CLEMILDO BRUNET DE SÁ

UM AMOR ”GRANDE HOTEL” NAS RUAS DE POMBAL

Jerdivan Nóbrega de Araújo
Jerdivan Nóbrega de Araújo*

“Se a gente não tivesse feito tanta coisa
Se não tivesse dito tanta coisa
Se não tivesse inventado tanto
Podia ter vivido um amor Grande Hotel”
Segunda metade da década de 1950, a cidade de Pombal vivia o bucolismo próprio das cidades interioranas do sertão paraibano.
Alguns poucos Fuscas, Jeeps e duas ou três Aero Willys 2.600, além de meia dúzia de lambretas circulavam pela cidade.
Os Aero Willys 2.600 ainda eram os remanescentes do golpe que Mão de Onça deu na montadora Willys. A história é a seguinte: Mão de Onça, foi a São Paulo e por lá arrumou emprego na recém-inaugurada fábrica da Willys de São Bernardo do Campo, como motorista de cegonha. Um belo dia ele pegou uma carga para o nordeste, desviou-a para Pombal e
por aqui vendeu toda a carga. É uma longa história que o próprio Mão de Onça me contou e que eu pesquisei por anos sem achar indícios de verdade, o que pode ser apenas mais uma lorota do velho pescador.
A história de Mão de Onça serve apenas para ilustrar o clima de Pombal no final da década que ocorreu a nossa história de amor e paixão sem limites. Uma paixão tão forte que a distância e tampouco o tempo foram capazes de apagar do peito de um dos seus protagonistas.
O nosso Romeu era o que as mulheres da cidade diziam ser a bela estirpe de homem. Um Humphrey Bogart sertanejo, que circulava pelas ruas quentes de Pombal montado em sua lambreta, ao olhar das moças apaixonadas da cidade.
Tocava violão e gostava de fazer serenatas em noites de luar nas soleiras das janelas de jovens sonhadoras e enamoradas, para desespero dos pais aborrecidos e dos maridos traídos. Aos domingos, fazia piquenique à beira do velho Piancó com amigos das noitadas boêmia.
A esta altura o leitor mais jovem já está curioso para saber que figura era essa que arrebatava os corações das mulheres casadas e solteiras da velha Pombal. Para o desprazer do leitor direi o milagre, mas, guardarei o nome do santo e das tantas outras santas que ilustrariam essa história, muito embora os remanescentes da sua época, que hoje são poucos, se arrisquem em identificado a figura da qual estamos nos referindo.
Foram tantos os corações apaixonados que encontraram o aconchego, mesmo que momentâneos, nos braços do nosso galã das telas cinematográficas da vida real, que passaríamos horas aqui escrevendo as suas aventuras amorosas nas ruas, camas e becos da Pombal dos anos 50.
E entre as tantas e tantas e mais tantas mulheres que nosso herói seduziu irremediavelmente a alma e o coração, uma em particular acreditou piamente que aquele o amor era tão para sempre o quanto verdadeiro. Ela não entendeu que aquilo era apenas mais uma paixão vã, sem valor, uma coisa boba sem significado. Nada mais do que um momento na vida de um boêmio, como foi com tantas outras Madalenas as quais se posicionaram de olhar no horizonte com o seu “único e velho vestido cada vez mais curto”.
Passado o tempo veio a descoberta, a frustração e o gosto amargo de fel por tamanha decepção, na boca..
Se no peito destoado do bom vivant aquilo foi um momento como quaisquer outros, para a nossa Julieta foi amor verdadeiro que duraria para sempre. Mal sabia ela que para um boêmio o para sempre só dura até a próxima madrugada, que traz nas cordas do seu violão uma outra paixão de mariposa, que se vai com o apagar das luzes.
O nosso Romeu, que poderia muito bem ser de “Montecorvo”, era diferente da nossa Julieta que nem de longe era uma “Capuleto”: ela era apenas uma “Batista” uma “Silva”, da família dos tantos “Batistas” e dos tantos “Silva” da velha terra de Maringá: Francisca Batista da Silva é seu nome de pia, de fumaça, de cachaça e de muitos sonhos e desilusões.
Frustrada por um amor de serenata, que acabou na primeira madrugada a cabocla “que mais dava o que falar”, resolveu se retirar da cidade levando consigo as suas mágoas e no peito às lembranças do seu grande amor, como se fosse possível fugir de um grande amor.
Frustrada, Francisca Batista da Silva deixou a cidade e foi, como tantos outras “Batistas” e “Silvas”, se aventurar pras bandas de São Paulo, onde se casou, construiu uma família e poderia até ter sido feliz.
Poderia mais não foi! Não é o tempo nem a distância que faz esquecer um grande amor. Francisca Batista da Silva descobriu isso a cada minuto dos sessenta anos que o separou daquela paixão. Foge-se do mundo, mas, não se pode fugir dos seus sentimentos.
Nas páginas de um livro. Francisca Batista de Andrade encontrou o que não procurava: a lembrança das ruas onde foi menina moça; o nome das pessoas que com ela correram por aquelas mesmas ruas e lá num cantinho, perdido no meio de tantos outros, o nome do seu amor de juventude.
A família nunca entendeu o marcador sempre fixado na mesma página amarelada daquele livro. Difícil também era entender o porquê daquele livro sempre ao alcance das suas mãos já trêmulas.
Talvez fosse apenas a desenfreada saudade da cidade natal!
Segredos de coração não são para serem levados para o túmulo! Um belo dia Francisca Batista da Silva se cansou de carregar aquele peso sozinha e resolveu contar a história para alguém que queira ouvi-la.
Toma às mãos o livro “NA TELA DO CINE LUX DE POMBAL” e entrega a chave do seu segredo ao neto. Manda que ele o abra na página do marcador, e resolve contar para ele a história da sua vida. Em seguida pede ao neto que encontre o autor daquele livro, e peça que este lhes faças um único e talvez último desejo, já que aos 87 anos de idade a vida lhes é cada vez mais escassa.
E na era da internet e da comunicação cada vez mais fácil e mais rápida, o neto de dona Francisca Batista da Silva vai em busca de tão preciosa informação. Talvez ele estivesse muito mais curioso pela história do que a própria avó.
Então, um certo dia eu encontro uma mensagem no meu celular:
─ Olá, tudo bem? O Sr. é autor do livro “NA TELA DO CINE LUX DE POMBAL”?
Passei uns três ou quatro dias para responder, e de forma monossílaba, digitei:
─ sim!
Esperava que a continuação do diálogo se desse uns dois dias depois, mas, em menos de dois segundos veio a resposta.
─ Gostaria de falar com você.
─ Vá falando... Disse.
─ É uma história antiga. Então. … Estou há algum tempo procurando uma personalidade citada no seu livro...
─ Se estar no meu livro eu posso saber alguma coisa.
─ Você conhece ou tem contato com (...)
─ Muito mais do que você passa imaginar.
─ Ele ainda está vivo?
─ Chegando aos 90 anos de idade, mas, muito bem vivo. Por que?
─ Tenho uma avó, que foi namorada dele há várias décadas, também já está bem velhinha. Ela se casou depois, teve filhos, mas nunca o esqueceu. E como está muito doente, ela tem um antigo desejo de ao menos ter notícias dele. Sempre diz que foi seu primeiro amor. Então fui pesquisar para ter notícias dele, e realizar esse desejo de décadas. Uma história que eu cresci ouvindo.
─ É complicado. Respondi.
─ Eles tiveram até um filho que morreu, acho que com um ano de idade.
─ Como é o nome da sua avó?
─ ( N. B de A) Há possibilidade de contatá-lo de alguma forma? Mesmo que uma mensagem escrita, uma foto atual?
─ Sim, posso mandar uma foto dele.
─ Certo. Mas que seja uma foto atual. Ela quer saber como ele tá hoje.
─ É mais difícil do que você pensa. Teria que falar com os filhos. Ele tem esposa e talvez não queira reviver certas histórias.
─ O que puder nos mandar, fara uma senhora idosa e doente muito feliz. Estamos muito preocupados, e por isso gostaria de proporcionar essa alegria. Agradecemos imensamente.
Talvez dona Francisca Batista de Andrade tenha vivido, nos idos da década de 1950 um amor “Grande Hotel”. Um amor de capa, de revista de novela de rádio de sonho de adolescente.
E eu, convidado a fazer parte dessa história, tudo podia fazer e ao mesmo tempo sabia que nada era possível de se fazer, sem que uma das partes envolvidas voltasse a reviver capítulos de uma novela que talvez não lhes fosse mais interessante relembrar.
Mas, seria certo o meu silêncio? Seria certo ignorar o pedido de uma senhora ao fim da sua longa vida?
Um amor “Grande Hotel” sempre tem um final feliz ou, muitas das vezes um “continua na próxima edição”. Mas, a vida real não é uma novela da revista “Grande Hotel”.
Não é certo entrar na vida de pessoas, sessenta anos depois de certos fatos que lhes marcaram a vida e mais ainda sem pedir permissão aos envolvidos: o amor não deixa as mesmas marcas nos corações quebrados, e às vezes quando é emendado pode não ficar tão bem cicatrizado ao ponto de quem vê de fora achar que nunca foi colado.
O que me restou fazer por dona Francisca Batista foi enviar do seu amor, uma foto atual e a confirmação que ele tá bem. Jamais vou poder dizer para ela se os sentimentos dele correspondiam ao dela. Talvez tenha sido sincero.
A resiliência de lembranças tão distante, atravessando décadas, pode ser resistência de palavras sinceras ditas a dois. Não nos cabe um julgamento: e não o faremos.
A vida não passa de um eterno ciclo de esquecimento e reconhecimento do amor, com personagens que sempre estão ou esquecendo, ou se apaixonando por alguém.
Tem pessoas que se apaixonam, se envolvem e por diferentes motivos estão querendo esquecer – outros amores, outras situações, outros lugares até que as lembranças voltam do nada, como, por exemplo, numa página de livro, e traz tudo de volta.
E a flecha do tempo segue em frente!
Obs: O nome Francisca Batista da Silva é fictício, para reservar as partes, muito embora o neto não tenha pedido reserva..

*Advogado, Escritor e Pesquisador

2 comentários:

Espaço Cultural disse...

A história de um grande amor, inesquecível e enebriante como os próprios espaço e tempo no qual se desenvolveu, qual seja, a Pombal marcante da década de 50 do século passado, cujos ecos do pós-segunda grande guerra chegavam de forma avassaladora, a exemplo dos meios de locomoção que distinguiam classes sociais. Está de parabéns o grande escritor pombalense Jerdivan Nóbrega de Araújo por brindar-nos com tão oportuna crônica!

JERDIVAN NOBREGA DE ARAUJO disse...

Obg.primo.