CLEMILDO BRUNET DE SÁ

Apesar da epifania o Brasil segue seu rumo


Genival Torres Dantas*

Muitos foram os líderes religiosos, cientistas, místicos e filósofos que tiveram experiências epifânicas, dentre eles podemos destacar Jesus Cristo, Buda, Moisés, Estevão, Friedrich August Kekulé e Maomé, todos abarcados com seu povo com determinação sempre voltada nas suas conceituações profundas e pontuais. Para esses privilegiados de mentes e atitudes, o tempo e o espaço foram sempre generosos para com as suas filosofias e
a sensatez que sempre prevalecia nas suas manifestações profanas.
Temos convivido nos últimos anos, mais de uma década, com uma verdadeira atrofia política, com sucessivas perdas e danos ao nosso país, um prejuízo incomensurável ao mundo político que sempre teve o respeito e a consideração dos povos como um verdadeiro supino o alcance dos nossos intelectuais, mormente os mais devotados e politizados gestores da governança, em toda extensão territorial, o que não é pequena, nem mesmo fácil de ser conduzida, com tantas culturas regionais, balanceadas com influências das mais diversificas possíveis, mesmo porque, o Brasil é tido como um país multirracial, entretanto, com confluências para o bom senso, destacando-se daí o razoável espirito apaziguador e ponderado que sempre impregnou nossa raça.
Com a recente eleição de Rodrigo Maia para a presidência da Câmara Federal, político bastante experiente e calejado com as disputas políticas, os entreveros que formam o quadro da política nacional hão de serem disseminados, ao mesmo tempo eliminados pela inconsistência dos valores associados à formação do caráter improprio ao desenvolvimento do povo brasileiro. O Deputado Rodrigo Maia, conhece a teia do mundo político, com formação na área econômica, portanto, moldado aos problemas que perturbam a nossa economia, deixando indigesto todas as áreas afetas e dependentes dos malefícios e benefícios que o mundo financeiro pode facilitar ou não para o desenvolvimento e retorno de qualquer setor público. Essas características, do Rodrigo Maia, tornam-se lenitivos associados a sua juventude na luta contra a inercia gerada dentro da administração pública federal, tornando o país capenga, moroso e carcomido pela sua própria ineficiência para destravar a nossa economia e deixar que a nação tome um rumo em direção aos seus objetivos mais simples, prevalecendo uma boa política na saúde, na educação e segurança, o tripé tão desejado, minimamente, para que tenhamos um pouco de cautela e determinação na nossa labuta diária.
Reconhecemos que temos uma economia desastrosa e desastrada, não temos mais o espírito competidor, estamos sendo superados por países menores e de economia menos desenvolvida que os nossos concorrentes diretos e indiretamente, claro que cometemos nossos erros e equívocos no decorrer dos últimos tempos, fomos atropelados por um projeto de poder, implementado por políticos amadores, sem nenhum conhecimento dos problemas inerentes ao surgimento dos encalhes e intempéries que sempre surgem na condução de um processo ou projeto que desenvolvemos. Por conta dessa formação vazia perdemos tudo, ou quase tudo, que foi feito no campo social, os ganhos realizados nesse interim foram praticamente absorvido por uma inflação que veio lenta e silenciosamente corroendo toda gordura acumulada, levando, principalmente, os assalariados ao apavorante mundo do desequilíbrio e desconforto de não ter como manter seu padrão de vida, que surgiu e evaporou em tão pouco tempo.
Esperamos que nesse segundo semestre, depois do recesso, o Congresso Nacional, possa definitivamente, tornar a governança nacional viável, oferendo ao presidente interino, Michel Temer, os instrumentos necessários, principalmente com segurança jurídica, para que tudo volte ao normal, dentro de um prazo razoável e que possamos enxergar a luz, tão necessária, no fundo do poço em que nos encontramos. A questão política, com afastamento da Presidente Dilma Rousseff, seja efetivamente resolvida, que tenhamos o bom senso de darmos um prazo ao presidente em exercício para que ele possa trabalhar com a razoável tranquilidade tão necessária a todo e qualquer homem que precisa trabalhar com os olhos no futuro de pequeno, médio e curto prazo.
*Escritor e Poeta

www.genivaldantas.com

Nenhum comentário: