CLEMILDO BRUNET DE SÁ

AINDA ESCUTO A DIFUSORA DO LORD AMPLIFICADOR

Jerdivan Nóbrega de Araújo


"Quando eu for embora para bem distante e chegar a hora de dizer a adeus” A difusora do Lord Amplificador não dá tréguas aos meus ouvidos. Cada música ali tocada expõe em carne viva a saudade que arrebenta no meu peito, dilacerado pelo tempo e pela distância.
Eu ficaria horas aqui neste batente da Coluna da Hora, meu observatório do tempo, vendo as meninas que voltam do Josué Bezerra e os rapazes que vão ao Arquidiocesano; o repique do Sino da Matriz; o jeep de Padre Oriel e Fagundes com o cartaz do Cine Lux nas costas. O meu pai bem ali a prosear com tio Cândido e
toda esta monotonia bucólica da minha terra.
Vejo com tristeza a saída de mais um ônibus da Aviação Gaivota, cheio de pombalenses a deixar tudo que era de seu para trás. O meu pai sempre dizia que não havia outra alternativa aos filhos de Pombal, senão embarcar no "bacurau", só voltando uma vez a cada dois anos, na Festa do Rosário, para rever os amigos e parentes mesmo que fosse no Cemitério. - Há os que fazem questão de anunciar no Lord Amplificador que estão na cidade, mas têm também os que o Lord faz questão de anunciar a sua chegada à Terra de Maringá.
Dizia meu pai. O Clemildo advinha a nossa aflição e, intuitivamente, joga no "prato da radiola", nos nossos ouvidos e nos nossos corações, o último sucesso de Agnaldo Timóteo, antes de anunciar a volta de mais um filho de Pombal. "Se algum dia a minha terra eu voltar quero encontrar as mesmas coisas que deixei. Quando o trem parar na estação, eu sentirei no coração a alegria de chegar, de rever a terra em que nasci e correr como, em criança, nos verdes campos do lugar...".
Sabe-se da importância de uma organização para um povo ou para uma cidade, quando esta organização passa ser referência para seu povo. O Lord Amplificador de Pombal teve uma dimensão tamanha para a nossa geração, nos idos anos de 1970, que era de fato uma referencia. Esperavam-se as horas anunciadas pelas difusoras do Lord.
Anunciavam-se os extremos do nascimento e da morte de filhos de Pombal e o convite à missa de sete e trinta dias. A música oferecida por toda a família pelo aniversariante daquele domingo também estava na difusora do Lord Amplificador. - Não fosse o anúncio do Lord Amplificador, eu não teria comprado aquela bicicleta em 24 vezes nas Lojas Paulista. - Eu tenho um segredo para te contar. Dizia a fofoqueira de plantão. - Essa não é novidade. Já deu até no Lord. 
A minha mãe sempre alertava para que eu estivesse em casa antes da Difusora do Lord sair do ar. Assim eu fazia. Quando em uma conversa, intuitivamente levantávamos a voz, o interlocutor alertava: - Coloca logo no Lord, se quer que todo mundo saiba.
A vida simples e boa da minha cidade, onde eu tinha tempo de sentar em um batente apenas para ouvir uma nova música de Roberto Carlos, faz de mim um homem preso ao passado. A sombra das algarobas me traz a lembrança do som de um "bozó" a tilintar em um copo de alumínio e ser jogado, não sem antes assoprar, em um tabuleiro de Ludo, onde eu e mais outros companheiros matávamos o tempo, ao som da difusora do Lord Amplificador de Pombal: O Som Direcional da Comunicação.
*Jerdivan Nóbrega de Araújo

Do Livro Histórias do Rádio em Pombal págs 81/82
Sessão da Câmara Municipal de Pombal- Lord Amplificador
Reunião Rotary Club de Pombal- Lord Amplificador

Nenhum comentário: