CLEMILDO BRUNET DE SÁ

UM PAI

Jerdivan Nóbrega de Araújo
Que pare o tempo!
E traga de volta as histórias contadas por ele.
Que traga de volta seu afago espontâneo
E o nosso abraço reprimido.
Quero de volta seus passos apressados a nos procurar
Pelas ruas de Pombal
E seu sorriso aberto ao nos encontrar.
Sorrir das nossas travessuras
Onde outro haveria de espancar.
Que ele nos pegue novamente pelas mãos
Para tomar a benção à mãe Lourdes
Que nos leve de volta ao banho no Araçá.
No rio ensinando-nos a nadar
Na vida ensinando-nos a respeitar.
Que seu conselho seja mais do que uma lição
Que pare o tempo,
Para que ele possa ensinar aos meus filhos
O que o tempo não me dá tempo de ensinar
Que possamos agora lhe dizer
Que suas lágrimas por nós
Não foram em vão.
Que aprendemos cada lição!
Queremos outra chance de poder dizer
Que ao escolhê-lo como pai,
Se é que é assim que funciona,
Estávamos certos deste antes de nascer.

Nenhum comentário: