainda existem no Estado brasileiro. Podem exigir que a democracia seja mais aprofundada como forma de garantir a todos e a cada um o acesso aos bens materiais e culturais que o progresso e a riqueza trazem.

Porém não podem reclamar que os caminhos para o exercício da democracia estão fechados. Que não participa da vida política nacional porque não tem espaço. Isso é uma desculpa para justificar a sua pouca disposição para as atividades politicas.

Este ano tem eleição para escolha de Prefeito, Vice-Prefeito e Vereador. Mais de trinta partidos estão inscritos nesse pleito. Aqueles com a ficha limpa e filiado a uma agremiação política podem disputar uma vaga sem problema algum.

Esse fato é mais uma prova de que nossa democracia amadureceu. A sociedade política e a sociedade civil entenderam que as diferenças são fundamentais para a construção de um Brasil grande e socialmente rico. Que podemos crescer na diversidade.

Temos que olhar a frente. Ver novos horizontes e criar pontes para unir ainda mais a nação nessa grande empreitada de se converter em parâmetro do bem para os outros povos do mundo.

Não devemos ter medo de debater nossas potencialidade e fraquezas. Os erros existem para serem corrigidos. Não com intuito de revanchismo mesquinho, mas, no essencial, para que os referidos não sejam mais cometidos nem no Brasil nem em qualquer parte do planeta.

Sabemos que muitos irmãos foram mortos ou estão desaparecidos ao longo da ditadura militar que dirigiu o Brasil de 1964 a 1985. A família e os amigos não sabem como as mortes aconteceram. Onde estão enterrados os corpos? Porque foram mortos? Do que eram acusados? Quem matou?

Todos tem o sagrado direito de conhecer os detalhes desse triste período. Isso vale para os que tombaram de um lado e do outro.

Daí que achei muito acertada a criação da Comissão da Verdade. Ela tem a difícil e honrosa missão de tentar encontrar migalhas da história, pois, com o tempo, muitas informações desapareceram sobre o que aconteceu nos porões da ditadura.

O que se conseguir será de grande valia. Pode devolver para as famílias restos mortal ou depoimento sobre as condições concretas em que seu ente querido desapareceu.

Isso, com certeza, não traz o parente de volta, mas alivia um pouco a dor que teima em morar no coração e na mente de muita gente.

Cicatrizes abertas há muitos anos podem se fechar quando as pessoas forem informadas do que efetivamente aconteceu. Muito já se sabe desse período, entretanto, detalhes dos mortos e desaparecidos precisam ser conhecidos.

A Comissão da Verdade, formada por homens e mulheres da mais alta estatura moral e intelectual, com histórico de luta no campo dos direitos humanos, terá dois anos de árdua tarefa.

Esse trabalho não objetiva e nem pode condenar ninguém porque a lei da Anistia, aprovada em 1979, valeu para todos, assim, é muito importante que aqueles que estiveram ligados diretamente aos fatos colaborem. Digam o que sabe. Isso é importante para curar velhas feridas.

* Pombalense, é doutor em educação e professor universitário.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Genival Torres Dantas
Por Genival Torres Dantas*
Buscando informações nos meus alfarrábios, não cartapácios, constatei que a Mapleocroft, empresa britânica, levantou dados em 2010, para acompanhamento de risco global, apresentou índice da vulnerabilidade climática, com objetivo de ser um guia para adoção de políticas de investimentos estratégicos.

Nesse estudo no sul da Ásia consta 5 países com risco extremo, Índia, Bangladesh,Nepal, Afeganistão e Pasquistão, entre os 16 países na mesma situação.

O Brasil que está em 81°, relaciona-se nos países de alto risco, ficando a Rússia (117°), EUA (129°), Alemanha (131°), França (133°) e Grã-Bretanha(138°), como médio risco.

No Brasil a situação da estiagem prolongada, ou seca, sempre foi localizada na região do nordeste brasileiro geoeconômico, na zona do semi-árido, principalmente nos 1348 municípios que formam o polígono da seca, situados nos seguintes Estados: MG (86), BA (256), SE (32), AL (51), PE (145), PB (223), RN (161), CE (180) e PI (214).

Após as duas grandes secas ocorridas na região, a de 1777/1779, e a de 1888, conhecida como a seca dos três oitos, várias propostas foram feitas para amenizar os efeitos dramáticos como a fome, a penúria, o êxodo-rural, e a imagem triste do nordestino correndo em busca da pouca água que por acaso ainda reste no solo rachado, ou sub-solo, no sertão de sol inclemente. Vem daquela época a idéia da transposição do rio São Francisco, projeto tão sonhado e acalantado para aqueles que vivem a margem do rio e da vida a espera de soluções e sonhos.

Durante o ano de 1915 o Brasil volta a ser castigado, no governo do Presidente Venceslau Brás, novas promessas e sonhos renovados, pura ilusão. Na campanha de 1950, Getúlio Vargas se vangloriava, em discurso de inauguração do açude de Orós/CE, de ter feito barragens para aumentar a capacidade de acumulação de água, passando de 630 milhões para 2 bilhões de m³, num período de 14 anos (1930/1944).

Em 1956 Juscelino Kubitschek, na sua posse, sustentava que a seca daquele ano seria a última do nordeste.

Os governos dos presidentes, Janio da Silva Quadros e João Goulart nada acrescentaram à região nordeste. O período da revolução nada fez pela triste sina de um povo que sofre calado na espera de socorro. Os quatro presidentes pós- revolução, José Sarney, Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso, fecharam os olhos e o orçamento da União para o problema que se eterniza na alma dos flagelados anônimos.
Seca no Nordeste
Com a ascenção de Luis Inácio Lula da Silva a esperança volta ao povo nordestino, na expectativa que, com um filho da região no poder central, tudo pudesse mudar, e o nordestino passasse de ser uma região carente na economia brasileira para um forte contribuinte para a federação. Ledo engano, tudo continuou como antes, promessas, palavras, e nada de ação, a não ser projetos faraônicos, como a própria transposição do rio São Francisco e construções de cisternas, passando das atuais 300 mil para 1 milhão em toda região nordestina, assolada pelas estiagens.

Finalmente chegamos ao governo da Dilma Rousseff, planos, projetos, palavras, ditos pelo não dito, ministérios em abundancia e ações escassas, e o céu nem para chorar pelo povo nordestino, derramando um pouco de lágrimas, que não seja chuva, para amenizar um pouco a sede e a fome do meu povo.

No lusco-fusco dos dias de espera os governos, Federal e Estaduais, reservam-se no direito de agir com políticas assistenciais deixando de lado programas efetivos e estruturais de combate definitivo a calamidade de uma região que já podia está sendo cantada em verso e prosa a nova sina, com a abundância vinda das mesmas atitudes sérias e honestas, praticadas pelos políticos que até então trabalham em pro dos seus interesses pessoais, poucos levantam a voz na busca de alternativas viáveis e na mudança dos destinos daquela gente.

O advento da bolsa-estiagem, que vem se somar ao bolsa-família, é mais um paliativo e não uma solução definitiva. Temos 850 mil famílias sendo assistidas com o bolsa-família na região atingida pela seca de hoje, cada uma receberá R$400,00, em 5 prestações de R$80,00, como auxílio, bolsa-estiagem. No final a contribuição passará e a fome vai continuar, até que alguém tenha a capacidade, dignidade e serenidade, para estancar a sangria causada pelos desvios dos recursos que nunca chegam ao seu destino, se chegam, parte desses recursos, evaporam com as águas dos reservatórios no polígono da seca na terra brasileira.

*Escritor e Poeta pombalense

terça-feira, 15 de maio de 2012

José Romero A. Cardoso
Por José Romero Araújo Cardoso*

Secas, fenômeno climático que aterroriza as populações interioranas há tempos imemoriais, vetoras de catástrofes, inimiga pungente da qualidade de vida, artifício vergonhoso de uma indústria mais que secular.

A história das secas no nordeste brasileiro é antiga. Inúmeros registros descreveram com linhas fortes a ação inexorável da natureza sobre o homem do semiárido, pois diversas trouxeram o signo de tragédias indescritíveis.

A calamidade que atingiu o nordeste brasileiro quando da grande e inesquecível seca de 1877-1879, a qual na definição de Rodolfo Teófilo caracterizou-se por ter sido um dos mais castigante fenômeno de estiagem que atingiu a região nordestina, responsabilizou-se só no Ceará pela morte ou pela emigração de mais de 300 mil pessoas.

O ano de 2012 iniciou-se com uma incógnita: chuvas cairão para alento do heróico povo do semiarido? Poucos milímetros estão sendo registrados, mesmo assim impossíveis de garantir que a agricultura de subsistência abasteça com o excedente os centros urbanos, tendo em vista que o agrobusiness impera de forma avassaladora visando o mercado externo, com toda tecnologia de primeiro mundo que desdenha a necessidade da maioria da população que depende da química dos céus a fim de garantir o sucesso do plantio.
Seca lastimável, providências tétricas e patéticas que nem sempre cumprem papel democrático em assistir o imenso somatório de desafortunados que em um passado distante comoveram Jesuíno Brilhante, fazendo-o agir de forma Robinhoodiana nos sertões potiguares e paraibanos à base da força coercitiva dos seus bacamartes que ousaram com coragem a apontar bem no coração dos agentes a serviço da indústria das secas.

A calamidade que se agiganta, trazendo dia após dia agruras à população, provocadas com a seca de 2012, está sendo comparada ao que foi observado há trinta anos quando da indescritível estiagem que teve inicio em 1979 e adentrou de forma intolerável, desumana e horripilante até meados da década seguinte do século passado.

Dramático observar que a poesia de Patativa do Assaré, imortalizada pelo expoente maior da música regional nordestina, continua atualíssima. A fuga em direção a centros mais hospitaleiros do ponto de vista socioeconômico, de geração de emprego e renda, embora eivado de preconceitos, ainda continua a afligir mentes e corações daqueles que são por natureza apegados a terra, possuidores de relação telúrica extraordinária com o meio.

Cotidianamente milhares de nordestinos desembarcam na porção mais rica da nação em busca de melhores condições de vida. Em inúmeros casos encontram condições de existência piores do que deixou em seu torrão natal. Subemprego e marginalidade passam a integrar de forma corriqueira as paisagens nas quais se inserem.

Triste constatar em nossas feiras que a lei da oferta e da procura rege as relações comerciais. O feijão, símbolo da agricultura familiar, alcança preços estratosféricos a cada dia que passa, frutos da indisponibilidade do produto em razão da ausência de chuvas.

Penoso é saber que a falta de critérios e de humanismo com a região nordeste em tempos de crises provocadas pelo drama climatérico ainda são constantes e tidos como naturais por aquela minoria que usurpou o poder e todas as benesses enquanto legados meticulosamente trabalhados desde a nossa formação socioeconômica.

* José Romero Araújo Cardoso, geógrafo, professor-adjunto do departamento de geografia do Campus Central da UERN.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

No último sábado (12) por ocasião da vinda do Ministro da Saúde Alexandre Padilha a Pombal, para a inauguração da UPA – Unidade de Pronto Atendimento no Bairro dos Pereiros, uma delegação da Universidade Federal de Campina de Grande UFCG – Campi Cajazeiras, capitaneada pelo Professor José Cezário de almeida Diretor do Campus, acompanhado pelo médico Vinicius Ximenes Coordenador do Curso de medicina, da Dra. Vanuscka Pedrosa Coordenadora Administrativa de Saúde e do Diretor do Hospital Materno Infantil da UFCG Cajazeiras, Dr. Francisco José Gonçalves, foi recebida em audiência pelo o Ministro Alexandre Padilha, oportunidade em que foram tratados assuntos inerentes a área de saúde daquela escola de ensino superior em Cajazeiras.

Nosso Portal fez o registro: Fotos
Dr. Francisco, Dr. Vinicius, Dr. Cezario e Dra. Vanuscka

Dr. Vinicius e o Ministro Padilha
Cezario, Vinicius e Padilha

Da Redação



10 Anos

DEZ ANOS DE BLOG Clemildo Brunet* Para brindar tão glorioso acontecimento, ele acontece juntamente com os duzentos e nove anos de imprensa em nosso país, justamente na semana que intercala as duas datas importantes para os nossos meios de comunicação: 1 de junho – Dia da Imprensa Nacional Brasileira e 7 de Junho Dia da Liberdade de Expressão.

Postagem Destaque

Jornalista e escritor faz revelação sobre importante político de Pombal e fala da história de “Maringá”

O jornalista disse o município tem avançado nessa nova gestão, mas precisa alavancar em áreas mais importantes. O Caldeirão Político ...

Quem sou eu

Minha foto
CLEMILDO BRUNET DE SÁ – Iniciou sua carreira radiofônica em 1961 nas antigas difusoras de Pombal. Em 1966 montou sua própria emissora “A VOZ DA CIDADE”, que teve o seu destaque na formação de muitos profissionais que atuam hoje nos veículos de comunicações como: Rádios, Jornais, TVs e Portais da Web. Em 1968 instalou o serviço de Alto Falantes “LORD AMPLIFICADOR”. Atuou no rádio como: Locutor, redator, comentarista, repórter e noticiarista. Foi correspondente durante dez anos do Jornal Estadual da Rádio Tabajara da Paraíba entre 1980/1990. Ex-diretor comercial das Rádios Maringá AM e Liberdade 96 FM de Pombal. Passando ainda pela Opção 104 FM de Pombal e Rádio Alto Piranhas de Cajazeiras exercendo nesta última, suas atividades jornalísticas nos Programas, Rádio Vivo e Trem das Onze. Foi agraciado com a mais alta honraria da Assembléia Legislativa da Paraíba “A Medalha Epitácio Pessoa”, no dia 10 de junho de 2010. Aposentado, atualmente vem divulgando temáticas sobre o rádio, a cultura e a história de Pombal, em seu Portal CLEMILDO, COMUNICAÇÃO & RÁDIO. Sigam-me no Twitter: http://twitter.com/clemildobrunet

Arquivos do Blog

VISITA DE CORTESIA A PRODUTORA DE VÍDEOS "SALES DANTAS" EM JOÃO PESSOA-PB.

VISITA DE CORTESIA A PRODUTORA DE VÍDEOS "SALES DANTAS" EM JOÃO PESSOA-PB.
CLEMILDO E SALES DANTAS EXIBINDO "O TROFÉU IMPRENSA 2007".

NO RESTAURANTE "CACIOROLLE" EM JOÃO PESSOA.

NO RESTAURANTE "CACIOROLLE" EM JOÃO PESSOA.
ELIEZER GOMES OFERECE LAUTO ALMOÇO AO RADIALISTA CLEMILDO BRUNET E AO CRONISTA ESPORTIVO JOSÉ CARLOS ARAÚJO.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
OS RADIALISTAS DA TERRA DE MARINGÁ QUE FORMAM A GRANDE COMISSÃO DA FESTA.

´TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07

´TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07
CERIMONIAL: ADELTON ALVES, LADEADO PELAS PROFESSORAS: DIANA E SONIA.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
A GRANDE COMISSÃO COMPOSTA PELOS RADIALISTAS DE POMBAL.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
ENTREGA DO CERTIFICADO "PARCEIRO AMIGO DA IMPRENSA" AO REPRESENTANTE DA CASA BORBOREMA.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07
ALDO NUNES DO SEBRAE RECEBE DAS MÃOS DE CLEMILDO "O TROFÉU IMPRENSA 2007.

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
CLEMILDO EM SEU DISCURSO AGRADECEU AS HOMENAGENS A ELE TRIBUTADAS.

AGRADECIMENTO

Meu querido Clemildo Brunet

Tomei conhecimento por intermédio de minha mãe, Dona Zélia que o nobre Jornalista tinha feito uma homenagem ao meu querido e inesquecível Pai, Cirurgião Dentista e Historiador Wilson Nóbrega Seixas, em seu Blog, de pronto como seu filho mais velho estou lhe enviando esse E-mail agradecendo em nome de minha família as atenções.

Do conterrâneo e amigo,

Antonio Chateaubriand Carneiro Arnaud Seixas

CONGRATULAÇÕES

Clemildo amigo,

Gostei de suas palavras sobre o nosso conterrâneo Paulo Abrantes. Você, como sempre, valorizando os filhos da terra. Abraços para você e para o homenageado.
Carneiro Arnaud

PASTOR CLODOALDO

Querido Clemildo
Agradeço a Deus a oportunidade que me concedeu de conhecer pessoalmente o meu primo Pr Clodoaldo. Os que confiam no Senhor são como águias, renovam-se e revigoram as forças. São ditosos e, asseguram-nos as escrituras, frutuosos todo tempo. As bênçãos de Deus se revelam na longevidade e a misericórdia Dele proporciona-nos ver os filhos dos filhos. No caso aqui , poderei dizer , primo dos primos. Tive o privilégio de conhecer, pessoalmente, o Pr Clodoaldo na ocasião das comemorações do centenário de nascimento do meu saudoso e amado Pai ( Flavio Brunet) . Como foi gratificante para mim, encontrar o Pr Clodoaldo , pois eu só ouvia falar dele. Não me lembro se o conheci quando ele era criança, mas tenho certeza que nunca nos havíamos encontrado. Depois que ele dedicou sua vida ao Ministério, encontrá-lo, como servo de Deus, foi como um refrigério a minha alma.
Lendo seu relato, vi como o Nosso Deus é Misericordioso com aqueles que obedecem a Sua Palavra. Posso imaginar como foi a vida desse homem de Deus que entregou sua vida para proclamação do Evangelho. Sei perfeitamente o quanto é difícil para um missionário iniciar um trabalho!! Mas sei, também, o quanto é agradável fazer a obra de Deus. As dificuldades se sobrepujam ao regozijo das nossas almas. Parabéns, Pr Clodoaldo, por mais um ano de vida dedicado ao serviço do Nosso Senhor Jesus Cristo, levando mensagem de Salvação. Parabéns Clemildo, pelo dom que Deus lhe deu. Você sabe, como ninguém, homenagear as pessoas que lhe são queridas. Um grande Abraço Rose Mary Ramalho Brunet Medeiros.

PARABÉNS PELO CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE FlÀVIO BRUNET DE SÁ

Caro Clemildo,
Moro em São Luís, Ma, e já estive na Paraíba , terra querida do meu pai, que aí nasceu e morou até os dezoito anos, em Catolé do Rocha.Veio muito cedo para o Maranhão e aqui se estabeleceu. Faleceu em 1979, com 68 anos. Ele falava com saudades da sua terra e me fez gostar dela. Por isso, eu amo a Paraíba .
Associo-me às homenagens prestadas in memoriam, ao seu Flávio Brunet que não conheci pessoalmente, mas que admiro e respeito pelos seus feitos em prol da família, da igreja e da comunidade. Aprendi a admirá-lo também pelo amor a ele dedicado pela sua filha Rose Mary,
Parabéns pelas festas do centenário de nascimento desse ilustre paraibano que sem alarde , deixou um legado que se perpetuou nas novas gerações de filhos, netos , sobrinhos e amigos. Ao lado de D. Eunice, de saudosa memória,soube construir um patrimônio irretocável de amor, generosidade, e , sobretudo, de um testemunho de vida que o tempo não vai conseguir apagar.
E a você, de modo especial, toda a minha admiração pelo blog que destaca de forma brilhante essa comemoração. Que ela sirva de inspiração a todos quantos busquem como paradigma aqui na terra, um homem valoroso, trabalhador e temente a Deus. Seu Flávio aqui viveu de modo digno, desempenhando a contento a obra que lhe foi confiada por Deus
Com estima,
Dina Barreto da Silva

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
CLEMILDO ENTREGA O TROFÉU IMPRENSA AO EMPRESÁRIO GENIVAL TORRES DANTAS EX-INTEGRANTE DO LORD AMPLIFICADOR NA DÉCADA DE 70.

AUSÊNCIA JUSTIFICADA!

Bom dia Clemildo!
Conseguir entrar no seu blog e vir todas as homenagens dedicadas a seu Flávio, mais do que merecido como todos nós sabemos.
Não podemos marcar presença, pois Júlio estava com problema alergico e tive medo de viajar.
Parabéns pelo seu maravilhoso trabalho.
Obrigado
JÚLIO E SÔNIA BRUNET

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
O DESEMBARGADOR RAPHAEL CARNEIRO ARNAUD EM SEU DISCURSO REFERIU-SE AOS RELEVANTES SERVIÇOS PRESTADOS POR CLEMILDO A COMUNICAÇÃO PARAIBANA.

PARABÉNS, PELO BLOG

Elias Medeiros
Estimado Clemildo. Acessei seu blog. Parabéns. Encontramos poucos blogs hoje em dia como o seu. Um blog sério que promove valores (espirituais, familiares, amizades, etc) que muitos blogeiros esqueceram de ressaltar. Parabéns, portanto, pelo blog muito informativo e formativo. Elias e Fokjelina Medeiros

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB EM 14-11-07.
CLEMILDO CUMPRIMENTA A MADRINHA DOS RADIALISTAS COM UM BEIJO.

COMENTÁRIO: O CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE FLÁVIO BRUNET DE SÁ.

Rivanilda Ramalho de Sá comentou sobre a sua postagem no blog



...tudo que ele faz será bem sucedido. Salmo 1.3 Assim é as coisas que você promove. Foi um evento perfeito organizacionalmente e emocionalmente... Uniu gerações da família...Agradável aos olhos de Deus. Parabéns!

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
ACADEMIA DE LETRAS DE POMBAL ENTREGA CERTIFICADO HOMENAGEANDO OS RADIALISTAS DE POMBAL.

SESSÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
O JORNALISTA JOÃO COSTA EM SEU DISCURSO ENALTECEU AS QUALIDADES DO HOMENAGEADO!

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
DONA CESSA MADRINHA DOS RADILISTAS ENTREGA O TROFÉU IMPRENSA AO RADIALISTA CLEMILDO BRUNET.

NOVO CONTADOR DE VISITA INICIADO EM 27/06/12









SESSÂO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÂO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
CLEMILDO RECEBEU ESTA PLACA CARACTERIZANDO O RECONHECIMENTO DA CÂMARA DE VEREADORES!

JOÃO LEITE FILHO CUMPRIMENTANDO O RADIALISTA CLEMILDO BRUNET NO MOMENTO DA ENTREGA DA COMENDA.

SESSÃO SOLENE DA CÃMARA MUNICIPAL DE POMBAL NO DIA 14-11-07.

SESSÃO SOLENE DA CÃMARA MUNICIPAL DE POMBAL NO DIA 14-11-07.
CLEMILDO RECEBEU MAIS ESTA COMENDA DAS MÃOS DO PRESIDENTE DA CASA.

MEU PRIMO GOSTARIA QUE VOCÊ POSTASSE A NOSSA GRATIDÃO PELA ORGANIZAÇÃO DA FESTA.

Pensava eu, em prestar uma homenagem ao meu pai, primeiramente agradecendo a Deus o que ele representou para sua família enquanto viveu. Depois queria que a meus filhos e convidados soubessem um pouco mais da vida desse grande homem. Abro aqui um parêntese para dizer, que vivemos no mundo de hoje em que honestidade é sinônimo de desvantagem. As pessoas só querem tirar vantagens uns dos outros sem se importarem do verdadeiro sentido da Vida. O ter é mais importante do que o SER. Sempre vi meu pai, pensando nos outros, nutria suas amizades com aqueles que gostavam não por aqueles que tinham maiores condições de vida. Sempre teve amigos verdadeiros. Voltando agora, dos meus pensamentos sobre meu querido e saudoso pai. Não poderia fazer o que pretendia sem ajuda desse importante comunicador. Clemildo fez o link do meu passado com o presente. Muito Obrigada, dileto primo!!!

Rose.

EMOCIONADA AO VER FAMÍLIA REUNIDA

Fiquei muito emocionada ao ver a família reunida. Agradeci a Deus por estar presente primeiro porque sei o quanto a minha avó Eunice ficaria feliz se viva estivesse; segundo porque considerei um milagre o meu chefe me liberar para viajar, já que havia muito trabalho no gabinete e me surpreendi quando ouvi ele dizer que considerava importante a minha presença no evento.
Não poderia imaginar uma homenagem mais bonita para o meu avô. Agradeço a todos que compareceram, principalmente, ao Pastor Clodoaldo, por ter sido um instrumento de Deus para trazer a mensagem, ao Dr. Clemildo pela organização de reunir todas as informações sobre o ”seu Flavio", aos meus tios Rose e Eli pela iniciativa, amo vocês.
Miriam Brunet

CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE FLÁVIO BRUNET DE SÁ!

Obrigada Clemildo pelo relato das nossas homenagens ao nosso Pai Flavio Brunet de Sá. Agradecemos a Deus, o que papai representou para nós, em vida. Comemoramos os 100 anos de nascimento dele. Esse exemplo de vida merecia ser lembrado até para as pessoas que não tiveram o privilégio de conhecê-lo. Fiquei muito feliz com o que aconteceu naquela noite. Agradeço de coração a todos que compareceram e, de uma forma ou de outra contribuíram para uma noite tão agradável. Uma noite de pura emoção!!! Rose Mary Ramalho Brunet Medeiros.

DOUTOR ATÊNCIO, MEU MÉDICO!

Gostei de ler o brilhante relato sobre a vida do Dr. Atencio. Ele foi o meu médico, nos primeiros meses de meu nascimento. Sempre ouvi a Mamãe e minha babá Raquelzinha falar sobre o Dr Atencio, da sua dedicação como médico. No ano de 2001, encontrei com a D. Cacilda em João Pessoa. Ela me reconhecendo como filha de Flavio Brunet de Sá e Eunice Ramalho Brunet foi logo me falando: “meu marido foi o seu médico". Eu disse que sempre tinha isso na minha lembrança que o Dr Atencio além de ser o meu médico era amigo da nossa família. Rose Mary Ramalho Brunet Medeiros.

DE ROSE MARY RAMALHO BRUNET MEDEIROS, PARA CLEMILDO BRUNET

• Rose Medeiros
Meu primo querido!!! Não tenho palavras para lhe agradecer o seu empenho de organizar e concretizar o meu sonho!!! Fiquei muito gratificada em poder fazer a homenagem para o papai . Ele ainda vive nos nossos corações!!!A fazenda Cajazeiras é tudo que podemos ter para que essa lembrança seja materializada. Fiquei recompensada com as palavras que ouvi ontem sobre o meu pai. Foi tudo o que pensei e idealizei, e isso não seria possivel sem a sua ajuda. Com todo meu carinho sua prima Rose Medeiros
01 DE AGOSTO: HOMENAGEM A CLEMILDO PELO TRANSCURSO DE SEU ANVERSÁRIO!

Deus está sempre contigo
Ele renova o teu coração
Unge os teus pensamentos
Sempre a vida com gratidão

Dar-te força e Coragem
E faz viver com emoção

A vida é sempre bela
Mesmo que haja provação
A Mão de Deus torna singela

Dar a ti felicidade
E a Saúde para viver

Cada momento de tua vida
O amor de Deus te faz sentir
Reinar em ti toda hora
Altivez está em ti
Com o teu dom a disputar
A estrela sempre a brilhar
Os teus anos vem florir

Maria de Lourdes P. de Almeida Araújo

COMENTÁRIO DE WJ.SOLHA

Beleza, meu caro. Alcancei o tempo do Cine Lux ainda de Affonso Mouta, com salas sempre cheias, ainda vejo na memória, o infalível padre Andrade a chegar mancando, vejo uma área reservada a prostitutas, vejo a infalível mãe de Eneida, esposa do colega do BB, Ramiroo, . a bilheteria na curva da esquina. Infelizmente posso dizer que seu Affonso, que mantinha um padrão alto de filmes que projetava, morreu em meu lugar. Ione, minha mulher, estava em Fortaleza, com um problema de saúde e pedi à Brasil Oiticica que, se fosse possível, me desse uma vaga em seu avião que ia semanalmente para lá. Tudo certo, mas, quando chegou o dia, recebi a ligação dizendo que, infelizmente, teriam de levar um motor que precisaria de reparos urgentes, só possíveis no Ceará. Era uma mentira gentil: tinham cedido o lugar a mim prometido para seu Affonso. Que foi tomar o avião e foi sugado pela hélice, que lhe abriu o abdôme. No Cine Lux sofri muito vendo os copiões de O Salário da Morte, um dos rolos completamente desfocado, pelo que tivemos de refilmar tudo de novo.
Quanto ao cinema de Patos, eu me lembro dele com o nome de Eldorado. Indelével porque o cine Eldorado, em Sorocaba, de onde eu viera, era o único cinema que eu jamais frequentara.
Boas lembranças. Bom texto, meu caro.

COMENTÁRIO: DIA DO PROFESSOR.

Prezado Clemildo,

Parabenizo o ilustre colunista, pelo brilhante artigo sobre a origem da data comemorativa 15 de outubro "DIA DO PROFESSOR", acredito que um grande número de colegas nossos, não conhecem o motivo pelo qual comemora-se nesta data. Fico honrado e agradecido (enquanto profissional) pelo encorajamento, incentivo e prestígio que o colunista faz ver ao leitor sobre esse profissional,... Que infelizmente não é reconhecido pelos nossos governantes. Uma prova da falta desse reconhecimento está no embate jurídico sobre o reconhecimento e pagamento do PISO SALARIAL.

Muito obrigado Clemildo, por lembrar dessa figura tão importante na formação dos demais profissionais. O PROFESSOR.

Curimatá(PI), 13 de outubro de 2012

Francisco De Assis Soares

FELICITAÇÔES

Caro amigo Clemildo, você me surpreendeu com o seu encantador artigo que molda parte da minha vida e de meus amigos em Pombal. A sua inteligência lhe acompanha pelos mais recônditos lugares de sua alma. Parabéns meu amigo, não merecia tanto, valeu para relembrar esses bons momentos relatados. Abraço do amigo Paulo Abrantes.

RIACHO DE PRATA: TERCEIRA OBRA LITERÁRIA DE PAULO ABRANTES!

Dr Paulo foi um imenso prazer conhecê-lo pessoalmente e poder ouvi-lo dia 30.09.11 na ocasião da inauguração da Biblioteca da Câmara Municipal de Pombal que leva o nome de nossa Mãe Maria do Bom Sucesso Lacerda Fernandes; com voz mansa e doce, falou com sua simplicidade sobre o evento que estava acontecendo e apresentou sua nova obra a qual fui premiado por vós e que vou lê-lo com muito apreço e depois comentar aqui mesmo neste blog.
Queria agradecê-lo em primeiro lugar, em meu nome e da minha família pela sua presença ao evento e pelo livro a mim presenteado, saiba que a sua amizade com meus pais é sincera e pura como o sentimento de uma criança, há fidelidade mútua e o amor fraternal vos une, extensivamente agora comigo e os meus. Sucesso com esta mais nova obra literária.GRAÇA E PAZ, AMÉM.
JUNIOR BOM SUCESSO
PATOS PB, 01.10.2011.

MARINGÁ: ...FICOU SENDO A RETIRANTE QUE MAIS DAVA O QUE FALÁ...

Meu caro Clemildo:
Histórias sobre Maringá sempre povoaram o imaginário de toda gente de Pombal ao longo do tempo, alimentando o desejo de desvendar essa história. No caso presente, Jerdivan Nóbrega, meu escritor predileto, traz á tona êste palpitante tema, no seu encantador romance, "A Saga da Cabocla Maringá", apresentando como nunca vi igual, uma idéia literária que empolga e gera tanta expectativa no seio da sociedade pombalense. Porquê popularmente a Maria do Ingá ,ou seja, "Maringá", é um hino de amor, é uma canção de louvor a nossa terra, é um idílio que não gostaríamos que tivesse sido interrompido, é afinal uma história, um desfecho que tinha de ser contado, e Jerdivan fez e fez muito bem. Clemildo você está como Jerdivan, cada vez melhor, acertando no alvo que o povo de nossa terra quer saber.
"A Saga da Cabocla Maringá", de Jerdivan Nóbrega de Araújo, é uma obra muito interessante, cuja magia está no enredo e na simplicidade de linguagem utilizada pelo autor em todos os momentos. È um livro que deve ser lido por todos. Parabéns a ambos.
Paulo Abrantes é engenheiro civil e escritor pombalense.

Olá Clemildo Brunet. Bom dia!
Beleza mesmo. Isso precisa ser acessado por todos os pombalenses. É cultura.
José Haroldo.

Caro amigo Clemildo:
Como é bom constatar o carinho que vocês têm por Pombal. Faz bem para a gente e serve de exemplo. Certamente "A SAGA DA CABOCLA MARINGÁ" terá grande aceitação e já que o autor é seu amigo torço pelo sucesso dele.
Um abraço bem grande Clemildo.
Ubiratan. Curitiba PR.

CARÍSSIMO CLEMILDO.
Confesso, gostei imensamente do seu comentário sobre “A SAGA DA CABOCLA MARINGÁ”, o mais recente livro do conceituado escritor pombalense Jerdivan Nóbrega.
A partir do título bastante sugestivo e oportuno você foi muito feliz na peça discursiva. Admiro seu elevado discernimento e a facilidade com que discorre o conteúdo da obra direcionando seus aspectos para os diversos lados.
Seu comentário é, portanto, uma sinopse da obra que por si só já nasceu grande, graças ao reconhecido talento literário do seu autor, do qual sou admirador.
Se hoje a Lenda de Maringá passou da canção para o livro, quem sabe amanhã seja encenada e exibida por esse Brasil afora. Seria a perpetuação de uma história que nasceu para sempre.
Enfim, este é o comentário que gostaria de ter feito.
Parabéns com louvores.
Prof. Francisco Vieira.

POMBAL, SEMPRE POMBAL
Caro Amigo e Conterrâneo,
Clemildo Brunet.
Essa história da cabocla Maringá se arrasta por muito tempo. Eu era criança pequena nos arredores de Pombal e ouvia falar de histórias e estórias da retirante. Quando surgiu a música, ela mexia com a sensibilidade de muitos idosos daquela época. Homens e mulheres se manifestavam: "como é 'penosa' essa história"!
Mas ninguém se propunha a desvendar o mistério que até hoje permanece rondando por essas cercanias. O nosso grande Ruy Carneiro, talvez tenha mantido um amor proibido. Proibido, dada a diferença de classe. Ele não foi o primeiro a frustrar-se em ocasiões tais.
Conta-se, por aí, que dois irmãos originários de classe média, conheceram duas irmãs de classe menos favorecida e mantiveram um amor proibido, até que chegou ao conhecimento do público. A mãe dos rapazes lhes pediu que não casassem com aquelas moças porque não faziam futuro nenhum. Eles a obedeceram, mas na seguinte condição: Um não poria mais os pés no chão de Pombal; o outro, resolveu abraçar a vida celibatária.O caritó, para as mulheres. Assim fizeram.
Quando ela, a mamãe, adoeceu eles vierem visitá-la. Um pediu que o levassem nos braços, porque não pisaria mais nessa terra, pois assim jurara. Assim cumpriu o seu pretexto. O outro,cumpriu o propósito de não mais se casar, foi servir na Polícia Militar do Estado do Parahyba,lutou na "Revolução de Princesa", obteve uma carreira bem sucedida, no Quadro de Oficiais. E, na reserva, chegou a ser Prefeito de Pombal. E muito trabalhou pelo Município. Fez o Distrito de Paulista tomar um impulso nunca visto.
Agora, advinhe quem foram eles...
Cansei de ouvir contar essa história, quando ainda menino de calças curtas.
Forte Abraço - JOSÉ SANTOS DINIZ

Prezado amigo Clemildo Brunet:
Fiquei feliz em reencontrar você em plena movimentação cultural, escrevendo sobre a "Cabocla Maringá", um blogueiro de primeira categoria. Quero dizer a você que o site do "Caldeirão Político" www.portalcaldeiraopolitico.net está aqui as suas ordens.
Você já leu o seu artigo "DA CANÇÃO PARA O LIVRO - A SAGA DA CABOCLA MARINGÁ", já inserido no nosso site? Quero continuar transcrevendo os seus artigos. Pode encaminhá-los. Como também outras notícias de Pombal.
CHICO CARDOSO

Olá meu amigo!
Essa história da existencia em corpo e alma da cabocla Maringá, bem como a sua presença nas terras de Pombal, deixou-me encafifado por muito tempo. Busquei vesitigios da sua presença onde pudesse encontra-lo, Li a obra de Jose Gregorio que narra os principais acontecimentos de Pombal, exato no tempo que possivelmente a Cabocla poderia estar entre nós. Nada, nenhuma referencia àquela fascinante mulher. Conversei a exaustão com a minha Mãe, por sinal da mesma idade de Ruy. Amigos de infancia e adolescencia, estudaram juntos, por isso firmaram uma amizade que terminou com a morte de ambos. Minha Mãe dizia que esta mulher jamais existiu em Pombal. Em sendo Maringá dotada de uma beleza singular, com certeza a sua presença no lugar teria chamado atenção das moças da época. A única paixão de Ruy em Pombal, foi uma prima de minha Mãe cujo nome era Ana Dantas de Alencar ou Nina, na intimidade da familia. Afora essa moça, não há registro de que Ruy tenha namorado outra moça.com os supostos dotes fisicos de Maringá. Em resumo, Maringá nasceu no rio de Janeiro, Não tem Mãé, só tem pai cujo nome é Joubert de Carvalho. O resto é lenda e nada mais. Jerdivan, na construção da sua obra, sabiamente manteve essa questão fora da trama, com certeza para evitar questionamentos infrutiferos que podem desviar atenção da riqueza criativa e essencia do seu livro. Abraços Ignacio Tavares

COMENTÁRIOS SOBRE O LIVRO "RIACHO DE PRATA"

Distinto amigo Paulo Abrantes.
Li Riacho de Prata.Sua literatura é empolgante, sobretudo percebo tratar-se também, de um excepcional DOCUMENTÁRIO HISTÓRICO sobre a sua terra natal - POMBAL, em detalhes de um colorido fantástico, num reflexo de sentimento familiar, social, tudo ornamentado por um paisagismo impressionante. Sinto-me diante duma leitura amena, que conforta a alma e o espírito, trazendo ao leitor mavioso recreio, que, neste vendaval turbulento que ora vivemos, é a meu ver, um caleidoscópio oriental dos velhos tempos que se foram, revestidos de humanidade e ternura, valores que não já não vemos mais, tão frequentemente.
Do companheiro-alado, velejando no mundo da nossa internet.
MILTON ALVES
Auditor da Receita Federal.

Prezado Paulo Abrantes,
Venho agradecer pelo envio do livro "Riacho de Prata - Crônicas & Contos", de sua autoria.
Parabéns pela idéia de homenagear a sua terra natal, Pombal, incluindo além de seus próprios textos, os de outros conterrâneos.
Cumprimento-lhe ainda por proporcionar aos leitores essa "viagem" que remonta às origens e revivem na memória lembranças de momentos inesquecíveis, em sua vida, e certamente na de muitos pombalenses.
Atenciosamente,
Roberto CavalcanteCorreio da Paraiba

Como foi bom ler seu livro, Paulo Abrantes! Foi como se visitasse Pombal, mas não agora, e sim à época em que vivi lá, de 63 a 70! Quanta gente daquele tempo me veio à memória! Quanto riacho revivi, no seu texto gostoso, "em desabalada correnteza, ecoando um estalar de troncos e ramos partidos"!
Como foi bom saber que Nena Queiroga, que me encantou tanto com sua tranquila elegância, seus livros e suas viagens à Europa, também encantou você. Não sabia que ela ensinava religião!
E como foi gostoso ler o que você escreveu sobre a Rua Estreita, onde vivi a primeira cena do filme O Salário da Morte, na qual enchi a velha porta da farmácia do Epitácio com cinco buracos do que deveriam ser balas de festim!
Mas bom, mesmo, é o texto que v. produziu sobre A Rua Estreita, um desfile de personagens fabulosos, como seu Zé de Duca e a quebra de resguardo da mulher por conta de um lobisomem; como seu Hormídio puxando a gaveta para dela tirar o catálogo homeopático, com que curaria a pobre senhora; com o transe do espírita Generino, com a pregação de Pedro Marcelino!
Sucesso pra você e seu livro, meu caro!
W.J.Solha.

COMENTÁRIO SOBRE O TEXTO PIANCÓ: QUEM VAI CUIDAR DO NOSSO RIO?

Meu caro Clemildo, Pombal tem essa felicidade de ter filhos como você, filho que relata e traz guardado no peito uma história que agrada e reacende as lembranças de nosso tempo de banhos neste rio abençoado de tantas gerações. Obrigado pelas referências, este texto escrevi em momento de inspiração e de saudade. Um abraço fraternal, Paulo Abrantes

COMENTÁRIO SOBRE A POSTAGEM "Dr. Avelino, o médico: Uma das maiores lideranças Políticas de Pombal

Clemildo amigo,
Inicialmente os agradecimentos pela parte que me coube como médico filho de Pombal. Em seguida, parabéns pela homenagem feita ao Dr. Avelino. Abraços Carneiro Arnaud

Amigo Clemildo.
Além de brilhante, sua ideia foi por demais oportuna em homenagear a classe médica na pessoa do saudoso Dr. Avelino Elias de Queiroga.
Homenageando o inesquecível "Bolinha", você está resgatando com muita justiça um dos maiores expoentes de nossa história. Sua contribuição foi imensurável para com a nossa terra, não apenas como médico e político, mais sobretudo, como amigo, qualidades que lhe constituíram como um dos maiores líderes populares de Pombal e região.
Parabéns.
Abraços: Prof. Francisco Vieira.

POMBALENSES SAEM AS RUAS PARA VER A SUPER LUA

POMBALENSES SAEM AS RUAS PARA VER A SUPER LUA

FOTO DO ENCONTRO

FOTO DO ENCONTRO
EU E ROBSON PIRES

VISITA DE CORTESIA A RURAL AM E FM DE CAICÓ RN.

VISITA DE CORTESIA A RURAL AM E FM DE CAICÓ RN.
Visita de Clemildo a Rádio Rural 95 FM em Caicó. Na foto com Clemildo os comunicadores Ronyson Nery e Yanny Danniely.
Tecnologia do Blogger.

CLEMILDO FAZ VISITA DE CORTESIA A COLEGA DE PROFISSÃO EM CAICÓ RN.

Nesta quarta feira dia (02), estive na Rádio Rural de Caicó, ocasião em que visitei o colega Robson Pires (pombalense), que apresenta o Grande Jornal Rural da emissora; fiz-lhe o convite para prestigiar a solenidade da entrega da Medalha Epitácio Pessoa. "Conheci o Robson menino nas ruas de Pombal, ele tinha o apelido de Pelé e eu costumava dizer é o único Pelé branco. Hoje em Caicó ele é temido por suas reportagens e conhecido como o Xerife do Rio Grande do Norte"

POMBALENSE ASSISTE PELA TV ASSEMBLÉIA, SESSÃO ESPECIAL DA MEDALHA EPITÁCIO PESSOA.

Prezado Clemildo:
Impossibilitado de comparecer à Assembléia Legislativa para prestigiar o Ilustre conterrâneo no ato de recebimento da merecida Comenda, quando todos que o conhece, ficamos felicíssimos, venho, embora tardiamente, mas, nunca é tarde para recolher o seu grande valor, como profissional, como ser humano.
Submeti-me a uma cirurgia oftalmológica, mas fiz questão de ligar para o colega que me operou para que liberasse e fui liberado para assistir pela TV Assembléia, a tão honrosa Sessão Especial, ao lado de meu querido pai, aposentado dos Correios e Telégrafos, que com muito orgulho também prestigiou o filho do saudoso Seu Napoleão grande amigo dele.
Como médico orgulha-me de ser pombalense e de ter presenciado boa parte da sua crescente trajetória profissional no rádio.
PARABENS CLEMILDO BRUNET. DEUS CONTINUE TE ABENÇOANDO.
MANOEL ANGELO FILHO

AGRADECIMENTO!

Caro amigo Clemildo:
Agradeço sensibilizado pelos cumprimentos enviados na passagem do meu aniversário.
O tempo passa depressa e a gente nem sente. Eu sou muito grato a Deus pela longa vida que me deu, pela família com que me brindou e pelos amigos com os quais fui presenteado e entre os quais você se destaca.
Muito obrigado pela carinhosa homenagem, desejo a você e seus familiares um Feliz Natal e de um Ano Novo de muitas alegrias com as bênçãos de Deus.
Um grande abraço.
Ubiratan.

JORNAL "ALTO SERTÃO" DEZEMBRO/2014

JORNAL "ALTO SERTÃO" DEZEMBRO/2014
JORNAL "ALTO SERTÃO" EDIÇÃO ESPECIAL DE FIM DE ANO

CONDOLÊNCIAS

A passagem para o Oriente Eterno do Irmão Francisco Fernandes da Silva, conhecido por Bibia, esposo de Dona Cessa poetisa pombalense falecida a um ano, foi uma grande perca para a Maçonaria brasileira e para a nossa Pombal. Aos seus Familiares manifetamos sentimentos de pêsames rogando ao GRANDE ARQUITETO DO UNIVERSO que os iluminem e guarde para sempre. Alberto Salgado Bandeira e Fátima Bandeira

Caro amigo Clemildo!

Ao ler no seu conceituado Blog a noticia da morte do amigo Bibia, confesso que fiquei confuso por algum instante. Logo Bibia? Perguntei-me. É isso mesmo, ninguém pode fugir dos ataques traiçoeiros da maldita morte. Sem querer desmerecer os demais amigos e amigas, aqui em Pombal, dois casais de amigos faziam a diferença para mim: refiro-me ao compadre Belino e comadre Lili, ambos de saudosa memória e a Bibia e Cessa. Quantas e quantas vezes a gente se reunia lá na casa do alto para jogarmos conversa fora! Depois do falecimento de Belino e Lili, restaram-me Cessa e Bibia. E agora? Ora, só me resta preservar na memória os bons momentos de convivência harmoniosa que mantivemos por dezenas de anos. Bibia, peço ao Senhor Jesus que lhe dê a paz e a felicidade que você sempre desejou em vida. Ademais, tenho certeza de que o seu encontro com a sua amada Cessa será comemorado com grande festa patrocinada por todos os amigos que estão na eternidade. Aos filhos e netos desse belo casal que Deus reclamou, desejo-lhes muita paz e conforto, pois vale a pena lembrar que morte não é o fim, é apenas uma passagem de uma vida para outra, Aceitem todos meus sentimentos.
Ignácio Tavares

DE UBIRATAN LUSTOSA: RECEBI O LIVRO

Ubiratan Lustosa
Para CLEMILDO BRUNET
De:
Ubiratan Lustosa (ulustosa@ulustosa.com)
Enviada:
sábado, 29 de outubro de 2011 19:02:10
Para:
CLEMILDO BRUNET (brunetcomunicador@hotmail.com)
Olá, amigo Clemildo.

Recebi o livro "Riacho de Prata", de autoria do seu amigo Paulo Abrantes, e agradeço a sua gentileza de me enviar esse presente. Na primeira folheada já percebi que vou saber mais sobre a sua Pombal querida e isso me trará muita alegria. Por coincidência, gravei meu programa na quarta-feira, para ser apresentado domingo, e nele estará a música "Maringá", com Carlos Galhardo. Aproveitei para lhe mandar um abraço.
Renovo meus agradecimentos e envio um grande abraços a você, pedindo que seja extensivo ao autor Paulo Abrantes.
Ubiratan.
Curitiba - PR.
LINK: http://www.e-parana.pr.gov.br/modules/programacao/radioam_ao_vivo.php
DO PROGRAMA DE UBIRATAN, APRESENTADO ÀS 6 HORAS DA MANHÃ DOS DOMINGOS (NOSSO HORÁRIO).

SESSÃO SOLENE DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO SOLENE DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
EM SEU DISCURSO CLEMILDO FEZ UM RELATO HISTÓRICO DA RADIOFONIA POMBALENSE E LEMBROU VELHOS COMPANHEIROS!

COMENTÁRIOS: A EVIDÊNCIA DA MÚSICA BREGA...

Clemildo Brunet,
Sua matéria publicada sobre o BREGA é excelente e muito oportuna e irá contribuir para a aprovação do Projeto de Lei.
José de Sousa Dantas -Poeta e Escritor pombalense.

Adilson Ribeiro
clemildo brunet, parabéns pela matéria sobre o brega. As vezes eu acho que se Elvis presley fosse brasileiro, ele não passaria de um cantor de brega. Então eu só quero dizer que nao adianta fugir, qualquer cantor brasileiro é brega. Não pense que... Caetano Veloso é menos brega do que Waldick. A América, a Europa, nao gostam de brasileiros. Porque o próprio brasileiro não se gosta, quer ser americano de qualquer jeito. Ver se lá em nova york, tem alguma frase em portugues. Aqui no Brasil é pit stop, personal trainer, as propagandas de produtos é quase tudo em inglês. Temos que nos valorizar. Um cantorzão como o Nilton Cesar, se fosse americano, era o rei de qual coisa. Porque o americano se ama e ama seus idolos. Parabéns ao nobre deputado Tião Gomes, que dê certo sua iniciativa em relação ao brega.
Adilson Ribeiro - Cantor e Compositor.
Ananindeua, Brazil.

POSE PARA FOTO APÓS COLETIVA.

POSE PARA FOTO APÓS COLETIVA.
Radialista Clemildo Brunet ladeado pelo Vice Geraldinho e a Prefeita Polyana.

POSE PARA FOTO IMPRENSA, POLYANA E GERALDINHO

POSE PARA FOTO IMPRENSA, POLYANA E GERALDINHO

TIBURTINO GOMES DE SÁ: SEGUIDOR DO BLOG COM MUITA HONRA!

Seu blog, meu caro primo Clemildo é muito profundo e de muito conhecimento, próprio da família, que diz - "Sá quando não é inteligente demais é 'doido'" Brincadeira. Já sou seu seguidor com muita honra. Mais tarde estarei fazendo um "tourner" pelo blog! Saudações primo!
Sousa,11/10/2011
Tiburtino Gomes de Sá

É ASSIM QUE SE FAZ CIDADANIA

Caro amigo Clemildo.
O seu Portal está maravilhoso. Uma homenagem bem merecida. Os paraibanos reconhecem o seu valor, especialmente os pombalenses. É assim que se faz cidadania. É demonstrando amor pela terra onde nasceu. Patriotismo, por que não dizer. São valores que jamais a História de Pombal os excluirá de suas páginas. Você está de parabéns. Sinto-me feliz quando vejo um conterrâneo trazer ao conhecimento público o retrato falado do nosso Município, como pioneiro do Sertão Paraibano. Portanto, volto a dizer: Você merece mais do que a homenagem que lhe foi prestada pelo Poder Legislativo do Nosso Estado.
Forte Abraço.
José Santos DINIZ.

COMENTÁRIO DO DR. ELISEU JOSÉ DE MELO NETO NO FACEBOOK

Eliseu José De Melo NetoClemildo Brunet de Sá Agradeço muito. Você fez a minha biografia com muita precisão. Detalhes da minha vida que até por mim passava desapercebido, você publicou com precisão. Parece que teve ajuda de alguém muito próximo. Foi muito real. Felicidades! E muita saúde para você, que considero como um dos meus grandes amigos!
O RÁDIO AINDA É O MAIOR MEIO DE COMUNICAÇÃO!

FAZENDA RAMADINHA

FAZENDA RAMADINHA
4 JANEIRO 2009

JORNAL "ALTO SERTÃO" OUTUBRO 2014

JORNAL "ALTO SERTÃO" OUTUBRO 2014
JORNAL "ALTO SERTÃO" EDIÇÃO ESPECIAL FESTA DO ROSÁRIO DE POMBAL. OUTUBRO 2014

À MEMÓRIA DE DONA CESSA: EXEMPLO A SER SEGUIDO POR TODOS NÓS...

Estimado amigo Clemildo:
Lindo e comovente o seu artigo. Sinto-me honrado por você ter incluído nele a citação do meu texto sobre saudade. Na verdade, esse carinho que você e o povo de Pombal dedicam à memória de Dona Cessa é um exemplo a ser seguido por todos nós. Pessoas como ela sempre devem ser lembradas pela sua doação à coletividade e grandeza de sentimentos.
Parabéns, amigo, e um grande abraço.
Ubiratan.

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!
APRESENTAÇÃO DA CANTORA NARA CASTRO

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!
COMPOSIÇÃO DA MESA. AO CENTRO O PROMOTOR DE JUSTIÇA SEVERINO COELHO VIANA AUTOR DA OBRA LITERÁRIA.

COMENTÁRIO SOBRE O ARTIGO: LINDUARTE NORONHA: "uma saudade a mais, uma esperança a menos".

Caro Clemildo,
O seu artigo em homenagem ao cineasta Linduarte Noronha, é uma página feliz não só pela lembrança da morte daquele que viria inspirar o chamado Cinema Novo no Brasil, como nos trazer um relato inédito, do escritor Solha , de suma importância histórica para a compreensão daqueles que esperavam da película "O Salário da Morte" um desfecho feliz de vingança e vitória. Para melhor entender, nos anos 70, o longa-metragem "O Salário da Morte” foi e é, um registro histórico para o cinema paraibano, em especial para Pombal, como fator de notoriedade, como o foi Aruanda para o cinema nacional, devido ter surgido numa cidade interiorana de pequeno porte. Na época, Solha, surpreendeu o mundo artístico paraibano com o seu roteiro original debaixo do braço e partiu para a capital na busca de pessoas competentes e identificadas com a arte cinematográfica para dar asas a sua imaginação, ao seu projeto. Não entenderam que estavam diante de um jovem ousado, inteligente, de idéia privilegiada, um visionário do sucesso. Aí, aconteceu o pior, cortaram a luz da película, o seu roteiro original, aquele que se dirigia para o sucesso, dando lugar a uma tentativa frustrada. Solha, vendeu tudo, casa, carro, tomou dinheiro emprestado, e nada disso o abalou. Continua forte e firme como as aroeiras e baraúnas de nosso sertão e escrevendo divinamente e colhendo os bons frutos que a História Universal da Angústia lhe conferiu e a alegria do fantástico Árkadich lhe proporciona. Assim é o Solha, impávido colosso.
Paulo Abrantes

CONFRATERNIZAÇÃO DE ANO NOVO!

CONFRATERNIZAÇÃO DE ANO NOVO!
ALMOÇO FAZENDA RAMADINHA

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!
SEVERINO COELHO VIANA FAZENDO APRESENTAÇÂO DE SUA SÉTIMA OBRA LITERÁRIA.

AO IMORTAL POETA

AO IMORTAL POETA
RONALDO CUNHA LIMA

COMENTÁRIO SOBRE O TEXTO: A FESTA DO ROSÁRIO DE POMBAL OFICIALIZADA...

Parabéns, CLEMILDO, pelas suas excelentes e oportunas matérias publicadas em seu site na internet, referentes ao DIA ESTADUAL DA MÚSICA BREGA e à FESTA DO ROSÁRIO EM POMBAL, esta como você bem disse: “...EMBORA TARDE...”, mas agora instituída no calendário de eventos do Estado.
São matérias sumamente importantes para a divulgação e o fortalecimento da cultura do Estado, fazendo com que as pessoas tomem conhecimento e valorizem mais as manifestações culturais de Pombal e do Estado.
José de Sousa Dantas - Poeta e Escritor Pombalense

O ANIVERSARIANTE DE HOJE 30/06/12, COM A FAMÍLIA!

PARABÉNS CESSINHA...

PUBLICADO NO FACEBOOK POR EDMILSON PEREIRA

PUBLICADO NO FACEBOOK POR EDMILSON PEREIRA
Edmilson Pereira Silva - Aqui apareço ao lado de um grande amigo e uma referência do rádio paraibano, Clemildo Brunet de Sá

CLEMILDO ANIVERSÁRIO 1° DE AGOSTO

de Prepare-se está para Clemildo Brunet.

Parabéns!!! Este dia foi especialmente preparado pelo SENHOR; regozijemo-nos e alegremo-nos nele. (Salmos 118:24) Deus te abençoe grandemente

de Cassimiro Neto para Clemildo Brunet.

Parabéns! Hoje é mais um dia de festa. É o dia que celebramos o teu aniversário. E nesse dia festivo te cercamos de abraços e felicitações. Você é uma pessoa muito querida e por isso todos os teus amigos e parentes te desejam tudo de bom. E eu, presenteio você com essa singela homenagem. Porém repleta de todo o meu carinho. Que Deus te ilumine, todos os dias de sua vida! Abraços e FELIZ ANIVERSÁRIO!!

Cassimiro Neto.

de Elias para Clemildo Brunet.

FELIZ ANIVERSÁRIO!!

Afinal fazer aniversário é ter a chance de fazer novos amigos, ajudar mais pessoas, aprender e ensinar novas lições, vivenciar outras dores e suportar velhos problemas.

Sorrir novos motivos e chorar outros, porque, amar o próximo é dar mais amparo, rezar mais preces e agradecer mais vezes.

Fazer Aniversário é amadurecer um pouco mais e olhar a vida como uma dádiva de Deus.

É ser grato, reconhecido, forte, destemido.

É ser rima, é ser verso, é ver Deus no universo;

Parabéns a você nesse dia tão grandioso.

São os meus mais sinceros votos

Elias Mesquita

de Chagas Vitoriano para Clemildo Brunet.

Quero nesta data especial, rogar a Deus que sua vida seja plena de muitas felicidades, que a luz do Divino Redentor lhe ilumine a cada passo e que só coisas boas lhe aconteçam!!! Meus sinceros Parabéns!!!

Caro Clemildo,

Parabéns pelo seu aniversário!

Receba meus cumprimentos e os melhores votos de saúde e felicidades.

São passados 63 anos de nossas vidas, temos apenas um mês de diferença de idade. Sentamos no mesmo banco escolar da Igreja Paroquial de nossa infância querida em Pombal. Nunca duvidei que estivesse diante de um talentoso artista, pelo seu espírito irrequieto, inteligente e capaz. O tempo mostrou que ali em Pombal, residia um dos maiores radialistas do sertão. Este homem que foi agraciado com a maior condecoração da Assembléia Legislativa, a “Medalha Presidente Epitácio Pessoa” numa justa homenagem que lhe foi prestada no ano de 2010.

Quero lhe dizer neste 1º de agosto, neste alvorecer de sua nova idade, com as bênçãos de Deus, sua vida seja de paz e que seus desejos e projetos se realizem.

Com um grande abraço, do amigo de infância, Paulo Abrantes.

primo/amigo, Clemildo Sá, não poderia me furtar jamais de partilhar deste momento de alegria em sua vida, pela passagem de mais um aniversário na certeza de que você vem cumprindo sábio e fielmente com a doutrina que o Senhor lhe outorgou à ser cumprida no decorrer da sua estada neste plano de existência! Que Deus te abençoe sempre! E... FELIZ ANIVERSÁRIO!

Tiburtino Castelo Sá Gomes.

Clemildo Brunet, A equipa do Palco Principal deseja-te um feliz aniversário! Obrigado por continuares conosco. Que a música esteja sempre contigo! Parabéns!

A equipa do Palco Principal

DE VERNECK ABRANTES PARA GENIVAL TORRES

Genival Torres,

Agradecemos as suas palavras motivadoras e de alerta sobre a importância histórica de lembrar as datas marcantes da nossa cidade.

Na verdade, os 150 anos de elevação ao status de cidade, deveríamos ter estabelecido um marco dessa passagem, assim como ficou registrado a denominação do Bar Centenário quando dos 100 da nossa cidade, também nesse mesmo dia, citar o lançamento do livro do nosso Wilson Seixas: O Velho Arraial de Piranhas. Por quanto, até então, ficamos sem um marco de lembrança dos 150 anos do aniversário de Pombal. Que continue nos prestigiando com seus belos texto, onde mantemos em arquivo.

Um abraço com admiração,

Verneck Abrantes

BODAS DE OURO

BODAS DE OURO
Almir e Marlene em Natal Comemorando 50 anos de Feliz União Conjugal. Parabéns pelas Bodas de Ouro!

CHAMINÉ SESQUICENTENÁRIA

Prezado Clemildo,

Lembro aos meus ilustres conterrâneos, fui propositadamente bastante sucinto nas indicações no meu texto, Descaso ou Indiferença, para não ser prolixo. Ainda sensibilizado com a resposta do nosso ilustre escritor pombalense, Verneck Abrantes, e concordando plenamente com a sua indicação, mais ainda, e como referência para análise posteriori, caso Pombal queira deixar um marco material, paralelo, exposto à visitação pública, temos a Chaminé da Brasil Oiticica que poderia ser denominada Chaminé Sesquicentenária, como homenagem alusiva data, e de certa forma, tornando real a possibilidade de não se jogar por terra essa construção que é um marco na indústria da cidade. Transformando numa monumental peça da construção civil, um dos segmentos que fizeram, e que ajudaram a construir a história da nossa gente. Fraternal abraço a todos.

Genival Torres Dantas

CLEMILDO,

Como marco da passagem dos 150 anos da elevação de Pombal ao status de cidade, veja a ideia de Genival Torres Dantas: CHAMINÉ SESQUICENTENÁRIA. Com uma pequena praça no seu entorno e Pombal teria mais uma referência histórica e lugar para visitas turísticas, exposição de fotografias ou representações artísticas. Achei excelente o pensamento de Genival.

Um abraço,
Verneck

ENCONTRO DE POMBALENSES EM TERRA POTIGUAR.

ENCONTRO DE POMBALENSES EM TERRA POTIGUAR.
Nesta foto registro o meu encontro em terra potiguar com o conterraneo amigo e Empresário no Rio de Janeiro, Almir Almeida. Na conversa matamos saudades dos velhos tempos de nossa Pombal.

HOMENAGEM DA POETISA A CLEMILDO

HOMENAGEM DA POETISA A CLEMILDO
Mª DE LOURDES ALMEIDA PEREIRA DE ARAÚJO NA FOTO COM CLEMILDO

A PARAÍBA PERDE UM GRANDE ESTADISTA: RONALDO CUNHA LIMA!

A PARAÍBA PERDE UM GRANDE ESTADISTA: RONALDO CUNHA LIMA!

Um dos últimos políticos da Paraíba que soube honrar com altivez e destemor a prática da honestidade nos procedimentos com o erário público, esse sim, fez parte da geração onde a política era feita pelo o idealismo de servir ao povo a exemplo do Senador Ruy Carneiro e do Deputado Federal Janduhy Carneiro, assim era o poeta, ex vereador, ex- prefeito, ex-deputado estadual, ex-governador, ex senador e ex-deputado federal RONALDO CUNHA LIMA. A PARAÍBA NÃO SÓ PERDE UM POLÍTICO AUTÊNTICO, MAS UM GRANDE HOMEM QUE SOUBE REPRESENTÁ-LA MUITO BEM NO CENÁRIO NACIONAL. NOSSA SOLIDARIEDADE DE PESAR AO SENADOR CÁSSIO CUNHA LIMA, EXTENSIVO A TODA FAMÍLIA!

Clemildo Brunet - Radialista.

PARABÉNS AO AMIGO BIBIA

PARABÉNS AO AMIGO BIBIA
REGISTRAMOS COM GRANDE SATISFAÇÃO NA DATA DE HOJE 07 DE FEVEREIRO, O ANIVERSÁRIO DO AMIGO FRANCISCO FERNANDES DA SILVA, BIBIA, QUE DEUS LHE CONCEDA MUITOS E MUITOS ANOS DE VIDA E MUITAS FELICIDADES JUNTO A SUA ESPOSA CESSA E TODA FAMÍLIA. PARABÉNS E FELIZ ANIVERSÁRIO!

TWITTER X FACEBOOK

- Parabéns pelos temas enfocados através do seu BLOG. Vc é o Cara

: parabéns pelos cinco anos do seu blog. Conheço a sua garra e o seu profissionalismo. Siga em frente.

MARINGÁ - O NOME VERDADEIRO.

Graças à interferência de meu estimado amigo paraibano Clemildo Brunet, acabo de receber o livro do escritor Severino Coelho Viana "Maringá - o nome verdadeiro". Ele trás novas descobertas sobre a bela Maria do Ingá que Joubert de Carvalho resumiu para Maringá em sua composição famosa. A existência de Maria do Ingá, por algum tempo considerada pura imaginação poética,... Aos poucos ganhou contornos de realidade e já se descobriu até o verdadeiro nome dela. Já diversas vezes focalizei esse assunto em meu programa "Revivendo" e após concluir a leitura do livro voltarei a ele porque é muito interessante, especialmente para nós paranaenses que temos uma grande cidade com esse nome. Meus agradecimentos ao escritor Severino Coelho Viana e ao Clemildo Brunet.

Ubiratan Lustosa - Radialista paranaense.

7 DE SETEMBRO DE 2007

7 DE SETEMBRO DE 2007
TAYANE DEYSE- BALIZA, FILHA DO RADIALISTA E PROFESSOR CEZÁRIO DE ALMEIDA

7 DE SETEMBRO 2007

7 DE SETEMBRO 2007
PELOTÃO ESPECIAL HOMENAGEM A IMPRENSA POMBALENSE

LANÇAMENTO/AGRADECIMENTO

Estimado amigo
Clemildo Brunet:

Agradecemos pela reportagem que fez sobre o lançamento do oitavo livro de nossa autoria, intitulado de MARINGÁ – O NOME VERDADEIRO,
evento cultural realizado nas dependências do Pombal Ideal Clube.
Os Promotores de Justiça, Bertrand Asfora e Amadeus Lopes Ferreira, ficaram encantados pelo comparecimento maciço de tão seleto auditório assim como o nível cultural do povo de Pombal.
O seu artigo já repercute a nível estadual, pois a nossa caixa de e-mail está lotada, vamos lendo aos poucos.
Em nome de minha família, agrademos pela cobertura que deu ao evento. É neste caminho que Pombal deve apresentar os seus valores.
Sentimos que a cada lançamento aumenta o número de participantes, isto é uma prova inconteste do crescimento cultural de nossa terra.
Além do Blog Clemildo Brunet Comunicação, idêntica reportagem foi reproduzida no Portal Pombal e Rádio Opção.
O Caldeirão Político fez uma reportagem de todo o lançamento, através do radialista Chico Cardoso.

SEVERINO COELHO VIANA

7 DE SETEMBRO DE 2007

7 DE SETEMBRO DE 2007
HOMENAGEM AO LORD AMPLIFICADOR DE CLEMILDO BRUNET
PARA SATISFAÇÃO NOSSA E DE SEUS PAIS, REGISTRAMOS A VITÓRIA DA NOSSA COLUNISTA DO CANTINHO DA SAÚDE, DOUTORA Mª DO BOM SUCESSO LACERDA FERNANDES NETA, QUE FOI GRADUADA EM MEDICINA PELA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE NESTE MÊS DE JUNHO DE 2012. CESSINHA NETA É NATURAL DE PATOS MEMBRO EFETIVO DA ACADEMIA PATOENSE DE ARTES E LETRAS (DESDE 2009). ESCRITORA E POETISA TEM PARTICIPADO DE
AMOSTRAS DE POESIA E FOTOGRAFIA E PUBLICADOS ARTIGOS RELACIONADOS A SUA ÁREA DE ATUAÇÃO, EM JORNAIS, REVISTAS E SITES HAVENDO SIDO CLASSIFICADA EM SETE CONCURSOS PÚBLICOS. A CESSINHA, NOSSOS PARABÉNS!
contato: sucessomed@hotmail.com

PELOTÃO ESPECIAL 7 DE SETEMBRO 2007

PELOTÃO ESPECIAL 7 DE SETEMBRO 2007
HOMENAGEM A IMPRENSA POMBALENSE

SOBRE HOSPITAL NAPOLEÃO LAUREANO: "JUBILEU DE OURO PELA VIDA"

Caro Clemildo,

parabéns pelo magnífico relato sobre o Hospital Napoleão Laureano, sobretudo porque você deu enfoque merecidamente, a pessoa extraordinária de Dr. Antonio Carneiro Arnaud que exprime uma personalidade de sentimentos, espiritualidade e humanismo para com os seus conterrâneos, representando um orgulho para todos nós paraibanos. Dr. Carneiro, desempenhou um importantíssimo papel na sua formação, deu asas a sua expansão, que cabe repetir a frase do Ministro Alcides Carneiro: "Esta é uma casa que por infelicidade se procura e por felicidade se encontra" Parabéns a você e a ele.
Abraço, do amigo Paulo Abrantes.

Clemildo amigo,

Gostei muito do seu artigo. Você retratou com fidelidade toda a vida não somente do Hospital Napoleão Laureano, mas também da Fundação Laureano a entidade mantenedora, da qual foi Diretor Presidente o nosso conterrâneo Dep. Janduhy Carneiro e hoje tenho a honra de ocupar a tão importante função. Muito já foi feito, mas ainda existe muito para ser feito. Em breve estaremos instalando a Ressonancia Magnética e se Deus quizer tambem o PET-Scam. Divulgue tudo no seu BLOG que é muito consultado. Abraços Carneiro Arnaud.

Amigo Clemildo:

Muito oportuna a sua evocação da figura extraordinária de Napoleão Laureano. Meus parabéns pelo seu trabalho.

Um fraternal abraço do

Ubiratan.

Berta Leticia Wanderley Clemildo,parabéns, pela sua reportágem, sobre o Laureano, está muito boa mesmo! Nós estamos precisando do número do seu celular para entrarmos em contato com você,

7 DE SETEMBRO 2007

7 DE SETEMBRO 2007
HOMENAGEM A DIFUSORA GUARANI DE MANOEL BANDEIRA!

Seguidores

DE IGNÁCIO TAVARES PARA CLEMILDO

MENSAGEM DE IGNÁCIO TAVARES EM RESPOSTA AOS MEUS AGRADECIMENTOS...

Caro Clemildo
A minha amizade com vocês, pode-se dizer, é histórica. Os amigos, Clovis e Cláudio, ambos de saudosa memória, Carlos e você sempre formaram uma amizade sem fronteiras. Quanto ao seu pai e sua mãe dona Sinhazinha, guardo boas lembranças, pois frequentava a sua casa com certa liberdade, qual fosse um membro da família, dada a minha amizade com os meninos, como carinhosamente éramos chamados por nossos pais. Seja feita a sua vontade, o texto é seu e de toda família. Abraços Ignácio

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT
VICE PREFEITO DR. GERALDINHO E O RADIALISTA CLEMILDO BRUNET

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT
PREFEITA POLYANA E O RADIALISTA CLEMILDO BRUNET

JORNAL "ALTO SERTÃO"

JORNAL "ALTO SERTÃO"
CIRCULANDO - ESPECIAL ANIVERSÁRIO DE POMBAL. EDIÇÃO JULHO/ 2014

JORNAL "ALTO SERTÃO"

JORNAL "ALTO SERTÃO"
EM CIRCULAÇÃO A 3ª EDIÇÃO DO JORNAL "ALTO SERTÃO" JULHO DE 2014.

JORNAL "ALTO SERTÃO"

JORNAL "ALTO SERTÃO"
EM CIRCULAÇÃO A 2ª EDIÇÃO DO JORNAL "ALTO SERTÃO" DEZEMBRO DE 2013.

EM CAJAZEIRAS: OS MELHORES DO ANO 2007

EM CAJAZEIRAS: OS MELHORES DO ANO 2007
PROF DR. JOSÉ CEZÁRIO RECEBE COMENDA DE HONRA AO MÉRITO NO "LA FIESTA" EM CAJAZEIRAS NO DIA 23-02-2008.

PRESTIGIANDO A FESTA "MELHORES DO ANO 2007"

PRESTIGIANDO A FESTA "MELHORES DO ANO 2007"
CLEMILDO RECEBE OS CUMPRIMENTOS DE SEU VELHO COMPANHEIRO DA RÁDIO ALTO PIRANHAS RADIALISTA GERALDO NASCIMENTO EM 23-02-2008 CLUB LA FIESTA EM CAJAZEIRAS.

JORNAL"ALTO SERTÃO"

JORNAL"ALTO SERTÃO"
PRIMEIRA EDIÇÃO OUTUBRO/2013

SOBRE O ARTIGO "CLEMILDO BRUNET" DE ONÉLIA QUEIROGA.

Clemildo, li o que Onélia escreveu e lacrimejei... como me lembro da bolacha peteca e do pão doce... a peteca molhada no leite e frita com manteiga de garrafa... é demais a saudade... assino embaixo tudo que ela falou sobre vc.
Maryloide Brunet

ESCRIVANINHA DE CLEMILDO

ESCRIVANINHA DE CLEMILDO
COMENDAS RECEBIDAS EM 2007

COMENTÁRIO DE MARCIA REJANE SOBRE A POSTAGEM "ZEILTO: 25 ANOS,UM EXPOENTE DA COMUNICAÇÃO"

COMENTÁRIO DE MARCIA REJANE SOBRE A POSTAGEM "ZEILTO: 25 ANOS,UM EXPOENTE DA COMUNICAÇÃO"
Caro Clemildo, confesso que é muito gratificante e emocionante ler artigos que relatam histórias do meu amado e querido pai. Obrigado por guardar com tanto carinho, lembranças do saudoso Zeilto Trajano. Ass.Marcia Rejane (A caçulinha do Zeilto) Foto com Clemildo.

GREGÓRIO DANTAS

GREGÓRIO DANTAS
HOMENAGEM PÓSTUMA

ZEILTO TRAJANO DE SOUSA

ZEILTO TRAJANO DE SOUSA
HOMENAGEM PÓSTUMA

HOMENAGEM: VISITA DE CORTESIA E ENTREGA DE TEXTO!

HOMENAGEM: VISITA DE CORTESIA E ENTREGA DE TEXTO!
Na manhã deste dia 18 de janeiro de 2010, na sede do CECAN em Natal RN, o radialista Clemildo Brunet em visita de cortesia a Secretária Geral da Instituição, Sra. Joelma Alves, fez a entrega do texto: "OS 60 ANOS DA LIGA NORTE RIO-GRANDENSE CONTRA O CÂNCER". Na oportunidade, a Secretária agradeceu e parabenizou o radialista; porém, fez uma correção no parágrafo da DEPECON; onde se ler (17 vagas de residencia médica), leia-se 08 vagas R1, admtindo ter sido um erro do site da Liga.

SÉRGIO LUCENA

SÉRGIO LUCENA
HOMENAGEM PÓSTUMA

CONGRATULAÇÕES E JUSTIFICATIVA

Ignácio:
Sem dúvida Clemildo, foi um momento histórica pra voce e todos nós pombalenses que acompanhamos todo seu trabalho, assim como a sua vitoriosa trajetória no mundo do rádio e do jornalismo. Infelizmente, como já lhe expliquei fui um ausente nesta grande festa. Mas, onde estava, numa reunião demorada e cansativa, lembrava-me a todo momento, com uma ponta de tristeza por não estar presente. Tem nada não, noutras oportunidades nos encontraremos. O que conteceu foi apenas início de uma série de manifestação de reconhecimento do seu valor como abnegado homem de comunicação,com relevantes serviços prestados a comunidade do qual é parte integrante, Abraços Ignácio Tavares.

Caro amigo Clemildo:

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer ao amigo o convite da sessão da entrega da Medalha Epitácio Pessoa ao nobre repórter. Não pude comparecer, fato que já havia explicado a você por conta de exames de saúde que iria realizar na capital paraibana. Mas, acompanhei o desenrolar da sessão da Assembléia Legislativa, através da Rádio Liberdade FM 96,3. Gostei muito do que você falou lembrando as coisas do rádio de Pombal - PB. E naquele momento lembrei muito da campanha de prefeito do ano de 1976, embate que ficou marcado em minha memória, embora adolescente, via você na veraneio do PMDB, veículo que você mesmo denominou de amarelinho, como também do célebre comício da rua Capitão Lindolfo, mais conhecida como rua do Fogo, onde você, juntamente com José Coelho, hoje residente em São Paulo, anunciavam a presença naquele momento do grande orador e saudoso senador o Dr. Marcos Freire. Do amigo de sempre, Joaquim Candido da Silva Filho.

Postagens mais populares

Barra de vídeo

Loading...

EXCLUSIVO: ENTREVISTA DO CANTOR NILTON CESAR AO RADIALISTA CLEMILDO BRUNET

CLIQUE NO PLAY E OUÇA A ENTREVISTA.

COMENTÁRIO: A FAMÍLIA "ESPALHA" E SEUS MENESTRÉIS.

Gostaria de parabenizar o amigo professor Vieira pelo belo artigo sobre a família Espalha. Tive o prazer de conhecer um dos membros desta conceituada família o saudoso Bideca, seresteiro por ofício e boêmio por natureza. A sua ausência hoje sentida por todos que com eles conviveram me fazem refletir, "Belos tempos, Belos dias"
Adriano Fernandes

Caro Vieira, bom dia.

Somente hoje tomei conhecimento do seu artigo sobre os “Espalhas”, estava de férias e me desliguei de tudo.

Fiquei surpreso e emocionado com o artigo e a origem da palavra “espalha”, confesso que desconhecia esses detalhes.

Aquela rua em que morou Chico Espalha (por várias décadas), deveria ter o seu nome, porque ele foi um dos pioneiros dali, juntamente com meu avô “seu Otávio frandeleiro”, Euclides, Zé Branco, Julio Barbosa, e outros mais que não recordo no momento.

Infelizmente a intitularam Domingos de Medeiros, que talvez nem conhecesse o local e nem a família Espalha. Lamentável.

Agradeço em nome de todos os Espalhas em vida, e a lembrança registrada daqueles que se foram e fizeram parte do nosso convívio.

Até uma próxima oportunidade

Valdir Mendonça

AGRADECIMENTO

Meu amigo-irmão Clemildo, agradeço de todo coração os seus elogios com relação ao meu (nosso) passado pelo mundo radiofonico - principalmente em Pombal onde tudo começou.
Logo que cheguei em Cajazeiras na manhã da sexta-feira foram muitos amigos me informando da sua postagem no face book - (você tem seguidores que não acaba mais).
Também minha imensa surpreza da informação por parte da presidente da API Marcela Sintônio, o ex-presidente da nossa Associação João Pinto e vários e vários outros colegas da imprensa paraibana que foram a Cajazeiras para a festa da Reencontro e que são seus assíduos leitores-seguidores.
Por fim agradeço pelas gentis palavras dizendo; você foi generoso até demais para com esse seu discípulo.
Obrigado Irmão!!
Otacílio Trajano

CONGRATULAÇÕES / MEDALHA EPITÁCIO PESSOA.

Mary Loide Brunet:
Parabéns! Vc fez por merecer! Também fico muito feliz e honrada com a honra que lhe é reconhecida. Mary Loide.

Marcelino Neto:
Amigo Clemildo! Não pude comparecer ao seu evento maravilhoso. No entanto registrei na Espinharas de Patos o fato e acredite fiquei muito feliz pela sua conquista. Certamente entre tantos importantes nomes da radiofonia pombalense e paraibana o seu para mim é um dos maiores destaques. Um abraço professor!