CLEMILDO BRUNET DE SÁ

DUAS HISTÓRIAS DE ELEIÇÕES EM POMBAL

1. POMBAL E SUAS ADESÕES  
   2."ACUNHA CHICO PEREIRA”.

Jerdivan Nóbrega de Araújo
Jerdivan Nóbrega de Araújo*

Em Pombal nada é mais festivo e autêntico do que as histórias das famosas “ADESÕES” (quando uma família anuncia que está mudando de “lado”).
A mais emblemática adesão aconteceu nas eleições de 1972, quando Dr. Avelino Elias de Queiroga, tentava se eleger prefeito pela segunda vez. O Bolinha já contava com a vitória garantida. Acontece que do dia para a noite parte significativa da família dos MANIÇOBAS anunciou que estava deixando Dr Avelino para apoiar o velho Chico Pereira. Naquela manhã no Cruzeiro de fronte a Igreja do Rosário amanheceu com um enorme galho de Maniçoba amarrado no seu alto.
       A noite teve um comício onde os participantes levavam galhos de maniçoba em acenos pelas ruas.
Outros mais apaixonados colocavam nas janelas das suas casas galhos da árvore.
A virada aconteceu, e Francisco Pereira Vieira "Chico Pereira" (ARENA 1) foi eleito com 4.438 votos contra os 4.038 Dr. Avelino Elias de Queiroga. A diferença foi de 400 o que mostrou que a adesão de fato fez a diferença, já que os “maniçobas” eram uma família significativa na cidade.
Foi também nessa eleição que surgiu o termo ‘ACUNHA CHICO PEREIRA”.
O FATO FOI O SEGUINTE:
Em um comício na rua dos Pereiros, logo que seu Chico Pereira pegou o microfone para fazer a sua resumida fala, um bêbado gritou do meio do povo: “ACUNHA SEU CHICO”.
Nessa noite seu chico não conseguiu fazer a sua fala, com o povo repetindo em couro o tal do ‘ACUNHA CHICO PEREIRA”.
No comício seguinte pessoas foram ao comício com um pedaço de pau aberto em sua extremidade, onde via-se ali uma “cunha”. E da mesma forma que aconteceu com a maniçoba, alguém prendeu no Cruzeiro um enxada com uma enorme “cunha” enfiada na extremidade do cabo.
Ainda vou falar do comício das “Graças” e das “Frasqueiras ”

*Escritor e pesquisador pombalense

Nenhum comentário: