CLEMILDO BRUNET DE SÁ

O tributo roubado, um golpe olímpico!

Eliezer Gomes
Por Eliezer Gomes*
Posted on agosto 11, 2016 | Leave a comment

O Brasil participou pela primeira vez dos jogos olímpicos em 1920, na Bélgica. A partir de então esteve presente em todas as outras edições, com exceção, apenas, da de 1928, em Amsterdã na Holanda.
O motivo principal da ausência de uma delegação brasileira em Amsterdã foi a grande crise econômica enfrentada pelo nosso país naquela ocasião, que não permitiu que houvesse recursos necessários para o envio dos atletas.
Nas olimpíadas de 1928, dois fatos relevantes aconteceram, a saber: a instituição da chama (tocha) olímpica e a duplicação da participação das mulheres nas competições em diversas modalidades, fato este muito interessante devido ao conservadorismo e
o machismo vigentes.
Mas é importante registrar que os jogos olímpicos tiveram início, na realidade, já no século VIII a.C, em Olímpia, uma das cidades-estados da Grécia Antiga e fazia parte de atividades relacionadas a quatro grandes festivais religiosos dedicados aos deuses Apolo, Poseidon e Zeus (em duas oportunidades).
Até as olimpíadas de 2012 realizadas em Londres, o Brasil conquistou em várias modalidades esportivas, 23 medalhas de ouro, 30 de prata e 55 de bronze e encontra-se representado num rank ainda muito modesto, porém, exerce liderança absoluta no continente latino-americano.
Olimpíadas do Rio de Janeiro
Pela primeira vez na história, os jogos olímpicos da era moderna tem como sede o Brasil na cidade do Rio de Janeiro. E trata-se de um fato da mais alta relevância, pelo valor que tem esse evento monumental de forte congraçamento entre as nações além de suas repercussões na economia local, infraestrutura, crescimento da esportividade e autoestima do nosso povo, dentre outros fatores positivos.
A nossa grande vitória olímpica, independente do quadro medalhista, ocorreu já em 2009, sob a liderança do ex-presidente Lula, quando a cidade do Rio de Janeiro foi escolhida para sediar os 31ºs jogos olímpicos mundiais numa competição que envolveu na reta final, as cidades de Tókio no Japão, Madri na Espanha e Chicago nos Estados Unidos.
O Brasil todo comemorou o grande feito, repito, liderado pelo então presidente Lula, que além de desfrutar de seu grande prestígio internacional revestiu-se de um patriotismo descomunal culminando com a fragorosa vitória final sobre os Estados Unidos que lutou até o fim para sediar o evento na cidade de Chicago.
Além de conquistar para a nação brasileira a realização das olimpíadas aqui, o ex-presidente Lula iniciou todo o processo de construção e consolidação das condições reais para tal, passando para a sua sucessora, Presidenta Dilma Rousseff que de forma ininterrupta deu a continuidade necessária.
O tributo roubado
Por se tratar de uma conquista oriunda do empenho pessoal do ex-presidente Lula, setores elitizados da sociedade brasileira não tiveram o menor receio de trabalharem de forma contrária à realização do evento no Brasil; muitas críticas, discursos demagógicos e outras práticas sórdidas foram levadas a efeito por esses setores numa tentativa desesperada de desqualificar o feito e torná-lo inviável. Mesmo assim, a persistência e o compromisso com o país fizeram com que Lula e Dilma não medissem esforços no sentido de fazer acontecer a mais importante e histórica olimpíada de todos os tempos.
Com o golpe de estado em curso no Brasil, as elites em consonância com a grande mídia nacional, rendidas pela imensa satisfação do povo brasileiro e pelas fortes repercussões internacionais em virtude do grande êxito alcançando com a realização das olimpíadas em nosso país, mais uma vez demonstram o seu verdadeiro caráter oportunista e se apropriam deste resultado para tentar se colocarem como protagonistas de algo que jamais foram construtores.
É lamentável o profundo silêncio e o boicote contra as figuras dos presidentes Lula e Dilma, que por questão lógica de reconhecimento deveriam estar sendo lembrados, destacados e homenageados, entretanto, os golpistas preferiram aplicar mais um golpe; um golpe olímpico com o roubo descarado de seus tributos.
#golpeolimpicovergonhanacional

*Historiador, blogueiro, diretor do Sindicato dos Comerciários de João Pessoa e secretário de relações internacionais da Contracs

Nenhum comentário: