CLEMILDO BRUNET DE SÁ

O brasileiro tem uma verdadeira quizila contumaz contra o atual governo

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

Quem viu a PT (Partido dos Trabalhadores) sendo aplaudido pela maioria dos brasileiros, pelo menos no primeiro governo do Presidente Luís Inácio Lula da Silva (2003/2007), jamais podia imaginar que chega ser irredimível esse sentimento de repulsa contra os políticos que compõem o PT, e de rescaldo, na leva, todos os componentes dos partidos aliadas que constituem a base de apoio do governo Dilma.
Os números continuam a fornecer dados corroborando com o desastre facetado nas ações governamentais, seguidamente compostos de arroubos impensados, portanto, incorretos e
infestados de erros milimetricamente condenáveis para alguém que se candidata e é eleita pelo voto popular a dirigir os destinos de uma nação sobejamente reconhecida como desenvolvimentista e em pleno crescimento, mas, com resquícios de um futuro pródigo e alvissareiro. Assim se realiza a profecia, tudo que é feito sem um critério avaliado e sistematicamente auferido por um corpo técnico capaz, eficiente e eficaz, a bancarrota virá sorrateiramente e proximamente.
O que está acontecendo com o Brasil já é de conhecimento universal, os governos tentam se manter no poder usando de artimanhas e artifícios mirabolantes, indiferentes ao que possa vir de mais perverso no futuro, o objetivo é um só, a manutenção do poderio dos encantos que o próprio poder proporciona. Temos um país que é governado por uma ala sem nenhuma experiência em políticas públicas que vem cometendo barbaridades em nome da governabilidade; outra corrente que já foi poder tentando voltar ao estágio anterior, incomodado com a posição de oposição, nesse caso, para retornar as benesses proporcionadas pelo feitiço do Estado.
Convém ressaltar, a grande massa não está descontente apenas com os preços majorados diuturnamente, cujo barulho das etiquetadoras já lembra os anos 1980, principalmente o governo Sarney, com seus planos insanos e mal elaborados, os juros escorchantes e abusivos, as falcatruas dos políticos mal intencionados e de malversações inimagináveis, da corrupção que solapa a moral e os bons costumes da nossa sociedade, e corroem a economia nacional, levando o Estado brasileiro ao estágio falimentar. Pior que isso, o brasileiro não suporta conviver com um governo feito e alicerçado sobre mentiras e disfarces inescrupuloso, tantos são os escândalos que não tem mais estrutura moral e emocional para conviver com a descompostura da insanidade que sobrou dos percalços dessa dicotomia tétrica e hilariante. 
Nessa luta do mar sobre o rochedo sobram denúncias de corrupção para todas as alas, fica claro que não há inocentes nessa peleja, apenas quem cometeram pequenos ou grandes trambicares, mas, todos são comprometidos com desvio do erário público. É uma pena que tenhamos um Estado definitivamente permeado de corruptos e corruptores emaranhados na rede de pesca cujo arrastão feito pela polícia e justiça federal, está trazendo a tona nomes de pessoas e entidades que causam calafrios no mais indiferente do brasileiro quando se trata de política.
O rebotalho que sobrou dentro do Congresso Nacional em defesa do atual governo ainda sobrevive a lardear frases soltas aos ventos, tais quais: “não vai ter golpe, vai ter luta”. Essa frase é nova, deve ser uma peça de marketing montada na calada da noite para amedrontar os menos avisados e os que não têm firmeza de caráter. Não é o caso dos que querem e lutam pelo Impeachment da Presidente Dilma e a defenestração dos lacaios que invadiram a República com o único objetivo de se locupletarem do nosso suado dinheiro, pago com muito sacrifico pelos brasileiros de bem.
Finalmente, o relator da comissão especial do impeachment da Dilma, Jovair Arantes (PTB/GO), é favorável ao afastamento da Presidente, apresentando aos membros do Comitê, quarta-feira (06), parecer favorável a abertura do processo, mais ainda, possibilitou, no relatório, a possibilidade do senado incluir novas provas e discussão das pedaladas fiscais do mandato anterior, ou seja, de (2010/2014). Estamos chegando ao momento em que teremos uma definição do Congresso Nacional. Qualquer que seja ela vai ser muito dolorido para todos nós, se a Presidente Dilma vier a ser afastada seus apoiadores vão se insurgir contra os poderes constitucionais, nada devemos temer, somos a maioria e com razões suficientes para defender a causa que abraçamos. Caso o impeachment não seja aprovado, o Brasil vai continuar nessa esbórnia da inércia e do despudoramente governamental que temos convivido nos últimos anos.
Por tudo isso posta, só tem a lamentar nossa triste sina, se correr o bicho pega, se ficar o bicho come, mas, tenho certeza, se continuarmos abraçando essa causa justa, que é a luta pela Democracia e a devolução do Estado ao povo brasileiro, certamente, o bicho vai fugir, tudo é uma questão de tempo e perseverança, acreditar sempre, desistir jamais.
*Poeta e Escritor

genival_dantas@hotmail.com

Nenhum comentário: