CLEMILDO BRUNET DE SÁ

Jornalista lança livro em solenidade da Associação Campinense de Imprensa

Gilson Souto Maior
(ASSESSORIA DE IMPRENSA)

O jornalista Gilson Souto Maior estará lançando no próximo dia 26, às 20 horas, em Campina Grande, mais um dos seus trabalhos de pesquisa, desta feita sobre a televisão. O lançamento será no Sítio São João, no Bairro do Catolé, integrando uma vasta programação da Associação Campinense de Imprensa – ACI – que constará de solenidade de posse dos novos dirigentes da entidade, além de uma sessão especial da Câmara Municipal, homenageando, antecipadamente, os jornalistas campinenses pela passagem do Dia da Imprensa, que ocorre no dia 1º de junho.
Até 1998, o Dia da Imprensa se comemorava no dia 10 de setembro, por ser a data da primeira circulação do jornal Gazeta do Rio de Janeiro, periódico da Corte. Em 1999 a comemoração do dia da Imprensa mudou de data. O Dia da Imprensa passou a ser comemorado no dia 1º de junho porque foi a data em que começou a circular o jornal Correio Braziliense, fundado por Hipólito José da Costa. Isto ocorreu no mesmo ano da Gazeta do Rio de Janeiro, mas o Correio Braziliense, jornal clandestino, começou a circular cerca de três meses antes.
O livro de Souto Maior
O livro ‘História da Televisão na Paraíba’ demonstra a preocupação do conhecido nome do jornalismo paraibano no desenvolvimento de bibliografias da comunicação, que retratem a história dos meios de comunicação social e dos seus atores, de ontem e

CARDÁPIO DO ZÉ


Dia. 27 de Maio às 19h30min Cine Teatro Murarte  Pombal PB

O “Cardápio do Zé” vai muito além de uma aula. É um apanhado de coisas vividas por José Ronaldo Leite (Zé Ronaldo) em rodas de conversas, em círculos de amigos e alunos onde são contadas piadas leves, fatos de sua infância humilde no bairro dos pereiros. Zé Ronaldo, narra numa linguagem simples e bem humorada fatos verídicos que se passaram na cidade de Pombal tendo como cenários as festas populares do Rosário e São Pedro, piadas construídas com figuras folclóricas do nosso cotidiano, faz um pouco de arte no palco, resgate e

Temer não deu golpe sozinho e ritual autofágico!

João Costa
João Costa*

Em editorial, O Globo, pasquim da famíglia Marinho, “manda” Michel Temer renunciar; nos seus telejornais, colunistas afirmam que, quanto mais tempo Temer resistir no Planalto, menores são as chances de se escolher um substituto pelas normas legais atuais, ou seja, por via indireta. Colapso do golpe ressuscitou campanha  por Diretas, Já! Após três décadas. E Fora Temer! Mas ele não deu o golpe sozinho, tem de sair com seus aliados e seus  atos como presidente precisam ser anulados.
Temer está  encurralado e se segurando num gancho legal - “o foro privilegiado” - para não sair direto pra prisão,  e até que ajuda nesse movimento por “diretas, já!”. O que a Globo quer é eleição no Congresso para entronar na Presidência um preposto seu e,

Repórter volta visitar maior açude da Paraíba após seis meses e mostra situação do manancial após liberação das comportas para Pombal,Piancó e Rio Grande do Norte.

Com capacidade para armazenar 591.646.222 milhões de metros cúbicos, o manancial chegou ao estado crítico no início do ano com apenas com apenas 2,5%
Por Luzia de Sousa
20/05/2017 às 20h43 • atualizado em 20/05/2017 às 18h07
Um dos maiores açudes do Nordeste e o maior da Paraíba, o açude de Coremas está atualmente com pouco mais de 50 milhões de metros cúbicos de água, o que representa 8, 6% da sua capacidade, segundo a Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (AESA). Com capacidade para armazenar 591.646.222 milhões de metros cúbicos, o manancial chegou ao estado crítico no início do ano com apenas com apenas 2,5% de sua capacidade total.

Como fica?

Alfredo Bonessi
Alfredo Bonessi*

Essa é a pergunta que todos os brasileiros fazem pelas esquinas, bares, feiras, em locais de trabalho, e por todos os lugares onde quer que se encontrem duas ou três pessoas reunidas (não é reunião espírita).
O fato é que o Brasil está acéfalo – sem governo – e sem quem com respaldo o dirija. E não há oposição que possa chegar ao congresso e dirigir a Nação ao rumo certo, novas eleições, substituições – porque os opositores também estão envolvidos nesse mar de lama da corrupção.
- Quem irá retirar do poder o bandido Temer ?
 - O que fazer  com a câmara e o senado, cujos presidentes estão envolvidos ?
- O que fazer com o STF, que segundo Temer, possui dois ministros à disposição dele?
E

POR ACASO VOCÊ AINDA TEM DUVIDAS?

Ignácio Tavares
Por Ignácio Tavares*

Pois é a delação do pessoal da JBS provocou um terremoto numa dimensão que poucos esperavam. Não ficou pedra sobre pedra e mais pedras rolarão até o fim da divulgação de todo conteúdo da delação.
A tática de NEGAR TUDO já não é tão eficiente o quanto vinha sendo até o presente momento, pois o senhor delator está a apresentar de forma bem detalhada informações sobre os valores repassados a cada um dos beneficiários, inclusive com datas e

Editorial: A renúncia do presidente

POR O GLOBO 19/05/2017 15:20 / atualizado 19/05/2017 16:38

ÚLTIMAS DE OPINIÃO

Um presidente da República aceita receber a visita de um megaempresário alvo de cinco operações da Polícia Federal que apuram o pagamento de milhões em propinas entregues a autoridades públicas, inclusive a aliados do próprio presidente. O encontro não é às claras, no Palácio do Planalto, com agenda pública. Ele se dá quase às onze horas da noite na residência do presidente, de forma clandestina. Ao sair, o empresário combina novos encontros do tipo, e se vangloria do esquema que deu certo: "Fui chegando, eles abriram. Nem perguntaram o meu nome". A simples decisão de recebê-lo já guardaria boa dose de escândalo. Mas houve mais, muito mais.
Em diálogo que revela intimidade entre os dois, o empresário quer saber como anda a relação do presidente com um ex-deputado, ex-aliado do presidente, preso há meses, acusado de se deixar corromper por milhões. Este ex-deputado, em outro inquérito, é acusado inclusive de receber propina do empresário para facilitar a vida de suas empresas no FI-FGTS da Caixa Econômica Federal. O presidente se mostra amuado, e

O CUSTO DA CRISE

Ignácio Tavares
Ignácio Tavares*

Faz muito tempo que o escritor Marcos Odilon escreveu um livro bastante sugestivo para o momento, qual seja "O Poder, Alegria dos Homens". Isso mesmo, no Brasil de hoje - mais do que nunca - o poder sobrepõe-se aos interesses maiores do país, por conseguinte do povo.
O poder dá lucro, enriquece, além de fazer pessoas de origem humildes ou não famosas aqui e

Delação da JBS confirma que corrupção não é privilégio de um único partido ou governo, diz cientista político

Delação da JBS confirma que corrupção não é privilégio de um único partido ou governo, diz cientista político

Palacio do PlanaltoDireito de imagemROBERTO STUCKERT FILHO/PR
Image captionEm gravação feita por dono da JBS, Temer teria dado aval a compra de silêncio de Cunha, diz jornal O Globo
Além de abalar o cenário político do país, as supostas delações dos donos da JBS podem ensinar uma lição aos brasileiros: a corrupção está em todos os governos e em todos os partidos, diz o cientista político e professor da FGV-SP Cláudio Couto.
"O problema é sistêmico. Ele está relacionado a como se estrutura o jogo político no Brasil e a como funcionaram as instituições nas últimas décadas, desde a redemocratização."
Segundo noticiado pelo jornal O Globo nesta quarta-feira, o empresário Joesley Batista teria dito à Procuradoria Geral da República que o presidente Michel Temer teria dado aval a uma suposta operação de compra de silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o ex-ministro Guido Mantega também são citados.
De acordo com a reportagem, Joesley, seu irmão Wesley e

Martinha, uma mulher bondosa e de paz que deixou uma saudade infinita

J. Romero Araújo Cardoso
José Romero Araújo Cardoso*

Sentia imenso orgulho quando ficava sabendo que minhas cartas lúdicas remetidas a Martinha eram lidas por ela para os alunos que educava em São José de Piranhas. Romeu Cruz, a quem cheguei a conhecer no leito de morte, conforme ela própria me contou, tinha desejo imenso de me conhecer, em razão da forma como me expressava nas missivas enviadas.
Martinha passou a fazer parte da minha vida desde o primeiro momento quando Corinta Cruz Cardoso passou a narrar sua vivência no São Luiz e no Riacho D’ água, mas em virtude de grave acidente que sofri em Pombal, arremessado de um caminhão por motorista irresponsável, ela passou a me visitar com frequência no apartamento que ocupava no Hospital São Vicente de Paula na capital paraibana. Corria o fatídico ano de 1977 e

Lula: exílio não é o mesmo que dar as costas ao país

João Costa
João Costa*

Ainda a audiência de Lula no Judiciário - A montanha pariu um rato. Esta coalizão entre a mídia nativa, judiciário e setores de Estado com aval hipócrita de setores da sociedade civil para destruir a reputação de Luiz Inácio, serve para mostrar o quanto o judiciário tornou-se num partido político. O jornalismo de guerra subiu o tom, mas “ainda que a  propaganda em si não tenha o poder de enganar as pessoas; ela apenas ajuda as que assim desejam ser enganadas”.
Juristas se mostram convictos da ausência de tecnicidade jurídica, arbitrariedades cometidas e destruição do estado de direito. Eis o resultado da ópera de Curitiba. Sem ilusões: Lula será condenado e

TIPOS DE PROVAS NO PROCESSO PENAL

Severino Coelho Viana
Por Severino Coelho Viana*

Resumidamente, vamos esclarecer os tipos de provas elencados no direito processual penal.
Não sendo prova ilegítima ou ilícita, no processo penal, a prova cabal é ponto essencial para influenciar no livre convencimento do julgador (art. 155, CPP) para chegar a um juízo de valor sobre o fato devidamente apurado, é o elemento pelo qual se procura mostrar a existência inexistência, veracidade ou não veracidade de um fato e prolatar um veredicto de condenação ou absolvição.  O livre convencimento se dá em ração do preceito constitucional insculpido no art. 93, IX, da CF.
Em toda ação penal dois pontos cruciais, a saber: a materialidade e a autoria do fato criminoso. Além disso, urge que dê conhecimento ao juiz/julgador de todas as circunstâncias objetivas (aspectos externos do crime) e subjetivas (motivos do crime e aspectos pessoais do agente) que possam determinar a certeza de sua convicção sobre a responsabilidade criminal ou não. As circunstâncias que cercam o caso concreto devem ser provadas, em razão de sua relevância no momento de fixação da pena.
Contudo, a atividade probatória deve restringir-se aos fatos relevantes, daquele caso concreto, isto é, daqueles que são pertinentes e

Maio: Mês do Trabalho e da Vida

Gonçalo Pontes Júnior
Por Gonçalo Pontes Júnior*

O mês de maio é o mês que em quase todo o mundo se comemora, no dia primeiro, o dia do trabalho (em alguns Países) ou o dia do trabalhador (em outros).
Tenho insistido, tanto em minhas palestras quanto no que escrevo, que o brasileiro vive um momento na vida onde a cada dia que passa, menos ele precisa de favores para ter uma ascensão funcional ou para arranjar um emprego.
Ter competência, comprometimento com a causa, pró-atividade, responsabilidade e

O médico e a tempestade

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

Num entardecer de março de 1948, meu pai, Antônio Queiroga, que morava em Pombal, na casa de sua irmã Marly, sentado na calçada, conversava com o irmão Avelino. Conversa vai, conversa vem, o relâmpago começou a cortar os céus. Marly, então, disse: - “Vem muita chuva. É melhor entrar”.
Meu pai e Avelino foram dormir no primeiro quarto. Armaram as redes e perceberam que a chuva começou a cair forte. Relâmpagos, seguidos de muitos trovões. Num dado momento, um relâmpago clareou, demoradamente, todo o céu. Antônio e Avelino esperaram o trovão, na certeza de que ele seria enorme. Passaram alguns minutos e

Resquícios da passagem de família Judaica pela cidade de Pombal. (Sec. XIX)

Um sobrado cheio de símbolos judaicos estilizados.

Jerdivan Nóbrega de Araújo
Por Jerdivan Nóbrega de Araújo*

Quem passa na rua do Comércio, em Pombal, não desconfia que ali tem um resquício da presença de uma família judaica em nossa terra, no início do século XIX, quando a prática do judaísmo em todo mundo era risco de vida, por conta da perseguição religiosa a esse povo.
Os criptojudeus chegaram a Pombal possivelmente na primeira metade do século XIX. A família, representada pelos irmãos João Ignácio Cardoso D’Aarão e

NÃO DÁ PARA ENTENDER

Ignácio Tavares
Opinião...
Por Ignácio Tavares*

Um pais que está entre os dez mais ricos do mundo expõe suas entranhas diante de tenebrosas acusações de corrupção envolvendo um ex-presidente da republica e

Lançamento do livro Riacho da Vida de Onaldo Queiroga



O desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos representou o Tribunal de Justiça da Paraíba na solenidade de lançamento do livro “Riacho da Vida”, de autoria do juiz de Direito e escritor, Onaldo Queiroga, titular da 5ª Vara cível da Capital. O evento ocorreu na noite desta nesta terça-feira (09), no auditório do Centro Cultural Ariano Suassuna, do Tribunal de Contas do Estado.

Riacho da Vida é uma biografia do desembargador Antônio Elias de Queiroga, ex-presidente do TJPB e

Os dias são assim

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

Se os dias eram de repressão, de censura, de tortura, de exílio, como também de rebeldia e resistência, hoje os dias também não são fáceis.
Atualmente os dias são de incertezas, de insegurança, de medo, de corrupção, de incredulidade, de quebra de autoridade e de guerras. Os dias são do crime organizado, seja decorrente do tráfico de drogas, da milícia, do roubo de cargas, do estouro de carros-fortes e caixas eletrônicos, dos crimes cibernéticos, da propina que destrói o Estado, enfim, há uma sensação de que vivemos dias de podridão podre.
Parece que há um descontrole em inúmeros aspectos que circundam a vida dos homens do Século XXI. O tempo é de escuridão. A fome se espalha pelo mundo, enquanto as grandes potências só medem forças, fomentam guerras, espalham bombas que sacrificam inocentes e

HISTÓRIA DE UMA MÃE

 
Severino Coelho Viana
Por: SEVERINO COELHO VIANA*

 “Sejamos bons, e depois, seremos felizes...
Não desejemos o prêmio antes da vitória,
nem o salário antes do trabalho.” (Rousseau)


Começo atendendo ao teu último pedido, que me reservaste a missão de fazer e ler uma crônica literária na missa póstuma do trigésimo dia.

Eis o dever cumprido.

Uma vez eu sonhei que estava no teu ventre e quando me acordei estava no teu colo. Foi o primeiro afago materno acariciando os teus seios, que davam substância para buscar o caminho do meu viver.

Lembro-me do meu primeiro olhar dirigido a um rosto de mulher, logo te aplaudi com as mãos singelas de uma criança inocente, e,

Os Piratas de Sá Ana...

Ignácio Tavares
Ignácio Tavares de Araújo*

Esta é mais uma estória acontecida na minha adolescência, entre tantas outras que vez por outra me afloram na memória. O cenário do acontecido são as águas barrentas do Piancó, principalmente nos anos de transbordo de suas calhas. Isso mesmo, a barragem de Mãe D’água ainda não havia sido construída por isso as cheias do Piancó aconteciam com mais frequência, portanto, bastava uma chuva grande à montante da bacia do Açude de Coremas, para que o rio transbordasse, invadindo a Rua de Baixo (Rua benigno Ignácio Cardoso D' Arão), às vezes a Rua do Comércio (Rua "Coronel" João Leite).
Logo cedo aprendi a nadar nas águas do Piancó. Godô (Godofredo Bispo) costumava me chamar de a "Piaba de Loúrdes", tanto era a minha habilidade para nadar com desenvoltura. Embora ainda criança, não hesitava desafiar o nosso rio, com seus remansos traiçoeiros. A meninada da rua do comércio e adjacências, por ocasião das grandes cheias, entrava em estado de esfuziante alegria, justo porque, quanto mais cheio o rio, maior era a festa. Para nós, naquela época, nadar nas águas do Piancó era a melhor diversão. Os lugares mais frequentados eram a pedra da sedan, a pedra redonda e

CEMITÉRIO NOSSA SENHORA DO CARMO E OUTROS CEMITÉRIOS DE POMBAL

Jerdivan Nóbrega de Araújo
Jerdivan Nobrega de Araújo*

Não tenho dúvidas que outros cemitérios foram construídos para atender ao povo de Pombal. Pela tradição católica devo crer que o primeiro tenha sido construído nas proximidades da Igreja do Bonsucesso (hoje igreja do Rosário), do qual não existe mais o menor indicio, e que atendia ao Clero e as “famílias benfeitoras” da Vila. Uma cidade com 245 anos não pode ter apenas um cemitério com 135 anos. A pergunta é: onde estão os resquícios dos cemitérios anterior a 1860?
Já ouvi conversas de pessoas mais antigas que dão notícias de escavações dealicerces nas imediações da Igreja do Rosário onde foram encontradas ossadas, de forma que o nosso povo condicionou a chamar o local de “cemitério dos índios”. Mas, a pergunta continua: onde Pombal sepultava seus mortos antes da construção do Cemitério de Nossa Senhora do Carmo?
Há notícias de um cemitério improvisado, nas imediações do local onde foi erguida a Cadeia nova da cidade (existe ali um projeto de novo Cemitério). O local passou a ser conhecido como “cemitério do Cólera”. Na verdade, era apenas um local onde “despejavam-se” as vítimas dossurtos do cólera  de 1856 e 1862. (Não havia um cercado ou uma Capela, como é

O RIO DE JANEIRO CONTINUA LINDO

Francisco Vieira
Por Francisco Vieira*

Ratificando o cantor e compositor Gilberto Gil, o Rio de Janeiro continua lindo.
            
Oh! Quão bela é a cidade. Sua beleza exuberante, emoldurada por praias e lagos, serras e florestas se confunde com um emaranhado de arranha - céus, onde o antigo se mistura a modernidade, dando ao lugar uma beleza única. Nem mesmo o contraste entre prédios seculares, morros e favelas inibe seu encantamento, dando-lhe conotação cosmopolita que une diferentes classes sociais. É mesmo um cartão postal, cuja paisagem justifica o título de Cidade Maravilhosa. A ela, nada é comparado.
            Conhecer o Rio foi durante décadas meu sonho de consumo. Queria ver in-loco o que aprendi nas memoráveis aulas de geografia de Osa Rodrigues e História de Ivonildes Bandeira no Ginásio Diocesano e

NANICOS SALTITANTES

Almiro Sá Ferreira
Almiro Sá Ferreira*

A mais nova esperança de perpetuação da nossa apodrecida classe política repousa nos partidos chamados jocosamente de “nanicos”. Como a Fênix, os saltimbancos (“nômades partidários”) sempre procuraram ressurgir das cinzas, usando de subterfúgios e manobras constitucionais espúrias que lhes favorecem a transfiguração social da condição de demônios, nos tempos de Lava-jato, para o status de “anjos”, no próximo amanhã de 2018.
Sejam eles “transfigurados” de esquerda ou de direita, a verdade é que não se endireitam nunca!
O genial Garrincha ensinou à nação do futebol como se driblar com engenho e arte, sobretudo com pureza de alma, ética e a boa ingenuidade, que lhes eram peculiares. Agora querem corromper até o nosso famoso drible, tentando mais uma vez enganar o povo brasileiro com a mudança repentina e

EM NOME DO PAI E DO FILHO: UMA PEQUENA BIOGRAFIA DE PADRE SOLON

Josè Tavares de Araújo Neto
Por Jose Tavares de Araújo Neto*

Nascido em 04 de maio de 1935, na zona rural do então Distrito de Paulista, município de Pombal (PB), fruto da união conjugal do grande poeta popular Belarmino de França e de Dona Emerendina Dantas, de tradicional família paraibana.
O seminarista Solon Dantas de França foi ordenado padre, junto com outros colegas, no dia 10 de julho de 1968, em uma concorrida cerimônia realizada em Pombal, sob a benção do Bispo da Diocese de Cajazeira, Dom Zacarias Rolim de Moura.
Na época, o jovem padre, que mais chamava a atenção por ser filho de Belarmino de França do que por virtudes próprias, foi conquistando a simpatia e

"A Velha Cacimba do Cruzeiro" (Coisas de Pombal)

Eronildo Barbosa
Por Eronildo Barbosa da Silva*

Quando criança tive a feliz oportunidade de conhecer uma Cacimba que havia em Pombal, na Rua Major Saturnino Rodrigues, no bairro do Cruzeiro, na altura do número 855, perto da empresa que fornece água potável para a cidade, na época Cagepa, mas, por conta das privatizações, na grande maioria equivocadas, pode ser que sua denominação seja outra nos dias de hoje.
As pessoas iam diariamente a essa Cacimba para buscar água, porque no início dos anos setenta a água potável só chegava a algumas residências no centro da cidade. A chamada elite da cidade.
Os bairros do Cruzeiro e

Devolva nosso São João

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

É triste observar cada ano o desmonte de uma cultura. É preciso colocar o ponto no “i”, sim no “i” do inaceitável.
Nunca vi o rock, o sertanejo e o axé se apresentar na Avenida Sapucair, quando do carnaval no Rio de Janeiro. De outro lado, Quem vai a Portugal, quer ouvir um fado, já quem vai para Argentina, quer ouvir um tango. Quem vem ao Nordeste brasileiro, principalmente, no período Junino, quer ouvir forró, baião, xote e xaxado. Quer ouvir o ronco do fole, acompanhado do zabumba e

04 DE MAIO DE 1772 A VILA NOVA DE POMBAL E SUA EMANCIPAÇÃO POLÍTICA

HÁ 245 ANOS PASSADO

Verneck Abrantes
Por Verneck Abrantes de Sousa*

Em 22 de julho de 1766, o Rei D.José I, assinou a Carta Régia autorizando a erigir novas Vilas na Capitania da Parahyba.
Em 03 de março de 1772, o Ouvidor Geral da Parahyba, José Januario de Carvalho, encaminhou, em nome da povoação de Nossa Senhora do Bom Sucesso do Pinhancó, a instalação de uma vila no sertão da Parahyba. Com o sim do governador, datado de 11 de março de 1772, foi instalada a Vila Nova de Pombal, no dia 04 de maio de 1772.
De imediato, fizeram-se eleições para o preenchimento dos cargos oficias,