quinta-feira, 31 de março de 2011

Clemildo Brunet
CLEMILDO BRUNET*

Os verdes anos de minha vida foram marcados pelos filmes brasileiros produzidos pela a Atlântida Cinematográfica Ltda, exibidos em Pombal na tela panorâmica do Cine Lux. Era um mundo diferente deste que estamos vivenciando hoje. Éramos tão aficionados ao cinema que eu e minha irmã Claudete Brunet de Sá (in memoriam), adquiríamos permanentes com validade de 30 dias, renovável a cada mês do ano, o que nos dava acesso a assistir as reprises, caso o filme nos agradasse.

A chanchada era o gênero de filme brasileiro condenada pela crítica, entretanto, aceita pelo público, tendo como prova o retumbante sucesso de bilheteria. Tratava-se de comédias musicais misturadas com personagens de filmes policiais e de ficção científica. O humor expresso nesses filmes não pode ser considerado como invenção nossa, pois já existiam em países como a Itália, Portugal, México, Cuba e argentina, quando chegou por aqui.

A crítica nacional a tinha como trivial, por esta razão foi apelidada de chanchada com muita controversa para a origem da palavra, mas que pode ter surgido na língua espanhola, significando “porcaria”, mesmo assim recebia os aplausos da platéia. "Com seu humor quase sempre ingênuo, às vezes malicioso e até picante, a chanchada se impôs como um entretenimento de massa", diz o jornalista Sérgio Augusto, autor do livro - Este Mundo é um Pandeiro - a Chanchada de Getúlio a JK.

Uma maneira de se conquistar o público é que as primeiras produções apresentavam grandes astros do rádio, como Carmem Miranda e Francisco Alves. Os ouvintes que só escutavam as suas vozes no rádio iam ao cinema para ver seus ídolos preferidos. A despeito da influência do cinema norte americano que vez por outra era parodiado, as chanchadas eram na sua essência genuinamente brasileiras, abordando temas de problemas do cotidiano e fazendo humor com uma linguagem de fácil compreensão.

A Atlântida do cinema brasileiro teve seu início em 18 de setembro de 1941 e seus fundadores Moacir Fenelon e José Carlos Burle, no intuito de desenvolver a indústria do cinema em nosso país, liderou um grupo de entusiastas pela sétima arte, dos quais faziam parte, o jornalista Alinor Azevedo, o fotógrafo Edgar Brasil e Arnaldo Farias. Era propósito reunir um cinema artístico com o cinema popular.

Em 1943 a Atlântida é fortalecida - sendo consolidada como a maior produtora de filmes do Brasil. É pena que o filme que a consagrou não tenha nem sequer mais cópia. “Moleque Tião” que teve no papel principal o ator Grande Otelo, inspirado em dados biográficos do próprio artista.

Segundo o depoimento do diretor do filme, José Carlos Burle, “Moleque Tião”, narra a história de um garoto pobre do interior de Minas Gerais que sonhava ser artista. Atraído pela notícia de uma Companhia Negra de Revista que vinha fazendo sucesso, Tião viaja para o Rio de Janeiro onde se consagra após muita luta e persistência. O filme segundo a crítica abria caminho para um cinema voltado as questões sociais, ao contrário da preocupação que se tinha de divulgar gêneros musicais.

De 1943 a 1947, foram produzidos (12) filmes, destacando-se “Gente Honesta” com Oscarito no elenco (1944) e “Tristezas Não Pagam dívidas”. Em 1945 A companhia cinematográfica Atlântida Ltda passa a ter a direção de Watson Macedo que em 1946 faz a comédia musical “Segura Essa Mulher” com Grande Otelo e Mesquitinha, grande sucesso de bilheteria, inclusive na Argentina.

O crescimento da Atlântida avançou mais ainda em (47), o sucesso das chanchadas era de tal maneira que outros investidores se viram atraídos pela companhia a exemplo de Luiz Severiano Ribeiro Júnior, que tinha em seu domínio 40% das salas de exibições no Brasil. Dessa maneira ele teria grande participação nos lucros, a grande surpresa veio, ainda, quando noticiaram que Severiano havia comprado uma grande quantia de ações da Atlântida, tornando-se acionista majoritário e, consequentemente, dono da companhia.

Nos anos (50) quando o mundo musical americano dominava o mundo, a Atlântida ficou mesmo conhecida pelas chanchadas ou comédias populares. O Público lotava os cinemas e reverenciava seus ídolos, Oscarito e Grande Otelo com suas irreverências e deboche; os galãs Ancelmo Duarte e Cyll Farney; as garotas Eliana, Fada Santoro e Adelaide Chiozzo; os vilões José Legwgoy e Renato Restier e os cantores Francisco Carlos, Emilinha Borba, Jorge Goulart, Nora Ney e Dores Monteiro entre outros.

Um dos maiores artistas do cinema brasileiro, Carlos Manga, montador, roteirista, diretor de cinema e televisão, foi o principal artesão de um gênero de comédia popular- a chanchada - com seus números musicais carnavalescos e as atuações de Grande Otelo e Oscarito; por mais de duas décadas manteve com sucesso o filme brasileiro nas telas apesar da forte concorrência do cinema norte americano.
Grande Otelo e Oscarito (Foto)
Carlos Manga foi levado aos estúdios da Atlântida pelas mãos do ator e cantor Cyll Farney. Manga havendo passado por várias funções, pouco depois assumiu em definitivo a função de diretor em A dupla do barulho (1953), primeiro filme em que Oscarito e Grande Otelo seriam transformados na mais bem sucedida parceria do humor brasileiro.

Os cinemas brasileiros sempre tiveram casas cheias, o público comparecia em massa para assistir as chanchadas da Atlântida até meados dos anos 50. Porém, com o aparecimento da TV, o surgimento do cinema novo mais politizado e o desgaste natural do gênero, fizeram com que as chanchadas fossem perdendo espaço. Entretanto, elas as “Chanchadas” entraram para história marcando um dos períodos mais produtivos do cinema nacional.

Em 2007, a Atlântida - fez o lançamento de uma coletânea de muitas dessas películas em DVD, das quais venho colecionando. Quando as repriso, lembro-me sempre com emoção das coisas boas que vivi e do extinto Cine Lux de Pombal. É como diz o escritor pombalense Jerdivan Nóbrega de Araújo: “Ver um filme no Cine lux, antes de ser uma forma de entretenimento numa pequena cidade do interior, era, acima de tudo, um raro momento de prazer que, só quem viveu aquela época, poderá explicar”. Do livro, Em Algum Lugar Chamado Pombal Pag. 103.

Pombal, 30/03/2011
*RADIALISTA
Contato: brunetco@hotmail.com
Twitter @clemildobrunet
Web. www.clemildo-brunet.blogspot.com

sábado, 26 de março de 2011

Prof. Vieira (foto)
Por Francisco Vieira*

É engano pensar que a morte implacável rouba nossos entes queridos, pelo contrário, são imortalizados na memória dos que ficam. Lembrá-los é uma conseqüência inevitável. Exaltá-los é um sentimento de justiça, pois não podemos ofuscar o brilho dos astros nem o mérito das pessoas. A propósito, a maneira mais justa e coerente de fazê-lo é exaltar suas obras.

Dessa forma, nada mais oportuno do que lembrar hoje, a poetisa Cessa Lacerda, quando se comemora trinta dias do seu falecimento. Tempo curto, mas que representa uma eternidade, assim como eterna será sua lembrança.

Cessa Lacerda, pela fecundidade do seu talento, pelo caráter nobre de suas variadas aptidões artísticas, pôs brilho a vida, por isso, é mister que se enalteça sua autenticidade para significar o real valor dessa grande mulher.

Poucos são os que reúnem tantas qualidades. E, Cessa Lacerda, foi certamente escolhida, já que Deus distribuiu com ela seus dons e talentos como bem quis. Como dádiva divina reunia consigo uma série de habilidades tão evidentes que fizeram dela uma referência cultural. Em síntese, foi professora, poetisa, escritora, artista plástica, esposa, mãe e amiga, tudo junto para que desse modo a beleza e a perfeição dessem sentido a vida e ao mundo. Em suma uma artista que amava o que fazia fazendo dela um sacerdócio. Da grandeza do seu devotamento e sacrifício nasceu a importância de suas obras.

Dessa forma nada mais justo do que nosso respeito, admiração e estima. Com certeza os seus feitos servirão de sumo proveito assim como um pouco de colírio para os olhos inflamados de saudade. Certamente serás eternamente lembrada, pois Pombal, que sempre honrou a memória dos seus filhos, não permitirá que algum motivo turve nossa visão e perturbe nossa mente deixando-a cair no rol do esquecimento. Que a luz da visão que aponta e ilumina os caminhos certos da vida nos façam ver com clareza tão fascinante mulher e que nenhum motivo incida no erro e na injustiça de esquecê-la.

Cessa: in memoriam
Com certeza os ex. alunos lembrarão “D. Cessa”, professora que compromissada com a missão de educar cultivou a educação como uma planta rara. Como escritora será sempre a acadêmica que inteligentemente soube expressar em palavras seus sentimentos envolvendo seus leitores e conquistando o respeito dos confrades. Como artista soube exibir suas aptidões eternizando-se na singularidade dos seus quadros. Será relembrada como poetisa renomada que através de rimas destacou-se revelando ao mundo seu sentimento de pureza e romantismo. É que o poeta e somente ele é capaz de sintetizar em palavras a experiência humana. Portanto, seu trabalho é por demais relevante, por isso, impossível de ser ignorado. Enfim, estaremos (eu e a família), relembrando da nossa honrosa convivência como amiga e, sobretudo na condição de compadres que nos permitiu uma amizade sólida, um convívio social afetuoso e a possibilidade de testemunhar essas qualidades.

Conclui-se que felizes são os que se vão deixando os seus contemplando orgulhosamente o seu passado. Felizes são os que deles se alegram na recordação. Assim é que toda Pombal se comportará em relação a Cessa Lacerda mantendo-a viva na memória, como viva estará na história de Pombal. Pombal exultará sempre o seu nome pela nobreza de suas atitudes.

Paremos por aqui para não me alongar, pois acrescentar algo a vida de Cessa seria abusar inutilmente.

Por tudo isso eis o meu tributo a CESSA LACERDA a quem tranqüila e merecidamente exalto após TRINTA DIAS DE SAUDADE.

Pombal, 25 de março de 2011.

*Professor, ex-Diretor da Escola Estadual “João da Mata” e ex-Secretário de Administração de Pombal.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Clemildo Brunet
CLEMILDO BRUNET*

Já se aflora a ideia de que as mulheres não tenham somente o dia (8), e sim todo o mês de março para serem homenageadas. Não é possível imaginar o mundo sem elas. Seria o Caos! A mulher é atraente, comunicativa, sensível, bonita, charmosa, elegante, meiga, sensual, afável, forte, dedicada, versátil, inteligente e compreensiva. É o centro de atenções em reuniões sociais, momentos festivos e outras ocasiões.

Houve um tempo em que a mulher desempenhava o papel de ser submissa e inferior ao homem. Autores literários como Alencar e Amado, deram valiosas contribuições com a literatura do romantismo e modernismo a fim que fosse banido do meio da sociedade o pensamento de que a mulher só servia pra... Aquilo. Nos dias atuais a mulher tem ocupado espaço na política, no judiciário, no comercio, em administração de empresas públicas e privadas ou qualquer outra atividade, que antes, só o homem achava-se no direito de exercer.

Recebi esta semana da União Brasileira dos Municípios (UBAM) - um release, dando conta que de 29 a 31 de março, a Estação Ciência Cabo Branco em João Pessoa, será sede do Encontro Nordestino de Mulheres Para o Desenvolvimento Social e Econômico, cujo evento vai integrar também O Encontro Nordestino das Primeiras-Damas. O Objetivo é debater a participação da Mulher no contexto econômico e social do país, bem como, criar a Associação das Primeiras Damas do Estado da Paraíba, entidade já existente no vizinho Estado do Ceará, criada e presidida pela esposa do Prefeito João Dimar, do Município de Limoeiro do Norte.

Segundo o presidente da UBAM, Leonardo Santana, haverá palestras, rodadas de discussões e entrega de material informativo. “É um evento importante, que comemora o mês das mulheres, que têm alcançado um lugar de grande destaque em nosso país, com a eleição da Presidente Dilma Roussef, quebrando um paradigma e abrindo novos horizontes para aquelas que sabem realmente administrar, com seriedade, compromisso, probidade, pontualidade.” Disse o presidente.

A programação trará a participação como presidentes de mesa: Nézia Gomes (secretária de políticas públicas para as Mulheres de João Pessoa), empresária Beatriz Ribeiro (Sistema Correio de Comunicação), a ex-deputada Iraê Lucena (secretária estadual de políticas para as mulheres), Douraci Vieira dos Santos (ex-secretária de estado), Vereadora Raissa Lacerda, Vereadora Sandra Morrocos, Crisneilde Rodrigues (presidente da Associação Promocional do Poder Legislativo da Paraíba), Pâmela Bório (primeira dama do Estado da Paraíba), a psiquiatra Célia Costa Lima (Presidente da APDMCE e primeira dama do Município de Limoeiro do Norte-CE) e Ana Claudia Vital do Rêgo (primeira dama do Município de Campina Grande-PB).


Pâmela Borio 1ª Dama PB

Na última quinta feira (17) na Escola de Servidores Públicos da Paraíba (ESPEP), a primeira dama do Estado, jornalista Pâmela Bório, que tem dado todo apoio ao encontro, realizou uma reunião com as primeiras damas e Prefeitas dos Municípios do território paraibano para os preparativos finais do evento. Várias primeiras damas puderam manifestar o seu contentamento, pois com a organização da APDMPB, elas terão oportunidades de traçar planos de trabalhos que nunca haviam realizados antes, com a total união de todas em torno do objeto jurídico.

O encontro tem o apoio do Governo do Estado da Paraíba, SEBRAE, Banco do Nordeste, Assembléia Legislativa da Paraíba, Associação Para o Desenvolvimento dos Municípios do Ceará (APDMCE), Prefeitura Municipal de João Pessoa, Prefeitura Municipal de Campina Grande, Magazine Luiza, Grupo São Braz, TV Correio, TV Máster, TV Tambaú e do Hotel Xênius que vai hospedar alguns das participantes.

Sonhando e lutando as mulheres têm o seu valor. Não estão mais ao sabor ou capricho de quem quer que seja. Nos vários seguimentos da sociedade deixaram de ser coadjuvantes e se tornaram profissionais de fato. Esses fatores advêm de suas conquistas com posicionamentos estratégicos, que variam de acordo com o grau de escolaridade e classe social.

Superando os preconceitos de uma sociedade pluralista, elas têm hoje maior participação em setores políticos, sociais e econômicos. O potencial delas é delineado pelo modo de decidir e escolher livremente com quem e como compartilhar suas relações conjugais e amizades.

Essas mulheres (Esas Mujeres) “Gravação1998”

Leandro & Leonardo

Essas mulheres
Nos tiram e nos dão a vida
Nos curam e nos abrem feridas
Difícil existir, sem essas mulheres
Essas mulheres
Um dia nos prometem o céu
No outro já nos mandam pro inferno
Difícil é viver, sem essas mulheres
Sem essas mulheres, não

Um dia nos destroem a alma
E com um beijo nos devolvem a calma
Não posso evitar, eu vivo implorando
Seus carinhos todo dia
Um dia nos destroem a alma
E com um beijo nos devolvem a calma
Eu não sei como fazer
Dou tudo só prá ter
Você acordando nos meus braços

Ah, essas mulheres
Essas mulheres
No meu poema o melhor verso
Na minha boca um doce beijo
Difícil esquecer Ah! Essas mulheres
Essas mulheres
No meu jardim a mais linda rosa
Eternamente a flor mais cheirosa
Peço a Deus prá não viver
Sem essas mulheres
Sem essas mulheres! , não

Ah! Essas mulheres...

Pombal 24/03/2011

*RADIALISTA
Contato: brunetco@hotmail.com
Twitter @clemildobrunet
Web. www.clemildo-brunet.blogspot.com
Expedito F. Lacerda
A FRANCISCO FELINTO DE LACERDA (FRANCISQUINHO):

Meu irmão:

Você foi ao encontro de Deus em uma terra distante. Da mesma maneira que viveu, cercado de mistérios, de encontros e desencontros, você partiu. A morte lhe veio assim silenciosa, sem nenhum alarde, enquanto você dormia. Não pudemos lhe dar o derradeiro abraço de despedida, quando o soubemos outros familiares mais próximos e até por nós desconhecidos, já o conduziam à morada derradeira. Se é possível, para o nosso consolo, indagamos: onde ficou o Francisquinho, o espaçoso, que quando chegava, com sua presença enchia uma casa com sua voz forte, decidida, exigente? Em que mundos se escondeu a ponto de as poucas notícias que nos chegavam eram envoltas em sombras? Você passou mais de vinte anos sem dar notícias alguma para a família, mas você era lembrado e respeitado por todos como um mito. No coração do nosso pai, principalmente, você ocupava um lugar especial, e eu que era o irmão mais moço, assim como os filhos que você deixara, povoávamos o nosso pensamento com as poucas recordações que tínhamos compartilhadas de você. Mais tarde soubemos por pessoas com quem você encontrou, nessas longas caminhadas errantes que, sem se identificar, perguntava por todos nós, que não nos esquecera nem a sua terra, sempre atento às notícias de Pombal.

Mas não é desse Francisquinho dos últimos anos, que eu quero aqui lembrar. Quero lembrar o Francisquinho de minha infância, do Francisquinho que viu mais longe o meu futuro, trazendo-me para João Pessoa a fim de prosseguir em meus estudos, formar-me e ser na vida o que hoje sou e a quem agradeço ternamente. Permitam-me partilhar com vocês um pouco do depoimento que outros irmãos me davam, com quem Francisquinho teve maior convivência que eu: ele era o irmão mais velho, talvez o mais querido e o mais próximo a meu pai, de sua inteira confiança e que amava a minha mãe como um filho muito carinhoso, cuidadoso para com os irmãos, atento às suas necessidades, bem humorado, cheio de idéias, criativo, empreendedor, amigo dos amigos, solidário. Esse Francisquinho os anos não conseguiram arrebatar de nós; ele sempre foi assim, tentando resolver problemas de outrem, chegou ao ponto de esquecer-se de si mesmo, totalmente desapegado aos bens materiais. Não tinha nem uma morada certa onde pudéssemos entrar em contato com ele. Não nos procurou nos momentos de dificuldades por que certamente passou. Devem ter sido muitos! Acredito que no coração de cada um dos nossos irmãos cresce um pouco mais a sensação de nossa impotência, pois eu mesmo sinto profundamente, não ter podido fazer nada por ele. O nosso afeto e compreensão não foram suficientes para mantê-lo ao nosso lado e poder fazê-lo gozar os últimos anos de vida com mais conforto e tranqüilidade.

Você, Francisquinho, escolheu o caminho mais difícil, o da solidão talvez, das distâncias, dos silêncios... Só Deus, com sua infinita onipotência e sabedoria compreendeu suas razões e, como Pai amantíssimo, lhe recebeu em seus braços e lhe amparou na hora certa, concedeu-lhe o que nós, seus irmãos, em nossa pequenez não pudemos dar: deu-lhe a Paz que sempre buscou.

Descanse no repouso eterno, meu irmão. Saudades!...

ESPEDITO FELINTO DE LACERDA
João Pessoa-PB, 24/ 03 / 2011


A “DONA CESSA”, poetisa imortal da Academia Pombalense de Letras, no 30º dia de sua morte:

A poetisa e imortal Maria do Bom Sucesso Lacerda Fernandes, que saiu do nosso convívio e hoje está com Deus todo poderoso, no mundo celestial, juntamente com seus pais, irmãos e amigos, recebe as homenagens póstumas que a sociedade pombalense, amigos e parentes lhes prestam nessa hora de tanta dor pela sua perda. Junto a nós, Pombal continua de luto e silencioso. Como é difícil encontrar pessoas com tanta dedicação à cultura, às letras e artes de nossa terra!

Incluindo-me às homenagens prestadas a essa filha ilustre de Pombal, com quem tive, como irmão, o privilégio de compartilhar momentos de discussões intelectuais e de trabalho, quero falar um pouco sobre essa irmã, amiga, companheira muito amada e admirada por todos nós: “DONA CESSA”. É sempre uma tentativa de descobrir os mistérios que a morte deixa irrevelados, e uma tentativa de chegar à posse do seu espírito. Aqui estou, prometendo aos senhores, ser breve e, ao mesmo tempo, tornar-me comparsa da protagonista desta homenagem. Como todo ser dotado de inteligência e sensibilidade aguçadas, “DONA CESSA” foi múltipla: mestra, pintora escritora e poetisa. Mas o que vou chamar atenção em sua pessoa, nesse momento, não foi essa multiplicidade comum nas pessoas intelectuais e emotivamente ricas, mas a relação dos seus “eus”, possivelmente díspares, uma unidade espiritual rara, que a vida e a obra exibem sob forte luz: o fato de ela clarear caminhos alheios, a sua atividade como poetisa.

Durante muitos anos, “DONA CESSA” foi Professora do Ensino Fundamental, iluminou muitos caminhos, orientando os alunos na leitura, ajudando-lhes a formar o espírito crítico, alargando-lhes os horizontes, a visão de mundo; preparando-os para o futuro Era no espaço da cultura que a dualidade em “CESSA” se resolvia, na vitória de um ser humano em participar do destino de outros seres humanos, preocupada em servi-los, em repassar o seu conhecimento para os amigos, apontar caminhos e prepará-los para as suas atividades. Precisamente nesta preocupação intelectual, que para nós se tornou histórica, residia o seu “sentido existencial”.

Não satisfeita por dispor apenas da possibilidade de incluir os escritores e poetas pombalenses entre os escritores paraibanos, não se conformando, queria um espaço de tempo maior para que os nossos poetas e escritores tivessem a oportunidade de conhecer o mais largamente possível os autores do nosso estado. O seu empenho foi grande para incluí-los nas academias de Letras e Poesia, e ela foi uma das primeiras acadêmicas pombalenses. Foi uma batalhadora, juntamente com a Dra. ONÈLIA ROCHA QUEIROGA, para que fosse criada a Academia de Letras de Pombal. Sua iniciativa foi fundamental e ainda hoje colhemos o fruto dessa brilhante idéia.

Com que alegria ela participava dos trabalhos acadêmicos! Sentia-se muito feliz com isso. Foi a oportunidade de informar sobre autores que ela conhecia muito, alguns ainda vivos, seus amigos e pares na Academia Paraibana de Poesia. Gostava de organizar eventos na Academia de Letras de Pombal na qual ela era a Presidenta e convidar alguns de seus membros para proferir palestras e poesias. Convidava, também, outras pessoas, professores, estudantes a vir a Academia para, nessa oportunidade, mostrar-lhes os monumentos, pontos históricos e apresentar-lhes essa casa de cultura, para conhecerem os acadêmicos, para que eles sentissem a humanidade que há em cada um, reconhecessem que não é o fato de alguém ser ou não considerado imortal que o abismo que existe no ser humano, deixará de existir...

Todos nós que a conhecemos, sabemos da grande paixão que ela nutria por Cecília Meireles, de modo que, por ocasião da escolha dos membros para a Academia de Letras de Pombal, ela ficou com a cadeira da referida escritora.

Outro fato que mostra a dedicação de “DONA CESSA”, o seu compromisso com a Poesia e com a formação cultural de nossos conterrâneos era sua preocupação em explorar a poesia vinculada à história. Para tanto, mesmo com os parcos meios de que a Academia dispunha, conseguia que os amigos adaptassem textos de autores pombalenses e os encenassem. Nunca esquecerei: num fim de tarde, vi vários amigos em sua casa, ao seu redor. Aquilo despertou minha curiosidade, fui informar-me: eles eram os atores de uma peça que estava sendo encenada sobre a “Semana Santa”. O teatro era a sua casa, o público e atores, os seus amigos. Fazia tudo isso em silêncio, sem alarde.

Inteligente, competente, comprometida com o seu trabalho e com as letras, amiga dos que estavam sempre ao seu lado com quem sempre manteve um bom relacionamento, interessava-se bastante pelo progresso deles e ao descobrir-lhes talento literário e poético em algum, incentivava-o, partilhava com ele a alegria da criação estética e com muito orgulho divulgava entre os colegas os textos por ele produzidos.

São estes alguns episódios da vida de nossa amada “CESSA” que nos acodem à memória que eu quis partilhar com os senhores neste instante de homenagem e de saudades. E como as veredas por ela trilhadas no campo do magistério, das letras e, sobretudo, da poesia, certamente, a lembrança de todos aqueles amigos ou colegas que com ela conviveram se ilumina da luz suave com que dissipou as trevas do desconhecimento e da insegurança; os que ficamos saudosos vamos tentando seguir os seus passos.
Não poderia deixar de citar uma de suas Trovinhas feitas em Homenagem a Pombal pelos 137 anos de Emancipação Política. CESSA tinha o coração dedicado a Pombal. Leiam!

TROVINHAS
Oh, minha cidade querida
a Ti eu rendo louvor
nesta data florida
porque é grande o meu amor!

Neste festivo dia
quero a Ti homenagear
com amor e simpatia
e poder também te abraçar!
Cessa Lacerda Fernandes.

Fique com Deus “DONA CESSA”, tua lacuna ninguém ocupará no nosso coração.

Te amei, te amo e te amarei sempre
Do irmão, amigo e admirador.

ESPEDITO FELINTO DE LACERDA 
João Pessoa-PB, 24/ 03 / 2011
Paulo Abrantes
Caro Clemildo,
A Dra. Onélia Setúbal Rocha de Queiroga – estrela pulsante da literatura paraibana – fundou a Academia de Letras de Pombal, tomada por uma graça espiritual, só permitida aos eleitos da Providência, pois num momento de alegria, pela posse do amor de sua vida, o Desembargador Antonio Elias de Queiroga, no mais alto posto da magistratura paraibana que é a Presidência do Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba, tinha tudo para esquecer a nossa terra natal. Pelo contrário, Pombal foi a primeira cidade a ser contemplada, lembrada, e construção concluída com a Casa do Saber. Foi buscar em Dona Cessa Lacerda, sua amiga, a pessoa ideal para dar asas a sua fértil imaginação. E ela, a nossa saudosa poetisa, ficou na Presidência e deu conta do recado magistralmente.

Agora a Presidente e a Vice, tinham a incumbência de compor os imortais. Não foram buscar grandes nomes da magistratura. Bem ao contrário, dirigiu-se aos meios onde existiam livres e esquecidos do sorriso da riqueza, os talentos que representam autênticos valores literários em sua terra, Pombal. E lá, assentaram poetas, escritores, cronistas, romancistas e teatrólogos, porque é com eles que estava o verdadeiro espírito literário.

Dra. Onélia Queiroga, é posuidora desse amor, dessa consideração sublime pelas pessoas de sua amizade, pelas colegas de seu tempo de Escola Normal Arruda Câmara em Pombal, entre elas a minha querida irmã Ilma. É uma marca indelével de sua personalidade, pois não precisava ser de famílias afortunadas, de posição social elevada, de cor ou credo religioso para que ela lhes tivesse afeição e amizade. Quando do lançamento de meu livro, A Dama da Rua Estreita, lá, ela estava, ao lado de seu querido esposo, Des. Antonio Elias de Queiroga, com Dra. Livramento Bezerra e Dr. Osman Rocha e esposa, presenças reluzentes, para aquele momento importante para mim, que me encontrava cheio de alegria, sendo prestigiado com suas presenças, no lançamento simples do livro de um filho de Augusto.

É esta a personalidade altruística de Dra Onélia Queiroga, que hoje homenageia a poetisa Cessa Lacerda, sua amiga de infância, que partiu para eternidade. Se temos – honra maior, supremo presente da Sorte que nos empolga e envaidece – é contarmos com a grandiosidade de espírito de Dra. Onélia Queiroga . Isto conforta e encoraja a lutar por nossa Pombal.

Paulo Abrantes de Oliveira, engenheiro civil e escritor pombalense.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Onélia Queiroga
Onélia Queiroga*

Com o nome de rainha, Maria do Bonsucesso de Lacerda Fernandes, não poderia ter outro destino que o de brilhar no trono real do magistério e da literatura, com faixa e coroa.

Conhecemo-nos nos bancos escolares da Escola Normal Arruda Câmara. Ela, a oradora da turma, eu, a caçula, sua protegida e da irmã Neves Lacerda, de todas as peraltices que praticava.

Os elos de amizades entre nós não se desfizeram com o término do curso. Tornaram-se, com os anos, mais fortes e profundos pelo culto do magistério, nossa verdadeira vocação. Formar as gerações do futuro era o penhor maior do nosso espírito. E, quantas vezes, trocamos idéias sobre essa inclinação irresistível!

Afinávamo-nos, ainda, no amor às letras. Ela mais abrangente do que eu, por ter enveredado na arte pictórica, deixando-me, como lembrança, o quadro do rio de Pombal, com a famosa “Pedra do Sino”. Hoje, essa tela adorna a sala da nossa casa em Pombal.

Em 1995, revelei-lhe o desejo de construir a Academia de Letras de Pombal. A sua dúplice resposta de alegria e sentida emoção externou-se nos seus olhos, plenos de lágrimas cintilantes.

A ALP foi inaugurada em janeiro de 1997, com pompa e prestígio. Na ocasião, discursamos: ela, como a primeira Presidente eleita; eu, como Vice-Presidente, fundadora e responsável pela edificação do sodalício.

Quatorze anos se passaram. E Cessa, com o apoio integral do marido, seu grande amor, e dos filhos, dedicou-se integralmente à Casa do Saber. A sua vida e a da Academia estavam de tais formas entranhadas que esta se tornou a sua feição e ela a cópia fiel daquela. Eram inseparáveis.

Inseparáveis, sim, até que a vida de Cessa Lacerda completou o seu ciclo temporal, em 25 de fevereiro de 2011. Fechou os olhos, em calmaria, e se foi para junto do Pai.

Todos nós, pombalenses e amigos, ficamos desolados. O funeral foi na Academia, com missa cantada pelos integrantes do ECC, menos ela, que jazia, silente. Fui a primeira a homenageá-la, ao pé do caixão. Muitos me seguiram. Reconfortei-me, por sabê-la querida e amada. Também pelo dom que Deus lhe deu de ministrar o ensino e o conhecimento aos seus inúmeros discípulos, que, por isso, foram aquinhoados pelo Destino.

*Escritora. João Pessoa - PB
Coluna Onélia Queiroga "aos domingos" Jornal Correio da Paraíba de 20/03/2011.
 Atenção Primária à Saúde e Estratégia Saúde da Família -

Cessinha Neta (Foto)
Mª do Bom Sucesso Lacerda Fernandes Neta*
A compreensão de todo o funcionamento e da evolução das políticas públicas de saúde no Brasil é complexa e merece estudo apurado. Discutirei um pouco sobre a Atenção Primária à Saúde (APS) e sobre a Estratégia Saúde da Família (ESF), relatando fatos da história de ambas e destacando desafios presentes e futuros na tentativa de aperfeiçoar tais sistemas. Além disso, abordarei resumidamente os Sistemas de Informação em Saúde, mostrando sua importância.

Nos países chamados desenvolvidos, surgiram idéias e conceitos que sofreram mudanças até chegar ao que se entende hoje como APS. No desenvolvimento de tais definições, houve marcos importantes, dentre eles, a Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde em Alma-Atá em 1978, trazendo segundo a Declaração de Alma-Atá, a proposta de que a APS é a chave para alcançar um nível aceitável de saúde para a população, sendo válida para todos os países do mundo, assumindo formatos distintos, de acordo com a realidade de cada nação.

Segundo Starfield e Vuori, a APS é um tipo de atenção à saúde que organiza e racionaliza o uso dos recursos, buscando inverter a priorização das ações de saúde de uma abordagem simplesmente curativa para uma abordagem preventiva e promocional, integrada com outros níveis de atenção e contando com diversos profissionais de saúde.

A partir de evidências da efetividade da APS em vários países, no Brasil, surgiram também a necessidade e o desejo da construção de um sistema de saúde baseado em APS.

Em 2005, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), lançou um documento intitulado “Renovação da Atenção Primária à Saúde das Américas” para servir como fundamento para a organização dos componentes de um sistema baseado em APS, sendo que cada país desenvolvesse suas próprias estratégias de renovação.

No decorrer dos anos, no Brasil, destacaram-se diferentes modelos técnico-assistenciais. No início do século XX, o modelo conhecido como Sanitarismo Campanhista, direcionado a políticas de saneamento dos espaços de circulação de mercadorias exportáveis (em virtude do modelo agroexportador da economia brasileira), vigorava. Em 1923, a “Lei Elói Chaves” marca o surgimento da Previdência Social, com a criação das Caixas de Aposentadoria e Pensões (CAPs). Por volta da década de 50, com o avanço da industrialização, surge o modelo médico-assistencial privatista.

Com o movimento da Reforma Sanitária, avanços sociais e políticos e aprovação dos princípios norteadores do SUS, o Brasil começa a galgar novos caminhos rumo a melhorias na saúde brasileira.

Na década de 1990, o Brasil encontrava-se em fase de transição epidemiológica, visto que havia número crescente de casos de doenças crônico-degenerativas associadas às doenças infecto-contagiosas, já presentes em larga escala. O descaso com a atenção primária era evidente.

A Constituição Federal de 1988 é considerada marco regulatório do sistema de saúde brasileiro, porque definiu a construção de um Sistema Único de Saúde, caracterizado pelos princípios de universalidade, equidade, hierarquização das atribuições das três esferas do poder público, integralidade, descentralização e controle social.

Observa-se que o SUS (Sistema Único de Saúde) está intimamente ligado à implantação da ESF no Brasil. Tal política de saúde (nascida em 1994) surge como uma forma de consolidação dos princípios do SUS e permite reorganizar a rede de assistência à saúde, caracterizando-se por ser dinâmica, coletiva e direcionada à municipalização da saúde e à integração dos níveis primário, secundário e terciário da prestação de serviços de saúde.

A ESF é uma política flexível e em processo de construção, trazendo benefícios e mostrando dificuldades. Com ela, surgiram exigências: comprometimento de recursos federais para a expansão da rede assistencial local, autonomia municipal na orientação da estratégia, novas responsabilidades de gestão e demanda por profissionais qualificados. Por outro lado, trouxe a oportunidade de expandir o acesso à atenção primária.

Como a ESF é baseada na problemática da comunidade, pode-se inferir que há diferenças marcantes nas experiências de cada município. A diversidade de experiências resulta de: variedade de tempo de implementação, capacitação dos profissionais, compromisso dos gestores, estabilidade de financiamento e do nível de apoderamento comunitário.

A ESF consiste em modelo assistencial operacionalizado através de equipes multiprofissionais em unidades básicas de saúde (UBS). As equipes são responsáveis pelo acompanhamento de um número definido de famílias, localizadas em uma área geográfica delimitada, desenvolvendo ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde da comunidade. O Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS), criado em 1991, está inserido nesse contexto.

Desde a implantação da ESF, existe a necessidade de trabalhar com duas ações conjuntas: aumentar o número de acessos à ESF e discutir um meio de consolidar a qualidade nas ações do programa e integração à rede assistencial do SUS. Nem sempre isso é fácil.

Verifica-se que houve relativa expansão no acesso às equipes de saúde da família, melhoria da cobertura da ESF, maior integração das ações da ESF com as ações de saúde secundárias e terciárias, além de intensificação dos processos de participação comunitária.

A Lei Orgânica da Saúde (Lei 8080/90) consolida a competência do município, definindo os papéis das três esferas de governo e estabelecendo para o poder público municipal a função de gestor da atenção à saúde dos seus munícipes.

Cabe aos gestores municipais: definir e implantar o modelo de atenção básica em seu território; contratualizar o trabalho em atenção básica; manter a rede de unidades básicas de saúde em funcionamento (gestão e gerência); co-financiar as ações de atenção básica; alimentar os sistemas de informação; avaliar o desempenho das equipes de atenção básica sob sua supervisão.

Creio que as estratégias para melhorar a resolutividade da Atenção Básica das UBSFs de Patos estão em processo de evolução (a passos lentos, é bem verdade), vencendo os desafios existentes, na medida do possível, visto que há, inicialmente, uma preocupação quanto à expansão do acesso às equipes de saúde (através do aumento no número das UBSFs na cidade) e contratação de profissionais qualificados e compromissados. Pode melhorar, caso haja investimento maior em capacitação profissional e caso leve em consideração, a opinião da comunidade local em alguns aspectos relevantes. Importante atentar que quando se tem serviços de Atenção Básica efetivos, logicamente, os serviços de alta complexidade são menos requeridos.

Logo, para que se consiga aprimoramento da ESF, é necessário lidar com uma série de desafios, tais como: capacitação de gestores, capacitação de profissionais de saúde, mudança nos cursos de graduação de saúde, investimento na interdisciplinaridade das ações da ESF, medidas de qualidade para que haja processo de monitoramento e avaliação dos problemas no nível local, estabilidade das relações profissionais e de trabalho, garantia de mecanismos formais de participação popular, implementação de políticas de comunicação social.

Saúde pública no Brasil – Parte 2

-Sistemas de Informação em Saúde-

Como é possível saber a eficácia dos serviços de saúde e se as mudanças introduzidas estão surtindo efeito? É necessário monitoramento adequado e para tanto, existem mecanismos de coleta e análise de dados, através dos chamados Sistemas de Informação em Saúde (SIS). Importante também, nesse processo, são o crescimento do controle social e o compromisso com a fidedignidade das informações fornecidas e analisadas pelos profissionais atuantes na área de saúde.

Os principais sistemas de informação em saúde são: SINASC (Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos), SINAN (Sistema Nacional de Agravos de Notificação), SISVAN (Sistema de Informações de Vigilância Alimentar e Nutricional), SIAB (Sistema de Informações de Atenção Básica), SIA/SUS (Sistema de Informações Ambulatoriais), SIH/SUS (Sistema de Informações Hospitalares) e SIM (Sistema de Informações sobre Mortalidade). Vale lembrar que ainda existem outros sistemas.

No que diz respeito ao SIAB, pode-se dizer que, através das informações colhidas, verifica-se a realidade da comunidade avaliada, conhecendo as doenças mais prevalentes, em que faixa etária ocorre, se a localidade apresenta áreas de risco para a saúde da população, dentre outros fatores. Através do conhecimento da realidade local, torna-se possível a elaboração de estratégias de melhoria da qualidade de vida dos moradores da área e a promoção de ações que possam gerar reais mudanças.

Além disso, existe a participação das Vigilâncias Sanitária e Epidemiológica, as quais permitem monitorar a realidade da saúde, atuando em diversos setores da sociedade. A Vigilância Sanitária é responsável pelo planejamento de ações capazes de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e intervir nos problemas sanitários. Já a Vigilância Epidemiológica tem as seguintes competências: deter e prevenir quaisquer mudanças nos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva, recomendando medidas de prevenção e controle.

Como a sociedade deve atuar nesse processo? Informar-se a respeito das condições de saúde da sua cidade, dos serviços de saúde disponíveis, conferir as propostas dos gestores, no tocante à saúde, e zelar para o cumprimento dos deveres dos mesmos.

Havendo união dos gestores, profissionais da área de saúde e população, é bem provável a construção de uma história diferente para a saúde local e brasileira, visto que juntos, torna-se concreta a definição das prioridades dos munícipes, desenvolve-se a melhor forma de planejamento e cria-se a maneira mais fidedigna de controlar e avaliar os serviços de saúde.

Sendo assim, constata-se que as melhorias, apesar de difíceis, são possíveis mediante perseverança e trabalho árduo. Não existe perfeição, todavia quanto mais se busca atingir a mesma, mais crescimento nos serviços públicos de saúde é observado. Essa luta não pode cessar.

Referências

1. CAMPOS, G. W. S., et. al. Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Hucitec, 2007.

Disponível em:
1. http://www.saude.gov.br/
2. http://bvsms.saude.gov.br/php/index.php
3. http://www4.ensp.fiocruz.br/radis/
4. http://www.datasus.gov.br
5. http://www.anvisa.gov.br
E-mail para contato: sucessomed@hotmail.com

*Patoense, 22 anos, mais conhecida como “Cessinha”, poetisa, escritora.
Acadêmica do 10º período de medicina da Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande.
Membro da Academia Patoense de Artes e Letras.

sábado, 19 de março de 2011

Clemildo Brunet
CLEMILDO BRUNET*

“Aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo” Hb.9:27

Ouvimos constantemente pessoas afirmarem: Não me conformo com a morte! De fato, a morte é um mistério; a nós pecadores, não nos foi dado o direito de saber a profundidade desse mistério. “... Somos entregues à morte continuamente, somos considerados como ovelhas para o matadouro”. Sl.44:22. Sabemos o que é a vida, mas sem a revelação divina, não sabemos ao certo o que seja a morte, exceto que ela é o fim da vida. Como diz o livro de oração da Igreja Episcopal Anglicana “No meio da vida estamos em morte”. Isto quer dizer que a morte faz parte da vida.

Hoje as pessoas referem-se a mim e a você pelo nome, mas, amanhã quando morrermos, a identificação será apenas por nosso estado – “o falecido”. Quer queiramos ou não, quer pensar e se preparar para ela ou não, se nós sabemos sobre o futuro ou não, a nossa morte vai acontecer. “Que homem há, que viva e não veja a morte? Ou que livre a sua alma das garras do sepulcro? Sl 89:48.

Catástrofes e tragédias vêm se abatendo sobre o planeta. O terremoto e tsunami que atingiram o Japão na última sexta feira (11), segundo dados divulgados pela Polícia Nacional japonesa nesta quinta feira (17), dão conta que o número de mortos chegou a 5.178 em 12 Prefeituras (distritos), enquanto que cerca de 8.606 continuavam desaparecidos. Além do mais, o Japão enfrenta no momento tremores secundários, ameaça nuclear e crise humanitária. Segundo especialistas, essa é a mais grave crise nuclear no planeta, desde o acidente na usina de Chernobyl, na Ucrânia, em 1986.

Em nosso país, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná, por causa das fortes chuvas caídas ultimamente na região vem se registrando algumas mortes e números consideráveis de desabrigados. Dez cidades em Santa Catarina já estão em situação de emergência. No Município de São Lourenço do Sul (RS) foi decretado estado de calamidade pública, registrando-se sete mortes na cidade e uma pessoa desaparecida. No Paraná, segundo boletim divulgado pela Defesa Civil na segunda feira (14), quase 25 mil pessoas foram afetadas. Entre desalojados e desabrigados mais de 9,8 mil tiveram que deixar suas casas.

Também, o escárnio da morte está entre nós, embora em proporções menores. Contudo, nos fere muito, pois são pessoas do nosso convívio e amizade, que se vão e que nunca mais veremos. Nossa cidade ultimamente teve o infortúnio de registrar com tristeza a perda de alguns entes queridos de tradicionais famílias.

As áreas da Comunicação e Cultura foram as que mais sofreram baixas, com os falecimentos das professoras Ivanil Salgado, Fátima Buzina, Cessa Lacerda e André Luiz de Sousa Vasconcelos, professor da UFCG de Pombal, além do Jornalista Paulo Queiroz, que, embora morando distante, em Rondônia, a notícia de sua morte nos surpreendeu bastante. Nesta semana foi à vez do professor, escritor, poeta e ex-vereador Expedito Abrantes.

Sei o quanto é difícil para nós humanos compreendermos essas coisas, no entanto, devemos encarar a morte como um momento passageiro, firmados nas palavras do Senhor Jesus que disse: ”Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá. E todo que vive e crê em mim não morrerá, eternamente. Crês Isto?” Jo.11:25,26.

Jesus o verbo encarnado de Deus enfrentou a morte e deu a sua vida por nós. “Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores”. Rm 5:8. Ele Despojou principados e potestades triunfantemente - com a sua morte na cruz, e ao expirar disse: “Está consumado!”

No tempo certo, já determinado por Deus, a morte que é descrita na bíblia como o último inimigo do homem, será destruída. Cumprir-se-á o que está escrito: “Tragada foi a morte pela vitória” 1Cor 15:54. Diz o Apocalipse: “E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram”. Ap 21:4.

Concluindo, evoco a afirmação do grande evangelista norte americano Billy Graham, considerado o maior pregador do Século XX, que com 92 anos de idade ainda lúcidos, está escrevendo um livro sobre Envelhecimento.


Biily Graham

“É estranho que os homens se preparem para tudo, exceto para a morte. Nós nos preparamos para instrução. Preparamo-nos para o trabalho. Preparamo-nos para nossa carreira. Preparamo-nos para o casamento. Preparamo-nos para velhice. Preparamo-nos para tudo, exceto para o momento em que vamos morrer. E, no entanto, a Bíblia diz que estamos todos destinados a morrer um dia". Billy Graham.

Pombal, 17/03/2011
*RADIALISTA
Contato: brunetco@hotmail.com
Twitter @clemildobrunet
Web. www.clemildo-brunet.blogspot.com

sexta-feira, 18 de março de 2011

Maciel Gonzaga
Maciel Gonzaga*

Inegavelmente, o papel que a imprensa tem desempenhado como “olhar onipresente do povo”, mesmo cometendo erros, tem sido salutar para o aperfeiçoamento de uma sociedade democrática em nosso país. Logo cedo, ainda na flor da minha adolescência, no final da década de 60, ao lado de grandes baluartes como Clemildo Brunet, Manuel “Arruda”, Genival Severo, Zeilto Trajano, Verneck Abrantes e tantos outros, eu pude compreender ser imprescindível para a sociedade a manutenção dos valores tradicionais do jornalismo.

Todos nós, em pleno regime da ditadura militar, já compreendíamos muito bem o “papel da imprensa” na sociedade, não só no Brasil, mas no mundo inteiro. Compreendíamos a importância da imprensa gritada na Revolução Francesa. Ou na derrubada do Czar na Rússia, divulgando o grito de jovens por objetivos de melhoria social.

No meu caso pessoal, em 1969, optei por ir estudar em Campina Grande. Lá, pude me engajar totalmente na imprensa, passando por rádios, jornais e, posteriormente, televisão. Sempre acreditando na liberdade de uma imprensa capaz de cumprir com o seu papel de pressionar e conscientizar as classes superiores na busca de uma sociedade mais igual.

 Jornal "AVANÇO"
Anos e anos se passaram. Estando eu já trilhando outros caminhos – o da Justiça – me chega ao conhecimento algo prazeroso que me irradiou de alegria, pois, confesso, não me lembrava mais desse feito. Através do também pombalense Ricardo Ramalho, recebo cópia de um exemplar – o de número 01 – do Jornal “Avanço”, com data de dezembro de 1968. E lá estavam apostos no expediente do folheto: Ricardo Luiz Ramalho, Werneck Abrantes, José Ademi Queiroga, F. das Chagas Werton, Alberto A. Bandeira, Geraldo Nóbrega e Maciel Gonzaga. Lá, todos nós falávamos de arte, de cultura, de uma melhor educação, combatíamos a miséria, combatíamos a guerra do Vietnã. Divulgávamos até a letra da música de Geraldo Vandré – “Pra não dizer que não falei de flores”.

Ressalte-se que o ano de 1968 foi o ano louco e enigmático do século passado. Ninguém o previu e muito poucos os que dele participaram entenderam afinal o que ocorreu. Deu-se uma espécie de furacão humano, uma generalizada e estridente insatisfação juvenil, que varreu o mundo em todas as direções. Ano de chumbo do Golpe Militar de 64. Mas, nós jovens estudantes pombalenses estávamos lá, de cabeças erguidas. Buscávamos incutir nas mentes da sociedade uma consciência para se entender o mundo de forma mais justa e equânime através de um bem precioso: a informação.

Hoje, bem mais amadurecido, depois de trilhar pelos caminhos do Direito e da Justiça, compreendo a importância do nosso feito através da informação, peça fundamental da liberdade, principalmente quando é praticada de forma isenta e responsável.

É bem verdade que, durante muitos anos, a nossa imprensa padeceu de censura, perseguições, com mártires como Vladimir Herzog. Agora, num momento em que as novas mídias alteram o modo de operar dos conglomerados de comunicação e que a tecnologia aponta um novo rumo na forma de interagir do cidadão com os meios de comunicação, cabe-nos lembrar desse grupo de jovens pombalenses – no qual me incluo. Ontem, como hoje, todos nós continuamos a entender que a imprensa tem um papel importante, se souber canalizar suas energias para ajudar na formação do povo brasileiro, na construção de um país democrático, plural, sem abrir mão de sua independência.

Por isso, num cenário como o de hoje, de plena liberdade, temos mais um motivo para aplaudir o Jornal “Avanço”, digno órgão oficial dos estudantes secundaristas de Pombal.

*Jornalista, Advogado e Professor. Natal – RN.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Em nome de nossa família agradecemos a todos os amigos, parentes e admiradores de nossa inesquecível
CESSA LACERDA

Reconhecemos fielmente a todo (a)s aquele (a)s que estiveram conosco neste momento de extrema dor, compartilhando a amargura e chorando conosco pela partida prematura da Poetisa, Artista Plástica e Professora

MARIA DO BOM SUCESSO DE LACERDA FERNANDES

Um abraço fraterno.

BIBIA E FILHOS

segunda-feira, 14 de março de 2011

RESPONDA: QUEM É QUEM NA FOTO?

sexta-feira, 11 de março de 2011

Porque sabemos que toda a criação, a um só tempo, geme e suporta angústias até agora” Rm. 8:22.


CLEMILDO BRUNET*

A humanidade precisa tomar consciência que os problemas relacionados com as mudanças climáticas da terra, têm muito a ver com a maneira como eles são encarados pelos próprios habitantes do globo terrestre. O que tem se lido por aí afora é que o ser humano por não haver pensado no futuro, vem sofrendo consequências inimagináveis, atingindo a vida das pessoas e tudo que lhes pertencem.

Lembro-me de um tempo em que se ouvia sobre desastres e catástrofes em outras partes do mundo, era corrente afirmar que isso nunca aconteceria aqui, por causa da posição geográfica privilegiada do Brasil. No entanto, estudiosos têm buscado encontrar respostas para os fenônemos da natureza que estão acontecendo, principalmente no sul e Sudeste.

As muitas enchentes que tem se dado em algumas cidades brasileiras, a exemplo de Santa Catarina, Minas Gerais e ultimamente no Rio de Janeiro, não são somente enchentes de chuvas torrenciais, há também tufões e tornados de escalas médias. São catástrofes naturais matando pessoas inocentes que não podem mais viver em paz nas cidades que moram.

Por falar em tornados, cidades aqui da Paraíba a exemplo de Várzea e Uiraúna, na última terça feira de Carnaval 08/03/2011, registraram fortes ventos com velocidade de 80 km/hs., provocando estragos e nervosismo na população. Casas foram destelhadas, tetos desabaram, árvores e muradas caíram e antenas parabólicas destruídas.

Já na tarde da quinta feira dia 03 de março, em Jardim do Seridó - no Rio Grande de Norte, um vendaval se abateu sobre a cidade. Muitas casas também foram destelhadas e casos mais graves foram registrados no Ginásio de Esporte e no Posto de combustível. A cobertura caiu por cima das bombas, dos carros e motos. O Ginásio também perdeu sua cobertura. Postes e árvores caíram pelas ruas da cidade.

Para especialistas, essas ocorrências têm relação com as mudanças do clima que vem ocorrendo em todo o mundo, sendo que as causas têm um componente natural, além da influência do homem. Conforme dados divulgados no Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), órgão ligado às Organizações das Nações Unidas, a temperatura média hoje da Terra é de 14° C, sendo que nos próximos 100 anos poderá aumentar entre 1,4° C e 5,8° C. Isso significa a elevação da temperatura para algo entre 15,4° C e 19,8° C.

De acordo com o técnico em mudanças climáticas do Ministério do Meio Ambiente, Adriano Santhiago, o efeito estufa é um fenômeno natural, mas há atividades que têm contribuído de maneira significativa para o aumento dos efeitos na Terra. “A emissão de gás carbônico proveniente do setor energético tem contribuído com 75% das emissões de gases efeito estufa no mundo”, alertou. Os outros 25% da emissão de gás carbônico são provenientes do setor de transporte, do uso da terra e floresta, com destaque para a agricultura e o desmatamento.

A CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil adotou como tema da Campanha da Fraternidade deste ano: Fraternidade e a Vida no Planeta. “O objetivo da campanha é de contribuir para a conscientização das comunidades cristãs e pessoas de boa vontade sobre a gravidade do aquecimento global e das mudanças climáticas, e motivá-las a participarem dos debates e ações que visam enfrentar o problema e preservar as condições de vida no planeta” declarou o secretário-geral da CNBB dom Dimas Lara Barbosa. A Campanha da fraternidade teve início nesta quarta feira de cinzas e se estenderá por todo período da quaresma.

Entre as ações práticas sugeridas pela campanha da fraternidade este ano, estão a redução do uso de sacolas plásticas, o uso de energias renováveis e mudanças de hábitos de costume. “Pergunta-se o que o cidadão comum pode fazer. As enchentes em São Paulo e em outros capitais, por exemplo, poderiam ser minimizadas se não houvesse uma massa de detritos jogados nos rios”, citou dom Dimas.

Façamos a nossa parte colaborando com a preservação do meio ambiente. Que Deus nos ajude!

Pombal, 10/03/2011

*RADIALISTA
Twitter @clemildobrunet
Web. www.clemildo-brunet.blogspot.com

quinta-feira, 10 de março de 2011

Paulo Queiroz Bezerra
O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Rondônia (SINJOR) vem de público lamentar a morte do jornalista Paulo Queiroz Bezerra, ocorrida prematuramente, nesta capital.

Primeiro presidente do SINJOR, Paulo Queiroz era um dos esteios da imprensa rondoniense. Funcionário público aposentado, tendo prestado serviços à Universidade Federal de Rondônia, Paulo Queiroz mantinha colunas políticas no jornal Estadão do Norte, e em vários sites regionais, além de dar assessoria a organismos públicos e privados.
Criador do site de notícias RONDONIASIM, o jornalista Paulo Queiroz escolheu para morrer, exatamente, o local onde exerceu seus últimos momentos da profissão a que tanto se dedicou.

Lamentando o triste fato, a Diretoria do SINJOR apresenta condolências aos familiares, amigos, e aos jornalistas que tiveram em Paulo Queiroz um espelho de profissionalismo, e exemplo de dignidade humana.

Porto Velho, 10 de março de 2011

CARLOS ALENCAR
Presidente
Autor: ASSESSORIA
Fonte: O NORTÃO


SEPULTAMENTO DE PAULO QUEIROZ.

O jornalista e articulista politico, Paulo Queiroz, foi sepultado no final da tarde desta quinta-feira, 10/03, no cemitério Jardim da Saudade em Porto Velho. O velório aconteceu na sede da Unir Centro onde foram prestadas as últimas homenagens ao jornalista.

A causa da morte do profissional de imprensa ainda é desconhecida, e o IML (Instituto Médico Legal), ainda não se posicionou oficialmente sobre o assunto.

Paulo Queiroz saiu na última segunda-feira de sua residência, e foi encontrado morto no início da noite dessa quarta-feira na sede do seu jornal.
 Por Filipe Jéferson
Noticias - 10/03/11 - 12h51

Ontem recebi uma noticia que não quis acreditar, ou melhor, não quero acreditar e está sendo difícil assimilar tal perda, Paulo Queiroz havia sido encontrado morto, Paulo fazia parte do grupo dos homens bons, daqueles que dava gosto de estar perto, era calmo, sensato e inteligente, dono de uma escrita incrível e de um senso critico mais incrível ainda, pai do meu amigo Paulo Henrique, tio Paulo como carinhosamente eu o chamava, tinha o dom de contar os causos e as melhores histórias que eu já ouvi, sempre com personagens da nossa querida Paraíba. Morreu aquele que pra mim era um espelho, um baluarte, um símbolo do jornalismo verdade, critico e independente, não era apegado a nenhum grupo político e diante disso tinha independência para falar a verdade e criticar aquilo que deveria ser criticado. Nunca pediu voto a ninguém, mais também não pedia favores, eu o considerava um professor, não de jornalismo, por que não sou jornalista, mais um professor de vida, seus conselhos eram memoráveis, sua história de vida um filme a ser visto várias vezes, ele era o exemplo de que era melhor passar fome honestamente do que comer um banquete com dinheiro roubado, não se vendia jamais e dizia sempre a verdade.

Jornalista Paulo Queiroz Bezerra - Natural de Pombal-PB
O vicio to álcool jamais tirou o seu brilhantismo, talvez dava mais sensatez e senso critico, eu costumava dizer que tio Paulo era como o Ronaldo Cunha Lima, um político da nossa terra que sempre que tomava umas fazia versos, poesias e sempre que tinha chance criticava seu próprio governo. Tio Paulo me incentivou a escrever, ele lia meus textos corrigia e sempre acrescentava algo, era bom estar ao seu lado, quando eu o encontrava na universidade federal, eu me sentia perto talvez de um discípulo direto de Platão ou Sócrates, o seu senso era iluminador, talvez por ser um iluminista moderno, por representar na atualidade as idéias de Montesquieu ou Voltaire, tio Paulo vai deixar saudades, assim como Manelão e Dr. José Carlos Silva de Lima (seu amigo de longa data que morrera em 2009), vai ser difícil abrir o jornal e não poder ler seus textos, vai ser difícil andar pela universidade federal e não encontrar aquela pessoa que tinha sua marca própria em andar de camisa de mangas compridas, calças jeans surradas e chinelas havaianas que quando questionado dizia que era o modo de o matuto se vestir no sertão paraibano.

Não sei se terei coragem de ver o grande tio Paulo depois de ter feito a sua passagem para o outro plano, talvez eu vá apenas para dar um forte abraço ao meu amigo de infância Paulo Henrique e a Tia Dora, não será fácil a partir de hoje lembrar que meu espelho quebrou, que já não terei mais em que olhar e lembrar na hora de tecer meus textos e criticas, sai de cena o homem, pai, honesto, honrado, digno, critico, apolítico e entra o mito a ser estudado e lembrado por todos de bem que militam no jornalismo rondoniense. O homem que saiu da pequena Pombal na Paraíba para entrar na história de Rondônia, que aqui constituiu família e todas as riquezas de sua vida como seu trabalho e seus amigos e que sem dúvidas será um objeto de estudo e acima de tudo de referência para os próximos que virão.

Ao amigo Paulo Henrique e sua mãe tia Dora, deixo meu abraço carinhoso e fraterno, a dor de vocês é a minha dor e de minha família, minha mãe chora como se tivesse perdido um irmão, o problema era que eles eram irmãos da mesma terra e vieram naqueles tempos onde aqui só viviam destemidos pioneiros. Ao José Carlos Sá, digo para não chorar tanto, pois existe um ditado que diz os bons morrem cedo por que Deus precisa deles e ele de onde estiver estará nos iluminando e protegendo. Aos outros amigos de tio Paulo digo e peço para continuarmos em frente não deixar a sua luta acabar e acima de tudo dar continuidade no seu legado, lutando por um Estado e País melhor, usando a arma que nos foi dada a palavra e dom de escrever.

Os três tempos não acabaram apenas vão se escritos em outro plano, e o que me conforma e saber que eu tive a oportunidade, o prazer e o privilégio de ter estado tão perto de um ser como tio Paulo, que dentro do meu interior representava o ídolo, o ícone e o caminho a ser seguido.

As lagrimas me acompanharam nesse texto, nesse tributo, mais foi ele quem me ensinou que para se escrever tem que ter sentimentos e transformá-los em letras, palavras, versos ou estrofes, mais sempre externar como objetos de leitura para o mundo.

Vá com Deus tio, que aqui nós ficamos com ele.

Filipe Jéferson Guedes Aragão.
Fonte: Rondonotícias.
Paulo Queiroz Bezerra - Jornalista, natural de Pombal-PB.
Urgente: Jornalista Paulo Queiroz é encontrado morto na sede de seu jornal Noticias - 09/03/11 - 20h58 - Atualizado em 09/03/11 - 21h15

O jornalista Paulo Queiroz Bezerra, um dos mais conceituados do Estado, foi encontro morto nesta quarta-feira, 09/03, na sede do site Rondoniasim, situado na avenida 7 de setembro com Campos Sales em Porto Velho.

De acordo com a família do jornalista, desde segunda feira, 07/03, ele saiu de casa para ir até a sede no Jornal e não mais havia retornado, quando foi encontrado. Queiroz era natural do Estado da Paraiba, faria 63 anos no próximo dia 15 e há mais de três décadas atuava com eficiência e prestígio no jornalismo da capital.

Em Porto Velho, trabalhou nos principais jornais impressos. Era autor da prestigiada coluna Política em Três Tempos do jornal O Estadão do Norte. Foi secretário -adjunto de Comunicação do Governo Raupp, assessor de imprensa da Universidade Federal de Rondônia e presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado

Fonte: Rondonotícias 

terça-feira, 8 de março de 2011

Jerdivan N. de Araújo
Jerdivan Nóbrega de Araújo*

“Eu desisto não existe essa manhã que eu perseguia, um lugar que me dê trégua ou me sorria, uma gente que não viva só pra si”. Um lugar onde o badalar do sino da minha idade silencie para não me lembrar que o tempo transformou o mundo em algo tão monótono, sem objetivo e sem graça.

Eu quê fui de ônibus até o Rio de já Janeiro só para ouvir Dr Ulisses, carreguei “pirulitos” em memoráveis passeatas pelas “Diretas Já”, “Fora FMI”, a “Petrobrás é Nossa”, e até chorei ao ouvir a noticia da morte de Tancredo, jurei votos de silencio eterno por Elis e Tom Jobim, estive presente nos dez anos do PT em Curitiba só para ver Lula de perto. Trajei, sobretudo e boina tal o guerrilheiro Che Guevara, fui “fiscal do Sarney” e pintei faixas e rostos pelo “Fora Collor”, me indignei com os jardins da Casa da Dinda, enquanto os urubus passeavam no meu quintal, corri do exercito e até de índios acivilizadados em Porto Seguro, nos 500 ano do Brasil, agora, sinto que me falta papel em branco para continuar a escrever novas páginas da minha história.

Um segredo que queria levar ao tumulo, mas, hoje faço questão de revelar, é que há anos, talvez cinqüenta, não recordo bem, recebi de presente uma máquina do tempo que me leva ao futuro a cada segundo e, só segundo por segundo. Uma inútil, perseverante e impiedosa máquina que tenho vontade de desinventar ou, pelo menos, reverter seus efeitos para ter de volta os tempos das boas músicas de Cartola, Taiguara, Raul Seixas, Gonzagão, Milton e Chico Buarque. Tempo dos carnavais das machinhas e da inocência dos beijos roubados, das serenatas em soleiras de janelas, das notícias vindas do Vietnã ou das músicas boas nascidas no Beco das Garrafas.

-Até Let it be me fazia chorar...

A banda vai passando em disparada, mas, meu caminho é de pedra como posso andar? Como possa caminhar e cantar sem tropeçar no passado, se a máquina do tempo só me leva, segundo a segundo, para um futuro sem volta, sem perspectiva de vida sob esse sublime torrão, onde soldados armados “amados ou não” pisam com suas botinas as flores das quais eu não ousei falar?

Este mundo novo não me permite sequer olhar para trás sem ser criticado por uma geração que acredita que “As viagens de Gullver” é história nova criada por roteiristas de Hollywood, que Zé Américo é apenas nome de rua e Valdir Sclia foi um cara que a globo disse que morreu na semana passada.

É cruel viver num mundo onde o que não pode ser escrito em 140 caracteres é longo de mais e impossível de se ler. O que não se pode teclar e depois deletar simplesmente não existe e, até os filmes bons e as boas músicas são as que, um mês depois, não lembramos sequer do titulo.

Não quero que a máquina do tempo, que anuncia a minha extinção, perturbe os ouvidos dos que escutam iPod com suas boas letras de “tarrachinhas” e “Minha mulher não deixa”. Tambem não é meu desejo que minha existência ofusque a visão dos que usam óculos 3D.

O meu tempo é o ontem e o deles é apenas o agora, o já. Os meus passos e olhares enfraquecidos, não renegam o novo. Também não trata se está absoleto para esse mundo que se constrói em micro ondas e se desfaz rápido assim como flashes de luz. O que “eu não queria é a juventude assim perdida, eu não queria andar morrendo pela vida”, apenas quero lembrar que existiu um tempo em que o entardecer trazia noites enluaradas em chuvas de prata, as manhãs eram ensolaradas e, nas tardes de domingos, cruzavam as ruas da minha cidade apenas Jipes, kombis e Rurais.

“Se existe alguém na linha se tem alguém no ar, por favor, responda agora não me faça esperar, há uma certa urgência por informação. A aqui to eu sozinho, do outro lado não sei não”, alguém que esteja me ouvindo ajude-me a achar a última peça para compor essa ópera do juiz final até que a minha máquina do tempo, que só me leva ao futuro e que torna o meu mundo um outono sem primavera, seja concluída mesmo que em um suspiro final, para dizer ao tempo que se ele quiser começar tudo de novo pode contar comigo, pois sempre “vai valer a pena ter me rebelado ter me debatido ter me machucado ter sobrevivido ter virado a mesa ter lhe conhecido”.

“Tempo, tempo, tempo és um senhor tão cruel...”

Twitter não é coisa nova. Há cinco mil anos Deus passou 12 para Moisés. E depois se calou para sempre.

*Escritor Pombalense

10 Anos

DEZ ANOS DE BLOG Clemildo Brunet* Para brindar tão glorioso acontecimento, ele acontece juntamente com os duzentos e nove anos de imprensa em nosso país, justamente na semana que intercala as duas datas importantes para os nossos meios de comunicação: 1 de junho – Dia da Imprensa Nacional Brasileira e 7 de Junho Dia da Liberdade de Expressão.

Postagem Destaque

Jornalista e escritor faz revelação sobre importante político de Pombal e fala da história de “Maringá”

O jornalista disse o município tem avançado nessa nova gestão, mas precisa alavancar em áreas mais importantes. O Caldeirão Político ...

Quem sou eu

Minha foto
CLEMILDO BRUNET DE SÁ – Iniciou sua carreira radiofônica em 1961 nas antigas difusoras de Pombal. Em 1966 montou sua própria emissora “A VOZ DA CIDADE”, que teve o seu destaque na formação de muitos profissionais que atuam hoje nos veículos de comunicações como: Rádios, Jornais, TVs e Portais da Web. Em 1968 instalou o serviço de Alto Falantes “LORD AMPLIFICADOR”. Atuou no rádio como: Locutor, redator, comentarista, repórter e noticiarista. Foi correspondente durante dez anos do Jornal Estadual da Rádio Tabajara da Paraíba entre 1980/1990. Ex-diretor comercial das Rádios Maringá AM e Liberdade 96 FM de Pombal. Passando ainda pela Opção 104 FM de Pombal e Rádio Alto Piranhas de Cajazeiras exercendo nesta última, suas atividades jornalísticas nos Programas, Rádio Vivo e Trem das Onze. Foi agraciado com a mais alta honraria da Assembléia Legislativa da Paraíba “A Medalha Epitácio Pessoa”, no dia 10 de junho de 2010. Aposentado, atualmente vem divulgando temáticas sobre o rádio, a cultura e a história de Pombal, em seu Portal CLEMILDO, COMUNICAÇÃO & RÁDIO. Sigam-me no Twitter: http://twitter.com/clemildobrunet

Arquivos do Blog

VISITA DE CORTESIA A PRODUTORA DE VÍDEOS "SALES DANTAS" EM JOÃO PESSOA-PB.

VISITA DE CORTESIA A PRODUTORA DE VÍDEOS "SALES DANTAS" EM JOÃO PESSOA-PB.
CLEMILDO E SALES DANTAS EXIBINDO "O TROFÉU IMPRENSA 2007".

NO RESTAURANTE "CACIOROLLE" EM JOÃO PESSOA.

NO RESTAURANTE "CACIOROLLE" EM JOÃO PESSOA.
ELIEZER GOMES OFERECE LAUTO ALMOÇO AO RADIALISTA CLEMILDO BRUNET E AO CRONISTA ESPORTIVO JOSÉ CARLOS ARAÚJO.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
OS RADIALISTAS DA TERRA DE MARINGÁ QUE FORMAM A GRANDE COMISSÃO DA FESTA.

´TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07

´TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07
CERIMONIAL: ADELTON ALVES, LADEADO PELAS PROFESSORAS: DIANA E SONIA.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
A GRANDE COMISSÃO COMPOSTA PELOS RADIALISTAS DE POMBAL.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
ENTREGA DO CERTIFICADO "PARCEIRO AMIGO DA IMPRENSA" AO REPRESENTANTE DA CASA BORBOREMA.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07
ALDO NUNES DO SEBRAE RECEBE DAS MÃOS DE CLEMILDO "O TROFÉU IMPRENSA 2007.

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
CLEMILDO EM SEU DISCURSO AGRADECEU AS HOMENAGENS A ELE TRIBUTADAS.

AGRADECIMENTO

Meu querido Clemildo Brunet

Tomei conhecimento por intermédio de minha mãe, Dona Zélia que o nobre Jornalista tinha feito uma homenagem ao meu querido e inesquecível Pai, Cirurgião Dentista e Historiador Wilson Nóbrega Seixas, em seu Blog, de pronto como seu filho mais velho estou lhe enviando esse E-mail agradecendo em nome de minha família as atenções.

Do conterrâneo e amigo,

Antonio Chateaubriand Carneiro Arnaud Seixas

CONGRATULAÇÕES

Clemildo amigo,

Gostei de suas palavras sobre o nosso conterrâneo Paulo Abrantes. Você, como sempre, valorizando os filhos da terra. Abraços para você e para o homenageado.
Carneiro Arnaud

PASTOR CLODOALDO

Querido Clemildo
Agradeço a Deus a oportunidade que me concedeu de conhecer pessoalmente o meu primo Pr Clodoaldo. Os que confiam no Senhor são como águias, renovam-se e revigoram as forças. São ditosos e, asseguram-nos as escrituras, frutuosos todo tempo. As bênçãos de Deus se revelam na longevidade e a misericórdia Dele proporciona-nos ver os filhos dos filhos. No caso aqui , poderei dizer , primo dos primos. Tive o privilégio de conhecer, pessoalmente, o Pr Clodoaldo na ocasião das comemorações do centenário de nascimento do meu saudoso e amado Pai ( Flavio Brunet) . Como foi gratificante para mim, encontrar o Pr Clodoaldo , pois eu só ouvia falar dele. Não me lembro se o conheci quando ele era criança, mas tenho certeza que nunca nos havíamos encontrado. Depois que ele dedicou sua vida ao Ministério, encontrá-lo, como servo de Deus, foi como um refrigério a minha alma.
Lendo seu relato, vi como o Nosso Deus é Misericordioso com aqueles que obedecem a Sua Palavra. Posso imaginar como foi a vida desse homem de Deus que entregou sua vida para proclamação do Evangelho. Sei perfeitamente o quanto é difícil para um missionário iniciar um trabalho!! Mas sei, também, o quanto é agradável fazer a obra de Deus. As dificuldades se sobrepujam ao regozijo das nossas almas. Parabéns, Pr Clodoaldo, por mais um ano de vida dedicado ao serviço do Nosso Senhor Jesus Cristo, levando mensagem de Salvação. Parabéns Clemildo, pelo dom que Deus lhe deu. Você sabe, como ninguém, homenagear as pessoas que lhe são queridas. Um grande Abraço Rose Mary Ramalho Brunet Medeiros.

PARABÉNS PELO CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE FlÀVIO BRUNET DE SÁ

Caro Clemildo,
Moro em São Luís, Ma, e já estive na Paraíba , terra querida do meu pai, que aí nasceu e morou até os dezoito anos, em Catolé do Rocha.Veio muito cedo para o Maranhão e aqui se estabeleceu. Faleceu em 1979, com 68 anos. Ele falava com saudades da sua terra e me fez gostar dela. Por isso, eu amo a Paraíba .
Associo-me às homenagens prestadas in memoriam, ao seu Flávio Brunet que não conheci pessoalmente, mas que admiro e respeito pelos seus feitos em prol da família, da igreja e da comunidade. Aprendi a admirá-lo também pelo amor a ele dedicado pela sua filha Rose Mary,
Parabéns pelas festas do centenário de nascimento desse ilustre paraibano que sem alarde , deixou um legado que se perpetuou nas novas gerações de filhos, netos , sobrinhos e amigos. Ao lado de D. Eunice, de saudosa memória,soube construir um patrimônio irretocável de amor, generosidade, e , sobretudo, de um testemunho de vida que o tempo não vai conseguir apagar.
E a você, de modo especial, toda a minha admiração pelo blog que destaca de forma brilhante essa comemoração. Que ela sirva de inspiração a todos quantos busquem como paradigma aqui na terra, um homem valoroso, trabalhador e temente a Deus. Seu Flávio aqui viveu de modo digno, desempenhando a contento a obra que lhe foi confiada por Deus
Com estima,
Dina Barreto da Silva

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
CLEMILDO ENTREGA O TROFÉU IMPRENSA AO EMPRESÁRIO GENIVAL TORRES DANTAS EX-INTEGRANTE DO LORD AMPLIFICADOR NA DÉCADA DE 70.

AUSÊNCIA JUSTIFICADA!

Bom dia Clemildo!
Conseguir entrar no seu blog e vir todas as homenagens dedicadas a seu Flávio, mais do que merecido como todos nós sabemos.
Não podemos marcar presença, pois Júlio estava com problema alergico e tive medo de viajar.
Parabéns pelo seu maravilhoso trabalho.
Obrigado
JÚLIO E SÔNIA BRUNET

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
O DESEMBARGADOR RAPHAEL CARNEIRO ARNAUD EM SEU DISCURSO REFERIU-SE AOS RELEVANTES SERVIÇOS PRESTADOS POR CLEMILDO A COMUNICAÇÃO PARAIBANA.

PARABÉNS, PELO BLOG

Elias Medeiros
Estimado Clemildo. Acessei seu blog. Parabéns. Encontramos poucos blogs hoje em dia como o seu. Um blog sério que promove valores (espirituais, familiares, amizades, etc) que muitos blogeiros esqueceram de ressaltar. Parabéns, portanto, pelo blog muito informativo e formativo. Elias e Fokjelina Medeiros

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB EM 14-11-07.
CLEMILDO CUMPRIMENTA A MADRINHA DOS RADIALISTAS COM UM BEIJO.

COMENTÁRIO: O CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE FLÁVIO BRUNET DE SÁ.

Rivanilda Ramalho de Sá comentou sobre a sua postagem no blog



...tudo que ele faz será bem sucedido. Salmo 1.3 Assim é as coisas que você promove. Foi um evento perfeito organizacionalmente e emocionalmente... Uniu gerações da família...Agradável aos olhos de Deus. Parabéns!

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
ACADEMIA DE LETRAS DE POMBAL ENTREGA CERTIFICADO HOMENAGEANDO OS RADIALISTAS DE POMBAL.

SESSÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
O JORNALISTA JOÃO COSTA EM SEU DISCURSO ENALTECEU AS QUALIDADES DO HOMENAGEADO!

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
DONA CESSA MADRINHA DOS RADILISTAS ENTREGA O TROFÉU IMPRENSA AO RADIALISTA CLEMILDO BRUNET.

NOVO CONTADOR DE VISITA INICIADO EM 27/06/12









SESSÂO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÂO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
CLEMILDO RECEBEU ESTA PLACA CARACTERIZANDO O RECONHECIMENTO DA CÂMARA DE VEREADORES!

JOÃO LEITE FILHO CUMPRIMENTANDO O RADIALISTA CLEMILDO BRUNET NO MOMENTO DA ENTREGA DA COMENDA.

SESSÃO SOLENE DA CÃMARA MUNICIPAL DE POMBAL NO DIA 14-11-07.

SESSÃO SOLENE DA CÃMARA MUNICIPAL DE POMBAL NO DIA 14-11-07.
CLEMILDO RECEBEU MAIS ESTA COMENDA DAS MÃOS DO PRESIDENTE DA CASA.

MEU PRIMO GOSTARIA QUE VOCÊ POSTASSE A NOSSA GRATIDÃO PELA ORGANIZAÇÃO DA FESTA.

Pensava eu, em prestar uma homenagem ao meu pai, primeiramente agradecendo a Deus o que ele representou para sua família enquanto viveu. Depois queria que a meus filhos e convidados soubessem um pouco mais da vida desse grande homem. Abro aqui um parêntese para dizer, que vivemos no mundo de hoje em que honestidade é sinônimo de desvantagem. As pessoas só querem tirar vantagens uns dos outros sem se importarem do verdadeiro sentido da Vida. O ter é mais importante do que o SER. Sempre vi meu pai, pensando nos outros, nutria suas amizades com aqueles que gostavam não por aqueles que tinham maiores condições de vida. Sempre teve amigos verdadeiros. Voltando agora, dos meus pensamentos sobre meu querido e saudoso pai. Não poderia fazer o que pretendia sem ajuda desse importante comunicador. Clemildo fez o link do meu passado com o presente. Muito Obrigada, dileto primo!!!

Rose.

EMOCIONADA AO VER FAMÍLIA REUNIDA

Fiquei muito emocionada ao ver a família reunida. Agradeci a Deus por estar presente primeiro porque sei o quanto a minha avó Eunice ficaria feliz se viva estivesse; segundo porque considerei um milagre o meu chefe me liberar para viajar, já que havia muito trabalho no gabinete e me surpreendi quando ouvi ele dizer que considerava importante a minha presença no evento.
Não poderia imaginar uma homenagem mais bonita para o meu avô. Agradeço a todos que compareceram, principalmente, ao Pastor Clodoaldo, por ter sido um instrumento de Deus para trazer a mensagem, ao Dr. Clemildo pela organização de reunir todas as informações sobre o ”seu Flavio", aos meus tios Rose e Eli pela iniciativa, amo vocês.
Miriam Brunet

CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE FLÁVIO BRUNET DE SÁ!

Obrigada Clemildo pelo relato das nossas homenagens ao nosso Pai Flavio Brunet de Sá. Agradecemos a Deus, o que papai representou para nós, em vida. Comemoramos os 100 anos de nascimento dele. Esse exemplo de vida merecia ser lembrado até para as pessoas que não tiveram o privilégio de conhecê-lo. Fiquei muito feliz com o que aconteceu naquela noite. Agradeço de coração a todos que compareceram e, de uma forma ou de outra contribuíram para uma noite tão agradável. Uma noite de pura emoção!!! Rose Mary Ramalho Brunet Medeiros.

DOUTOR ATÊNCIO, MEU MÉDICO!

Gostei de ler o brilhante relato sobre a vida do Dr. Atencio. Ele foi o meu médico, nos primeiros meses de meu nascimento. Sempre ouvi a Mamãe e minha babá Raquelzinha falar sobre o Dr Atencio, da sua dedicação como médico. No ano de 2001, encontrei com a D. Cacilda em João Pessoa. Ela me reconhecendo como filha de Flavio Brunet de Sá e Eunice Ramalho Brunet foi logo me falando: “meu marido foi o seu médico". Eu disse que sempre tinha isso na minha lembrança que o Dr Atencio além de ser o meu médico era amigo da nossa família. Rose Mary Ramalho Brunet Medeiros.

DE ROSE MARY RAMALHO BRUNET MEDEIROS, PARA CLEMILDO BRUNET

• Rose Medeiros
Meu primo querido!!! Não tenho palavras para lhe agradecer o seu empenho de organizar e concretizar o meu sonho!!! Fiquei muito gratificada em poder fazer a homenagem para o papai . Ele ainda vive nos nossos corações!!!A fazenda Cajazeiras é tudo que podemos ter para que essa lembrança seja materializada. Fiquei recompensada com as palavras que ouvi ontem sobre o meu pai. Foi tudo o que pensei e idealizei, e isso não seria possivel sem a sua ajuda. Com todo meu carinho sua prima Rose Medeiros
01 DE AGOSTO: HOMENAGEM A CLEMILDO PELO TRANSCURSO DE SEU ANVERSÁRIO!

Deus está sempre contigo
Ele renova o teu coração
Unge os teus pensamentos
Sempre a vida com gratidão

Dar-te força e Coragem
E faz viver com emoção

A vida é sempre bela
Mesmo que haja provação
A Mão de Deus torna singela

Dar a ti felicidade
E a Saúde para viver

Cada momento de tua vida
O amor de Deus te faz sentir
Reinar em ti toda hora
Altivez está em ti
Com o teu dom a disputar
A estrela sempre a brilhar
Os teus anos vem florir

Maria de Lourdes P. de Almeida Araújo

COMENTÁRIO DE WJ.SOLHA

Beleza, meu caro. Alcancei o tempo do Cine Lux ainda de Affonso Mouta, com salas sempre cheias, ainda vejo na memória, o infalível padre Andrade a chegar mancando, vejo uma área reservada a prostitutas, vejo a infalível mãe de Eneida, esposa do colega do BB, Ramiroo, . a bilheteria na curva da esquina. Infelizmente posso dizer que seu Affonso, que mantinha um padrão alto de filmes que projetava, morreu em meu lugar. Ione, minha mulher, estava em Fortaleza, com um problema de saúde e pedi à Brasil Oiticica que, se fosse possível, me desse uma vaga em seu avião que ia semanalmente para lá. Tudo certo, mas, quando chegou o dia, recebi a ligação dizendo que, infelizmente, teriam de levar um motor que precisaria de reparos urgentes, só possíveis no Ceará. Era uma mentira gentil: tinham cedido o lugar a mim prometido para seu Affonso. Que foi tomar o avião e foi sugado pela hélice, que lhe abriu o abdôme. No Cine Lux sofri muito vendo os copiões de O Salário da Morte, um dos rolos completamente desfocado, pelo que tivemos de refilmar tudo de novo.
Quanto ao cinema de Patos, eu me lembro dele com o nome de Eldorado. Indelével porque o cine Eldorado, em Sorocaba, de onde eu viera, era o único cinema que eu jamais frequentara.
Boas lembranças. Bom texto, meu caro.

COMENTÁRIO: DIA DO PROFESSOR.

Prezado Clemildo,

Parabenizo o ilustre colunista, pelo brilhante artigo sobre a origem da data comemorativa 15 de outubro "DIA DO PROFESSOR", acredito que um grande número de colegas nossos, não conhecem o motivo pelo qual comemora-se nesta data. Fico honrado e agradecido (enquanto profissional) pelo encorajamento, incentivo e prestígio que o colunista faz ver ao leitor sobre esse profissional,... Que infelizmente não é reconhecido pelos nossos governantes. Uma prova da falta desse reconhecimento está no embate jurídico sobre o reconhecimento e pagamento do PISO SALARIAL.

Muito obrigado Clemildo, por lembrar dessa figura tão importante na formação dos demais profissionais. O PROFESSOR.

Curimatá(PI), 13 de outubro de 2012

Francisco De Assis Soares

FELICITAÇÔES

Caro amigo Clemildo, você me surpreendeu com o seu encantador artigo que molda parte da minha vida e de meus amigos em Pombal. A sua inteligência lhe acompanha pelos mais recônditos lugares de sua alma. Parabéns meu amigo, não merecia tanto, valeu para relembrar esses bons momentos relatados. Abraço do amigo Paulo Abrantes.

RIACHO DE PRATA: TERCEIRA OBRA LITERÁRIA DE PAULO ABRANTES!

Dr Paulo foi um imenso prazer conhecê-lo pessoalmente e poder ouvi-lo dia 30.09.11 na ocasião da inauguração da Biblioteca da Câmara Municipal de Pombal que leva o nome de nossa Mãe Maria do Bom Sucesso Lacerda Fernandes; com voz mansa e doce, falou com sua simplicidade sobre o evento que estava acontecendo e apresentou sua nova obra a qual fui premiado por vós e que vou lê-lo com muito apreço e depois comentar aqui mesmo neste blog.
Queria agradecê-lo em primeiro lugar, em meu nome e da minha família pela sua presença ao evento e pelo livro a mim presenteado, saiba que a sua amizade com meus pais é sincera e pura como o sentimento de uma criança, há fidelidade mútua e o amor fraternal vos une, extensivamente agora comigo e os meus. Sucesso com esta mais nova obra literária.GRAÇA E PAZ, AMÉM.
JUNIOR BOM SUCESSO
PATOS PB, 01.10.2011.

MARINGÁ: ...FICOU SENDO A RETIRANTE QUE MAIS DAVA O QUE FALÁ...

Meu caro Clemildo:
Histórias sobre Maringá sempre povoaram o imaginário de toda gente de Pombal ao longo do tempo, alimentando o desejo de desvendar essa história. No caso presente, Jerdivan Nóbrega, meu escritor predileto, traz á tona êste palpitante tema, no seu encantador romance, "A Saga da Cabocla Maringá", apresentando como nunca vi igual, uma idéia literária que empolga e gera tanta expectativa no seio da sociedade pombalense. Porquê popularmente a Maria do Ingá ,ou seja, "Maringá", é um hino de amor, é uma canção de louvor a nossa terra, é um idílio que não gostaríamos que tivesse sido interrompido, é afinal uma história, um desfecho que tinha de ser contado, e Jerdivan fez e fez muito bem. Clemildo você está como Jerdivan, cada vez melhor, acertando no alvo que o povo de nossa terra quer saber.
"A Saga da Cabocla Maringá", de Jerdivan Nóbrega de Araújo, é uma obra muito interessante, cuja magia está no enredo e na simplicidade de linguagem utilizada pelo autor em todos os momentos. È um livro que deve ser lido por todos. Parabéns a ambos.
Paulo Abrantes é engenheiro civil e escritor pombalense.

Olá Clemildo Brunet. Bom dia!
Beleza mesmo. Isso precisa ser acessado por todos os pombalenses. É cultura.
José Haroldo.

Caro amigo Clemildo:
Como é bom constatar o carinho que vocês têm por Pombal. Faz bem para a gente e serve de exemplo. Certamente "A SAGA DA CABOCLA MARINGÁ" terá grande aceitação e já que o autor é seu amigo torço pelo sucesso dele.
Um abraço bem grande Clemildo.
Ubiratan. Curitiba PR.

CARÍSSIMO CLEMILDO.
Confesso, gostei imensamente do seu comentário sobre “A SAGA DA CABOCLA MARINGÁ”, o mais recente livro do conceituado escritor pombalense Jerdivan Nóbrega.
A partir do título bastante sugestivo e oportuno você foi muito feliz na peça discursiva. Admiro seu elevado discernimento e a facilidade com que discorre o conteúdo da obra direcionando seus aspectos para os diversos lados.
Seu comentário é, portanto, uma sinopse da obra que por si só já nasceu grande, graças ao reconhecido talento literário do seu autor, do qual sou admirador.
Se hoje a Lenda de Maringá passou da canção para o livro, quem sabe amanhã seja encenada e exibida por esse Brasil afora. Seria a perpetuação de uma história que nasceu para sempre.
Enfim, este é o comentário que gostaria de ter feito.
Parabéns com louvores.
Prof. Francisco Vieira.

POMBAL, SEMPRE POMBAL
Caro Amigo e Conterrâneo,
Clemildo Brunet.
Essa história da cabocla Maringá se arrasta por muito tempo. Eu era criança pequena nos arredores de Pombal e ouvia falar de histórias e estórias da retirante. Quando surgiu a música, ela mexia com a sensibilidade de muitos idosos daquela época. Homens e mulheres se manifestavam: "como é 'penosa' essa história"!
Mas ninguém se propunha a desvendar o mistério que até hoje permanece rondando por essas cercanias. O nosso grande Ruy Carneiro, talvez tenha mantido um amor proibido. Proibido, dada a diferença de classe. Ele não foi o primeiro a frustrar-se em ocasiões tais.
Conta-se, por aí, que dois irmãos originários de classe média, conheceram duas irmãs de classe menos favorecida e mantiveram um amor proibido, até que chegou ao conhecimento do público. A mãe dos rapazes lhes pediu que não casassem com aquelas moças porque não faziam futuro nenhum. Eles a obedeceram, mas na seguinte condição: Um não poria mais os pés no chão de Pombal; o outro, resolveu abraçar a vida celibatária.O caritó, para as mulheres. Assim fizeram.
Quando ela, a mamãe, adoeceu eles vierem visitá-la. Um pediu que o levassem nos braços, porque não pisaria mais nessa terra, pois assim jurara. Assim cumpriu o seu pretexto. O outro,cumpriu o propósito de não mais se casar, foi servir na Polícia Militar do Estado do Parahyba,lutou na "Revolução de Princesa", obteve uma carreira bem sucedida, no Quadro de Oficiais. E, na reserva, chegou a ser Prefeito de Pombal. E muito trabalhou pelo Município. Fez o Distrito de Paulista tomar um impulso nunca visto.
Agora, advinhe quem foram eles...
Cansei de ouvir contar essa história, quando ainda menino de calças curtas.
Forte Abraço - JOSÉ SANTOS DINIZ

Prezado amigo Clemildo Brunet:
Fiquei feliz em reencontrar você em plena movimentação cultural, escrevendo sobre a "Cabocla Maringá", um blogueiro de primeira categoria. Quero dizer a você que o site do "Caldeirão Político" www.portalcaldeiraopolitico.net está aqui as suas ordens.
Você já leu o seu artigo "DA CANÇÃO PARA O LIVRO - A SAGA DA CABOCLA MARINGÁ", já inserido no nosso site? Quero continuar transcrevendo os seus artigos. Pode encaminhá-los. Como também outras notícias de Pombal.
CHICO CARDOSO

Olá meu amigo!
Essa história da existencia em corpo e alma da cabocla Maringá, bem como a sua presença nas terras de Pombal, deixou-me encafifado por muito tempo. Busquei vesitigios da sua presença onde pudesse encontra-lo, Li a obra de Jose Gregorio que narra os principais acontecimentos de Pombal, exato no tempo que possivelmente a Cabocla poderia estar entre nós. Nada, nenhuma referencia àquela fascinante mulher. Conversei a exaustão com a minha Mãe, por sinal da mesma idade de Ruy. Amigos de infancia e adolescencia, estudaram juntos, por isso firmaram uma amizade que terminou com a morte de ambos. Minha Mãe dizia que esta mulher jamais existiu em Pombal. Em sendo Maringá dotada de uma beleza singular, com certeza a sua presença no lugar teria chamado atenção das moças da época. A única paixão de Ruy em Pombal, foi uma prima de minha Mãe cujo nome era Ana Dantas de Alencar ou Nina, na intimidade da familia. Afora essa moça, não há registro de que Ruy tenha namorado outra moça.com os supostos dotes fisicos de Maringá. Em resumo, Maringá nasceu no rio de Janeiro, Não tem Mãé, só tem pai cujo nome é Joubert de Carvalho. O resto é lenda e nada mais. Jerdivan, na construção da sua obra, sabiamente manteve essa questão fora da trama, com certeza para evitar questionamentos infrutiferos que podem desviar atenção da riqueza criativa e essencia do seu livro. Abraços Ignacio Tavares

COMENTÁRIOS SOBRE O LIVRO "RIACHO DE PRATA"

Distinto amigo Paulo Abrantes.
Li Riacho de Prata.Sua literatura é empolgante, sobretudo percebo tratar-se também, de um excepcional DOCUMENTÁRIO HISTÓRICO sobre a sua terra natal - POMBAL, em detalhes de um colorido fantástico, num reflexo de sentimento familiar, social, tudo ornamentado por um paisagismo impressionante. Sinto-me diante duma leitura amena, que conforta a alma e o espírito, trazendo ao leitor mavioso recreio, que, neste vendaval turbulento que ora vivemos, é a meu ver, um caleidoscópio oriental dos velhos tempos que se foram, revestidos de humanidade e ternura, valores que não já não vemos mais, tão frequentemente.
Do companheiro-alado, velejando no mundo da nossa internet.
MILTON ALVES
Auditor da Receita Federal.

Prezado Paulo Abrantes,
Venho agradecer pelo envio do livro "Riacho de Prata - Crônicas & Contos", de sua autoria.
Parabéns pela idéia de homenagear a sua terra natal, Pombal, incluindo além de seus próprios textos, os de outros conterrâneos.
Cumprimento-lhe ainda por proporcionar aos leitores essa "viagem" que remonta às origens e revivem na memória lembranças de momentos inesquecíveis, em sua vida, e certamente na de muitos pombalenses.
Atenciosamente,
Roberto CavalcanteCorreio da Paraiba

Como foi bom ler seu livro, Paulo Abrantes! Foi como se visitasse Pombal, mas não agora, e sim à época em que vivi lá, de 63 a 70! Quanta gente daquele tempo me veio à memória! Quanto riacho revivi, no seu texto gostoso, "em desabalada correnteza, ecoando um estalar de troncos e ramos partidos"!
Como foi bom saber que Nena Queiroga, que me encantou tanto com sua tranquila elegância, seus livros e suas viagens à Europa, também encantou você. Não sabia que ela ensinava religião!
E como foi gostoso ler o que você escreveu sobre a Rua Estreita, onde vivi a primeira cena do filme O Salário da Morte, na qual enchi a velha porta da farmácia do Epitácio com cinco buracos do que deveriam ser balas de festim!
Mas bom, mesmo, é o texto que v. produziu sobre A Rua Estreita, um desfile de personagens fabulosos, como seu Zé de Duca e a quebra de resguardo da mulher por conta de um lobisomem; como seu Hormídio puxando a gaveta para dela tirar o catálogo homeopático, com que curaria a pobre senhora; com o transe do espírita Generino, com a pregação de Pedro Marcelino!
Sucesso pra você e seu livro, meu caro!
W.J.Solha.

COMENTÁRIO SOBRE O TEXTO PIANCÓ: QUEM VAI CUIDAR DO NOSSO RIO?

Meu caro Clemildo, Pombal tem essa felicidade de ter filhos como você, filho que relata e traz guardado no peito uma história que agrada e reacende as lembranças de nosso tempo de banhos neste rio abençoado de tantas gerações. Obrigado pelas referências, este texto escrevi em momento de inspiração e de saudade. Um abraço fraternal, Paulo Abrantes

COMENTÁRIO SOBRE A POSTAGEM "Dr. Avelino, o médico: Uma das maiores lideranças Políticas de Pombal

Clemildo amigo,
Inicialmente os agradecimentos pela parte que me coube como médico filho de Pombal. Em seguida, parabéns pela homenagem feita ao Dr. Avelino. Abraços Carneiro Arnaud

Amigo Clemildo.
Além de brilhante, sua ideia foi por demais oportuna em homenagear a classe médica na pessoa do saudoso Dr. Avelino Elias de Queiroga.
Homenageando o inesquecível "Bolinha", você está resgatando com muita justiça um dos maiores expoentes de nossa história. Sua contribuição foi imensurável para com a nossa terra, não apenas como médico e político, mais sobretudo, como amigo, qualidades que lhe constituíram como um dos maiores líderes populares de Pombal e região.
Parabéns.
Abraços: Prof. Francisco Vieira.

POMBALENSES SAEM AS RUAS PARA VER A SUPER LUA

POMBALENSES SAEM AS RUAS PARA VER A SUPER LUA

FOTO DO ENCONTRO

FOTO DO ENCONTRO
EU E ROBSON PIRES

VISITA DE CORTESIA A RURAL AM E FM DE CAICÓ RN.

VISITA DE CORTESIA A RURAL AM E FM DE CAICÓ RN.
Visita de Clemildo a Rádio Rural 95 FM em Caicó. Na foto com Clemildo os comunicadores Ronyson Nery e Yanny Danniely.
Tecnologia do Blogger.

CLEMILDO FAZ VISITA DE CORTESIA A COLEGA DE PROFISSÃO EM CAICÓ RN.

Nesta quarta feira dia (02), estive na Rádio Rural de Caicó, ocasião em que visitei o colega Robson Pires (pombalense), que apresenta o Grande Jornal Rural da emissora; fiz-lhe o convite para prestigiar a solenidade da entrega da Medalha Epitácio Pessoa. "Conheci o Robson menino nas ruas de Pombal, ele tinha o apelido de Pelé e eu costumava dizer é o único Pelé branco. Hoje em Caicó ele é temido por suas reportagens e conhecido como o Xerife do Rio Grande do Norte"

POMBALENSE ASSISTE PELA TV ASSEMBLÉIA, SESSÃO ESPECIAL DA MEDALHA EPITÁCIO PESSOA.

Prezado Clemildo:
Impossibilitado de comparecer à Assembléia Legislativa para prestigiar o Ilustre conterrâneo no ato de recebimento da merecida Comenda, quando todos que o conhece, ficamos felicíssimos, venho, embora tardiamente, mas, nunca é tarde para recolher o seu grande valor, como profissional, como ser humano.
Submeti-me a uma cirurgia oftalmológica, mas fiz questão de ligar para o colega que me operou para que liberasse e fui liberado para assistir pela TV Assembléia, a tão honrosa Sessão Especial, ao lado de meu querido pai, aposentado dos Correios e Telégrafos, que com muito orgulho também prestigiou o filho do saudoso Seu Napoleão grande amigo dele.
Como médico orgulha-me de ser pombalense e de ter presenciado boa parte da sua crescente trajetória profissional no rádio.
PARABENS CLEMILDO BRUNET. DEUS CONTINUE TE ABENÇOANDO.
MANOEL ANGELO FILHO

AGRADECIMENTO!

Caro amigo Clemildo:
Agradeço sensibilizado pelos cumprimentos enviados na passagem do meu aniversário.
O tempo passa depressa e a gente nem sente. Eu sou muito grato a Deus pela longa vida que me deu, pela família com que me brindou e pelos amigos com os quais fui presenteado e entre os quais você se destaca.
Muito obrigado pela carinhosa homenagem, desejo a você e seus familiares um Feliz Natal e de um Ano Novo de muitas alegrias com as bênçãos de Deus.
Um grande abraço.
Ubiratan.

JORNAL "ALTO SERTÃO" DEZEMBRO/2014

JORNAL "ALTO SERTÃO" DEZEMBRO/2014
JORNAL "ALTO SERTÃO" EDIÇÃO ESPECIAL DE FIM DE ANO

CONDOLÊNCIAS

A passagem para o Oriente Eterno do Irmão Francisco Fernandes da Silva, conhecido por Bibia, esposo de Dona Cessa poetisa pombalense falecida a um ano, foi uma grande perca para a Maçonaria brasileira e para a nossa Pombal. Aos seus Familiares manifetamos sentimentos de pêsames rogando ao GRANDE ARQUITETO DO UNIVERSO que os iluminem e guarde para sempre. Alberto Salgado Bandeira e Fátima Bandeira

Caro amigo Clemildo!

Ao ler no seu conceituado Blog a noticia da morte do amigo Bibia, confesso que fiquei confuso por algum instante. Logo Bibia? Perguntei-me. É isso mesmo, ninguém pode fugir dos ataques traiçoeiros da maldita morte. Sem querer desmerecer os demais amigos e amigas, aqui em Pombal, dois casais de amigos faziam a diferença para mim: refiro-me ao compadre Belino e comadre Lili, ambos de saudosa memória e a Bibia e Cessa. Quantas e quantas vezes a gente se reunia lá na casa do alto para jogarmos conversa fora! Depois do falecimento de Belino e Lili, restaram-me Cessa e Bibia. E agora? Ora, só me resta preservar na memória os bons momentos de convivência harmoniosa que mantivemos por dezenas de anos. Bibia, peço ao Senhor Jesus que lhe dê a paz e a felicidade que você sempre desejou em vida. Ademais, tenho certeza de que o seu encontro com a sua amada Cessa será comemorado com grande festa patrocinada por todos os amigos que estão na eternidade. Aos filhos e netos desse belo casal que Deus reclamou, desejo-lhes muita paz e conforto, pois vale a pena lembrar que morte não é o fim, é apenas uma passagem de uma vida para outra, Aceitem todos meus sentimentos.
Ignácio Tavares

DE UBIRATAN LUSTOSA: RECEBI O LIVRO

Ubiratan Lustosa
Para CLEMILDO BRUNET
De:
Ubiratan Lustosa (ulustosa@ulustosa.com)
Enviada:
sábado, 29 de outubro de 2011 19:02:10
Para:
CLEMILDO BRUNET (brunetcomunicador@hotmail.com)
Olá, amigo Clemildo.

Recebi o livro "Riacho de Prata", de autoria do seu amigo Paulo Abrantes, e agradeço a sua gentileza de me enviar esse presente. Na primeira folheada já percebi que vou saber mais sobre a sua Pombal querida e isso me trará muita alegria. Por coincidência, gravei meu programa na quarta-feira, para ser apresentado domingo, e nele estará a música "Maringá", com Carlos Galhardo. Aproveitei para lhe mandar um abraço.
Renovo meus agradecimentos e envio um grande abraços a você, pedindo que seja extensivo ao autor Paulo Abrantes.
Ubiratan.
Curitiba - PR.
LINK: http://www.e-parana.pr.gov.br/modules/programacao/radioam_ao_vivo.php
DO PROGRAMA DE UBIRATAN, APRESENTADO ÀS 6 HORAS DA MANHÃ DOS DOMINGOS (NOSSO HORÁRIO).

SESSÃO SOLENE DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO SOLENE DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
EM SEU DISCURSO CLEMILDO FEZ UM RELATO HISTÓRICO DA RADIOFONIA POMBALENSE E LEMBROU VELHOS COMPANHEIROS!

COMENTÁRIOS: A EVIDÊNCIA DA MÚSICA BREGA...

Clemildo Brunet,
Sua matéria publicada sobre o BREGA é excelente e muito oportuna e irá contribuir para a aprovação do Projeto de Lei.
José de Sousa Dantas -Poeta e Escritor pombalense.

Adilson Ribeiro
clemildo brunet, parabéns pela matéria sobre o brega. As vezes eu acho que se Elvis presley fosse brasileiro, ele não passaria de um cantor de brega. Então eu só quero dizer que nao adianta fugir, qualquer cantor brasileiro é brega. Não pense que... Caetano Veloso é menos brega do que Waldick. A América, a Europa, nao gostam de brasileiros. Porque o próprio brasileiro não se gosta, quer ser americano de qualquer jeito. Ver se lá em nova york, tem alguma frase em portugues. Aqui no Brasil é pit stop, personal trainer, as propagandas de produtos é quase tudo em inglês. Temos que nos valorizar. Um cantorzão como o Nilton Cesar, se fosse americano, era o rei de qual coisa. Porque o americano se ama e ama seus idolos. Parabéns ao nobre deputado Tião Gomes, que dê certo sua iniciativa em relação ao brega.
Adilson Ribeiro - Cantor e Compositor.
Ananindeua, Brazil.

POSE PARA FOTO APÓS COLETIVA.

POSE PARA FOTO APÓS COLETIVA.
Radialista Clemildo Brunet ladeado pelo Vice Geraldinho e a Prefeita Polyana.

POSE PARA FOTO IMPRENSA, POLYANA E GERALDINHO

POSE PARA FOTO IMPRENSA, POLYANA E GERALDINHO

TIBURTINO GOMES DE SÁ: SEGUIDOR DO BLOG COM MUITA HONRA!

Seu blog, meu caro primo Clemildo é muito profundo e de muito conhecimento, próprio da família, que diz - "Sá quando não é inteligente demais é 'doido'" Brincadeira. Já sou seu seguidor com muita honra. Mais tarde estarei fazendo um "tourner" pelo blog! Saudações primo!
Sousa,11/10/2011
Tiburtino Gomes de Sá

É ASSIM QUE SE FAZ CIDADANIA

Caro amigo Clemildo.
O seu Portal está maravilhoso. Uma homenagem bem merecida. Os paraibanos reconhecem o seu valor, especialmente os pombalenses. É assim que se faz cidadania. É demonstrando amor pela terra onde nasceu. Patriotismo, por que não dizer. São valores que jamais a História de Pombal os excluirá de suas páginas. Você está de parabéns. Sinto-me feliz quando vejo um conterrâneo trazer ao conhecimento público o retrato falado do nosso Município, como pioneiro do Sertão Paraibano. Portanto, volto a dizer: Você merece mais do que a homenagem que lhe foi prestada pelo Poder Legislativo do Nosso Estado.
Forte Abraço.
José Santos DINIZ.

COMENTÁRIO DO DR. ELISEU JOSÉ DE MELO NETO NO FACEBOOK

Eliseu José De Melo NetoClemildo Brunet de Sá Agradeço muito. Você fez a minha biografia com muita precisão. Detalhes da minha vida que até por mim passava desapercebido, você publicou com precisão. Parece que teve ajuda de alguém muito próximo. Foi muito real. Felicidades! E muita saúde para você, que considero como um dos meus grandes amigos!
O RÁDIO AINDA É O MAIOR MEIO DE COMUNICAÇÃO!

FAZENDA RAMADINHA

FAZENDA RAMADINHA
4 JANEIRO 2009

JORNAL "ALTO SERTÃO" OUTUBRO 2014

JORNAL "ALTO SERTÃO" OUTUBRO 2014
JORNAL "ALTO SERTÃO" EDIÇÃO ESPECIAL FESTA DO ROSÁRIO DE POMBAL. OUTUBRO 2014

À MEMÓRIA DE DONA CESSA: EXEMPLO A SER SEGUIDO POR TODOS NÓS...

Estimado amigo Clemildo:
Lindo e comovente o seu artigo. Sinto-me honrado por você ter incluído nele a citação do meu texto sobre saudade. Na verdade, esse carinho que você e o povo de Pombal dedicam à memória de Dona Cessa é um exemplo a ser seguido por todos nós. Pessoas como ela sempre devem ser lembradas pela sua doação à coletividade e grandeza de sentimentos.
Parabéns, amigo, e um grande abraço.
Ubiratan.

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!
APRESENTAÇÃO DA CANTORA NARA CASTRO

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!
COMPOSIÇÃO DA MESA. AO CENTRO O PROMOTOR DE JUSTIÇA SEVERINO COELHO VIANA AUTOR DA OBRA LITERÁRIA.

COMENTÁRIO SOBRE O ARTIGO: LINDUARTE NORONHA: "uma saudade a mais, uma esperança a menos".

Caro Clemildo,
O seu artigo em homenagem ao cineasta Linduarte Noronha, é uma página feliz não só pela lembrança da morte daquele que viria inspirar o chamado Cinema Novo no Brasil, como nos trazer um relato inédito, do escritor Solha , de suma importância histórica para a compreensão daqueles que esperavam da película "O Salário da Morte" um desfecho feliz de vingança e vitória. Para melhor entender, nos anos 70, o longa-metragem "O Salário da Morte” foi e é, um registro histórico para o cinema paraibano, em especial para Pombal, como fator de notoriedade, como o foi Aruanda para o cinema nacional, devido ter surgido numa cidade interiorana de pequeno porte. Na época, Solha, surpreendeu o mundo artístico paraibano com o seu roteiro original debaixo do braço e partiu para a capital na busca de pessoas competentes e identificadas com a arte cinematográfica para dar asas a sua imaginação, ao seu projeto. Não entenderam que estavam diante de um jovem ousado, inteligente, de idéia privilegiada, um visionário do sucesso. Aí, aconteceu o pior, cortaram a luz da película, o seu roteiro original, aquele que se dirigia para o sucesso, dando lugar a uma tentativa frustrada. Solha, vendeu tudo, casa, carro, tomou dinheiro emprestado, e nada disso o abalou. Continua forte e firme como as aroeiras e baraúnas de nosso sertão e escrevendo divinamente e colhendo os bons frutos que a História Universal da Angústia lhe conferiu e a alegria do fantástico Árkadich lhe proporciona. Assim é o Solha, impávido colosso.
Paulo Abrantes

CONFRATERNIZAÇÃO DE ANO NOVO!

CONFRATERNIZAÇÃO DE ANO NOVO!
ALMOÇO FAZENDA RAMADINHA

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!
SEVERINO COELHO VIANA FAZENDO APRESENTAÇÂO DE SUA SÉTIMA OBRA LITERÁRIA.

AO IMORTAL POETA

AO IMORTAL POETA
RONALDO CUNHA LIMA

COMENTÁRIO SOBRE O TEXTO: A FESTA DO ROSÁRIO DE POMBAL OFICIALIZADA...

Parabéns, CLEMILDO, pelas suas excelentes e oportunas matérias publicadas em seu site na internet, referentes ao DIA ESTADUAL DA MÚSICA BREGA e à FESTA DO ROSÁRIO EM POMBAL, esta como você bem disse: “...EMBORA TARDE...”, mas agora instituída no calendário de eventos do Estado.
São matérias sumamente importantes para a divulgação e o fortalecimento da cultura do Estado, fazendo com que as pessoas tomem conhecimento e valorizem mais as manifestações culturais de Pombal e do Estado.
José de Sousa Dantas - Poeta e Escritor Pombalense

O ANIVERSARIANTE DE HOJE 30/06/12, COM A FAMÍLIA!

PARABÉNS CESSINHA...

PUBLICADO NO FACEBOOK POR EDMILSON PEREIRA

PUBLICADO NO FACEBOOK POR EDMILSON PEREIRA
Edmilson Pereira Silva - Aqui apareço ao lado de um grande amigo e uma referência do rádio paraibano, Clemildo Brunet de Sá

CLEMILDO ANIVERSÁRIO 1° DE AGOSTO

de Prepare-se está para Clemildo Brunet.

Parabéns!!! Este dia foi especialmente preparado pelo SENHOR; regozijemo-nos e alegremo-nos nele. (Salmos 118:24) Deus te abençoe grandemente

de Cassimiro Neto para Clemildo Brunet.

Parabéns! Hoje é mais um dia de festa. É o dia que celebramos o teu aniversário. E nesse dia festivo te cercamos de abraços e felicitações. Você é uma pessoa muito querida e por isso todos os teus amigos e parentes te desejam tudo de bom. E eu, presenteio você com essa singela homenagem. Porém repleta de todo o meu carinho. Que Deus te ilumine, todos os dias de sua vida! Abraços e FELIZ ANIVERSÁRIO!!

Cassimiro Neto.

de Elias para Clemildo Brunet.

FELIZ ANIVERSÁRIO!!

Afinal fazer aniversário é ter a chance de fazer novos amigos, ajudar mais pessoas, aprender e ensinar novas lições, vivenciar outras dores e suportar velhos problemas.

Sorrir novos motivos e chorar outros, porque, amar o próximo é dar mais amparo, rezar mais preces e agradecer mais vezes.

Fazer Aniversário é amadurecer um pouco mais e olhar a vida como uma dádiva de Deus.

É ser grato, reconhecido, forte, destemido.

É ser rima, é ser verso, é ver Deus no universo;

Parabéns a você nesse dia tão grandioso.

São os meus mais sinceros votos

Elias Mesquita

de Chagas Vitoriano para Clemildo Brunet.

Quero nesta data especial, rogar a Deus que sua vida seja plena de muitas felicidades, que a luz do Divino Redentor lhe ilumine a cada passo e que só coisas boas lhe aconteçam!!! Meus sinceros Parabéns!!!

Caro Clemildo,

Parabéns pelo seu aniversário!

Receba meus cumprimentos e os melhores votos de saúde e felicidades.

São passados 63 anos de nossas vidas, temos apenas um mês de diferença de idade. Sentamos no mesmo banco escolar da Igreja Paroquial de nossa infância querida em Pombal. Nunca duvidei que estivesse diante de um talentoso artista, pelo seu espírito irrequieto, inteligente e capaz. O tempo mostrou que ali em Pombal, residia um dos maiores radialistas do sertão. Este homem que foi agraciado com a maior condecoração da Assembléia Legislativa, a “Medalha Presidente Epitácio Pessoa” numa justa homenagem que lhe foi prestada no ano de 2010.

Quero lhe dizer neste 1º de agosto, neste alvorecer de sua nova idade, com as bênçãos de Deus, sua vida seja de paz e que seus desejos e projetos se realizem.

Com um grande abraço, do amigo de infância, Paulo Abrantes.

primo/amigo, Clemildo Sá, não poderia me furtar jamais de partilhar deste momento de alegria em sua vida, pela passagem de mais um aniversário na certeza de que você vem cumprindo sábio e fielmente com a doutrina que o Senhor lhe outorgou à ser cumprida no decorrer da sua estada neste plano de existência! Que Deus te abençoe sempre! E... FELIZ ANIVERSÁRIO!

Tiburtino Castelo Sá Gomes.

Clemildo Brunet, A equipa do Palco Principal deseja-te um feliz aniversário! Obrigado por continuares conosco. Que a música esteja sempre contigo! Parabéns!

A equipa do Palco Principal

DE VERNECK ABRANTES PARA GENIVAL TORRES

Genival Torres,

Agradecemos as suas palavras motivadoras e de alerta sobre a importância histórica de lembrar as datas marcantes da nossa cidade.

Na verdade, os 150 anos de elevação ao status de cidade, deveríamos ter estabelecido um marco dessa passagem, assim como ficou registrado a denominação do Bar Centenário quando dos 100 da nossa cidade, também nesse mesmo dia, citar o lançamento do livro do nosso Wilson Seixas: O Velho Arraial de Piranhas. Por quanto, até então, ficamos sem um marco de lembrança dos 150 anos do aniversário de Pombal. Que continue nos prestigiando com seus belos texto, onde mantemos em arquivo.

Um abraço com admiração,

Verneck Abrantes

BODAS DE OURO

BODAS DE OURO
Almir e Marlene em Natal Comemorando 50 anos de Feliz União Conjugal. Parabéns pelas Bodas de Ouro!

CHAMINÉ SESQUICENTENÁRIA

Prezado Clemildo,

Lembro aos meus ilustres conterrâneos, fui propositadamente bastante sucinto nas indicações no meu texto, Descaso ou Indiferença, para não ser prolixo. Ainda sensibilizado com a resposta do nosso ilustre escritor pombalense, Verneck Abrantes, e concordando plenamente com a sua indicação, mais ainda, e como referência para análise posteriori, caso Pombal queira deixar um marco material, paralelo, exposto à visitação pública, temos a Chaminé da Brasil Oiticica que poderia ser denominada Chaminé Sesquicentenária, como homenagem alusiva data, e de certa forma, tornando real a possibilidade de não se jogar por terra essa construção que é um marco na indústria da cidade. Transformando numa monumental peça da construção civil, um dos segmentos que fizeram, e que ajudaram a construir a história da nossa gente. Fraternal abraço a todos.

Genival Torres Dantas

CLEMILDO,

Como marco da passagem dos 150 anos da elevação de Pombal ao status de cidade, veja a ideia de Genival Torres Dantas: CHAMINÉ SESQUICENTENÁRIA. Com uma pequena praça no seu entorno e Pombal teria mais uma referência histórica e lugar para visitas turísticas, exposição de fotografias ou representações artísticas. Achei excelente o pensamento de Genival.

Um abraço,
Verneck

ENCONTRO DE POMBALENSES EM TERRA POTIGUAR.

ENCONTRO DE POMBALENSES EM TERRA POTIGUAR.
Nesta foto registro o meu encontro em terra potiguar com o conterraneo amigo e Empresário no Rio de Janeiro, Almir Almeida. Na conversa matamos saudades dos velhos tempos de nossa Pombal.

HOMENAGEM DA POETISA A CLEMILDO

HOMENAGEM DA POETISA A CLEMILDO
Mª DE LOURDES ALMEIDA PEREIRA DE ARAÚJO NA FOTO COM CLEMILDO

A PARAÍBA PERDE UM GRANDE ESTADISTA: RONALDO CUNHA LIMA!

A PARAÍBA PERDE UM GRANDE ESTADISTA: RONALDO CUNHA LIMA!

Um dos últimos políticos da Paraíba que soube honrar com altivez e destemor a prática da honestidade nos procedimentos com o erário público, esse sim, fez parte da geração onde a política era feita pelo o idealismo de servir ao povo a exemplo do Senador Ruy Carneiro e do Deputado Federal Janduhy Carneiro, assim era o poeta, ex vereador, ex- prefeito, ex-deputado estadual, ex-governador, ex senador e ex-deputado federal RONALDO CUNHA LIMA. A PARAÍBA NÃO SÓ PERDE UM POLÍTICO AUTÊNTICO, MAS UM GRANDE HOMEM QUE SOUBE REPRESENTÁ-LA MUITO BEM NO CENÁRIO NACIONAL. NOSSA SOLIDARIEDADE DE PESAR AO SENADOR CÁSSIO CUNHA LIMA, EXTENSIVO A TODA FAMÍLIA!

Clemildo Brunet - Radialista.

PARABÉNS AO AMIGO BIBIA

PARABÉNS AO AMIGO BIBIA
REGISTRAMOS COM GRANDE SATISFAÇÃO NA DATA DE HOJE 07 DE FEVEREIRO, O ANIVERSÁRIO DO AMIGO FRANCISCO FERNANDES DA SILVA, BIBIA, QUE DEUS LHE CONCEDA MUITOS E MUITOS ANOS DE VIDA E MUITAS FELICIDADES JUNTO A SUA ESPOSA CESSA E TODA FAMÍLIA. PARABÉNS E FELIZ ANIVERSÁRIO!

TWITTER X FACEBOOK

- Parabéns pelos temas enfocados através do seu BLOG. Vc é o Cara

: parabéns pelos cinco anos do seu blog. Conheço a sua garra e o seu profissionalismo. Siga em frente.

MARINGÁ - O NOME VERDADEIRO.

Graças à interferência de meu estimado amigo paraibano Clemildo Brunet, acabo de receber o livro do escritor Severino Coelho Viana "Maringá - o nome verdadeiro". Ele trás novas descobertas sobre a bela Maria do Ingá que Joubert de Carvalho resumiu para Maringá em sua composição famosa. A existência de Maria do Ingá, por algum tempo considerada pura imaginação poética,... Aos poucos ganhou contornos de realidade e já se descobriu até o verdadeiro nome dela. Já diversas vezes focalizei esse assunto em meu programa "Revivendo" e após concluir a leitura do livro voltarei a ele porque é muito interessante, especialmente para nós paranaenses que temos uma grande cidade com esse nome. Meus agradecimentos ao escritor Severino Coelho Viana e ao Clemildo Brunet.

Ubiratan Lustosa - Radialista paranaense.

7 DE SETEMBRO DE 2007

7 DE SETEMBRO DE 2007
TAYANE DEYSE- BALIZA, FILHA DO RADIALISTA E PROFESSOR CEZÁRIO DE ALMEIDA

7 DE SETEMBRO 2007

7 DE SETEMBRO 2007
PELOTÃO ESPECIAL HOMENAGEM A IMPRENSA POMBALENSE

LANÇAMENTO/AGRADECIMENTO

Estimado amigo
Clemildo Brunet:

Agradecemos pela reportagem que fez sobre o lançamento do oitavo livro de nossa autoria, intitulado de MARINGÁ – O NOME VERDADEIRO,
evento cultural realizado nas dependências do Pombal Ideal Clube.
Os Promotores de Justiça, Bertrand Asfora e Amadeus Lopes Ferreira, ficaram encantados pelo comparecimento maciço de tão seleto auditório assim como o nível cultural do povo de Pombal.
O seu artigo já repercute a nível estadual, pois a nossa caixa de e-mail está lotada, vamos lendo aos poucos.
Em nome de minha família, agrademos pela cobertura que deu ao evento. É neste caminho que Pombal deve apresentar os seus valores.
Sentimos que a cada lançamento aumenta o número de participantes, isto é uma prova inconteste do crescimento cultural de nossa terra.
Além do Blog Clemildo Brunet Comunicação, idêntica reportagem foi reproduzida no Portal Pombal e Rádio Opção.
O Caldeirão Político fez uma reportagem de todo o lançamento, através do radialista Chico Cardoso.

SEVERINO COELHO VIANA

7 DE SETEMBRO DE 2007

7 DE SETEMBRO DE 2007
HOMENAGEM AO LORD AMPLIFICADOR DE CLEMILDO BRUNET
PARA SATISFAÇÃO NOSSA E DE SEUS PAIS, REGISTRAMOS A VITÓRIA DA NOSSA COLUNISTA DO CANTINHO DA SAÚDE, DOUTORA Mª DO BOM SUCESSO LACERDA FERNANDES NETA, QUE FOI GRADUADA EM MEDICINA PELA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE NESTE MÊS DE JUNHO DE 2012. CESSINHA NETA É NATURAL DE PATOS MEMBRO EFETIVO DA ACADEMIA PATOENSE DE ARTES E LETRAS (DESDE 2009). ESCRITORA E POETISA TEM PARTICIPADO DE
AMOSTRAS DE POESIA E FOTOGRAFIA E PUBLICADOS ARTIGOS RELACIONADOS A SUA ÁREA DE ATUAÇÃO, EM JORNAIS, REVISTAS E SITES HAVENDO SIDO CLASSIFICADA EM SETE CONCURSOS PÚBLICOS. A CESSINHA, NOSSOS PARABÉNS!
contato: sucessomed@hotmail.com

PELOTÃO ESPECIAL 7 DE SETEMBRO 2007

PELOTÃO ESPECIAL 7 DE SETEMBRO 2007
HOMENAGEM A IMPRENSA POMBALENSE

SOBRE HOSPITAL NAPOLEÃO LAUREANO: "JUBILEU DE OURO PELA VIDA"

Caro Clemildo,

parabéns pelo magnífico relato sobre o Hospital Napoleão Laureano, sobretudo porque você deu enfoque merecidamente, a pessoa extraordinária de Dr. Antonio Carneiro Arnaud que exprime uma personalidade de sentimentos, espiritualidade e humanismo para com os seus conterrâneos, representando um orgulho para todos nós paraibanos. Dr. Carneiro, desempenhou um importantíssimo papel na sua formação, deu asas a sua expansão, que cabe repetir a frase do Ministro Alcides Carneiro: "Esta é uma casa que por infelicidade se procura e por felicidade se encontra" Parabéns a você e a ele.
Abraço, do amigo Paulo Abrantes.

Clemildo amigo,

Gostei muito do seu artigo. Você retratou com fidelidade toda a vida não somente do Hospital Napoleão Laureano, mas também da Fundação Laureano a entidade mantenedora, da qual foi Diretor Presidente o nosso conterrâneo Dep. Janduhy Carneiro e hoje tenho a honra de ocupar a tão importante função. Muito já foi feito, mas ainda existe muito para ser feito. Em breve estaremos instalando a Ressonancia Magnética e se Deus quizer tambem o PET-Scam. Divulgue tudo no seu BLOG que é muito consultado. Abraços Carneiro Arnaud.

Amigo Clemildo:

Muito oportuna a sua evocação da figura extraordinária de Napoleão Laureano. Meus parabéns pelo seu trabalho.

Um fraternal abraço do

Ubiratan.

Berta Leticia Wanderley Clemildo,parabéns, pela sua reportágem, sobre o Laureano, está muito boa mesmo! Nós estamos precisando do número do seu celular para entrarmos em contato com você,

7 DE SETEMBRO 2007

7 DE SETEMBRO 2007
HOMENAGEM A DIFUSORA GUARANI DE MANOEL BANDEIRA!

Seguidores

DE IGNÁCIO TAVARES PARA CLEMILDO

MENSAGEM DE IGNÁCIO TAVARES EM RESPOSTA AOS MEUS AGRADECIMENTOS...

Caro Clemildo
A minha amizade com vocês, pode-se dizer, é histórica. Os amigos, Clovis e Cláudio, ambos de saudosa memória, Carlos e você sempre formaram uma amizade sem fronteiras. Quanto ao seu pai e sua mãe dona Sinhazinha, guardo boas lembranças, pois frequentava a sua casa com certa liberdade, qual fosse um membro da família, dada a minha amizade com os meninos, como carinhosamente éramos chamados por nossos pais. Seja feita a sua vontade, o texto é seu e de toda família. Abraços Ignácio

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT
VICE PREFEITO DR. GERALDINHO E O RADIALISTA CLEMILDO BRUNET

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT
PREFEITA POLYANA E O RADIALISTA CLEMILDO BRUNET

JORNAL "ALTO SERTÃO"

JORNAL "ALTO SERTÃO"
CIRCULANDO - ESPECIAL ANIVERSÁRIO DE POMBAL. EDIÇÃO JULHO/ 2014

JORNAL "ALTO SERTÃO"

JORNAL "ALTO SERTÃO"
EM CIRCULAÇÃO A 3ª EDIÇÃO DO JORNAL "ALTO SERTÃO" JULHO DE 2014.

JORNAL "ALTO SERTÃO"

JORNAL "ALTO SERTÃO"
EM CIRCULAÇÃO A 2ª EDIÇÃO DO JORNAL "ALTO SERTÃO" DEZEMBRO DE 2013.

EM CAJAZEIRAS: OS MELHORES DO ANO 2007

EM CAJAZEIRAS: OS MELHORES DO ANO 2007
PROF DR. JOSÉ CEZÁRIO RECEBE COMENDA DE HONRA AO MÉRITO NO "LA FIESTA" EM CAJAZEIRAS NO DIA 23-02-2008.

PRESTIGIANDO A FESTA "MELHORES DO ANO 2007"

PRESTIGIANDO A FESTA "MELHORES DO ANO 2007"
CLEMILDO RECEBE OS CUMPRIMENTOS DE SEU VELHO COMPANHEIRO DA RÁDIO ALTO PIRANHAS RADIALISTA GERALDO NASCIMENTO EM 23-02-2008 CLUB LA FIESTA EM CAJAZEIRAS.

JORNAL"ALTO SERTÃO"

JORNAL"ALTO SERTÃO"
PRIMEIRA EDIÇÃO OUTUBRO/2013

SOBRE O ARTIGO "CLEMILDO BRUNET" DE ONÉLIA QUEIROGA.

Clemildo, li o que Onélia escreveu e lacrimejei... como me lembro da bolacha peteca e do pão doce... a peteca molhada no leite e frita com manteiga de garrafa... é demais a saudade... assino embaixo tudo que ela falou sobre vc.
Maryloide Brunet

ESCRIVANINHA DE CLEMILDO

ESCRIVANINHA DE CLEMILDO
COMENDAS RECEBIDAS EM 2007

COMENTÁRIO DE MARCIA REJANE SOBRE A POSTAGEM "ZEILTO: 25 ANOS,UM EXPOENTE DA COMUNICAÇÃO"

COMENTÁRIO DE MARCIA REJANE SOBRE A POSTAGEM "ZEILTO: 25 ANOS,UM EXPOENTE DA COMUNICAÇÃO"
Caro Clemildo, confesso que é muito gratificante e emocionante ler artigos que relatam histórias do meu amado e querido pai. Obrigado por guardar com tanto carinho, lembranças do saudoso Zeilto Trajano. Ass.Marcia Rejane (A caçulinha do Zeilto) Foto com Clemildo.

GREGÓRIO DANTAS

GREGÓRIO DANTAS
HOMENAGEM PÓSTUMA

ZEILTO TRAJANO DE SOUSA

ZEILTO TRAJANO DE SOUSA
HOMENAGEM PÓSTUMA

HOMENAGEM: VISITA DE CORTESIA E ENTREGA DE TEXTO!

HOMENAGEM: VISITA DE CORTESIA E ENTREGA DE TEXTO!
Na manhã deste dia 18 de janeiro de 2010, na sede do CECAN em Natal RN, o radialista Clemildo Brunet em visita de cortesia a Secretária Geral da Instituição, Sra. Joelma Alves, fez a entrega do texto: "OS 60 ANOS DA LIGA NORTE RIO-GRANDENSE CONTRA O CÂNCER". Na oportunidade, a Secretária agradeceu e parabenizou o radialista; porém, fez uma correção no parágrafo da DEPECON; onde se ler (17 vagas de residencia médica), leia-se 08 vagas R1, admtindo ter sido um erro do site da Liga.

SÉRGIO LUCENA

SÉRGIO LUCENA
HOMENAGEM PÓSTUMA

CONGRATULAÇÕES E JUSTIFICATIVA

Ignácio:
Sem dúvida Clemildo, foi um momento histórica pra voce e todos nós pombalenses que acompanhamos todo seu trabalho, assim como a sua vitoriosa trajetória no mundo do rádio e do jornalismo. Infelizmente, como já lhe expliquei fui um ausente nesta grande festa. Mas, onde estava, numa reunião demorada e cansativa, lembrava-me a todo momento, com uma ponta de tristeza por não estar presente. Tem nada não, noutras oportunidades nos encontraremos. O que conteceu foi apenas início de uma série de manifestação de reconhecimento do seu valor como abnegado homem de comunicação,com relevantes serviços prestados a comunidade do qual é parte integrante, Abraços Ignácio Tavares.

Caro amigo Clemildo:

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer ao amigo o convite da sessão da entrega da Medalha Epitácio Pessoa ao nobre repórter. Não pude comparecer, fato que já havia explicado a você por conta de exames de saúde que iria realizar na capital paraibana. Mas, acompanhei o desenrolar da sessão da Assembléia Legislativa, através da Rádio Liberdade FM 96,3. Gostei muito do que você falou lembrando as coisas do rádio de Pombal - PB. E naquele momento lembrei muito da campanha de prefeito do ano de 1976, embate que ficou marcado em minha memória, embora adolescente, via você na veraneio do PMDB, veículo que você mesmo denominou de amarelinho, como também do célebre comício da rua Capitão Lindolfo, mais conhecida como rua do Fogo, onde você, juntamente com José Coelho, hoje residente em São Paulo, anunciavam a presença naquele momento do grande orador e saudoso senador o Dr. Marcos Freire. Do amigo de sempre, Joaquim Candido da Silva Filho.

Postagens mais populares

Barra de vídeo

Loading...

EXCLUSIVO: ENTREVISTA DO CANTOR NILTON CESAR AO RADIALISTA CLEMILDO BRUNET

CLIQUE NO PLAY E OUÇA A ENTREVISTA.

COMENTÁRIO: A FAMÍLIA "ESPALHA" E SEUS MENESTRÉIS.

Gostaria de parabenizar o amigo professor Vieira pelo belo artigo sobre a família Espalha. Tive o prazer de conhecer um dos membros desta conceituada família o saudoso Bideca, seresteiro por ofício e boêmio por natureza. A sua ausência hoje sentida por todos que com eles conviveram me fazem refletir, "Belos tempos, Belos dias"
Adriano Fernandes

Caro Vieira, bom dia.

Somente hoje tomei conhecimento do seu artigo sobre os “Espalhas”, estava de férias e me desliguei de tudo.

Fiquei surpreso e emocionado com o artigo e a origem da palavra “espalha”, confesso que desconhecia esses detalhes.

Aquela rua em que morou Chico Espalha (por várias décadas), deveria ter o seu nome, porque ele foi um dos pioneiros dali, juntamente com meu avô “seu Otávio frandeleiro”, Euclides, Zé Branco, Julio Barbosa, e outros mais que não recordo no momento.

Infelizmente a intitularam Domingos de Medeiros, que talvez nem conhecesse o local e nem a família Espalha. Lamentável.

Agradeço em nome de todos os Espalhas em vida, e a lembrança registrada daqueles que se foram e fizeram parte do nosso convívio.

Até uma próxima oportunidade

Valdir Mendonça

AGRADECIMENTO

Meu amigo-irmão Clemildo, agradeço de todo coração os seus elogios com relação ao meu (nosso) passado pelo mundo radiofonico - principalmente em Pombal onde tudo começou.
Logo que cheguei em Cajazeiras na manhã da sexta-feira foram muitos amigos me informando da sua postagem no face book - (você tem seguidores que não acaba mais).
Também minha imensa surpreza da informação por parte da presidente da API Marcela Sintônio, o ex-presidente da nossa Associação João Pinto e vários e vários outros colegas da imprensa paraibana que foram a Cajazeiras para a festa da Reencontro e que são seus assíduos leitores-seguidores.
Por fim agradeço pelas gentis palavras dizendo; você foi generoso até demais para com esse seu discípulo.
Obrigado Irmão!!
Otacílio Trajano

CONGRATULAÇÕES / MEDALHA EPITÁCIO PESSOA.

Mary Loide Brunet:
Parabéns! Vc fez por merecer! Também fico muito feliz e honrada com a honra que lhe é reconhecida. Mary Loide.

Marcelino Neto:
Amigo Clemildo! Não pude comparecer ao seu evento maravilhoso. No entanto registrei na Espinharas de Patos o fato e acredite fiquei muito feliz pela sua conquista. Certamente entre tantos importantes nomes da radiofonia pombalense e paraibana o seu para mim é um dos maiores destaques. Um abraço professor!