CLEMILDO BRUNET DE SÁ

Celso Furtado: Um Pombalense duas vezes indicado ao Nobel de Economia

Jerdivan Nóbrega de Araújo
Jerdivan Nóbrega de Araujo*

O Pombalense Celso Furtado foi indicado ao Nobel de Economia por sua contribuição ao estudo de economias de países em desenvolvimento, no ano de 2003. O segundo mais cotado, naquele ano era o indiano Amartya Sen, que como Celso estudava o desenvolvimento econômico para países subdesenvolvidos, mas que já havia sido premiado em 1998.
As teorias de desenvolvimento econômico de Amartya Sen e a do Celso Furtado são bem próximas uma da outra. Isto, talvez, por suas origens e suas raízes. Não é difícil de se comparar a distribuição de renda da Índia, onde nasceu Amartya Sen com a do sertão Brasil onde nasceu Celso Furtado. Os dois, portanto, naquele ano poderiam ter dividido o prêmio.
Os dois cientistas buscavam em suas teorias respostas para perguntas como: Que é a pobreza?
Os dois cientistas buscavam em suas teorias respostas para perguntas como: Que é a pobreza? Como se mede? Quem são os pobres? Por que são pobres? A diferença entre os dois é que, mais do que buscar as respostas, Celso Furtado apresentou soluções através da criação de instrumentos que proporcionasse uma filosofia desenvolvimentista voltada para o homem.
Lembro que quando o Economista Delfim Neto cunhou a famosa frase “fazer o bolo crescer para depois dividir”, o Celso disse não ser possível esperar o crescimento das riquezas para poder fazer a distribuição. “Só haverá verdadeiro desenvolvimento - que não se deve confundir com crescimento econômico, no mais das vezes resultado de mera modernização das elites - ali onde existir um projeto social subjacente’.
Coincidentemente, no Governo Lula, que teve para o seu programa de governo a colaboração do Celso Furtado, deu-se início a uma distribuição de riquezas, através dos programas sociais que, apesar de muito criticados por serem  programas assistencialistas, foram  reconhecidos  pela ONU com os  mais eficientes já implantados no Brasil. Quanto ao fato de ser assistencialista, temos que admitir que, sem uma política de assistência não há como tirar da miséria absoluta os bilhões cidadãos do mundo que vive com menos de 1,3 dólares por mês. É preciso não esquecer que 8 bilionários têm juntos mais dinheiro que a metade dos mais pobres do mundo.
Claro que a forma mais eficiente e correta de distribuir renda é através do acesso à formação profissional e a criação de oportunidades de empregos, porém, como dizia Betinho: “Quem tem fome tem pressa”
O Prêmio Nobel é uma “comenda” capitalista e não socialista, e há quem diga que, o fato de Celso Furtado defender uma teoria econômica desenvolvimentistas, porém com distribuição imediata das riquezas geradas pelo estado, ele acabou por fazer um contraponto aos interesses capitalistas isto somado a sua oposição a  ALCA.( A Área de Livre Comércio das Américas, foi uma proposta feita pelo presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, durante a Cúpula das Américas, em Miami, no dia 9 de dezembro de 1994, com o objetivo de eliminar as barreiras alfandegárias entre os 34 países americanos, formando assim uma área de livre comércio)
Celso Furtado tinha uma opinião firme contra a ALCA. Certa vez ele disse: “A ALCA seria um perigo para o Brasil. Escrevi sobre isso, claramente mostrando que a ALCA é uma manobra dos Estados Unidos para retificar e consolidar a sua posição imperial. Ninguém tem dúvidas sobre isso: a ALCA não foi pensada por ninguém fora dos Estados Unidos, só por eles. Eles fizeram um projeto próprio. Porque eles têm hoje em dia um problema sério de balança de pagamentos, eles têm um desequilíbrio profundo na balança de conta corrente e precisam corrigir isso. Eles querem, portanto, que o mundo se adapte, crie condições para eles continuarem avançando e exercendo o seu poder imperial
Quando no dia 10 dezembro de 2003 foi anunciado prêmio Nobel para os Economistas matemáticos Robert F. Engle III (EUA) e Clive W.J. Granger (Reino Unido), não causou surpresas tanto quanto indignação ao meio cientifico. A sua teoria voltada ao grado dos capitalistas: "Pelo desenvolvimento de métodos estatísticos que ajudam a analisar os riscos do mercado financeiro" vencia o que mais Celso Furtado combatia, ou seja: a proteção ao capital especulativo que não traz desenvolvimento aos pais pobres nem distribui riquezas.
O professor Marcos Formiga, (Assessor Especial da CNI/SENAI-DN Professor do LEF/UNB Vice- presidente da ABE.) escreveu que o nome de Celso Furtado foi indevidamente desconsiderado pelo Comitê de Julgamento e que para se compreender as razões, um tanto óbvias, era bastante observar a lista de ganhadores do Nobel em Economia, desde 1969, quando foi instituída essa última modalidade. Lá, escreveu o professor, “é possível se comprovar injustificáveis ausências de nomes fundamentais e autores de obras seminais que estudaram a pobreza e as desigualdades sociais e regionais.
Dentre quase 60 premiados, penas três ou quatro se dedicaram à pesquisa heterodoxa do processo de desenvolvimento econômico, como Ragnar Nurkse (norueguês), Gunnar Myrdall (sueco) quem melhor explicou a pobreza asiática, Arthur Lewis cidadão britânico de Santa Lucia; e mais recentemente Amartya Sen, embora indiano teve de passar pela presidência da Sociedade Americana de Econometria para chegar ao merecido Prêmio. Comenta-se entre os apreciadores do Nobel, que José Saramago, primeiro Prêmio em Literatura para um autor de Língua Portuguesa, teria questionado: “Por que não, Jorge Amado?” Da mesma forma, Amartya Sen, colega de Celso Furtado em Cambridge, teria comentado “ninguém mais do que Furtado mereceria o Nobel de Economia”.
Celso furtado voltou a ser indicado para o Nobel no ano 2004, vindo a falecer antes da eleição da Academia Nobel.

*Escritor e pesquisador da história pombalense

Nenhum comentário: