CLEMILDO BRUNET DE SÁ

HISTÓRIAS DO RÁDIO EM POMBAL

Severino Coelho Viana
           A pessoa mais indicada para contar a História do Rádio de Pombal só poderia ser Clemildo Brunet de Sá, sem desmerecer os demais membros da mesma estirpe, figura impar no ramo, conhecer das intrigas e encrencas da Terra de Maringá, que viveu, presenciou e assistiu a fatos marcantes sobre a radiofonia pombalense, nos campos do acerto e desacerto, aventura e sucesso, realidade e comicidade, por isso, no aspecto da linguagem falada tudo é possível acontecer.
       Na verdade, o livro intitulado de: “Histórias do Rádio em Pombal”, de autoria do nosso conterrâneo e

Estórias que vivi...

Ignácio Tavares
Ignácio Tavares*
            Era uma tarde de um dia qualquer do ano de 1948. Conversávamos embaixo de uma oiticica depois de tomarmos um café preparado por Júlio Gazo. A conversa girava em torno do inverno que apresentava sinais de irregularidade, portanto havia fortes indícios de que podia ocorrer mais um ano de seca.
            Era o mês de março, havíamos plantado feijão e milho, consorciados com o algodão, ainda uma pequena área de arroz. As plantações antes vistosos, estavam estressados em razão da falta de chuvas. Eu e Felix aproveitamos o verão para limpar todo plantio e

O GRANDE HOTEL DE POMBAL: DE CHICÓ A ZÉ PRETO

Francisco Vieira
Francisco Vieira*
            Décadas de 60 e 70. Em vez de asfaltada era de terra batida à estrada que nos conduzia a Pombal. Apenas as principais ruas eram calçadas. O centro, além de igrejas e casarões seculares, abrigava escolas, cadeia pública, clubes e praças, formando um rico acervo histórico e comercial - uma combinação perfeita de arte e beleza que concentra grande parte da história e economia do município. Hoje tombado, o conjunto arquitetônico representa o cartão-postal da cidade, exibido com ostentação pelos filhos da terra. A propósito, ouso afirmar, ser o centro urbano mais bonito e

A Lei da Palmada

Teófilo Júnior
Teófilo Júnior*
            Sou pai de primeira viagem. Tenho um filho de oito anos, de modo que ainda estou, de certa forma, debutando no exercício de ser pai. De outro norte, se me falta experiência como pai, sobra-me o histórico de ser filho.
A prima facie, compreendo que educar não é tarefa das mais fáceis e envolve uma série de fatores convergentes, alguns de cunho subjetivo, emocional e até histórico. Não me filio a corrente de que a educação ou os métodos educacionais se enquadram em receitas prontas, em forma geométrica pré-definida ou

Temos vinte dias para desatarmos o nó górdio da Copa do Mundo

Genival Torres Dantas*
         Toda manifestação pública, respeitado o direito do outro, está respaldada na constituição, portanto, sob a égide da Lei, conforme Art. 5°, da Constituição Federal. É tácito que todos nós temos o direito de manifestarmos nosso ponto de vista, entretanto, o que temos visto nos últimos dias são pessoas, ou grupos, se impondo pela força, com uso das armas, em nome da democracia, subvertendo valores e transformando o dia a dia dos brasileiros trabalhadores num verdadeiro inferno, sem ter a quem e

HONRARIA DA ALPB AO RADIALISTA CLEMILDO BRUNET

Pronunciamento do Jornalista João Costa da Tribuna da Assembleia Legislativa do Estado da Paraíba - ALPB, por ocasião da outorga da Medalha Mérito Jornalístico Assis Chateaubriand ao Radialista e Jornalista Clemildo Brunet de Sá em 07 de novembro de 2013 DIA DO RADIALISTA.






JOÃO COSTA NASCEU EM POMBAL É NOSSO CONTERRÂNEO E AMIGO. INICIOU SUAS ATIVIDADES FAZENDO REPORTAGENS NO LORD AMPLIFICADOR NA DÉCADA DE 70. HOJE É UM DOS MAIS CONCEITUADOS JORNALISTA DA IMPRENSA PARAIBANA . ACOMPANHA AS SESSÕES DO PARLAMENTO DA PARAÍBA PARA A RÁDIO ARAPUAM DE JOÃO PESSOA. RADIALISTA, JORNALISTA, DIRETOR DE TEATRO, ALÉM DE ESTUDIOSO DE ASSUNTOS LIGADOS À GEOPOLÍTICA, SENDO TAMBÉM REPÓRTER DE POLÍTICA DO paraiba.com.br

Presbítero Clemildo Brunet de Sá lança livro de sua autoria sobre radiofonia na cidade de Pombal/PB.

Clemildo Brunet de Sá
maio 24, 2014 | 1 Comment
No próximo dia 31 de maio de 2014, no município de Pombal, sertão paraibano, o presbítero, membro da Igreja Presbiteriana do Brasil naquela formosa cidade, Clemildo Brunet (foto), estará, não apenas lançando, mas, presenteando seus conterrâneos e amigos de várias outras cidades e regiões da Paraíba, que lá estarão, com o livro de sua autoria  cujo título é: HISTÓRIAS DO RÁDIO EM POMBAL e de preço módico de apenas R$ 30,00 (Trinta Reais), autografado.
O presbítero Clemildo é considerado como o “pai” da comunicação em Pombal; foi com ele e

A DITADURA MILITAR E OS ESTUDANTES DE POMBAL NA COPA DE 1970

Jerdivan Nóbrega de Araújo
Jerdivan Nóbrega de Araújo*

             Em Pombal, o resultado do vestibular era esperado com a mesma ansiedade de uma final de Copa do Mundo. Os pais recebiam os louros da luta travada contra tudo e contra todos para “formar” um descendente, e festejavam a alegria de ter um filho estudando na capital, que voltaria a cidade com um “canudo” nas mãos. E eram muitos os filhos de Pombal que deixavam a velha urbe para buscar um “canudo” na Capital.
            Quando chegava o final do ano, a cidade ganhava novos ares. Eram os jovens “acadêmicos” que

A lassidão do governo torna sistêmico o quadro de violência

Genival Dantas
Genival Torres Dantas*
      É recorrente lermos e ouvirmos afirmações, pelos meios de comunicações, que a falta de políticas de segurança, voltadas para a contenção dos focos de distúrbios sociais, com os atos de violências, transformados em estado de violência, surgidos a partir de junho de 2013, e a incidência degenerada da corrupção nos meios governamentais, apontados pela imprensa investigativa tem levado o país a uma comoção social cujos reflexos estamos sentindo no caos que foi transformado os dias de tumultos para aqueles que, principalmente, vivem nos grandes centros urbanos. A situação já vinha de difícil controle, apenas aquela data, junho de 2013, se transformou numa nova etapa para um país que até então era o símbolo da tranquilidade e harmonia para os que aqui vivem.
            Temos que admitir que o país não é e não será mais o mesmo. Mudamos para pior, o bandido já não se conforma em apenas roubar, assaltar, traficar, transformar o homem comum em refém, com os sequestros relâmpagos e

DISCURSO DO DEPUTADO VITURIANO DE ABREU NA TRIBUNA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA PARAÍBA

DIA DO RADIALISTA 07 DE NOVEMBRO DE 2013 NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA PARAÍBA. OUTORGA DA MEDALHA MÉRITO JORNALÍSTICO ASSIS CHATEAUBRIAND AO RADIALISTA E JORNALISTA CLEMILDO BRUNET. VEJA VÍDEO

“A RADIOFONIA POMBALENSE TEM SEU LIVRO”

Clemildo Brunet
Clemildo Brunet*

No Centenário de Pombal quando houve o lançamento do livro de Wilson Nóbrega Seixas, edição (1962) de O Velho Arraial de Piranhas (Pombal), o historiador Celso Mariz apresentando a obra disse: “Pombal tem seu livro”. Parafraseando Celso Mariz afirmo: A radiofonia pombalense tem seu livro.
Há cerca de sete anos nasceu-me à ideia de escrever um livro que trouxesse a lume a história da nossa radiofonia, despertado que fui por uma estudante universitária buscando informações sobre a comunicação e

O LIVRO HISTÓRIAS DO RÁDIO EM POMBAL

Verneck Abrantes
Verneck Abrantes*

O cronista Clemildo Brunet de Sá, que tem a insígnia de ter sido o organizador, continuísta e ter consolidado a difusora e a rádio pombalense, agora nos proporciona com a publicação de um livro que vai fundamentar parte da história da difusora e a rádio de Pombal, deixando para hoje e

Do sonho ao pesadelo

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

                   Era madrugada, um imenso oceano de águas verdes, ondas que vinham e, imediatamente, se recolhiam, banhando as areias da praia. Um infinito horizonte ao alcance do nosso olhar. Em meio às águas, numa linha distante que une mar e céu, lentamente o sol começou a se levantar, até que, com sua energia e luz dourada, transformou a escuridão no amanhecer de um novo dia.
                Com a manhã, abri os olhos. No jardim, vi o balé de um beija-flor. Sabiás, curiós, golados, galos de campina e

Uma luz que nunca se apagará


Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

          Por mais que o homem fuja do eixo da sensibilidade ele jamais se afastará dos seus princípios fundamentais, aqueles que movem suas ações e sentimentos. Ele será sempre
Um ser voltado para o inicio da vida, por tudo aquilo que lhe completa. E o início da vida está diretamente vinculado ao berço, à pátria, a mãe.
            O berço é a noção do inicio, da infância indo até a juventude, fases da vida, muito embora com dependência total para nos mantermos, e

MEDALHA ASSIS CHATEAUBRIAND PELA ALPB AO RADIALISTA E JORNALISTA CLEMILDO BRUNET DE SÁ.

DISCURSO DO PROMOTOR DE JUSTIÇA SEVERINO COELHO VIANA, POR OCASIÃO DA SESSÃO SOLENE DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA PARAÍBA EM 07 DE NOVEMBRO DE 2013. DIA DO RADIALISTA. ENTREGA DA MEDALHA MÉRITO JORNALÍSTICO ASSIS CHATEAUBRIAND AO RADIALISTA E JORNALISTA CLEMILDO BRUNET.

MÃE: UMA SÓ

Clemildo Brunet
Clemildo Brunet*
            Muito acertada a escolha do segundo domingo de maio para as homenagens as mães em todo o mundo, tanto pelo seu valor histórico inicial, como também na forma coletiva de se reunir em cada lugar onde houver uma mãe, os filhos ao seu redor prestar-lhes as homenagens que lhe são devidas. Bom seria que ela não fosse lembrada tão somente nesse dia em meio à efervescência das comemorações, mas sim em todos de sua existência. È como diz o ditado: Mãe: uma só.
            Tão singelo é o nome de mãe que coaduna muito bem com o sentimento sublime do amor.  O sentimento de mãe fala mais alto do que as palavras. Ela é a essência personalizada do amor que se deixa extravasar ainda que seus filhos não lhe deem a devida atenção. Excetuando o amor de Deus pela humanidade, o amor de mãe excede toda extensão da capacidade e

Quando o dinheiro não supera a integridade moral de um homem

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

            Incrível como somos sacudidos por algumas observações ou colocações que nos chegam até mesmo por um inocente e-mail, foi o que ocorreu comigo nessa manhã de outono, ainda no lusco-fusco do dia. Um amigo a quem deposito uma profunda admiração e respeito pela sua integridade moral, um dos, ainda existem, homens que preferiu o recolhimento do seu lar a ter que continuar convivendo com a degradação política que sacode nosso país. Ele se retirou por não suportar a convivência maléfica com tantos deturpadores da ordem pública, como vermes insatisfeitos permanecem 24 horas a sugar toda e

INIMIZADE VIRTUAL

Severino C. Viana
Por Severino Coelho Viana*
            
      A politicagem tem um poder desmedido sobre o controle emocional das pessoas, principalmente aqueles que não sabem usar a força do argumento, mas usam o argumento da força, apesar de ter guardado o canudo de papel no fundo da maleta. E quando a alienação toma conta da mente é um deus-nos-acuda. Esquecem-se as normas de civilidade.
            A visita pessoal é coisa do passado. O sentar na calçada uma raridade. A prosa divertida nas calçadas já era. No facebook é assim, você envia e

LEMBRANDO PADRE SOLON

Ignácio Tavares

Ignácio Tavares*

                                                      Nasceu em 04/05/1935
                                                      Faleceu em  03/06/2006
Pe. Solon Dantas de França
                                                                                                                     

      Quando Padre Solon chegou a Pombal, pra mim não passava de um ilustre desconhecido. Foi através de pessoas amigas que o conheci num encontro casual no adro da Igreja Rosário, justo no domingo antes da celebração da missa.  O encontro foi rápido, portanto, não foi possível criar um elo que nos pudesse estabelecer uma relação de amizade. Outras vezes nos encontramos, noutros ambientes, da mesma forma, nada aconteceu.

04 DE MAIO: POMBAL, 242 ANOS DE EMANCIPAÇÃO

Clemildo Brunet
Clemildo Brunet*
            
          04 de maio de 1772 é a data em que se deu a Emancipação Política do município de Pombal na Paraíba, ocasião em que a povoação de Bom Sucesso do Piancó (Pombal) de Arraial era elevada a status de Vila, passando a ser chamada de Vila de Pombal. Essa é uma das muitas histórias de nossa terra querida, que precisa ser contada as gerações do presente e

Aproxima-se dias de perplexidade

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

         Século passado, anos de 1960, o Brasil estava mergulhado na campanha política para a Presidência da República e Governadores dos Estados. Eu era um garoto mas, tinha a política nas veias que alimentava o corpo, permitindo que a alma fosse partidária dos conceitos que regiam os movimentos interioranos, observando o fragor das passeatas, por ruas muitas delas sem pavimentação, e a poeira provocada pelos paços céleres dos simpatizantes e

VEM AÍ...


Filemon Estevão de Sousa: Noventa anos de falecimento do meu bisavô

J. Romero Araújo Cardoso
José Romero Araújo Cardoso(*) 

          Nascido no ano de 1872, pouco depois da promulgação da Lei do Ventre Livre, Filemon Estevão de Sousa descendia de antigos troncos negros trazidos para Pombal, escravizados nos algodoais que proliferaram na região, principalmente quando da impossibilidade do sul do atual território norte-americano fornecer matéria-prima indispensável às fábricas têxteis inglesas.
         A avó materna, cujo nome as reminiscências familiares perderam, era sofrida escrava que serviu à desumana plantation sertaneja. Não se sabe a descendência direta, se Malê, Banto, Iorubá ou outra etnia africana.
         Filho de Izabel Estevão e