CLEMILDO BRUNET DE SÁ

ANÚNCIO DO GOVERNANTE

Severino Coelho Viana
Por Severino Coelho Viana*
            A chamada propaganda institucional, que deveria ser chamada de anúncio do governante, desvia sutilmente a finalidade constitucional que foi posta, pois o caráter educativo, a informação e a orientação social, na verdade, não ela não passa do endeusamento do governante do momento, nas suas três esferas: federal, estadual e municipal.
            O século XX foi palco de grandes mudanças para a sociedade, uma delas foi a evolução e

Desconcertante ironia, a vingança dos incautos

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

            Estamos encerrando o mês de março (31), consequentemente o primeiro trimestre se fecha com muitas ações interpostas e outras sem terem sidas colocadas em prática, não muito diferente do quarto trimestre do ano anterior, quando restava a esperança que no próximo ano tudo seria diferente, ledo engano!
            A Copa do Mundo de Futebol continua sendo tocada a qualquer custo, e que custo! Não tenha dúvida que teremos copa aqui no Brasil, os estádios estarão prontos com seus anexos provisórios, para essa finalidade, e apenas essa, a copa, os governos, nos seus três níveis, municipais, estaduais e federal, tenham que arcar com o ônus da soberba e prepotência da FIFA.
            Já fica evidenciado, grande parte das obras de mobilidades urbanas, a única herança que ficará para uso continuado desse megalomaníaco projeto, ser sede de uma Copa na hora errada e

NO TEMPO DAS CAVALHADAS

Ignácio Tavares
Ignácio Tavares*
            Por acaso vocês já ouviram falar no verdadeiro significado de uma prática esportiva denominada “As Cavalhadas”? Alias existe aqui no município um sitio conhecido pelo nome de As Cavalhadas.
            A que se deve tão estranha homenagem? Com certeza devia ser um proprietário adepto do folguedo em questão que há muito tempo deixou de fazer parte das festividades em homenagem ao Divino Espírito Santo, aqui na nossa terra.
            Pois é,

60 ANOS DO CINE LUX DE POMBAL



VALE APENA VER ESTE VÍDEO, ELE TRAZ MUITA RECORDAÇÃO DO CINE LUX DE POMBAL. UMA PRODUÇÃO DE JÚNIOR TELMO. VERDADEIRA RELÍQUIA!

60 ANOS DO CINE LUX DE POMBAL

Verneck Abrantes
Verneck Abrantes*

Tudo começou no ano de 1953, quando o construtor Chiquinho Formiga iniciou a construção do Cine Lux, sendo inaugurado no ano seguinte com a presença do cantor Luiz Gonzaga. Localizado na Rua Jerônimo Rosado, o grande prédio tinha excelentes condições para projeções cinematográficas, sendo o local também aproveitado para show, peças de teatro, conferências, debates políticos etc.
            Em 1956, o cinema foi vendido para Afonso Mouta, que exibiu seu primeiro filme, denominado: “A Mulher que Perdi”, uma película mexicana, e,

As folhas amarelam enquanto os corações não se enternecem

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

O verão partiu deixando um rastro de inúmeras ações de consequências ainda por serem avaliadas, com resultados iniciais, e de imediatas sequelas, bem definidas nas nossas respectivas regiões, com  características bem delineadas. Por ter sido um dos mais quentes verão dos último tempos, por conseguinte, o nordeste brasileiro e o centro-sul  foram submetidos a uma das mais longas estiagens já registradas na memória do nosso povo. Como é peculiar à região nordeste, a ausência de chuvas, mais uma vez, fez o nordestino sofrer com seus dramas humanos, colocando em retirada grande parcela daquela população tão judiada e

COMUNICADO:

Foto em Cajazeiras 
O Radialista, Blogueiro e Colunista Clemildo Brunet de Sá se submeteu na última terça-feira dia 18 em Cajazeiras a cirurgia de catarata no olho esquerdo. Por este motivo ficará ausente por alguns dias deste portal. No entanto, está apto a receber visitas em sua casa, mensagens para postagens em seu blog, através do e-mail: brunetco@hotmail.com que serão postadas por sua esposa Nalba no referido portal. Clemildo Agradece ao casal José Cezário de Almeida e sua esposa Francisca Feitosa pela acolhida em seu apartamento e toda assistência  na cidade de Cajazeiras, bem como todo encaminhamento para a cirurgia junto à clínica do Dr. André Luíz. Desde já agradecemos as mensagens de apoio e solidariedade em favor de seu pronto restabelecimento. 

Nas águas de março há defecções e desatinos

Genival Torres Dantas
Genival Torres Dantas*

Os acontecimentos políticos ocorridos no decorrer da semana que se finda me remeteram aos anos 1960, quando tivemos a vitória e renuncia do ex-presidente Jânio da Silva Quadros, do Partido Trabalhista Nacional (PTN), apoiado pela União Democrática Nacional (UDN), e a tumultuada posse do vice-presidente João Belchior Marques Goulart, eleito pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), à época a legislação eleitoral em vigência permitia o eleitor votar no presidente de um partido e o vice de outro.
Depois de longas negociações e

ERA FELIZ E NÃO SABIA

Francisco Vieira
Francisco vieira*

            Muitos ditados estão na boca do povo, porém, nem todos condizem com a verdade. Dizer por exemplo que vida boa e mulher são a do vizinho é no mínimo uma precipitação, pois não conhece os problemas das pessoas e nem paga suas contas. Aquele que diz: a grama do vizinho é mais verde, certamente não sabe o tipo de erva daninha que a corrói.
            Conceitos assim são comparações errôneas da vida dos outros. Consiste num sentimento de baixa estima ou de admiração por outrem. É que muitos só dão valor ao que tem quando perdem. Costumam não olhar o que tem a sua disposição, reclamam insatisfeitos, enquanto outros desejam ter a sua vida.
            A esse respeito, com muita propriedade, disse Rafael Silveira: “não é necessário perder para valorizar, mas, antes valorizar para não perder”. Entretanto, é comum o ser humano não dar importância a pessoa amada, pais, família, amigos, saúde, emprego e

Cinema O som ao redor

Acaba de sair o no. 77 da Revista Brasileira, da Academia Brasileira de Letras, para a qual, a convite de seu diretor -  Marco Lucchesi -, escrevi um artigo sobre o filme O SOM AO REDOR:

W.J. Solha
W. J. Solha

O SOM AO REDOR, no meu caso, começou pelo da ópera
Dulcineia e Trancoso, a primeira armorial, libreto meu, música do
maestro Eli-Eri Moura, na noite da estreia, 26 de novembro, 2009,
Teatro de Santa Isabel, Recife. Subi ao palco, mais o compositor,
para a reverência final ante os aplausos do público, e isso foi decisivo:
dias depois recebi ligação do cineasta pernambucano Daniel Aragão,
dizendo-me que era o produtor de elenco do longa de Kleber Mendonça
Filho e

CASA DE ZUMILA POR TRÁS DO GRANDE HOTEL E AS CHEIAS DO RIO PIANCÓ

Jerdivan N. Araújo
Jerdivan Nóbrega de Araújo*

A seca impiedosa que assola o sertão paraibano e transforma o rio Piancó em um risco molhado em sua passagem por Pombal, me leva de volta ao reverso dessa situação: o inverno redentor que levava o nosso rio a transbordar de uma margem á outra, ilhando as comunidades do lado oeste das suas margens.

A temporada de chuva chegava, e com ela os relâmpagos e trovões que faziam estremecer o chão de Pombal. Preocupava-nos a capacidade de armazenamento do açude de Coremas: havia a dúvida se a velha barragem haveria de sustentar a força das águas, ou se seria cumprida a profecia de que um dia aquele açude ia “arrombar” e

CADA SECA UMA HISTÓRIA

Ignácio Tavares
Ignácio Tavares*

            O fenômeno da seca no semiárido nordestino tem registro histórico desde 1583 quando o padre Fernão Cardim ao adentrar a região deparou-se com uma caravana de cinco mil índios que estavam a buscar um lugar seguro, onde existissem águas entre outros recursos, que pudessem oferecer condições de sobrevivência.
        Na sequência, dezenas de outras secas aconteceram provocando as mesmas retiradas os mesmos flagelos, mortes, longe dos olhares dos mandatários da coroa portuguesa. Não havia a quem recorrer a fim de minorar o sofrimento de milhares de seres humanos entregues à própria sorte
  A mais devastadora seca, na época do império, aconteceu em 1877. Há relatos de que milhares de pessoas morreram de cede e

A utilidade e o amor

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

Recentemente recebi um vídeo que me chamou muito atenção, principalmente pela verdade da situação ali posta pelo Padre Fábio de Melo, que com muita propriedade fala sobre a utilidade das relações humanas e o amor.
De forma proficiente, a citada reflexão procura demonstrar que na grande maioria das vezes, nas relações entre as pessoas, há o toque inquestionável da utilidade, ou seja, o homem apresenta-se prestativo, afável, solícito e amigo, pois sabe que algo de útil pode arrancar da outra pessoa. É aquela história, em muitas ocasiões emerge o pensamento de que a pessoa que se encontra ali próximo gosta de você, mas na verdade nem sempre isso é verdade, pois possa ser que aquela pessoa que lhe circunda esteja apenas interessada no que você pode fazer por ela.
Evidentemente que não são todos os circunda que agem sob a utilidade, mas não podemos desconhecer o fato de que existem realmente os seres que vivenciam essa utilidade.
Com sapiência, enfoca, ainda, que o período da velhice é o tempo onde com clareza o ser humano consegue enxergar e

Quando os anos parecem travesseiros

Genival Dantas
Genival Torres Dantas*

Quando os anos parecem travesseiros

Genival Torres Dantas*

Quando atingimos a idade mais conhecida como da experiência, ou da terceira idade, somos invadidos por um sentimento de responsabilidade e tolerância bem acima daquelas que comumente tivemos até atingirmos esse patamar. É aí que os anos parecem travesseiros a amortizar os problemas acumulados, acomodar a cabeça de forma a direcionar os pensamentos em direção a objetivos menos arrojados e

DIVERSIDADE HUMANA DA MULHER!

Clemildo Brunet
CLEMILDO BRUNET*

            A data 8 de março celebra-se o Dia Internacional da Mulher. Queremos neste artigo prestar nossa homenagem a ela, símbolo de beleza e candura, que tem ocupado espaço na sociedade em suas conquistas, chegando a ter funções das mais graduadas não somente aqui no Brasil, mas também, em outros países deste planeta.

UM POUCO DA HISTÓRIA...

É um dia comemorativo para celebração dos feitos econômicos, políticos e sociais alcançados pela mulher.
A ideia da existência de um dia internacional da mulher foi inicialmente proposta na virada do século XX, durante o rápido processo de industrialização e

Plano Real, um projeto de nação

Genival Dantas
Genival Torres Dantas*

Para falar do sucesso do Plano Real, precisamos fazer uma retrospectiva de planos anteriores e a dissertação de alguns fracassos inevitáveis e algumas moedas que circularam em nosso país. O Real foi a primeira moeda a circular no Brasil, desde o seu descobrimento (1500) e início da colonização, até 1942, portanto, num período superior a 400 anos. A sua longa vigência deu-se em decorrência do período de sua existência, quando era praticado, ainda, o sistema de troca entre os povos.
O governo de Getúlio Vargas, já no final de 1942, se viu obrigado a trocar a moeda brasileira e