CLEMILDO BRUNET DE SÁ

Efeitos da alegria

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

A vida não admite ensaios, a construímos com inércia e atitudes. Às vezes choramos, sofremos, em outros momentos cantamos e dançamos.
Por vezes viramos a cara para nossos semelhantes, fechamos portas e gravamos tristezas no rosto de irmãos, quando seria tão fácil estendemos a mão, abrirmos cortinas e edificarmos pontes que nos liguem fraternalmente para um tempo melhor.
Viver é fácil, já conviver há quem diga que é difícil. O certo é que tudo na vida depende muito do humor que circunda as relações humanas. Sou daqueles convictos de que não há tristeza, mas sim ausência da alegria. Não é a toa que William Shakespeare dizia que: “A alegria evita mil males e prolonga a vida”. Realmente, a alegria é remédio vital para uma existência feliz, voltada para um caminhar repleto de perseverança, paz e
amor.
A vida é uma subida com muitos desafios. São eles que instigam a coragem e a construção do pensar de que é no martírio que encontramos força para continuar sorrindo, no entender que viver vale a pena, que realizar o bem é vereda para a paz, e, que, quem traz Deus no coração qualquer tormenta é travessia para confluência com o gáudio.
O certo é que devemos sempre carregar conosco a alegria. Quando alguém conduz no rosto os seus traços, o ambiente torna-se mais leve, as coisas fluem com harmonia e equilíbrio. Já vi moribundos, que mesmo diante das dores e agonia da despedida derradeira, apresentarem, ainda, no seu existir a sublime face da alegria. Incompreensivelmente, outros, mesmos tendo tudo, mostram-se insatisfeitos por acreditarem que sempre falta algo. Não valorizam o que tem. Pecam e quando desandam na vida, então, reclamam de Deus. É difícil o ser humano.
O fato é que a alegria é filha de Deus, remédio importante para vencermos as esquinas, desertos e percalços que o mundo nos impõe. Quem se afasta dela, corre o risco de abraçar a depressão e sucumbir nas teias do engano. O homem deve entender que a alegria não reside nas coisas palpáveis, mas sim no seu abstrato mundo interior.
Conduza sua vida com alegria, então, você saberá que não é preciso muito para ser feliz.
*Escritor pombalense e Juiz de Direito

 onaldorqueiroga@gmail.com

Nenhum comentário: