CLEMILDO BRUNET DE SÁ

A ESPERANÇA LÁ NO MEU PÉ DE SERRA

Jerdivan Nóbrega de Araújo
Jerdivan Nóbrega de Araújo*

O velho e solitário sertanejo olha para o horizonte, sempre em direção ao leste: o vento leste é sempre mais promissor. Nuvens se formam em nimbos, que são nuvens espessas e escuras; geralmente desfazem-se em chuva, mas, sabe lá ele o que é nimbos? Volta para dentro de casa, observa o calendário que ganhou de brinde do dono da bodega do vilarejo: é março, é lua cheia e é também é dia 19. Ele sabe porque aprendeu com seus ancestrais que a lua cheia corresponde à plenitude de todas as coisas.
As sementes vão germinar e

A trágica instabilidade de uma situação perplexa

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

            A última pesquisa, na corrida presidencial, feita pelo IBOPE e apresentada na quinta-feira (17), aponta a presidente Dilma Rousseff, ainda com a preferência popular, entretanto, caindo de 40 para 37%, número esse que acende uma luz amarela, pois, é o limite, ou a fronteira para quem está concorrendo à reeleição, o caso da presidente.
            Essa nova realidade, mudou a leitura e o comportamento no meio político  nos governistas, pois, até então os dados apresentavam uma situação bastante cômoda, com números estabilizados e até,

RUA DO COMERCIO DOS NOSSOS AVÓS

Jerdivan Nóbrega de Araújo e
Verneck Abrantes de Sousa*
De onde vêm tantas lembranças?
Do lado esquerdo, Na rua Leandro Gomes de Barros, a “Marinete”  de Doca de seu Mizim esfria o motor à  sombra do velho framboyam que, ignorando o tempo quente, estar  sempre sangrado suas flores vermelhas. Caminho um pouco mais, pego a esquerda, entro no “Beco da Cadeia”, onde moram seu Bembem e seus filhos:  Chiquinho e Cicero de Bembem. Mais um pouco e já estou no início da Rua do Comércio, lugar dos meus ancestrais e também de muitas histórias, acontecimentos diários e de saudade que vêm e

DIANA ASSIS, MADRINHA DOS RADIALISTAS DE POMBAL FAZ ANIVERSÁRIO!

A Professora DIANA MARIA  DE ASSIS OLIVEIRA, Madrinha dos Radialistas e Comunicadores  pombalenses  está aniversariando na feliz data de hoje 23 de abril.  Recebe os mais efusivos parabéns dos comunicadores de nossa terra, bem como de seus amigos e familiares.
Registramos com prazer este feliz acontecimento e

SEVERINO COELHO VIANA

 
Clemildo Brunet
Clemildo Brunet* 

Hoje como ontem, a sociedade tem sido agraciada por Deus com homens vocacionados na arte de escrever: poesias, romances, histórias e fatos do passado elucidando-os sob a luz do presente. 
Exemplo raro em nosso meio social é o Dr. Severino Coelho Viana, depositário de um cabedal acrescido de inteligência, capacidade e sabedoria. Disse bem o Promotor de justiça Fred Coutinho a seu respeito: “Severino Coelho Viana representa a essência do sertanejo sonhador. Um humanista vocacionado na arte de escrever”. 
Com avidez e

Momentos de reflexões fazem parte da inteligência

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

            O mundo cristão lembra a morte e o renascimento de Jesus há muito tempo. Esse fato é tido como um dos mais importantes ato religioso para o Cristianismo. Como fui criado dentro dos preceitos da igreja católica, meus  pais eram católicos, por isso fui batizado e crismado nessa religião;  quando chega essa época sou tomado por um sentimento de lembranças e saudades dos tempos que comemorávamos essa data, que não é fixa no calendário, decorrendo sempre entre os dias 22 de março e 25 de abril, e de uma forma diferente que costumamos comemorar nos dias de hoje.
            Final dos anos 1950 e

RUA DO CINEMA DE OUTRORA

Francisco Vieira
Francisco Vieira*
            Caminhando na Jerônimo Rosado a rua lembrou-me o passado sentindo-me criança outra vez. Nesse retroceder imaginário vi-me na Rua do Cinema dos anos sessenta, como aprendi a chamar o pedacinho de chão onde vivi parte da infância e adolescência.
        Em que pese ser Jerônimo Rosado o patrono, ilustre filho da terra, é conhecida por rua do cinema, devido o Cine Lux, casa de espetáculos que ali funcionou durante décadas se tornando uma referência histórica de Pombal. Seus moradores, muitos já falecidos, formavam um grupo heterogêneo de pessoas das mais variadas profissões, tais como: comerciantes, fazendeiros, alfaiate, farmacêutico, enfermeiro, bancários, caminhoneiros, médicos, etc. E,

MINHAS DÚVIDAS, MINHAS ESPERANÇAS

Ignácio Tavares
Ignácio Tavares*

As minhas dúvidas, de forma mais acentuadas, despontaram na transição da adolescência pra idade adulta. Foi a partir daí que entendi que o mundo não era tão certinho como acreditava que fosse. Antes dessa fase, lá pelos idos da minha infância, pela primeira vez, movido por dúvidas, questionei algumas pessoas da família no interior da mais importante templo da cidade.
 Foi isso mesmo, na ocasião, justo na semana santa, ao lado da minha Mãe, bem como das tias Enedina, Emília, escutava preces e

CEZÁRIO DE ALMEIDA: O PEQUENO GIGANTE INTELECTUAL

 
Clemildo Brunet
CLEMILDO BRUNET*

15 de abril aniversário do nosso estimado amigo, Doutor e Professor JOSÉ CEZÁRIO DE ALMEIDA pessoa ilustre do nosso torrão natal, que tendo se esmerado na escola do saber e do conhecimento, destaca-se hoje nas colunas sociais, na sociedade e no meio universitário sendo benquisto de todos. A relevância está no fato de ser um dos mais expressivos expoentes de inteligência e

Agimos sub-repticiamente rumo ao mundo dantesco dos incautos

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

A evolução do homem tem sido uma constante em toda sua existência, no início trabalhava pela sua sobrevivência com o uso específico dos recursos naturais, extraindo da terra os nutrientes necessários para alimentação do corpo, nada mais que isso, numa consciência, talvez até inconsciente,  da divisão dos recursos disponíveis e ao seu alcance, com os seus pares, numa atitude de respeito ao seu semelhante.
Nesse gesto, talvez o primeiro gesto humano, surge as aldeias, as comunidades, as sociedades, para lutarem, juntas, contra as adversidades da natureza e ataques de outros animais fisicamente mais fortes, entretanto, sem a inteligência humana; até mesmo de outros grupos de humanos que vinham em busca das suas reservas, quando as sobras ocorriam em áreas de terras mais férteis e abundantes na sua produção de alimentos; a água nunca foi problema, pois, normalmente as aldeias se formavam às margem dos rios sempre cristalinos. Quando havia escassez de alimentos mudavam para nova área e

LINHA FÉRREA – COMPLETO ABANDONO

Genival Severo
GENIVAL SEVERO*

                       Desde o ano passado que os moradores da Cruz da Menina, Guindaste e Bairro dos Pereiros, nunca mais ouviram o apito do trem nem os velhos trilhos estremecerem perto de suas casas. É que os trens de passageiros e cargueiros há muito tempo que não se vê passando por ali. Por conta disso, é que a linha férrea como é do nosso conhecimento, está em completo abandono. Até mesmo a turma da conservação da estrada de ferro, melhor dizendo, os ferroviários, ou cassacos como antigamente eram chamados, sumiram. Não existe mais nada. 
                       Os trilhos estão cobertos de matos. Uma vegetação espinhosa conhecida no sertão como “jurema”, está fechando o caminho de quem anda a pé por ali, ou faz caminhada no sentido do sítio “Lajedo” /Arruda Câmara. O cenário de abandono é muito visível como se vê nas fotografias. Na metade da década de 90, os trens de cargas ou cargueiros, entraram em decadência, dando lugar aos caminhões e

Insaciáveis

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

Há no seio da humanidade um toque incompreensível de insaciabilidade e insatisfação. O homem sempre procura a felicidade, às vezes convive com ela, mas, só percebe sua existência quando deixa escapá-la.

Oscar Wilde era categórico em dizer: “A insatisfação é o primeiro passo para o progresso de um homem ou de uma nação”. Já Ismael Domingos expressa que: “O início de uma revolução é dada por insatisfação, porque somente os insatisfeitos causam revoluções”. Esses pensamentos demonstram que realmente o homem em determinados momentos de sua existência, diante da conjuntura econômica social que beneficiava os governantes e

HISTÓRIAS DO RÁDIO EM POMBAL


Breve a radiofonia pombalense terá sua história narrada em livro. Histórias do Rádio em Pombal. O livro é de autoria do radialista, blogueiro e colunista Clemildo Brunet de Sá. O encaminhamento a Editora União foi feito pelo escritor pombalense engenheiro Paulo Abrantes Oliveira que é o prefaciador e patrono.
Foto: Arte da capa de JC Araujo Carlão.


HISTÓRIAS DO RÁDIO EM POMBAL EM LIVRO

Jerdivan Nóbrega de Araújo
Jerdivan Nóbrega de Araújo*
            
O Dia Mundial da Rádio é celebrado desde 2012 no dia 13 de Fevereiro. A data foi declarada pela UNESCO no ano anterior e as razões para a sua escolha prendem-se com o dia 13 de Fevereiro de 1946, em que a United Nations Radio emitiu pela primeira vez um programa em simultâneo para seis países.
            Para Pombal a história da radiofonia começa lá pelos idos de 1950, com a chegada do compositor Rosil Cavalcanti a nossa cidade, para onde veio a trabalho na fabrica de processamento de óleo vegetal, Brasil Oiticica S/A. Foi ele quem primeiro pensou um sistema de difusão para a nossa cidade: a Difusora Tupi. O nome foi inspirado na Rede Tupi de televisão ou TV Tupi, que foi a primeira emissora de televisão do Brasil e

PALHOÇA PANATI: UM PASSADO VIVO

Francisco Vieira
FRANCISCO VIEIRA*

            Como saudosista em potencial, vez por outra, num fluxo e refluxo da imaginação, trago o passado para o presente e revivo o ontem como se fosse hoje. Com base nesse fundamento, refiro-me a Palhoça Panati, que por sua marcante atuação socioeconômica, tem imensurável valor na história de Pombal.
            A palavra Panati em Pombal, não se restringe a denominação de uma tribo indígena da família dos Cariris, índios que povoaram a região no Séc. XVII. Sua ação vai além do significado da palavra. Num sentido mais amplo, significa diversão e

Quando a algaravia do anacronismo extrapola a sensibilidade humana

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

            As razões pelas quais somos levados a aceitar determinadas idéias e refutarmos incondicionalmente outros padrões comportamentais, está intrinsecamente ligada a tudo aquilo que durante a nossa vida fomos construindo na nossa personalidade e é, sem dúvida, o resultado dos valores que fomos somando ao longo da nossa experiência. Tudo aquilo que foge a nossa capacidade de entendimento, por algum momento não fizemos questão de nos aprofundarmos na sua essência por não acharmos relevantes ou mesmo que tivesse alguma importância para o nosso desenvolvimento.
            Nos últimos tempos temos observado que alguns valores estão sendo substituídos muito rapidamente e

“Boa noite Malásia”

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

            Oito de março, dia dedicado à mulher. O voo MH 370 saiu do aeroporto de Kuala Lumpur, na Malásia com destino a Pequim, na China, com 239 pessoas a bordo. Menos de uma hora de voo, por volta de uma hora e dezenove minutos, horário da Malásia, o comandante da aeronave dirigiu-se à torre de controle, dizendo: "Boa noite, Malaysia três sete zero".
            Uma frase normal do cotidiano de um piloto. Mas, a partir dali começaria um mistério que até o momento intriga o mundo. Fora o derradeiro contado do 370. Inexplicavelmente, o avião desapareceu. Como compreender esse sumiço? Vivemos no século XXI, tempo da alta tecnologia, com satélites e radares que são capazes de buscar a localização exata de veículos, navios e