CLEMILDO BRUNET DE SÁ

O sonho do idílio não pode morrer

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

O planeta terra passa por uma metamorfose das mais significantes e num curto espaço de tempo. Não tenho dúvidas que não somos apenas partícipes desse processo, mas, contextualizados em toda sua plenitude. Fazemos parte de um momento da história universal quando as transformações mudam conceitos, formas de vidas e maneiras de pensar dos homens que sempre buscaram respostas positivas nos mistérios que a vida nos envolve.
Depois de milênios ainda buscamos a terra prometida, a historia nos narra os feitos de Moisés e

Sombria existência

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga

Quem visitar os sobreviventes das periferias desse imenso mundo, sentirá a força da miséria. Um povo nascido sem direito algum, até de não escolher o seu destino.
Em taperas, palafitas, barracos e desertos cruéis subsistem. Alguns dividindo quatro paredes de plena ausência de privacidade, de promiscuidade e de abandono. Esgoto e lixo fazem parte do chão que pisam, por isso, equivocadamente, “a sadia sociedade dos aquinhoados” trata-os como se fossem detrito daquele mesmo ambiente.
No calor e

Será o despertar da serpente?

Rinaldo Barros
Rinaldo Barros*

“O Ovo da Serpente” é o nome de um filme de Ingmar Bergman que mostra os conflitos e a desordem que antecederam a ascensão do nazismo. Dizem que a história só se repete como farsa. Todavia, refrescando a memória dos mais desligados, relembro:
No início da década de 1930, a Alemanha tinha a economia extremamente turbulenta.
A crise econômica mundial que havia se iniciado em 1929 havia atingido o país em cheio e milhões de pessoas estavam desempregadas. Na memória de muitos ainda estava fresca a humilhante derrota alemã frente à França, quinze anos atrás, na Primeira Guerra Mundial, e

Na ausência da axiologia confunde-se “Res Pública” com “Res Privata”

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

No atual governo apócrifo, os transgressores tentam de forma até estapafúrdia se manterem no poder, principalmente os políbios que se dizem acossados e se refugiam nas casamatas, cercados pelos seus sectários com objetivo único de amealhar simpatizantes na tentativa de fugir das regras impostas constitucionalmente e usadas politicamente por adversários na tentativa de afastamento de ocupantes dos cargos de relevância e

105 ANOS DO NASCIMENTO DE JOSÉ BENIGNO DE SOUSA – SEU LELÉ

Jerdivan Nóbrega de Araújo
Jerdivan Nóbrega de Araújo*

Nascido dia 22 de outubro de 1910, faleceu no dia 12 de janeiro de 1996 aos 86 anos. Era filho de Felemon Estevão de Sousa e Ana Benigno de Sousa. Seu Lelé, como era mais conhecido, casou-se em 1948 com Elisa Abrantes de Sousa, nascendo da união: Eliezer Gandhi Abrantes de Sousa - Engenheiro civil (in memória), Elisane – Assistente Social, Verneck Abrantes de Sousa – Engenheiro Agrônomo, Eliene – Formada em Enfermagem, Maria do Socorro – Universitária em Psicóloga(in memória), José Filho - Economista, Francisco José – Ciências Contábeis, Economista e advogado, e Cândida Abrantes de Sousa.
Exerceu várias atividades: trabalhou na agricultura nas terras da sua mãe, foi “apontador de trabalhadores” na construção da linha do trem, manteve uma alfaiataria por muitos anos como profissão maior. Em 1955 foi eleito vereador e

Volta, Santa Roza!

João Costa
João Costa*

Para sua consideração - Volta, Santa Roza. O dramaturgo e escritor Tarcísio Pereira, acaba de lançar esse movimento, que precisa de reflexão e adesão de velhos e novos artistas da nossa aldeia de Nossa Senhora das Neves e de todo o estado. Senhor Governador, não entenda os reclamos como oposição politica, mas com uma demanda social e cultural ao senhor e seu governo.
Numa conversa, quando o atual governador ainda era o Alcaide da cidade, ele manifestou a vontade de solicitar ao governador da época, Cássio Cunha Lima, a municipalização do Santa Roza. Foi só uma ideia dele, Ricardo Vieira. Depois, o falecido Luciano Agra e

De José Romero Araújo Cardoso para Marcelo Ferreira Lopes – Feliz Aniversário – Dia 18 de outubro de 2015 –

Marcela e Romero

Olá meu amor, hoje venho desejar-lhe feliz aniversário. Nesta data tão especial que está escrita em letras garrafais na minha mente, no meu imaginário, no meu coração, na minha alma, em todo meu ser, hoje, data especialíssima que se singulariza de forma magistral e extraordinária, pois você está indelevelmente inserida em minha história de vida, venho desejar-lhe tudo de bom, renovando minha proposta de sempre estar ao seu lado, lutando junto com você para que possamos construir um capítulo positivo em nossas existências permitidas por Deus e marcadas pelas atitudes e

Exército de Cuba combate na Síria

João Costa
João Costa*

Para sua consideração – A mídia nativa está tão engajada em derrubar o governo da Dilma Vana, que deu um apagão nos editores de Política Internacional, baratinados pelo que acontece na Eurásia e Oriente Médio. Parece que desaprenderam Geopolítica – acho que por conta da Internet, que abriu caminho para novas fontes de informação. Vejo no portal do Ministério da Defesa da Rússia, que Cuba enviou uma força expedicionária para ajudar no esforço da Aliança Militar formada pela própria Federação da Rússia, Síria, Iraque e Irã em derrotar o tal Ei (Estado Islâmico). Cuba mandou para os campos de batalha e petróleo da Síria, um contingente militar especializado em combate com tanques de guerra de fabricação russa - o Armata.
Eis que li a matéria do Ministério da Defesa Russa, depois de ver no Facebook – ferramenta que está me deixando dependente de observação e

Da crise ao esfacelamento um passo de gigante depauperado

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

Como eu gostaria de efusivamente escrever sobre bons resultados que o Brasil obtém no seu desenvolvimento industrial e cultural, e as crescentes medidas ao atendimento modelar que tem sido feito pela saúde pública brasileira, como também, das medidas corretivas e auxiliares na exemplar mobilidade urbana, tão bem tratada pelo governo e invejada pelas grandes potências mundiais; como ainda, a tranquilidade que reina mormente nas grandes concentrações urbanas em todo território nacional, em decorrência de políticas assertivas advindas da administração da segurança nacional e

Às favas com os escrúpulos, dona Dilma

João Costa
João Costa*

Para sua consideração – Encaremos a situação da mesma maneira como o telejornal Bom Dia Brasil – porta-voz do pensamento da famíglia Marinho -  prenuncia todos os dias para o país. O amanhã é sempre um dia mais escuro. Tem sido assim para as pessoas emparedas em seus infortúnios pessoais caminhando para o estado de sítio, se já não estamos nele. Para continuar mais confuso o entendimento da vida nacional na atual quadra, o Congresso Nacional virou o sexto dedo de um pé, uma espécie de segundo umbigo da Nação – uma anomalia política.
É preciso avisar a dona Dilma Vana, é preciso governar para quem a elegeu pela segunda vez, uma vez que os perdedores não aceitaram, e

Imponderável é não aprender com os erros cometidos

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

Com as derrotas no STF (Supremo Tribunal Federal), TSE (Tribunal Superior Eleitoral), CGU (Controladoria Geral da União) e o Congresso Nacional, imaginei que o Governo Federal tinha definitivamente chegado ao fundo do poço, ledo engano. Agora o MPF (Ministério Público Federal) anuncia rascunhos de pedaladas fiscais relativo ao em exercício em curso, 2015, cujos detalhes estão sendo levantados, alguns bilhões de Reais usados pelo governo junto aos bancos públicos, nesse caso, é

CRIANÇA ABANDONADA

Severino Coelho Viana
Por Severino Coelho Viana*

Não existe coisa mais bela do que o sorriso de uma criança. Traduz todos os sentimentos interiores que nós não sabemos decifrá-los. Na arte ninguém ainda pintou este quadro de perfeição. Na música ninguém cantou esta melodia harmoniosa. Na poesia ninguém versejou esta rima tão eloquente que nos transmite uma lição de vida.
No entanto, não existe paisagem mais triste do que ver uma criança ao desalento, uma pequena mão estirada pedindo um pedaço de pão, com os olhos arregalados mostrando o tamanho de sua fome. Esta é uma cena que corta o coração de qualquer vivente. Não há ser humano que resista quando olha este retrato da desilusão. O coração palpita mais forte, as mãos ficam trêmulas, a voz embarga e

Sonhos na lata do lixo

Rinaldo Barros
Rinaldo Barros*

Ninguém discute que o presidente Lula foi importante para que o patropi espantasse o complexo de vira-lata que o saudoso Nelson Rodrigues havia incrustado n'alma do brasileiro. 
Relembro também Mário de Andrade, em sua constatação sobre a metáfora do brasileiro como Macunaíma, o retrato cultural do povo brasileiro.
Vejam se não é a cara do Lula: segundo Mário, o brasileiro é “índio branco, feiticeiro, mau caráter, preguiçoso, mentiroso, egoísta, gozador, capaz de rir de si próprio e de nunca perder uma piada”.
Lamentavelmente, este é um terreno bastante fértil para, frente à impunidade, florescer atos de corrupção, praticados com naturalidade, sem que sejam vinculados com a questão da ética ou com a moral vigente.  Um passo para aceitar e

Inveja

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

Segundo Uindson Sousa: "A felicidade alheia é de difícil digestão para os invejosos."
Realmente, esse sentimento de desejar o mal, o ruim, cobiçar a felicidade do semelhante, é algo que empobrece muito o ser humano. Quem carrega a inveja, pode até ser belo fisicamente, no entanto, esse detalhe termina por transformá-lo numa pessoa feia, indecorosa, vil e

Um dia para ser esquecido pelo governo

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

Para os simpatizantes do governo Dilma, ontem (07), foi um dia para não ser lembrado, mormente se a sequência das ocorrências tiverem desfechos negativos daqui para frente. Três fatos devem ser ressaltados que deixam claro o momento de tormenta que passa o governo Dilma Rousseff, apenas para ilustrar a afirmativa, há um dito popular que diz: quem planta vento colhe tempestade.
O Congresso Nacional, pela segunda vez na semana, por mais esforço feito pelos líderes que verdadeiramente apoiam o governo, não deu o necessário quórum para votação dos vetos pendentes na pauta e

AJUDEM A PRESERVAR A MEMÓRIA DE JOEL JAVAN

Evandro Nóbrega
Por Evandro Nóbrega*

A INFAUSTA NOTÍCIA NOS CHEGA VIA O DR. Alfredo Bezerra. E DÁ CONTA DO FALECIMENTO DE UM PRIMO SEU, EM PRIMEIRO GRAU, O ENGENHEIRO, EX-PROFESSOR E ADMINISTRADOR DE EMPRESAS JOEL JAVAN TRIGUEIRO BESERRA, QUE TAMBÉM ERA MEU PARENTE E ATÉ "CONTERRÂNEO" (POIS TEMOS, COM MUITO ORGULHO, O TÍTULO DE CIDADÃO POMBALENSE).
A notícia, de fato, é dolorosa, além de absolutamente inesperada, mesmo sabendo-se que o amigo-irmão Joel Javan sofria de insuficiência cardíaca. Jamais seria de esperar, no entanto, que seu passamento ocorresse desta forma prematura! 

Uma reforma que não altera a crise nacional

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

No meu último artigo falei a respeito dos números que continuavam sinalizando o quadro crítico tanto político como moral e econômico, do governo central, em direção a bancarrota e levando por arrasto a economia privada. Com a tão esperada reforma ministerial, e secretarias com status de ministérios, o anunciado não passa de um rearranjo mal formulado, imprudente e insólito para o momento de aflição e

118 anos do fim da obstinada e heroica resistência da brava gente do arraial do Belo Monte

Marcela e Romero
José Romero Araújo Cardoso [1]
Marcela Ferreira Lopes [2]

Dia cinco de outubro de 1897, sertão baiano, margens do vaza-barris circundado pela serra do Cocorobó. Explosões, detonações e todas as espécies torpes de destruição assinalavam o fim iminente da extraordinária sociedade alternativa marcada pelo emblema do messianismo alicerçada pelo beato Antônio Conselheiro e por milhares de sertanejos pobres e humildes que fugiam das secas, da prepotência do latifúndio e

Desertos e tempestades

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

Se há algo que nos deixa triste, nos dias de hoje, é a existência de campos de refugiados.
Na contramão da história relacionada à crescente evolução que vivemos na seara da ciência, da indústria, dos transportes, e, primordialmente, no campo da tecnologia, o homem insiste em se portar como um ser bárbaro, estúpido e