CLEMILDO BRUNET DE SÁ

Realisticamente, verificar o opróbrio da Presidente Dilma nem é preciso fazer liame arguto

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

O estado de esfacelamento em que se encontra o cargo da Presidente Dilma Rousseff é o resultado de um contínuo desgaste de uma gestão imponderada, inconsequente, despropositadamente de um egocentrismo nunca visto antes numa relação governo e governados num sistema presidencialista Democrático. É a esbornia de um grupo afeto a degradação humana, numa desfaçatez de compadrio promíscua exageradamente feérica. O dístico lulista “nunca antes nesse país” traduz bem o sentimento que quiserem impor a partir do momento em que a esquerda bancada pelo PT (partido dos trabalhadores), e
seus aliados quiseram impor à nação brasileira.
Desde 2003 temos que suportar falácias demagógicas com insinuações de destemperança total aludindo ao atual governo, de esquerda, que tudo que foi feito nos últimos 502 anos no Brasil, foi milimétricamente mal feito, com proveito apenas para a direita que sempre esteve no comando da nação brasileira, como se numa divisão de butim, de esmera divisão entre os apadrinhados do coloio da nata social, quando, efetivamente o que se percebe é que esse novo período foi de implantação de um sistema de favorecimento à base governista num verdadeiro conluio de tranbiqueiros expert em desvios de finalidades, principalmente quando nas decisões de chusma de parasitas, com formação clássica de Joselito.
Nessa formação de gaudérios pátrios hoje se escuta estertores a solapar as últimas migalhas do erário federal, como quem, a saber, do fim de uma missão que definha com o passar dos dias e horas. No Brasil de hoje não há espaço para quadrilhas profissionais sem o devido castigo em curto tempo, estamos na era das plataformas digitais, tecnologia de ponta, quando somos observados a todo tempo, durante o tempo todo, a impressão que fica é que não estamos imunes à eficiência dos avanços e sua complexidade, ainda bem que os contornos nos foca sempre dentro da curva como a mostrar que somos todos iguais nessa bazófia.
O Brasil mergulhado numa crise tão profunda e merecedora das atenções internacionais e os megalomaníacos ficam querendo discutir o sexo dos anjos, tentando por biombos na sujeira resultante dessa devastadora administração que enlameia a alma mais pura da República. É de se lamentar tamanha irresponsabilidade das autoridades que deviam ser competentes, entretanto, ficam mergulhados no fosso da incompetência e negligencia numa demonstração que não tem nem compromisso com o bem público e a população que vive entediada com o descaso com os serviços que deveriam ser prestados de uma maneira pelo menos humanizada e digna. O que temos visto são os atropelos e descuidos com a vida humana quando necessita de cuidados dos serviços médico e paramédicos, além, evidentemente, de assistência hospitalar. Normalmente, os pacientes ficam em filas de corredores lotados e sem nenhuma segurança ao ser humano, quando assistidos, passam por uma triagem rápida e sem o devido critério que a situação requer.
Partindo para o campo educacional, o Brasil que se diz uma “Pátria Educadora”, não disponibiliza os recursos inerentes os custos previamente acordados com a comunidade estudantil, principalmente aqueles que estão no 3º grau, numa fase preparatória para ingressar no mercado de emprego numa sociedade demissionária e sem perspectiva, pois, o país sem recursos faz da indústria e comercio um verdadeiro muro de lamentações, fechando portas, jogando à rua pais de famílias que ficam amargando a desventura de ficar sem poder sustentar mulher e filhos, uma verdadeira humilhação para quem tem vergonha na cara como é o caso do trabalhador brasileiro.
Ficamos, portanto, cercados da insegurança que o país nos oferece, com dez milhões de desempregados nas ruas e a entrada da mão de obra jovem que entra no mercado todos os anos, não precisa ser muito inteligente para saber que o caos é o destino de todos nós. Antes disso temos que tomar uma posição, acredito que a atual presidente não ofereça nenhuma expectativa de um futuro promissor, pelo contrário, com ela já admitimos um continuísmo de muita agonia e sofrimento para a classe trabalhadora. É preciso que o senado seja realmente eficiente e responsável e faço o seu dever de casa, afastando a presidente de suas atividades, e que possa assumir o comando o seu vice-presidente, nessa troca, que haja um tempo melhor, com novos rumos e um futuro esperançoso para os que querem apenas poder trabalhar e sustentar sua família com dignidade.
*Escritor e Poeta

genival_dantas@hotmail.com

Nenhum comentário: