CLEMILDO BRUNET DE SÁ

VIDA DE APOSENTADO NO BRASIL

Nonato Nunes
Nonato Nunes*

Baseado na alegação de que o brasileiro tem vivido mais, o governo resolveu que é hora de implementar reformas na previdência, e planeja aumentar, para 65 anos, a idade mínima para a aposentadoria. 
Mas há algumas questões bem elementares pelo meio dessa história toda. Em primeiro lugar é preciso dizer que viver mais não significa – necessariamente - viver melhor. 
Ora, o que é a vida de um aposentado no Brasil?
Num rápido resumo: viver em postos de saúde em busca de amenizar algum mal típico da idade (hipertensão, diabetes, circulação etc.); contar o dinheirinho no final do mês para comprar medicamentos e pagar contas de água, luz e fazer feira; não ter direito a uma viagem de férias; sofrer nas mãos de filhos e netos (algo comum) que o exploram impiedosamente. 
Muitos dos quais para manter vícios, sobretudo de drogas... E tem mais: os nossos idosos ainda são agredidos, dentro ou fora de casa, pela praga do momento - a dos assaltos. Eis aí alguns dos itens que compõem a realidade do aposentado brasileiro.
Mas o governo quer aumentar ainda mais esse sofrimento num país onde o aposentado está sujeito a toda sorte de mazelas. 
Ora, vivemos num país de terceiro mundo (na terminologia antiga) onde a população, de maneira geral, é explorada de maneira impiedosa por uma classe abastada cuja mentalidade é típica dos senhores de engenho. 
Nunca aprenderam que o estado de bem-estar social é a base de uma sociedade civilizada; e que é o respeito à cidadania que constrói seres mais educados e éticos. Coisas assim passam longe daqui...
É mais simples pressionar o aposentado que caçar os verdadeiros responsáveis pela quebra da previdência...
Um abraço e até a próxima.

*Nonato Nunes - Jornalista, radialista, documentarista, escritor e blogueiro

Nenhum comentário: