CLEMILDO BRUNET DE SÁ

Uma baita esperança!

Rinaldo Barros
Rinaldo Barros*

Esta conversa é um papo reto, diante da proposta de Reforma do Ensino Médio. Tento mostrar que existe uma enorme expectativa em relação ao fato de que cientistas e profissionais da área de Educação possam responder prontamente, de modo competente e eficaz, às inúmeras e diversificadas demandas por métodos, materiais e projetos pedagógicos inovadores.
À importância política e econômica da Educação para o desenvolvimento da sociedade, soma-se ainda um aumento crescente do interesse pela Ciência e Tecnologia (de ponta) produzidas nos distantes laboratórios dos tigres asiáticos, dos Estados Unidos, da União Europeia e

X ARCO DAS CIÊNCIAS DO ESPAÇO EDUCACIONAL " ARCO-ÍRIS" SUPERA ANOS ANTERIORES

Zé Ronaldo
Por José Ronaldo Leite ( Zé Ronaldo )*

No dia 16 do corrente mês e ano de 2016, O Espaço Educacional " Arco-Íris " , situada em Pombal cidade interiorana do sertão da Paraíba realizou com maestria mais uma Feira De Ciências onde professores e alunos promoveram para o público, e pais presentes diversas atividades lúdicas,geográficas,históricas,cientificas,esportivas,literárias e

O homem e Deus

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

Muitos homens vivem sob os efeitos da dúvida, que termina por impedir o alcance da felicidade.
Distante de Deus, o homem caminha pela vida levado quase sempre pela boca dos outros, ou mesmo, pelos testemunhos de outras pessoas. Prefere  as orientações dos outros do que andar com suas próprias pernas. Na fé, duvida até da existência de Deus. É porque sua crença, por muitas vezes diante dos sofrimentos, de situações difíceis, e, acima de tudo por ser essa “fé” guiada por múltiplas emoções, ou, até mesmo, pelo que diz o vizinho, o padre, o pastor e

As tesselas engrandecem a parvoíce nacional – Amém!

João Costa
João Costa*

Para sua consideração - Três sentimentos formam essa convicção messiânica que embala o Brasil: O ódio represado, o fundamentalismo religioso que domina o país, e a parvoíce geral. As elites nativas sabem que a Nação é capaz de aceitar qualquer insulto – a História prova isso.
Ainda que o espetáculo da apresentação da denúncia contra o ex-presidente Lula pelo agora famoso procurador Dallagnol tenha se revestido de pregação raivosa com chavões do tipo “comandante supremo”, a certeza que emerge é a visão de um grande mosaico onde as tesselas se encaixam num plano, não como arte decorativa milenar, mas de assustadora inquisição. Base do xadrez do tipo: as provas não contam, mas a convicção. Nada que um PowerPoint não resolva – já que transparência não serve. As tesselas se encaixam e

Os meninos do quintal

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

Quem teve ou tem a oportunidade de viver em uma casa com quintal, sabe bem a importância desse pedaço de chão.
Hoje resido em um apartamento, mas são grandes as lembranças dos quintais da minha existência. Ainda criança residi com meus pais na cidade de Catolé do Rocha, ocasião em que morávamos numa casa que possuía um enorme quintal, repleto de árvores. Apesar da pouca idade, contudo, lembro-me bem do quintal. Recordo-me que por ali corria, brincava de pega, andava solto com o velocípede, sobia nas árvores e,

Estamos juntos

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

Quando foi virada a página da história política da Ex-Presidente Dilma Rousseff, com sua cassação do mandato, manutenção dos seus direitos políticos, o país entrava em novo ritmo com a posse em definitivo, do atual Presidente Michel Temer, e até 2018, saindo da posição incômoda de presidente interino, cujo termo e cargo não leva ninguém a lugar nenhum. Assim, os dias vão se passando e o ritmo administrativo do senhor Presidente tem se mantido aquém do desejo dos brasileiros, esses, ansiosos na espera que o país tome o caminho do desenvolvimento, necessariamente, não precisa ser em ritmo acelerado, mas, que retome o caminho do emprego para os 12 milhões de desempregados, por conta e

Gente das ruas de Pombal Dona Maloura

Jerdivan Nóbrega de Araújo
Jerdivan Nóbrega de Araújo*

Não sei bem a data de nascimento e da sua morte, o que não impede que eu faça uma homenagem a Maloura, o que vai ser completado, tantos pelos parentes como Socorrinha e Joao Maria de Cabine, que eram seus sobrinhos, como pelos que a conheceram na rua de baixo da Pombal da década de 1960.
Maloura era enfermeira e parteira. Morava na Rua de Baixo e era nossa vizinha do lado esquerdo. Defronte a casa de Maloura tinha um terreno baldio, onde se armavam os circos e também jogávamos futebol. A trave do lado oeste ficava exata na porta da sua casa. Era comum, e não havia como evitar, as boladas nas suas paredes e portas. Mas, por incrível que possa parecer, isso nunca irritou Maloura, já que pelo menos três dos jogadores eram seus sobrinhos (Zé Willame, Boró e João Maria). Mas, o que a deixava irritada mesmo era mexer com as plantas do seu jardim e,

Festa do Rosário de Pombal sem a visualização da PBTUR, mas é pra ser visto... COM OLHOS DE TURISTA...

Tarcísio Pereira
Por Tarcísio Pereira*

Tem uma coisa que eu nunca entendi: que Nossa Senhora do Bonsucesso seja padroeira da cidade e não Nossa Senhora do Rosário, que é quem dá nome à festa que mais tem badalado Pombal. Outra coisa: a Igreja do Rosário me parece mais bonita do que a Matriz do Bonsucesso, sempre um belo monumento que, segundo se diz na língua pombalense “foi construída pelos índios”.
A Capela do Rosário que passa o ano praticamente fechada com funcionamento somente aos domingos, perde para a Matriz nos dias normais, mas vira o altar de adoração durante estes nove dias de outubro enquanto a outra, relegada ao desprezo, fica fechada neste período e, nas suas proximidades instalam-se as barracas mais pobres, as mais “profanas, aquelas cujos frequentadores são os homens simples, os que vão tomar cachaça com linguiça e

Imagens

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

Se há algo importante na existência da humanidade é o que chamamos de imagem. E aqui não referimos apenas a imagem que os nossos olhos podem alcançar, mas também aquela muitas vezes criada e idealizada por nós mesmos.
A imagem é algo forte, que impressiona, que mexe conosco e pode nos levar para a tristeza, como também para a alegria. A imagem nos conduz para a contemplação de belezas exuberantes, que nos silencia e acalma o espírito. É o caso de sentarmos nas areias de uma bela praia e ali direcionarmos nosso olhar para um imenso mar, de águas límpidas, ora verdes, ora azuis, que vem e

Escolhas difíceis

Rinaldo Barros
Rinaldo Barros*

O homem contemporâneo conquistou grande número de direitos, impensáveis para sociedades anteriores. Era comum aos governantes realizarem suas vontades e disporem de seus súditos como bem entendessem.
É exatamente o desvirtuamento das políticas por algum “déspota” que pode pôr em perigo as conquistas populares, ainda bem recentes. Na Democracia, a alternância de Poder é imprescindível para que novos métodos políticos e administrativos sejam introduzidos.
É vazia a sugestão de que a permanência por mandatos seguidos seria reconhecimento por obra feita e