CLEMILDO BRUNET DE SÁ

Cadê o Eduardo Cunha? Vocês viram o Cunha por aí?

João Costa
João Costa*

Duas singulares perguntas que muitos fazem para ouvidos sabidamente moucos dos poderes da República – agora assumidamente de bananas. Onde estão, os senadores impolutos sabidamente inimputáveis e devidamente citados como receptores de propinas e que mandaram e conseguiram para essa “porra”? O Temer, a Junta Governativa e os outros 377 deputados; todos sabem onde estão – e
que foram convivas do banquete antropofágico. Mais: Paraíba.com.br
            Foi, sim, um banquete antropofágico, bem ao estilo de Oswald de Andrade, com o diferencial que o cardápio servido foi à canibalização dos direitos constitucionais conquistados pela Nação. As elites políticas, notadamente do Nordeste, degustaram e se fartaram às custas dos contribuintes que desembolsaram mais de C$ 100 mil para o regabofe ao sabor do uísque Blue Label 750 ml, que custa R$ 660 a garrafa. Bem, o povo nas ruas certamente ainda festeja a vitória da Casa Grande.
O deputado Cunha não foi visto no famoso regabofe; sequer precisou ou precisa fugir do país para a Itália, pois cidadão italiano ele também é. Cunha também não foi visto em Patos. Ele, que até bem pouco tempo era cortejado por maçons, lideranças empresariais, entidades da advocatícia; festejado pela mídia nativa por onde andará? Ele, que a frente de centenas de salteadores derrubou um governo legitimamente eleito. Onde andará? Talvez por saber que sempre liderou uma malta de covardes, trânsfugas e quinta colunas, esteja precavido. O certo é que preso não está. Certamente não vai. Os podres poderes da República têm pés de barro, só o povo não sabe.
Mas canibalizar direitos de milhões de brasileiros adeptos da Servidão Voluntária sempre foi hábito das elites, certas de que em todos os momentos da História brasileira, a Senzala sempre confraternizou com a Casa Grande. O banquete foi antropofágico, talvez a sobremesa tenha especiarias autofágicas. Parafreseando o general Golbery, admirado gênio da mídia nativa, a autofagia é “lenta, gradual e segura”. Talvez tenha começado com vaqueiros, que se recusam acatar uma decisão da Suprema Corte. E que sem aboios e esporas mandaram às favas um dos pilares dito guardião da Constituição, que rasgada já está.

*João Costa é radialista, jornalista e diretor de teatro, além de estudioso de assuntos ligados à Geopolítica. Atualmente, é repórter de Política do Paraíba.com.br

Nenhum comentário: